domingo, 31 de janeiro de 2016

EBD Editora Betel - Administrando as Finanças no Lar


Texto Áureo

“Olha pelo governo de sua casa e não come o pão da preguiça.” Pv 31.27

Verdade Aplicada

Uma das áreas de nossas vidas que mais requer disciplina e responsa­bilidade é, sem dúvida, a financeira.

Objetivos da Lição

      Mostrar que o orçamento e o planejamento financeiro são es­senciais no lar;
      Ressaltar que gastar é fácil, di­fícil é ganhar;
      Deixar claro que, com o crédito fácil, o consumo aumenta.

Textos de Referência

Ec 5.19      E quanto ao homem, a quem Deus deu riquezas e fazenda e lhe deu poder para delas comer, e tomar a sua porção, e gozar do seu trabalho, isto é dom de Deus.
Ec 10.19    Para rir se fazem convites, e o vinho alegra a vida, e por tudo o dinheiro responde.
Lc 14.28    Pois qual de vós, queren­do edificar uma torre, não se assenta primeiro a fazer as contas dos gastos, para ver se tem com que a acabar?
Lc 14.29    Para que não aconteça que, depois de haver posto os alicerces, e não a podendo acabar, todos os que a virem comecem a escarnecer dele,
Lc 14.30    Dizendo: Este homem co­meçou a edificar e não pôde acabar.

EBD Editora Betel - Preservando a Ética no Matrimônio


Texto Áureo

“Todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas convêm; todas as coisas me são lícitas, mas nem todas as coisas edificam” 1 Co 10.23

Verdade Aplicada

Não devemos expor o cônjuge quan­do estivermos enfrentando uma si­tuação desconfortante e conflitante do nosso relacionamento conjugal.

Objetivos da Lição

      Abordar sobre os segredos do ca­samento;
      Salientar que a ética evita cons­trangimentos futuros;
      Ressaltar que o casamento é uma bênção, desde que haja respeito e que cada um cumpra a sua responsabilidade.

Textos de Referência

Tt 2.2         Os velhos, que sejam sóbrios, graves, prudentes, sãos na fé, na ca­ridade e na paciência;
Tt 2.3         As mulheres idosas, seme­lhantemente, que sejam sérias no seu viver, como convém a santas, não caluniadoras, não dadas a muito vinho, mestras no bem;
Tt 2.4         Para que ensinem as mu­lheres novas a serem prudentes, a amarem seus maridos, a amarem seus filhos,
Tt 2.5         A serem moderadas, castas, boas donas de casa, sujeitas a seus maridos, a fim de que a palavra de Deus não seja blasfemada.
Tt 2.6         Exorta semelhantemente os mancebos a que sejam moderados.

EBD Editora Betel - Cultivando o Diálogo, a Renúncia e a Tolerância


Texto Áureo

“Para se conhecer a sabedoria e a instrução; para se entenderem as palavras da prudência” Pv 1.2

Verdade Aplicada

O homem sábio é aquele que ou­ve e pratica a Palavra de Deus. Ele constrói sua casa e seus relaciona­mentos sobre fundamento sólido.

Objetivos da Lição

      Deixar claro que o diálogo é a base de qualquer relacionamento humano;
      Explicar que em todas as áreas da vida é preciso renunciar a algu­ma coisa;
      Ressaltar que aprender a ser to­lerante com as outras pessoas é um dever cristão.

Textos de Referência

Ef 4.2         Com toda a humildade e mansidão, com longanimidade, suportando-vos uns aos outros em amor,
Ef 4.3         Procurando guardar a unidade do Espírito pelo vínculo da paz.
Fp 2.2        Completai o meu gozo, para que sintais o mesmo, tendo o mesmo amor, o mesmo ânimo, sentindo uma mesma coisa.
Fp 2.3        Nada façais por contenda ou por vangloria, mas por humil­dade; cada um considere os outros superiores a si mesmo.
Fp 2.4        Não atente cada um para o que é propriamente seu, mas ca­da qual também para o que é dos outros.

segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

EBD Editora Betel - Vivendo a Felicidade no Lar


Assembleia de Deus CONAMAD
Lição 06 – 07 de fevereiro 2016
Revistaebd Revista escola bíblica dominical editora betel conamad Passagem bíblica trecho bíblico bíblia como estudar teologia bíblia escola dominical escola dominical betel escola biblica betel escola bíblica betel escola dominical conamad auxilio professor ajuda professor subsídio professor auxílio professor subsidio comentario ebd comentário bíblico ebd professor mestre comentário biblico escola dominical comentario biblico escola bíblica comentario bíblico pregação pregador palestra estudo bíblico bíblico
Texto Áureo

“A tua mulher será como a videira frutífera aos lados da tua casa; os teus filhos, como plantas de oliveira, à roda da tua mesa.” Sl 128.3

Verdade Aplicada

A Felicidade é a busca de todo homem e é a sua maior motivação. Como Deus é a fonte da felicidade, podemos alcançá-la praticando o temor a Ele e a obediência à Sua Palavra.

Objetivos da Lição

O Mostrar que a família é o maior bem que a sociedade tem;
O Destacar que o plano de Deus para a humanidade está centrado na família;
O Ressaltar que aceitar Deus no casamento é receber a Sua graça e fazer com que a família seja estruturada e feliz.

Textos de Referência

Sl 128.1-6


Introdução

O projeto de Deus para o Casamento é de uma família harmoniosa e feliz. A Bíblia descreve de forma maravilhosa a felicidade da família quando esta concentra-se nos princípios e ensinamentos divinos.

Em elaboração (aguarde)


1. Mulher: videira frutífera

No salmo 128, a mulher é comparada à videira, que produz uva, origem da fabricação do vinho, símbolo da alegria, alegoria de uma mulher feliz no seu lar. Assim como uma vinha produz muitos frutos, a mulher que teme ao Senhor frutificará e dará muitos frutos.

1.1 A polivalência da mulher
1.2 Comer do trabalho das suas mãos
1.3 A felicidade de temer ao Senhor


2. Filhos: plantas de oliveira

A Palavra de Deus é muito clara quanto a colocar os filhos à roda da tua mesa (Sl 128.3). Significa que os pais não podem abrir mão da educação e dos ensinamentos da Palavra de Deus. No salmo 128, os filhos são comparados à oliveira, que produz azeite, o símbolo de fertilidade.

2.1 Os filhos são herança do Senhor
2.2 A educação cristã começa dentro de casa
2.3 O exemplo cristão dos pais faz a diferença


3. Netos: herança do Senhor

O homem que teme ao Senhor tem a promessa de vida longa, isto é, a longevidade de dias e a recompensa de ver os frutos dos frutos, que representam mais uma corda do coração: os netos.

3.1 Ver os netos, não criá-los
3.2 Viver para ver os filhos dos teus filhos
3.3 A bondade de Deus e a distribuição de bênçãos


Conclusão

Enquanto não atentarmos para a Palavra de Deus concernente ao casamento e à família, não teremos a felicidade tão almejada. Não adianta pedir conselhos, participar de encontros de casais, simpósios, seminários, palestras, chás e outros, se não colocarmos em prática os Seus ensinamentos.


Fontes Consultadas:

Bíblia Sagrada ARC/ARA/ACF/TB/BV/RV/NTLH
Casamento e Família (revista EBD professor) – Editora Betel – 1º Trimestre 2016

EBD Editora Betel - Exercitando o Amor no Casamento

Assembleia de Deus CONAMAD
Lição 05 – 31 de janeiro 2016
Revistaebd Revista escola bíblica dominical editora betel conamad Passagem bíblica trecho bíblico bíblia como estudar teologia bíblia escola dominical escola dominical betel escola biblica betel escola bíblica betel escola dominical conamad auxilio professor ajuda professor subsídio professor auxílio professor subsidio comentario ebd comentário bíblico ebd professor mestre comentário biblico escola dominical comentario biblico escola bíblica comentario bíblico pregação pregador palestra estudo bíblico bíblico
Texto Áureo

“Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse caridade, seria como o metal que soa ou como o sino que tine” I Co 13:1

Verdade Aplicada

Amar não é somente o sentimento de querer o bem de outra pessoa, mas praticar boas ações e tomar atitudes que demonstrem este amor.

Objetivos da Lição

• Esclarecer que o amor é a força motriz de Deus;
• Mostrar que amar é fazer a felicidade de outra pessoa;
• Ressaltar que o amor não termina de um dia para o outro.

Textos de Referência

I Co 13:3-7

Introdução

O Amor é uma escolha, temos a liberdade e o direito de escolhê-lo ou não. O Amor é uma semente plantada nos nossos corações e que precisa ser regada e adubada. Além disso, precisamos combater as pragas que vêm para mata-lo.
            Como é o amor entre os cônjuges? É um misto de fraternal (ambos são filhos de Deus, mesmo não crendo nisto ou estando desviados), conjugal (o casal casado, propriamente) e parental, não apenas o Eros. A mulher deve amar seu esposo figuradamente como a Cristo - por isso o Homem é o cabeça¹, assim como o marido deve amar a esposa como Cristo amou sua Igreja.

¹ Apesar do Movimento Feminista, tanto no Mundo, quanto na Igreja não tolerar isto. Medite profundamente: a esposa é ordenada no Ministério, lidera a congregação e trabalha ganhando mais que o marido. É algum crime? Alguma coisa impossível? Agora ele fica desempregado. Não sei como seria ou passará a ser, mas certamente não será fácil tal convívio.



1. A suprema excelência do Amor

O Apóstolo Paulo nos dá uma aula e nos mostra que o amor é o Dom Supremo, um caminho sobremodo excelente e descreve a natureza do Amor, com as suas nobres propriedades. Ele deixa bem claro que tudo que se faça, não vale a pena fazer sem Amor.

O pensamento vai dos dons para os atos que parecem ser a expressão do amor, um grande ato de filantropia e um ato de martírio. Em lugar de ser queimado, muitos dos melhores manuscritos dizem, para poder me gloriar. Mas no todo parece que a nossa versão tem a tradução genuína. Talvez seja uma alusão ao indiano, Zarmano-chegas, que se queimou publicamente sobre uma pira funerária e tinha esta inscrição no seu monumento em Atenas, "Zarmano-chegas, um indiano de Bargosa, que de acordo com os costumes tradicionais da Índia, tornou-se imortal e jaz aqui" (Barclay, op. cit., pág. 132). Tal exibicionismo não passa de egoísmo. O espírito do ego pode ser introduzido nos maiores atos humanos. Nada disso me aproveitará.

                Comentário Bíblico Moody


1.1 Paciente e benigno

O Amor é paciente e longânimo. Não reage de forma abrupta, não se irrita facilmente, não se ofende por qualquer coisa. O amor espera um resultado sem desesperar e recebe injúria sem revidar. A paciência é uma qualidade que em meio às provações e lutas da vida aguarda serenamente as vitórias. A paciência é uma virtude do fruto do Espírito (G1 5:22). O amor é benigno, agradável, suave, brando, não é perigoso nem maligno, age de forma positiva e realiza feitos bondosos e também é uma virtude do fruto do Espírito (Gl 5:22). A bondade operando em favor de outra pessoa faz uma grande diferença. Este é o amor que se entrega em fazer o bem, em ser prestativo, em ajudar em tudo a pessoa amada.
Comente com os alunos que a bondade mostra a genuína presença do amor cristão, pois, além de ter compaixão de uma situação desfavorável, não fica satisfeito só com o sentimento, mas sim procura aliviar o sofrimento da pessoa amada com atitudes; procura sempre doar-se e dar de si mesmo e não se acovarda na hora da ajuda.

1.2 Tudo sofre e tudo crê

O Amor tudo sofre, experimenta coisas desagradáveis ou danos. Sofre com humildade o sofrimento e a dor do outro. O amor cobre como se fosse um telhado, protege como se fosse um escudo, aguenta tudo em favor da pessoa amada. O amor serve de para-raios para defender; sofre desapontamentos, passa por angústias, padece, é afligido e atormentado, mas não desiste. O amor tudo crê, acredita na pessoa amada, não coloca em dúvida. O Amor crê na solução de um problema, mesmo que uma determinada situação não ande bem, crê na sua mudança e espera o milagre. O amor demonstra a disposição de confiar ao invés de suspeitar mal. Mesmo quando ocorre uma falha, ele não desanima, busca força e acredita na sua real recuperação. O Amor crê que o potencial da outra pessoa irá se sobressair.
Enfatize para os alunos que sem o amor o cristianismo seria inócuo, sem eficácia. O amor retrata a abrangência de toda a nossa caminhada cristã. Todos os mandamentos foram resumidos por Jesus em apenas dois (Mc 12:30 e 31): o amor a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo. Ressalte para os alunos que aquele que não ama não conhece a Deus, porque Deus é amor (I Jo 4:8).

1.3 Tudo espera e tudo suporta

O Amor tudo espera, tem expectativa, sempre espera a reconciliação, a volta atrás de uma posição radical. O amor não se desespera, espera o amadurecimento chegar, a experiência ser adquirida, espera que o futuro seja promissor com a pessoa amada (SI 40:1). Há um ditado que diz: “A esperança é a última que morre”. No nosso caso, a esperança não pode morrer jamais, pois esperamos o agir de Deus na vida da outra pessoa. O amor tudo suporta, tolera fraquezas, falhas, imperfeições, sem desistir da pessoa amada. Serve de suporte e não desanima nas crises. Suporta passar por avalanches sem desesperar, resiste às tempestades e às chuvas de granizos sem se quebrar (Ct 8:7). O amor suporta silenciosamente o que seria impossível tolerar sem ele.
Esclareça para os alunos que, de acordo com o escritor Leon Morris, a expressão “tudo espera” é o olhar prospectivo (I Co 13:7). A ideia aqui não é a de um otimismo irracional, que deixa de levar em conta a realidade. É antes a recusa a tomar o fracasso como final. Segundo Morris, a expressão “tudo suporta” traz a ideia de constância. A ideia aqui é de uma fortaleza ativa, positiva. É a resistência do soldado que, no calor da batalha, não fraqueja, mas continua a atirar sem parar, vigorosamente. Ressalte para eles que o amor não se deixa vencer, mas faz a sua parte, varonilmente, sejam quais forem as dificuldades.


2. O amor não se porta com indecência

O Amor não é indiscreto. Não se porta ao ponto de passar vergonha ou expor a pessoa amada ao ridículo. Não age de forma inadequada na frente de outras pessoas. Não é leviano e não se veste de forma vulgar, constrangendo a pessoa amada. Não se conduz com indecência, mas mantém o respeito e a pureza moral.

2.1 Não arde em ciúmes

O Amor não arde em ciúmes (I Co 13:4). Nesse texto bíblico, o apóstolo Paulo está falando de um ciúme inflamado, muito mordaz e enfermo. O ciúme doentio é desconfiado. O cônjuge não pode conversar com ninguém, nem pensar em cumprimentar as pessoas. E a ideia do “trazer em rédeas curtas”. Esta falta de liberdade traz mais prejuízos do que benefícios. Ninguém pode prender o seu cônjuge com cadeados, trancas e correntes, mas, infelizmente, muitos escravizam o outro com o seu ciúme doentio, alegando ser “por amor”.
Esclareça para os alunos que o ciúme em larga escala adoece a alma, que precisa urgentemente de cura, pois irá também adoecer a outra pessoa. O ciúme doentio sufoca o cônjuge. Quem ama deve confiar verdadeiramente na pessoa amada e dar liberdade para que ela tenha suas atividades e desempenhe a sua profissão ou ministério sem suspeitar mal. No entanto, a pessoa amada não pode dar motivos para que quem a ama venha desconfiar da sua fidelidade.

2.2 Não se alegra com a Injustiça

O amor se regozija com a verdade (I Co 13:6). Não se alegra com a maldade que possa acontecer com a outra pessoa. Não aceita injustiça contra o seu bem-amado. Nada tem a esconder, pois comunica a verdade, que precisa prevalecer, mas com amor. A verdade tem que libertar e não matar (Jo 8:32). Muitos, só porque estão com a verdade, falam de qualquer jeito, ferindo os outros. Quando há verdade no falar e na conduta, não há engano nem fingimento. O amor se alegra quando a pessoa amada triunfa dentro dos seus direitos.
Comente com os alunos que, quando o amor é verdadeiro, os cônjuges podem não concordar em tudo, mas tendem sem pressão a aceitar um ao outro, procurando sempre resolver suas diferenças e opiniões contrárias com respeito e sem desavenças, mostrando civilidade.

2.3 Não busca os seus próprios interesses

O Amor não é egoísta (I Co 13:5), não usa de conveniências nem procura se auto satisfazer. O amor procura o bem da outra pessoa em detrimento de si próprio. Precisamos ter no coração o amor que vem de Deus, para que possamos colocar os nossos próprios interesses e desejos de lado. Ninguém busque o proveito próprio, antes cada um, o que é de outrem (I Co 10:24). Amar sem esperar nada em troca. O verdadeiro amor é incondicional. Para termos este amor, precisamos nos tomar mais semelhantes a Cristo, que morreu por todos, mesmo sabendo que muitos nunca O aceitariam. O amor genuíno faz com que procuremos a felicidade da outra pessoa e automaticamente a felicidade dela nos contagia e nos sentimos felizes pela alegria e satisfação da pessoa amada.
Ressalte para os alunos que, em contrapartida, sempre esperamos o amor ser correspondido, pois o amor de uma perna só fica capenga. Diga para eles que o amor de mão única fica incompleto. Para o amor se completar, deve haver a reciprocidade, a mutualidade e a cumplicidade.

3. A dinâmica do Amor

As dinâmicas são de grande valia e eficácia para motivar os cônjuges, criando vínculos mais estreitos e evitando ficar na mesmice, cair na rotina, parar no tempo. As dinâmicas são uma procura por novas formas e estímulos para exercitar o amor.

3.1 O Amor em operação

O Amor em operação não é estático nem monótono. O Amor não pode ser indolente nem preguiçoso. O Amor não pode ser empurrado com a barriga, não pode ser levado no “banho-maria”, do jeito que dá. O Amor se alimenta de atitudes, pois elas são os nutrientes e as vitaminas necessárias à preservação do casamento. Não se compreende o amor só de sentimentos e desejos que nunca saem do papel. Crie situações de passeios ou lazer que privilegiem o casal. Surpreenda o seu cônjuge com coisas inesperadas que alegram o coração, seja criativo na intimidade e cultive atos românticos.
Merece ser especialmente esclarecido para os alunos que o amor é forte como a morte (Ct 8:6). De acordo com o professor Michael Eaton, o termo “amor” usado sem qualquer sufixo pronominal tem sentido genérico. Deve ser observado nesse versículo bíblico o caráter comparativo e não superlativo. Ressalte para os alunos que, assim como a morte é o destino de todos - exceto os que estiverem vivos quando o Senhor voltar - e quando a morte chama, todos respondem, assim, também, quando o amor convoca, seu apelo é irresistível (Jo 3:16; I Co 15:51-57; Ap 21:1-4).

3.2 O Amor é algo vivo

Como todo ser vivo, o amor precisa de cuidados especiais para manter-se com vida. Ele é dinâmico e é preciso conservá-lo fervoroso, entusiasmado e progressivo. O amor se esfria porque não fazemos nada para esquentá-lo. O amor fica raquítico e pálido porque não damos o alimento necessário e balanceado. O amor vai para a UTI porque não fazemos os primeiros socorros. O amor é sepultado porque não fazemos nada para ressuscitá-lo.
Vale a pena salientar para os alunos que, de acordo com o Dr. G. Lloyd Carr, na passagem bíblica de Cantares de Salomão 8:7, o poder tenaz e persistente do amor é colocado em confronto com estas enchentes e rios perenes, cujas águas são impotentes para desfazer o amor; ou para apagar as suas chamas. Comente com os alunos que o amor no matrimônio precisa ser cultivado dia após dia. Muitos são os casais que deixam de manter bons hábitos, portanto, aconselhe os alunos a agradecer por uma comida que foi preparada com muito carinho e amor; dar um beijo antes de sair para o trabalho; outro beijo na hora de voltar do trabalho; realizar as refeições juntos; dialogar sobre as necessidades de cada um; escrever uma carta; declamar uma poesia; comprar bombons, flores; surpreender o outro, colocando uma roupa especial, mesmo que seja um dia comum; dormir de banho tomado, perfumado; organizar um jantar ã luz de velas, etc.

3.3 O Amor é real

O Amor não pode ser com máscara, com fingimento. O Amor seja não fingido (Rm 12:9), mas autêntico, cristalino e verdadeiro. Este é o amor que vem de Deus e que produz resultados surpreendentes. As pessoas podem vir com várias versões, mas o amor faz acreditar na pessoa amada. Não acredita em boatos nem em conversas alheias. Mantém-se firme contra fofocas ou pessoas maldosas que querem destruir o relacionamento conjugal. Muitas pessoas usadas pelo diabo querem se infiltrar no casamento por interesses vários, suscitando questões que desestabilizam. Precisamos fechar os ouvidos e as brechas, orar, acreditar na pessoa amada e expulsar essas pessoas do nosso convívio.
Destaque para os alunos que hoje a pessoa pode não estar gozando o melhor momento da vida ou até entristecendo o outro, mas o amor faz a pessoa amada esperar a mudança, aguardar que o quadro atual se inverta. O Amor não se exaspera. O Amor não é melindroso nem supersensível; não fica machucado ou ofendido por coisas mínimas; não se irrita ou fica amargurado facilmente; não se ressente do mal nem quer vingar-se; não dá o troco nem paga na mesma moeda; não se regozija com as falhas da pessoa amada, antes ajuda a corrigir os erros sem jogar na cara um do outro. Sempre se manterá em sua defesa. As pessoas podem se levantar contra, mas o amor faz a pessoa amada sair em defesa do seu cônjuge. A união do casal, juntamente com a presença de Deus, gera a força que resiste aos contrários. Mesmo que ele não esteja totalmente certo, a pessoa amada sai em defesa do seu amor.


Conclusão

Amar não é aceitar tudo, pois, onde tudo é aceito, presume-se que haja falta de amor, pois nem Deus com o Seu amor infinito aceita tudo. Quem ama mostra ou abre os olhos da pessoa amada para aquilo que não é certo. Quem não ama não se preocupa quando o outro está caindo no buraco.


Fontes Consultadas:

Bíblia Sagrada ARC/ARA/ACF/TB/BV/RV/NTLH
Casamento e Família (revista EBD professor) – Editora Betel – 1º Trimestre 2016 – Lição 05
Dicionário Davis – John Davis – JUERP
Novo Dicionário da Bíblia – John Davis – Ed. Hagnos
Enciclopédia Digital Ilúmina Gold Edition – Ilúmina Brasil/SBB
O Antigo Testamento Interpretado – Norman Champlin – Ed. Hagnos
O Novo Testamento Interpretado – Norman Champlin – Ed. Hagnos
O Novo Comentário da Bíblia – F. Davidson – Vida Nova
Comentário Bíblico F. B. Meyer – F. B. Meyer – Ed. Betânia
Comentário Bíblico Matthew Henry (Conciso) – Matthew Henry – CPAD
Comentário Bíblico Moody – Editora Batista Regular
Comentário Bíblico Esperança NT – Editora Evangélica Esperança
Comentário Bíblico Africano – Editora Mundo Cristão
Novo Comentário Bíblico Contemporâneo Atos – David J. Williams – Ed. Vida
Introdução Bíblica – Norman L. Geisler & William E. Nix – Ed. Vida