sexta-feira, 19 de setembro de 2014

EBD Editora Betel - Jesus, o Modelo Inigualável de Liderança

Assembleia de Deus CONAMAD
Lição 13 – 28 de setembro de 2014
Revistaebd Revista escola bíblica dominical editora betel conamad Passagem bíblica trecho bíblico bíblia como estudar teologia bíblia escola dominical escola dominical betel escola biblica betel escola bíblica betel escola dominical conamad auxilio professor ajuda professor subsídio professor auxílio professor subsidio comentario ebd comentário bíblico ebd professor mestre comentário biblico escola dominical comentario biblico escola bíblica comentario bíblico pregação pregador palestra estudo bíblico bíblico

Ferramentario do Trimestre

Clique aqui e leia nossa lista de estudos, artigos, apostilas, teses e dissertações que irão te dar bases bíblicas ministeriais, acadêmicas, humanísticas e técnicas poder periciar as lições deste trimestre. Leia, releia, anote e assista aos vídeos tantas vezes quantas forem necessárias. Tente ler todos os livros indicados (ao menos os examinem).

Texto Áureo

“Eis aqui o meu servo, que escolhi, o meu amado, em quem a minha alma se compraz. Farei repousar sobre ele o meu Espírito, e ele anunciará juízo aos gentios”. Mt 12:18

Verdade Aplicada

Jesus Cristo é o modelo mais perfeito para aqueles que desejam sucesso na vida e em sua liderança.

Objetivos da Lição

Definir o que significa uma liderança delegada;
Demonstrar o que é uma liderança servidora;
Apontar o trabalho de um líder cristão como privilégio e responsabilidade.

Textos de Referência

Is 42.1-7


Introdução

O maior modelo de liderança será sempre Jesus Cristo. Desde sua anunciação já se previa um Messias com qualidades jamais vistas pelos seres humanos. Jesus Cristo é o homem perfeito, o modelo para uma vida saudável, feliz e vitoriosa. Não existe líder que não deseje ser como Jesus. Nesta lição, veremos três pilares principais sobre os quais a liderança messiânica repousou, os quais nos servem de base para o desempenho do papel de liderança.


1. Liderança delegada

Em várias ocasiões, Jesus demonstrou que sua missão e liderança haviam sido delegadas pelo Pai. Era imprescindível, portanto, que as pessoas cressem nele como alguém vindo de Deus. Séculos antes Ele havia sido apresentado de algumas maneiras que cabia àqueles cidadãos judeus observarem e conferir.

1.1 Ele foi apresentado como servo
1.2 Escolhido para o prazer de Deus
1.3 Ele foi habilitado para servir


2. Liderança servidora

Toda liderança tem um objetivo e uma maneira de alcançá-lo. Deus se preocupou em revelar riquíssimos detalhes acerca da tarefa messiânica. Todavia, o espaço não permite uma exposição maior, sendo assim, ateremo-nos ao texto profético de Isaías.

2.1 Ele promulgará o direito
2.2 Servirá com suavidade
2.3 Servirá sem agressões


3. Liderança recompensada

A recompensa do trabalho messiânico está na realização do próprio trabalho e não fora dele. Como um administrador que tem prazer em ver dar certo o seu empreendimento, sendo-lhe isso uma folga e um prazer. Assim Cristo se realiza e se recompensa com a sua organização.

3.1 Mediador da aliança
3.2 Luz para os que jazem em trevas
3.3 A glória exclusiva


Conclusão

Jesus é até hoje um enigma para muitas pessoas. Seguir a Jesus não é somente um desafio, mas uma contracultura que nos conduz a viver de um modo diferente e regrado. O que sobressai em Jesus é sua qualidade de vida, sua maneira de agir, sua justiça, verdade, integridade e santidade. E como seguidores, basta-nos apenas seguir seu exemplo de vida: “Porque eu vos dei o exemplo, para que, como eu vos fiz, façais vós também” (Jo 13:15).

Fontes:

Bíblia Sagrada ARC/ARA/ACF/TB/BV/RV/NTLH

Liderança Cristã – Conhecendo os segredos da Liderança Eficaz (revista EBD professor) – Editora Betel – 3º Trimestre 2014 – Lição 13

domingo, 14 de setembro de 2014

EBD Editora Betel - O Maior Legado de um Líder

Assembleia de Deus CONAMAD
Lição 12 – 21 de setembro de 2014
Revistaebd Revista escola bíblica dominical editora betel conamad Passagem bíblica trecho bíblico bíblia como estudar teologia bíblia escola dominical escola dominical betel escola biblica betel escola bíblica betel escola dominical conamad auxilio professor ajuda professor subsídio professor auxílio professor subsidio comentario ebd comentário bíblico ebd professor mestre comentário biblico escola dominical comentario biblico escola bíblica comentario bíblico pregação pregador palestra estudo bíblico bíblico

Ferramentario do Trimestre

Clique aqui e leia nossa lista de estudos, artigos, apostilas, teses e dissertações que irão te dar bases bíblicas ministeriais, acadêmicas, humanísticas e técnicas poder periciar as lições deste trimestre. Leia, releia, anote e assista aos vídeos tantas vezes quantas forem necessárias. Tente ler todos os livros indicados (ao menos os examinem).

Graça e Paz!

Estivemos por demais ocupados devido ao Simpósio de Liderança. Hoje avançamos ao máximo em nossos apontamentos, mas não conseguimos terminar. Volte amanhã (domingo) bem cedo. Ore por nós!

R.S. Costa

Texto Áureo

“Chamou Moisés a Josué e lhe disse na presença de todo o Israel: Sê forte e corajoso; porque, com este povo, entrarás na terra que o Senhor, sob juramento, prometeu dar a teus pais; e tu os farás herdá-la”. Dt 31:7

Moisés assegura a Israel da presença constante de Deus com eles. Isto é aplicado pelo apóstolo a todo o Israel espiritual, para animar sua fé e esperança; a nós nos é predicado este Evangelho, assim como a eles; não te deixará nem te desamparará (Hb 13:5).
Moisés lhes recomenda como líder a Josué, cuja sabedoria, valor e afeto haviam conhecido desde muito tempo atrás, a quem Deus tinha nomeado para ser seu chefe, a quem reconheceria e abençoaria. Josué se sente muito comprazido ao ser admoestado por Moisés para ser firme e valente. Irá bem aos que tiverem a Deus com eles, portanto, devem ter valor. Em Deus faremos proezas, pois nele teremos a vontade; se resistirmos ao Diabo, de nós fugirá.

Comentário Bíblico Matthew Henry (Conciso) – Matthew Henry

Verdade Aplicada

Não deixar um legado é como roubar o futuro da próxima geração. Líderes sem legado são líderes sem história.

Objetivos da Lição

Mostrar a necessidade de desenvolver uma liderança que vise preparar novos líderes;
Apresentar algumas qualidades de um líder catalisador;
Expor pontos importantes na preparação de um sucessor.

Textos de Referência

Nm 27:15-20

Introdução

Um pai responsável sempre age pensando em deixar uma herança para seus filhos. Em relação à organização Igreja, um líder deve ver a si mesmo como um pai que busca deixar tesouros para seus filhos (II Co 12:14). Nós seres humanos fomos criados para reprodução (Gn 1:28). Nossa história não termina em nós, daí a necessidade de compreendermos o que significa deixarmos um legado para a posteridade.

Para além de crença e religião, falamos sobre o Jesus histórico que ao longo da vida adquiriu milhares de seguidores. Olhando com atenção, nota-se lições de perseverança, foco, determinação, companheirismo e outros valores ao longo da sua trajetória. Jesus fez uma seleção, reconheceu o potencial de 12 pessoas e as treinou. Seu projeto teve tanto sucesso que, passados dois mil anos, continua funcionando e se reciclando. O profissional que deseja ser líder tem uma grande oportunidade de aprender com essa história milenar.

Jesus: O maior legado de administração e liderança – Sebastião Luiz de Mello

Na esfera natural da vida os pais sabem renunciar e fazer sacrifícios para que seus filhos progridam e um dia tenham uma vida melhor que a dos pais. Acontece que na igreja de Jesus há “pais espirituais”, que, de maneira admirável, se empenham de maneira ainda maior por pessoas estranhas. Paulo é capaz de assegurar aos coríntios: “Eu de boa vontade me sacrificarei”. Sua renúncia a qualquer sustento é para ele uma causa espontânea e alegre, até mesmo quando essa renúncia o leva a amargas carências. Porém não basta realizar tais sacrifícios. O ardor de seu amor visa mais: “Eu me sacrificarei e até me deixarei gastar totalmente em prol de vossa alma”. No NT “alma” (psyché) significa a vitalidade interior do ser humano. O apóstolo está pronto para qualquer sacrifício e engaja toda a sua pessoa em prol da “alma” dos coríntios, de sua verdadeira vida em fé, amor e esperança. Sem esse empenho não é possível realizar o serviço, justamente em uma igreja problemática. Será que os coríntios não vêem o grande amor de seu apóstolo, de modo que agora não apenas “Deus sabe” como ele os ama (II Co 11:11), mas que eles mesmos também o saibam? Porventura os coríntios agora o amariam menos, reclamando, desconfiados, do fato de que Paulo não se deixa assalariar por eles? “Se vos amo em especial medida, serei por isso menos amado?” Isso não é absurdo e injusto?

Comentário Bíblico Esperança – Werner de Boor



1. Compreendendo um legado

Um líder sábio trabalhará pela sua igreja, departamento ou organização secular para que elas se mantenham depois dele, não se acabe quando ele sair ou venha a falecer. Todo líder cristão que tem Jesus como modelo procura deixar um legado. É claro que para que isso aconteça eficientemente não dependerá apenas do líder, mas de sua equipe, diretoria, e do próprio sucessor.

No contexto familiar, uma boa pergunta a se fazer é: que legado deixo para meus filhos e netos? Claro que, no sentido com que está sendo colocada aqui, essa pergunta não se refere à herança de bens e posses, mas às heranças morais, como caráter, ética, honra e honestidade. Algo que, no futuro, venha representar para seus descendentes um referencial positivo de atitude, um modelo comportamental a ser admirado e seguido.
Pois acho válido fazer o mesmo auto-questionamento no contexto organizacional: enquanto Líder, que legado deixo para meus liderados?
Lembrando um pouco do que escreveram Marta Brooks, Julie Stark, e Sarah Caverhill a respeito, o legado da liderança é constituído pelo conjunto de todas as suas ações e atitudes que, de alguma maneira, fizeram diferença na vida das pessoas a quem você liderou. Para aquelas pessoas, essa diferença fará de você uma pessoa inesquecível, muito mais do que lugares, produtos e coisas.
O legado é deixado sempre por uma pessoa, não por um cargo. Assim, o verdadeiro legado fará você ser lembrado não pelos títulos e posições que acumulou e exerceu, mas pela pessoa que você foi. Esse legado é construído ao longo do tempo, mas nas ações e relações de cada dia, temperadas pela ética, generosidade e justiça no exercício da liderança.

O Legado da Liderança – Floriano Serra

Com os direitos trabalhistas, especialmente nos países paternalistas, temos uma ânsia por empregos. Trabalhar é um exemplo dado pelo Criador em pessoa, e é indispensável copiá-lo, mas emprego inspira a idéia de cumprimento de horários e bastante ‘seguranças’. Muitos líderes criam ou agarram-se a cargos para garantias pessoais, como se tivesse se tornado definitivamente aquilo (ninguém é pastor; a pessoa está pastor). A ideia de legados (substitutos) os amedronta, tanto pelo ego e pelo apego, quanto pelo medo de ter que criar outro ‘sustento’ ou ter que esperar em Deus.

Construindo um Legado (vídeo)
O legado brasileiro para os italianos (vídeo)

1.1 O que é um legado

Do Latim legatum, “algo deixado em testamento”, de legare, “delegar, enviar como representante, encarregar”. (http://origemdapalavra.com.br)

Vejamos o ineressante relato histórico da estrutura política e militar do Império Romano, de onde se derivou a palavra “legado”:

Os senadores iniciavam sua carreira aos 18 ou 20 anos como "vigintivir", uma espécie de estagiário, seguindo depois para uma província na qualidade de "tribunus legionis", um oficial do exército.
Aos 25 anos chegava o momento de assumir formalmente um assento no senado, na qualidade de "quaestor", depois como "tribunus plebi" ou "aedilis".
Ao completar 30 anos, o senador podia se tornar um "praetor", exercendo cargo de "proconsul" de uma província senatorial, responsável pela administração de um território sob a responsabilidade do senado de Roma.
Alternativamente, caso decidisse continuar na carreira militar, o membro da ordem senatorial podia se tornar comandante de uma Legião, um “Legatus Legionis”.
Aqueles bem relacionados com a casa imperial podiam ainda se tornar governador de uma província Imperial, um “Legatus Augusti pro Praetore”, cargo diretamente nomeado pelo Imperador.
Aos 40 ou 43 anos o individuo poderia tornar-se "cônsul" por um ano, uma espécie de segundo em comando, somente abaixo do Imperador, encerrando sua carreira com um sendo reeleito para consulado ou como prefeito da capital do Império.
(http://fabiopestanaramos.blogspot.com.br)

Legado não é o que você deixa quando morre, mas o que entrega quando sai de algum lugar. Todos os dias, quando volta do trabalho, deixa um legado na empresa. Quando sai de uma reunião, de uma conversa, do posto de combustível, de um jogo, ou de qualquer outro lugar, está deixando uma marca na vida das pessoas; este é o seu legado.
Muitos confundem legado com herança. São coisas diferentes: herança é o que você deixará quando morrer (espero que demore), contudo, legado você deixa em vida. Legado é a herança imaterial, aquilo que você entrega às pessoas que estão ao seu redor; sua marca. Então, se perguntasse às pessoas que estão à sua volta: “Qual é a marca que deixo em suas vidas?”, qual seria a resposta?
- Como você tem influenciado a vida das pessoas?
- Que impacto você tem causado na vida delas?
- Que tipo de influência tem deixado por onde passa?
- Qual é a marca que você tem deixado?
- Qual é a marca que quer deixar?

Legado: Qual é o seu? – Marco Fabossi

Assim, descobrir o seu papel no mundo começa a se tornar mais uma consequência do que um objetivo em si. Esse papel vai se definindo de acordo com o quanto você se dedicou às atividades que considera relevantes para sua vida e seu desenvolvimento pessoal. O legado é outra consequência, o qual na verdade muita gente está colocando como propósito. O que não estamos vendo é que tudo está ligado ao fator inicial, à motivação. Descobrir o que nos motiva é o que gera o impulso na direção certa, nos conecta com o caminho da paixão, da abundância, e da produção criativa, seja profissional ou pessoal.
Primeiro, vamos perguntar qual é nossa motivação. Aí os passos serão dados, só então você poderá vislumbrar seu propósito e, com certeza, vai deixar um excelente legado para o mundo em que vive!

Quando o propósito é deixar um legado – Danilo España

Um grande líder pensará numa maneira de manter sua igreja ou organização quando não estiver por perto. Assim, será ousado em inovar buscando adequar-se aos novos tempos e desafios. Poderá também usar de sua influência para preparar o caminho de seu sucessor e até indicá-lo em acordo com sua diretoria ou equipe. Lembremos que, sob a direção de Deus: Moisés, Elias, Jesus e Paulo se utilizaram de suas influências para deixar um sucessor. E os sucessores desses homens se esforçaram para honrar a confiança a eles outorgada cumprindo o seu papel.


1.2 Líderes responsáveis pensam no futuro do povo

O legado espiritual

Tu és o meu esconderijo; tu me preservas da tribulação e me cercas de alegres cantos de livramento (Sl 32:7). Logo depois da grande vitória sobre o gigante, embora inicialmente impressionado com a habilidade de seu mais novo soldado, movido por ciúmes e inveja, Saul começa a perseguir Davi para o matar. Davi foi forçado a viver em fuga, muitas vezes passando semanas escondido na rede de cavernas ao redor do Mar Morto, mais conhecida como Caverna de Adulão (1 Sm 22.1). Nesse lugar fez as perguntas mais profundas da vida, encontrando as respostas no Senhor, em quem aprendeu a desenvolver confiança e esperança.
Em meio a tantas incertezas e adversidades, manteve sempre ativa sua bússola interna que lhe direcionava ao "verdadeiro norte", descobrindo a alegria mais profunda no relacionamento íntimo com o Pai Celestial. Parte do legado de sua fé e intimidade com o Senhor foram impressas no livro de Salmos.

Hoje é tempo de construir um legado – Rodolfo Garcia Montosa

Na vida de todo líder deve haver o interesse – e um esforço sobrenatural – para influir e imprimir as digitais de um caráter íntegro (que é o reflexo de uma vida espiritual ativa) em todas as pessoas que o rodeiam. Não adianta preocupar-nos apenas com a aparência, com o carro e com a casa, o maior legado que um líder pode deixar aos seus seguidores (seja esses seguidores a igreja ou a família), é o caráter de Cristo impresso em atitudes coerentes com sua forma de vida.
Porque se não houver essa preocupação, em formar pessoas melhores para o amanhã, em deixar um legado para a seguinte geração – os prejuízos poderão ser assombrosos. Deixar um legado não é apenas escrever uma lista de princípios e exibi-la na sala de nossas casas, também não basta com esforçar-se para levar os filhos para a Escola Dominical e jogá-los ao professor, enquanto nós, pais, líderes e educadores – não fazermos a nossa parte.

A Importância de Deixar um Legado – Rodrigo Faria


1.3 Plante para o reino e o reino florescerá

De certa maneira, é isso que Jesus nos chama a fazer. Ele nos confiou recursos — tempo, capacidade, oportunidade — e nós decidimos como usá-los. Nosso desafio é enxergar esses recursos como uma oportunidade para investir em longo prazo. “Ajuntai para vós outros tesouros no céu…” é o que Jesus disse em Mateus 6:20. Jesus nos assegura que esses tesouros protegidos não podem ser destruídos ou levados.
Pense em seus recursos: talento, tempo, conhecimento. Eles são temporais e limitados. Mas, se você investi-los olhando para a eternidade, estas coisas temporárias podem ter impacto duradouro. Qual é o seu foco? O presente ou a eternidade? Invista no futuro. Isso não somente terá impacto eterno, mas também mudará a sua maneira de enxergar a vida a cada dia.

Investindo no Futuro – Bill Crowder

Esperar ruínas para executar melhores traçados não é estratégico. Se realmente estamos fazendo um bom trabalho em uma equipe, projeto ou organização, devemos nos importar com um possível sucessor. Encontrar, treinar e deixá-lo apto. Se formos indagados, poderemos indicá-lo! Mesmo que isso não aconteça, deixaremos tudo apto para ser levado adiante naquele propósito inicial por ter sido um bom trabalho. Mas ainda estamos a desejar no tratamento de almas e morremos muitas vezes sem sucessão. Lembremos que Moisés buscou a Deus pedindo um líder capaz (Nm 27:15-17).
Todo líder um dia deixará sua organização de uma maneira ou de outra. Por uma ascensão ministerial, para atender um chamado urgente, por ser jubilado, e, ainda que se negue a jubilar-se, um dia vai morrer. Por isso, um líder deve estar enfocado na próxima geração. Deve preparar sua organização para enfrentar um futuro inevitável.



2. O propósito de um legado

Somos capazes de descobrir quantas sementes existem em uma laranja, mas é impossível saber quantas laranjas existem em cada semente. Essa é uma descoberta de quem planta. O que seria das próximas gerações de árvores e de frutos se a semente não fosse plantada? Deixar um legado é exatamente isso, é plantar para que a próxima geração produza muito mais frutos que a anterior. É pensar na perpetuação da espécie. Para isso um líder precisa ser um catalisador. Vejamos:

Você não deve esperar uma doença grave, assumir um negócio de família e acontecimentos semelhantes para refletir o seu legado. Você não deveria precisar de uma crise para obter este tipo de clareza, na verdade, provavelmente é responsabilidade do líder agir como se algum tipo de crise já tivesse ocorrido, para o bom da empresa e para o seu próprio bem.
Legado é o impacto duradouro que os líderes têm sobre as pessoas com quem trabalham. Pode ser percebido nos pensamentos e nas ações das pessoas que trabalharam com ou para você muito depois de terminada sua relação profissional.
Você não precisa espalhar publicamente suas aspirações. Não precisa publica-las no jornal da empresa e ninguém está pedindo que você se abra de uma maneira que o torne desagradável publicamente, se elas forem verdadeiras, os outros a reconhecerão.
Um bom exercício para você construir a sua declaração de legado é continuar a frase: gostaria de ser lembrado como... Gostaria de ver cada uma das 50 pessoas que se reportam a mim querendo vir trabalhar de manhã porque se sentem engajados no trabalho que fazem.

Seu Legado de Liderança – Diego Andreasi


2.1 Todo grande líder é um catalisador

Do mesmo jeito que há a necessidade de pais para que apareçam os filhos, também existe a necessidade de um líder para formar outro líder. Aliás,“certos aspectos do processo de paternidade permanecem bem constantes… requerem tempo, investimento emocional e sacrifício” (John Maxwell).
Em se tratando de um processo que chamamos de transferência natural de liderança, faz-se necessário o investimento dos dois lados, como uma via de mão dupla. De um lado, o líder em potencial deve manifestar algumas qualidades naturais e pessoais que tornarão a sucessão possível. Por exemplo, ele precisa ter convicção, coragem e disposição para seguir orientações do líder que está investindo em sua vida.
Já do outro lado, há uma necessidade fundamental de que aqueles que pretendem investir em novos líderes carreguem a responsabilidade de prover os lideres em potencial com o suporte que eles não consigam por si próprios. É de suma importância que o investimento no processo de formação de novos líderes seja marcado por alguns elementos, tais como: propósito claro; interação aberta entre novos líderes e aqueles que estão investindo na vida deles; e relacionamento saudável e sólido entre as duas partes.

O Sucesso de um Líder: Os sucessores – Linaldo Lima

Cientificamente, o catalisador é uma substância que afeta a velocidade de uma reação, mas emerge do processo, inalterada. O catalisador é um agente transformador que se mantém intocável no curso de sua função. É uma enzima que se reproduz sem nunca ser alterada. Ele é como a matriz de uma produção, que a partir dela tudo se reproduz. Ou seja, o catalisador utiliza o que já existe, precisando apenas do pouco para produzir bastante. Sem enzima catalista a reação biológica mais lenta levaria um trilhão de anos para entrar e um processo de transformação. O maior exemplo de líder catalisador é Jesus Cristo. Ele levou três anos e meio para formar doze pessoas. Nós levaríamos um milhão de anos para fazer o mesmo. E por quê? Por causa de nossa incapacidade de reproduzir. Os catalisadores formam sucessores e não seguidores. Eles não são influenciados, eles confrontam. Havendo catalisadores, ocorrerão mudanças e transformação.
Um líder catalisador não toma a visão para si, ele doa para o povo. Muitos líderes têm fracassado porque em vez de passar a visão querem que o povo sigam suas personalidades. Nossa imagem é passageira, enquanto que a visão é gerações. Nós somos temporários. A visão não. Ela é pessoal, não é nossa, é para os filhos que ainda não nasceram.


2.2 Todo líder catalisador é como um pai

Um típico líder catalisador inicia sua jornada como as demais pessoas. Não são detentores de um potencial técnico e profissional visível, apesar de os possuírem, não possuem contatos com clientes privilegiados. No entanto, conseguem feitos extraordinários. O que eles fazem? Eles não se apóiam em focus groups, nem “deixam os números falarem” por si. São seis suas principais lições:
- Não olhe para cima, mas para dentro de você.
- O peso não está em suas costas, mas em sua cabeça.
- Nada nesta vida é coisa do outro mundo você apenas tem de reenquadrar a situação.
- Comece sempre pelas bordas.
- Lidere as pessoas, em vez de amá-las.
- Entenda que velocidade anima “a galera”.
Da mesma forma que acreditam que toda ação gera sua reação, a gestão catalisadora dinamiza processos, pró-age com a mesma espontaneidade de seus superiores e reage com a mesma humildade de seus subordinados.
Henry Ford, Steve Jobs e Jeff Bezos são exemplos de sucesso baseados em uma liderança que descarta a aparência inclusive de muitos resultados, o que é muito difícil de se conseguir, diga-se de passagem.

Aberta a Temporada de Caça ao Líder Catalisador – Vinicius Madureira

Um pai não cria filhos para si mesmo. Entenda! Não casaremos com nossos filhos, eles não viverão para sempre em nossa casa; um dia deverão seguir seus próprios destinos. Essa é a visão de um catalisador. Ele sabe que deve preparar alguém para alguém. O que esperamos de nossos filhos? O pai não deseja que seus filhos sejam como eles. Os pais trabalham no intento de que seus filhos avancem, progridam e alcancem degraus sempre mais elevados. Para isso devem lhes dar mantimento, vestimenta, educação e prepará-los para enfrentar os desafios da sociedade. Agora a pergunta é: fazemos assim com os nossos filhos espirituais? Cuidamos deles ao ponto de que possam assumir nosso legado e ir em frente? Investimos em vidas? Ou somente pregamos a Palavra achando que isso é tudo?


2.3 Todo líder catalisador é capaz de influenciar¹

Por derradeiro, lanço as palavras que proferiu D.L. Moody: “A honra deste mundo é passageira, transitória e desaparece rapidamente. Eu não acredito que o homem, ou a mulher, dedicado à obra de Deus esteja em busca de cargos honoríficos, glória e fama terrenas. Vamos deixar essas coisas em segundo plano, ficar acima delas e buscar a honra que vem do alto”. Convido você a seguir os passos do Senhor Jesus. Assim como fizeram os apóstolos Paulo, Mateus, Pedro, Tiago, João, e tantos outros servos e servas de Deus, tanto da Igreja primitiva como de nossos dias, que primeiro foram inspirados e depois, influenciaram multidões por meio de sua liderança. Faça isso, lidere da mesma forma, com o mesmo método do Senhor Jesus. Por isto estude, busque conhecimento, cresça, desenvolva seu potencial, influencie, motive, entusiasme, treine, produza, invista tempo, tenha paciência com as pessoas e forme discípulos inspirados, pois essa é obra que fogo não consumirá e com certeza perdurará por extensos dias, porquanto “...todo aquele que for bem instruído será como o seu mestre”. (Lc 6:40 b). 

Liderança Bíblica: influenciando pessoas e formando discípulos – Júlio Cezar Gomes de Souza

Entendendo o papel do líder, podemos compreender a necessidade, importância e resultados da motivação para o líder.
É bem verdade que ninguém inicia nenhum trabalho sem motivação. E mais ainda: não se continua nesse trabalho sem a automotivação.
Motivação é um elemento catalisador das nossas ações que se origina e se desenvolve interna ou externamente. A automotivação é um catalisador da motivação, e só ocorre internamente. A automotivação é mais importante do que a motivação, pois sendo ela interna, inerente ao líder, a tendência é ampliar-se ao ponto de se exteriorizar, refletindo no tipo de liderança que ele exerce sobre as pessoas.
Porque muitos, até tentam serem “bons líderes”, entretanto, exercem uma péssima liderança, justamente por conta das motivações erradas que influenciam nas suas ações?

A Motivação de um Líder Influenciador – Netanias dos Santos

Todo líder catalisador é influente. Ele não busca nada em outro lugar, ele influencia com o que existe em suas propriedades sem deixar que sua propriedade seja alterada. Jesus influenciou o mundo sem jamais ser influenciado. Jesus jamais precisou copiar o modelo de alguém. Ele era o verbo, a ação (Jo 1:1). O fato de saber que Ele habita em nós, nos dá a garantia de que temos em nós a mesma unção que estava sobre Ele. Não precisamos ficar imitando modelos, eles dão certo dependendo da visão, do local, e da pessoa a quem o Senhor quis se revelar. A maior descoberta está no potencial que existe dentro de cada um de nós. Infelizmente nos apaixonamos pelos nossos próprios métodos e modelos de culto. Achamos que estamos fazendo a obra, mas, na verdade, só estamos tendo enfado e cansaço. É tempo de criar! O potencial para criação já nos foi dado, e está vivo dentro de cada um.

¹ Nota: O estilo catalisador se baseia em influências. Logo, o título é redundante, já que é inerente ser influenciador. Se é catalisador, há obrigatoriamente influencias. Ele não é capaz de influenciar, mas é obrigatoriamente influente.



3. Preparando um sucessor

Os filhos de Israel eram uma enorme congregação que já se contava aos milhões nos dias de Moisés. Sabendo Moisés que, por determinação divina, não duraria muito mais, tomou as providências no sentido de preparar um sucessor. Vejamos como agiu:


Continua...

3.1 Toda sucessão exige orientação divina

Em elaboração

3.2 Um sucessor deve ser fortalecido e legitimado

Em elaboração

3.3 Toda sucessão tem um tempo determinado

A geração de Josué foi muito diferente da geração liderada por Moisés. Josué era mesclado, possuía autoridade e sabedoria como Moisés e, sem perder suas características particulares. Mas o principal não era ser igual, mas seguir adiante com a nova fase do projeto divino. Existem períodos exatos para cada coisa acontecer (Ec 3.1). Temos que aprender a identificar esses períodos - estar sensíveis ao tempo de Deus.

Em elaboração


Conclusão

Uma coisa deve ficar muito clara. O maior legado de um líder é trabalhar para que a igreja ou organização se mantenha depois dele, tendo a alegria e o zelo em preparar e deixar alguém que ame a Deus, respeite o povo, e siga a visão deixada pelo seu legado.

Questionário

1. O que é um legado?
R. Uma herança que se deixa após a morte.
2. Por que Moisés pôde partir em paz?
R. Porque sabia que Josué honraria seu legado.
3. Quando os líderes passam a compreender a importância de um legado?
R. Quando são sucedidos por outros que afundam ou destroem aquilo que construíram.
4. Existe coisas que a fase não nos permitirá fazer. E por quê? 
R. Porque não é o tempo, ou porque não seremos nós que iremos executar.
5. Cite um exemplo de líder catalisador?
R. Jesus Cristo.

Fontes:

Bíblia Sagrada ARC/ARA/ACF/TB/BV/RV/NTLH
Liderança Cristã – Conhecendo os segredos da Liderança Eficaz (revista EBD professor) – Editora Betel – 3º Trimestre 2014 – Lição 12
O Líder que Deus Usa – Russell P. Shedd – Vida Nova
Cura e Edificação do Líder – Marcos de Souza Borges – Ed. JOCUM
Princípios para uma Boa Liderança – Cleverson de Abreu Faria (link)
Elementos Essenciais da Liderança: Visão, Influência e Caráter – Greg Ogden & Daniel Meyer – Ed. Vida
A Alegria de uma Família Cheia da Palavra (ebook)
Novo Dicionário da Bíblia – John Davis – Ed. Hagnos
Enciclopédia Ilúmina
O Antigo Testamento Interpretado – Norman Champlin – Hagnos
O Novo Comentário da Bíblia – F. Davidson – Vida Nova
Comentário Bíblico F. B. Meyer – F. B. Meyer – Ed. Betânia
Comentário Bíblico Matthew Henry (Conciso) – Matthew Henry – CPAD
Comentário Bíblico Moody – Editora Batista Regular
Comentário Bíblico Esperança NT – Editora Evangélica Esperança
Comentário Bíblico Efésios - Elienai Cabral – CPAD
Seu Legado de Liderança – Robert M. Galford, Regina Fazio Maruca – Ed. M. Books
Consciência Também é Legado (link)
A Igreja tem Futuro com esta Geração? (link)
Líderes Mórmons Preocupados com Deserção de Jovens (link)
A Influência do Legado Familiar na Escolha Profissional (link)
Liderança (link)
Plano de Sucessão Organizacional (link)


Bibliografia Indicada (estude mais)

As Lições do Japão (link)
Bach e o Legado Luterano (documentário)
Um legado de náutica (vídeo)
Uma breve análise sobre o legado cultural de uma comunidade como um produto turístico (link)
O Legado Romano para o Ocidente (link)

Padrões Trangeracionais Repetitivos que Incidem nas Relações Familiares (link)

sábado, 6 de setembro de 2014

EBD Editora Betel - Pecados Capitais de uma Liderança

Super-Treinamento de Liderança



Acesse e avalie o empreendimento
Inscreva-se e divulgue aos seus amigos


Assembleia de Deus CONAMAD
Lição 11 – 14 de setembro de 2014
Revistaebd Revista escola bíblica dominical editora betel conamad Passagem bíblica trecho bíblico bíblia como estudar teologia bíblia escola dominical escola dominical betel escola biblica betel escola bíblica betel escola dominical conamad auxilio professor ajuda professor subsídio professor auxílio professor subsidio comentario ebd comentário bíblico ebd professor mestre comentário biblico escola dominical comentario biblico escola bíblica comentario bíblico pregação pregador palestra estudo bíblico bíblico

Olá, amado. Graça e Paz!

Estaremos terminando ainda hoje (sábado). Ore por nós e volte  aqui mais tarde.

R.S. Costa

Ferramentario do Trimestre

Clique aqui e leia nossa lista de estudos, artigos, apostilas, teses e dissertações que irão te dar bases bíblicas ministeriais, acadêmicas, humanísticas e técnicas poder periciar as lições deste trimestre. Leia, releia, anote e assista aos vídeos tantas vezes quantas forem necessárias. Tente ler todos os livros indicados (ao menos os examinem).

Texto Áureo

“Ai deles! Porque prosseguiram pelo caminho de Caim, e, movidos de ganância, se precipitaram no erro de Balaão, e pereceram na revolta de Corá”. Jd v.11

A sentença de fato já foi proferida, a saber, sobre Caim e Balaão e Corá, aos quais os sedutores da igreja se assemelham. Andam pelo caminho de Caim. Obviamente não mataram de fato nenhum irmão da igreja, mas se tornam “assassinos” de irmãos em um sentido muito diverso: seduzem para maus caminhos, privando os membros da igreja da vida eterna. Arrastam irmãos e irmãs para longe da verdadeira salvação na cruz de Jesus, confundindo sua fé por meio de discursos inteligentes e superiores. Disputas e cisões na igreja causam tribulação a muitos. Ou Judas podia opinar como o apóstolo João: “Todo aquele que odeia seu irmão é assassino” (1Jo 3.15). Os inovadores podiam expressar livremente seu desprezo e seu ódio contra aqueles que lhes resistiam na igreja.
Também na missiva a Pérgamo (Ap 2.14) “Balaão” é o “typos” de um falso profeta cuja sedução é tão perigosa porque a princípio de fato era um homem “a quem foram abertos os olhos” (Nm 24.3). Que gloriosa verdade ele pronunciou sobre Israel! Mas então não deseja perder a recompensa, a recompensa tilintante que Balaque lhe oferecera, e por isso “ensinou” Balaque a seduzir os filhos de Israel, de modo que estes comeram carne ofertada a ídolos e “praticaram devassidão” (Ap 2.14). Judas julga que os hereges se entregaram inteiramente ao engano de Balaão por causa de recompensa. Porventura “engano” deve ser entendido de forma ativa ou passiva? Será que os desencaminhadores se deixam enganar como Balaão ou agem eles mesmos de forma enganosa e enganadora como ele? Provavelmente esta segunda é a idéia implícita, visto que também Balaão agiu exatamente como enganador ardiloso.

Comentário Esperança – Werner de Boor

Verdade Aplicada

A vigilância e a prudência são ingredientes essenciais na vida de todo aquele que milita na obra do Senhor.

Objetivos da Lição

Apontar alguns tipos de pecados principais ligados à liderança;
Descrever concisamente as consequências principais desses pecados;
Oferecer uma chance para uma constante autoanálise.

Textos de Referência

Ne 5.14-17


Introdução

A definição básica de pecado no grego é “hamartia”, e significa: “errar o alvo”. Pecar é desvincular-se do propósito original de Deus, que é alcançar determinado objetivo. Com o pecado não se brinca, e aquele que está ativo no exercício de liderança deve trabalhar preventivamente vigiando. Quem está sob a pressão da tentação deve se resguardar orando, resistindo ou até mesmo fugindo (I Co 6:18), dependendo da natureza da tentação. Portanto, é imprescindível conhecermos os principais pecados ligados à liderança e algumas de suas consequências.

Agora pode ser feita a clara solicitação: “Fugi da impureza!” Essa formulação é de grande significado prático. Diante das tentações na área sexual Paulo não convoca para “resistir”, nem para “lutar”, nem para reprimir e prostrar as inclinações perigosas. Só há um conselho possível: “Fugi!” E o mais rápida e decididamente possível. Aqui unicamente a “fuga” constitui a verdadeira coragem. Porém esse conselho grave e duro não é dado a partir de uma “lei” qualquer. É significativo que em todo o presente trecho o sexto mandamento não seja mencionado com palavra alguma. Não é com base num mandamento que Paulo fornece alguns preceitos legais que precisam ser obedecidos, mas é a essência e o significado do “corpo” que tornam a pureza sexual necessária. “Qualquer outro pecado que uma pessoa cometer é fora do corpo; mas aquele que pratica a imoralidade peca contra o próprio corpo”.

Comentário Esperança – Werner de Boor



1. Pecados emocionais

Assim como alguém definiu que há virtudes ligadas à emoção tais como o amor, a alegria e a paz interior, há logicamente seus contrapontos e contrastes em sentido pecaminoso. Nossa lista está longe de ser perfeita, e até sabemos que todos os pecados têm algum peso emocional, mas destacaremos aqueles que precisam ser considerados no estudo desta lição.

“A palavra emoção traduz, em geral, à mente uma das seis emoções ditas primárias ou universais: Alegria, Tristeza, Medo, Cólera, Surpresa ou Aversão.(…)” Antônio Damásio, neurologista português

Função da Emoção:

A Emoção é extremamente importante, ela traz “cor” à Vida Humana, no entanto, jamais podemos nos deixar guiar por ela. As emoções se manifestam de muitas formas, entre elas: Amor, Ódio, Alegria, Tristeza, Pesar, Saudade, Desejo, etc.
Alguns exemplos de emoções:
Amor – 1Sm 18.1 “... e Jônatas o amou como à sua própria alma”. (ver também: Ct 1.7 e Sl 42.1) O Amor é algo que surge em nossas almas e isso confirma que dentro da alma existe uma função como a emoção.
Ódio – 2Sm 5.8 “Davi, naquele dia, mandou dizer: Todo o que está disposto a ferir os jebuseus suba pelo canal subterrâneo e fira os cegos e os coxos, a quem a alma de Davi aborrece”. (ver também: Ez 36.5) Expressões como: menosprezo, aborrecimento, desprezo, etc. significam ódio e, vemos que procedem da alma.
Alegria – Is 61.10 “Regozijar-me-ei muito no SENHOR, a minha alma se alegra no meu Deus”. Sl 86.4 “Alegra a alma do teu servo, porque a ti, Senhor, elevo a minha alma”. A alegria, segundo os textos citados é uma emoção da alma.

Alma, Espírito & Corpo – Elias R. Oliveira

É simplesmente assustador o número de pessoas que confundem entusiasmo com espiritualidade. Isso acontece porque Satanás opera fortemente sobre nossa alma manipulando quase que à vontade as nossas emoções. Deixar-se levar pelo que se sente e pelo que se vê leva a muita frustração e desânimo. Para que você possa entender a força das investidas de Satanás contra nós nessa área da nossa alma, vamos considerar primeiramente o caso do profeta Elias. Pelo que se vê Elias não era um servo “relaxado”, ao contrário era muito zeloso e mesmo diligente. Então, o que aconteceu com ele? Satanás venceu Elias quando  fez com que Elias olhasse para si mesmo, para seu grande zelo - só eu sou fiel...
Aquele que começa a trilhar esse caminho está destinado à derrota e à frustração. Mas vejamos o que Deus fez com o profeta, depois de lhe mostrar o seu poder e magnificência nos elementos da natureza: vento, terremoto e fogo.
Satanás agiu rapidamente contra Elias depois do grande triunfo no monte Carmelo porque Elias começara a ameaçar o esquema de trevas que o diabo organizara contra Israel, e Satanás tinha de removê-lo.
Como acabar com Elias? Os passos dados por Satanás são muito significativos:
1) Satanás fez com que Elias valorizasse sobremaneira seu próprio zelo, sua própria  importância;
2) Satanás fez com que Elias se sentisse só, e o único fiel;
3) Satanás ameaçou-o através de Jezabel, levando-o a sentir medo (“Temendo Elias”);
4) Satanás pressionou-o no sentido de providenciar, ele mesmo, sua própria “salvação” (o que Deus chamou no versículo 15 de “teu caminho”), ou seja, a fuga;
5) Satanás induziu-o a “eliminar-se” a si mesmo, “pediu para si a morte”.
Recapitulemos:
Orgulho
Solidão
Medo
Direção própria
Morte - desânimo fatal. 
Este é realmente um triste quadro, que culminou com a substituição de Elias por Eliseu. Mas devemos observar ainda o que Deus fez em relação a todo esse processo. Será que Deus deixou Elias lutar sozinho contra os ataques malignos? Não! claro que não!

A Alma Sob Controle - A Mente e As Emoções - www.casadosenhor.com.br


1.1 Soberba

Humildade vem da palavra “húmus” que significa terra fértil, solo sobre nós. É a qualidade das pessoas que se procuram manter com os “pés na terra”, no nível dos outros. Ninguém é pior ou melhor; todos estamos no mesmo nível, porque somente Deus está acima, por isso devemos manter dignidade, cordialidade, respeito, simplicidade e honestidade com todos, se quisermos alcançar a Deus. Humildade é assumir seus direitos e obrigações, erros e culpas sem resistir. Agir diferente disto é uma arrogância, e uma negação da sua origem.

Em elaboração

1.2 Mau humor

Em elaboração

1.3 Coração impiedoso

A vida é recíproca. Se nos relacionarmos bem com as pessoas, elas também se relacionarão bem conosco. Às vezes, não entendemos bem o significado da palavra “humildade”. A humildade que Jesus nos ensinou é ser como se não fossemos, e ter como se nada tivéssemos. Uma pessoa mansa e humilde de coração sabe conviver de forma amável com as demais. Embora esteja passando por momentos difíceis e de grande provação, não descarrega seu mau humor nas pessoas. Tal pessoa jamais se orgulha da posição que ocupa; do contrário, é capaz de perder para ver o Reino de Deus progredir.

Em elaboração


2. Pecados relacionais

Como já dissemos acima, a soberba é a mãe de todos os demais pecados. Os pecados a serem comentados a seguir não fogem a regra. Veremos como um líder pode pecar tão seriamente contra Cristo, contra si mesmo e a organização a qual pertence.

Existe algum paralelo entre pecado e as relações humanas?
O conceito de pecado nos dias de hoje tem sofrido esvaziamento e na prática se criou o "ranking dos pecados" (geralmente a escala mais visada é questão sexual). O termo também se perdeu no anonimato das grandes corporações e das decisões governamentais tomadas dentro de um esquema de poderes diferenciados. Segundo Wayne Grudem em sua Teologia Sistemática "pecado é deixar de se conformar à lei moral de Deus não só em ato e em atitude, mas também em natureza moral. Nossa própria natureza, o caráter íntimo que é a essência daquilo que somos, pode ser também pecaminosa". Mas, não há possibilidade de falar em pecado se não apontar para a esfera das relações humanas ou de algum outro tipo de relacionamento pessoal como por exemplo, relacionamento com Deus, sendo assim, o pecado se movimenta e acontece na esfera dos relacionamentos.
As conseqüências e as "dores" do pecado, de forma secundária sempre afetarão o próximo. Este relacionamento horizontal (relações sociais) quando afetado pelos "poderes" do Pecado, são rompidos e degradados de alguma forma, vejamos: multidões empobrecidas por um sistema ganancioso e egoísta, crianças induzidas ao erotismo precoce pela mídia, abuso infantil (Pedofilia, algo muito antigo, mas que agora tem entrado na pauta de governos cegos), filhos que não falam com os pais, casamentos destruídos, corrupção na política, o famoso jeitinho brasileiro para resolver as situações, quero lembrar também quantas atitudes pecaminosas temos tomado contra o meio ambiente, mesmo não entrando nesse assunto profundamente, vale ressaltar que os nossos pecados ferem toda a criação, lembremos do aquecimento global, pense mais, agora vale a sua imaginação... Como se nota, o Pecado sempre afetará ao próximo mesmo que esse seja anônimo (quando causado por decisões políticas ou de grandes corporações) e acontece dentro de um relacionamento resultando em afastamento do próximo e de Deus, porque Deus também vive numa esfera de relacionamento com o homem, sendo assim, este relacionamento vertical também é afetado.

Pecado e Relacionamento – Thiago Nardoto


2.1 Centralização excessiva

Não raro se vê líderes omitindo títulos de livros que leem, desestimulam o aprendizado em seminários teológicos, impedindo membros de participar de palestras, etc., por serem inseguros, tudo tem que se iniciar neles. E como se sempre estivessem maquinando passar-lhe a perna e derrubá-lo de sua liderança. A consequência dessa centralização excessiva é que, quando as coisas não vão indo bem, a culpa recai sobre ele. Na verdade esse tipo de postura faz com que os liderados fiquem desmotivados e até torçam para que as coisas deem errado.

Em elaboração

2.2 A cobiça pelo reconhecimento

Em elaboração

2.3 Agressividade

Assim como uma mosca pode estragar todo o aroma de um bom perfume, uma atitude errada por parte de um líder pode colocar uma organização em sérias dificuldades.

Em elaboração


3. Pecados laborais

Agora trataremos de alguns pecados que se relacionam diretamente com o trabalho: a luxúria, a negligência e a preguiça.

Você já ouviu falar em "Pecados Capitais"? Muito provavelmente que sim, pode nem tê-los todos da sua mente, mas já escutou ou leu algo sobre o assunto. Pois bem, os Pecados Capitais foram catalogados pela Igreja na Idade Média e até hoje norteiam os princípios morais do cristianismo. Após ler artigo do professor e psicólogo Gerson Silva, que trata do perigo de alguns comportamentos nos ambientes de trabalho, aproveito a carona e registro aqui algumas considerações sobre o tema. Para Silva, "muitos profissionais já caíram e muitos ainda vão cair nas armadilhas desses pecados. Gente que não sabe lidar com o próprio sucesso ou do colega; que reage negativamente às adversidades; que não tem humildade para reconhecer os erros, e por aí vai...".
Nos ambientes de trabalho, permeado por interesses, objetivos e expectativas distintos, a linha que separa a razão da emoção é sempre muito tênue. A maturidade profissional desejada e necessária nem sempre é encontrada nos talentos corporativos. A vaidade, a intolerância, a falta de respeito às diferenças, entre outros comportamentos, perturbam o cotidiano, fragilizando as relações e comprometendo resultados.

Os Pecados Capitais no Ambiente de Trabalho – Elizabeth Hernandes de Oliveira 


Continua...

3.1 Luxúria

Fomos alertados que, nos últimos dias, haveria homens amantes de si mesmos, blasfemos, enganadores, e que fariam do evangelho uma causa de ganhos. O que Paulo disse a Timóteo como recomendação é uma verdade que, em nossos dias, deve ser confrontada pela veracidade da Escritura.

Em elaboração

3.2 Negligência

Em elaboração

3.3 Falta de ética (no falar)

Mesmo que alguém possa encontrar alguma coisa de positivo em alguns desses comportamentos, isso não passa de engano pueril. Os prejuízos são muitos diante de si mesmo, da igreja, e diante de Deus. O pecado sempre deve ser visto de maneira séria, com efeito regressivo. Daí haver uma maneira própria de encarar tais pecados.


Continua...


Conclusão

Enfim, existem algumas atitudes que são fundamentais para que o líder possa encarar tais pecados e evitá-los, a saber: prudência na conduta pessoal sempre, orar, vigiar e ter um momento devocional consistente para resistir as astutas ciladas do diabo (Ef 6:11).


Fontes:

Bíblia Sagrada ARC/ARA/ACF/TB/BV/RV/NTLH
Liderança Cristã – Conhecendo os segredos da Liderança Eficaz (revista EBD professor) – Editora Betel – 3º Trimestre 2014 – Lição 11
O Líder que Deus Usa – Russell P. Shedd – Vida Nova
Cura e Edificação do Líder – Marcos de Souza Borges – Ed. JOCUM
Princípios para uma Boa Liderança – Cleverson de Abreu Faria (link)
Elementos Essenciais da Liderança: Visão, Influência e Caráter – Greg Ogden & Daniel Meyer – Ed. Vida
A Alegria de uma Família Cheia da Palavra (ebook)
Novo Dicionário da Bíblia – John Davis – Ed. Hagnos
Enciclopédia Ilúmina
O Antigo Testamento Interpretado – Norman Champlin – Hagnos
O Novo Comentário da Bíblia – F. Davidson – Vida Nova
Comentário Bíblico F. B. Meyer – F. B. Meyer – Ed. Betânia
Comentário Bíblico Matthew Henry (Conciso) – Matthew Henry – CPAD
Comentário Bíblico Moody – Editora Batista Regular
Comentário Bíblico Esperança NT – Editora Evangélica Esperança
Comentário Bíblico Efésios - Elienai Cabral – CPAD
A Cura das Enfermidades Emocionais (link)
Pecados nos Relacionamentos (link)
A Necessidade de Relacionamento para o Desenvolvimento da Igreja (I) (II) (III)
Solte suas Emoções (link)
Emoções e Afetos no Trabalho (link)

Bibliografia Indicada (estude mais)

Socorro! Precisamos de líderes cristãos capacitados para treinarem a nova geração (link)
Beijar na Boca é Pecado? (link)
Os 9 Pecados no Trabalho, da Ganância à Preguiça (link)
Sentimentos, Humor, Afetos, Emoções, Paixões e Temperamento (link)
Paixões, Afetos, Emoções e Sentimentos (link)
A Emoção (link)
Fisologia do SNC e Psicofármacos (link)

Neurobiologia das Emoções (Pesquisa em Neurociência)