domingo, 6 de novembro de 2011

Para Compor Textos


1º - Viver a vida

Viver a vida. Não estou falando apenas da vidinha pessoal do cotidiano. Estou falando de aventuras, de viagens, de conhecer novas pessoas e passar por experiências diferentes. Saborear coisas novas (sem maldade aqui, hein) que irão lhe agregar como ser humano e enriquecer sua experiência. É uma equação simples: quanto mais eu vivo, mais eu me torno apto a entender a vida e isso resulta em riqueza na escrita. Então solte um pouco seu dedo das teclas e saia de casa agora! Digo, após terminar de ler tudo isso.

2º - Combustível

Além das vivências, o principal e mais poderoso combustível pra quem escreve biblioteca são idéias e palavras: LEITURA. Ler, do que mais ama ao que mais detesta, passando por opiniões medíocres, idéias sensacionais, histórias clichês e obras-primas. Isso exercita o cérebro, o vocabulário, a construção de raciocínios e narrativas.
Esteja no topo da cadeia alimentar da escrita, lendo de tudo, com ênfase no que lhe agrega mais, tendo assim combustível para produzir ainda mais para os que estão na base da cadeia e a sustentam: os seus leitores.

3º - Parar e Pensar

Eu amo isso. Parar para deglutir o que aprendi e pensar em como aplicar isso na vida. Ou, ao criar uma história, viajo em cima de todas as possibilidades que pensando existem na construção do enredo. Parar para pensar serve tanto para pôr em ordem o seu emaranhado de vivências e leituras quanto para transformá-las em matéria-prima de idéias, textos e histórias. E o “parar” é meramente simbólico aqui. Estou me referindo a sair da frente das palavras escritas na tela do computador para embaralhar as palavras que ainda estão nascendo na mente. Isso funciona muito bem aliado a...

4º - Exercitar-se

A atividade física estimula a respiração, que oxigena ainda mais o cérebro, libera endorfina, estimula o sistema linfático a trabalhar a remover impurezas das células de seu corpo, entre outros benefícios. Exercícios são cruciais para ocorrida corpo E para o cérebro (e, por que não, para o espírito). Não tem essa de escritor sedentário, de pensador cheio de atividade no cérebro e nada no corpo. Ficar parado fisicamente, pensando e fazendo pose de intelectual é excelente para criar um mito a ser idolatrado e vendido como “ideal” entre os pseudo-intelectuais de plantão. Corpo e mente são um só. Um reflete o estado do outro e, consequentemente, um estimula o outro. Assim, exercícios são sim nutrientes cerebrais.
E o bom das atividades físicas é que elas também permitem um momento para pensar, além de, dependendo da atividade escolhida, exercitar a concentração. É claro que isso é completamente vão sem...

5º - Descanso

Sono. Uma soneca bem-merecida, nas horas que o corpo pede, são cruciais para deixar as idéias em ordem, reorganizando os livros da prateleira cerebral que estavam jogados no chão. O descanso é até uma porta para a intuição e novas idéias que se manifestam nos sonhos. E mesmo com todas essas vantagens, há quem insiste em dormir pouco, acumulando olheiras, nervosismo e doenças como se fosse normal. Ótima maneira de se matar aos poucos.

6º - Equilíbrio

Eu falei pra você viajar, ler, exercitar-se, parar, dormir, mas ter uma vida equilibrada envolve tudo isso e adiciona um fator extra: controle emocional. Hoje em dia, ser estressado é aceitável, e até mesmo um indicativo de ser uma pessoa ativa. Talvez no mundo corporativo isso ainda esteja em voga, mas aos poucos cai. Nós temos um corpo e uma mente que merecem ser respeitados. Esse papo de “o dia devia ter 26 horas, no equilibrium_by_codrinsethmínimo” é coisa de gente que está forçando a si mesmo, saindo do próprio equilíbrio e constantemente se frustrando. Que tipo de escritor de sucesso você – e eu – será se não tiver o raciocínio, a saúde e as emoções no lugar? Provavelmente um bem escandaloso ou de vida curta. Não é bacana.
Por isso, corte as atividades que não forem prioridade para o seu desenvolvimento pessoal, otimize o tempo e se observe. Do mesmo modo que se deve ter experiências diversas para enriquecer a mente, não devemos deixar nosso verdadeiro EU sair de seu eixo. Só se for pra dar uma olhadinha pro lado e dizer “ah, assim que é o desequilíbrio? Ótimo, já sei como é.” E ponto final.
É claro que isso tudo tem de girar em torno do seu...

7º - Foco

O escritor, assim como qualquer pessoa que almeja produzir, criar e ter sucesso, deve ter foco. É bom se aventurar a escrever coisas diferentes, mas, geralmente, um romancista se foca mais em criar narrativas, enquanto um jornalista costuma ser mais informativo. Cada um mantêm o foco e se direção aprofunda no que tem afinidade. Isso não quer dizer que se possa ter multi-competências. Não! Experimentar, principalmente pra quem gosta de produzir e criar, é algo enriquecedor, contribuindo para uma escrita melhor. O que deve ser compreendido aqui é: quando dirigimos rumo ao sucesso só olhamos para uma direção, apesar de podermos alternar de faixas na pista.
No plano geral, o foco no objetivo final – o sucesso – é respaldado pelo aperfeiçoamento constante. Tudo o que falei nesse texto contribui para acelerar o crescimento pessoal, bem como para melhorar da escrita. Como disse antes, tudo isso é hiper-óbvio e geral. Por isso mesmo que é tão importante.





http://thiagodavin.blogspot.com/2010_04_01_archive.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Colabore conosco: escreva seus pontos de vista, opiniões ou críticas. Contamos contigo neste trabalho