terça-feira, 26 de junho de 2012

EBD Editora Betel - A Divindade de Jesus


Lição 01 – 1º de Julho de 2012

TEXTO ÁUREO
“No princípio, era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus”. Jo 1.1

VERDADE APLICADA
O meio mais completo de revelação de Deus é a encarnação, em que a vida e o discurso de Jesus foi a manifestação especial do Pai.

OBJETIVOS DA LIÇÃO
1.    Apresentar Jesus como tema central do Evangelho de João;
2.    Mostrar que Jesus foi rejeitado e que podemos também ser;
3.    Revelar aos homens que Jesus é Deus.

GLOSSÁRIO
 Axiomática: que encerra um axioma; evidente, incontestável, inquestionável;
 Encarnação: ato ou efeito de encarnar;
 Filosofia: conjunto de concepções filosóficas comuns a determinado grupo, época ou região;

INTRODUÇÃO
O propósito maior do Evangelho de João é afirmar que Jesus é o Filho eterno de Deus (Jo 20.31). O autor, segundo a tradição judaico-cristã, é o próprio João, o apóstolo. Ele é aquele discípulo a quem Jesus amava e que estava presente na última ceia, na crucificação, e ao túmulo vazio do Senhor. Na Bíblia, há quatro livros biográficos sobre Jesus, os primeiros três são geralmente conhecidos como sinóticos. João é impar porque nos ajuda a entender os outros três. Pois dá uma interpretação mais profunda da vida do Senhor.

1. QUEM É JESUS SEGUNDO JOÃO?
O Evangelho de João é, obviamente, notável por suas referências à divindade de Jesus. Já no princípio de seu livro, João expressa particularmente essa ideia: “No princípio, era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus” (Jo 1.1).
1.1. Ele é eterno
1.2. Ele é divino
1.3. Ele é criador

2. A ENCARNAÇÃO DE JESUS
Jesus veio ao mundo como um ser totalmente humano. Um conhecido judeu do I século d.C., participando de todas as atividades de um ser humano comum. Diferente de reencarnação, Ele de fato encarnou, fez-se homem e habitou entre nós (Fl 2.5-8). E  manifestou-se entre os homens como luz do mundo (Jo 1.4). Veio para eliminar as trevas profundas da humanidade. Essa é uma verdade essencial, negada terminantemente pelos gnósticos da época. Eles afirmavam que a encarnação de Jesus não teria sido real (1Jo 4.2,3). Mas João consegue provar que, de fato, Ele esteve entre os homens.

2.1. O testemunho de João Batista
2.2. A rejeição dos homens
2.3. A manifestação do verbo

3. AS BÊNÇÃOS DA ENCARNAÇÃO
Jesus, ao encarnar e viver entre os homens, comunicou suas bênçãos, enriquecendo a experiência humana com o que há de melhor do céu, a Sua própria natureza. Sua presença modificou comportamentos, trouxe esperança e pavimentou as estradas esburacas da alma humana. Sua graça, Sua verdade e Sua glória, marcaram para sempre, a história dos homens (Jo 1.14, 17).
3.1. A Graça de Jesus
3.2. Jesus é a Verdade
3.3. A Glória de Jesus

CONCLUSÃO
O evangelho de João procura mostrar de fato quem Jesus é, ele revela a sua identidade divina sem rodeios, mas de forma axiomática. Ele não se distancia das questões difíceis de seu tempo que envolvia necessidade de respostas mais bem elaboradas, ele vai profundamente a fonte de Vida e, com ousadia, traz de lá o seu ensino e pregação eloquentes. Nem tampouco ele tem medo de inovar fazendo uso das filosofias gregas, mostrando quem de fato era o Verbo verdadeiro.

Fontes:
Bíblia Sagrada
Revista: Jesus Cristo – Editora Betel - 3º Trimestre 2012 – Lição 01.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Colabore conosco: escreva seus pontos de vista, opiniões ou críticas. Contamos contigo neste trabalho