segunda-feira, 23 de julho de 2012

EBD Editora Betel - A Comunicação do Evangelho



A todos aqueles que leram este estudo ANTES DAS 21h do sábado, 28 de julho: fizemos os últimos acréscimos: finalmente acabamos! Não deixem de reler todos os ítens!




Assembleia de Deus CONAMAD
Lição 05 de julho de 2012


Texto Áureo

“Disse-lhe a mulher: Senhor, dá-me dessa água, para que não mais tenha sede e não venha aqui tirá-la.”. Jo 4.15

Na ocasião, tal sede falava pura e simplesmente de sede corporal, pois a mulher argumentava sempre sobre o poço, dificuldades e etc. De modo algum ele está pedindo um rumo pra sua vida ou alma nem “aceitando a Jesus”. Após concluir que ele era o Messias, sim, buscou a salvação (que só vem dele).

Verdade Aplicada

Pregar o Evangelho de forma clara e inteligente proporcio­nará melhores resultados para o Reino de Deus.

Notemos que o Senhor estava sendo sábio, inteligente e elaborador de atrativos para a mensagem (não “enfeites” e nem “jeitinhos”, criando doutrinas ou modelos fora da Doutrina Bíblica). Mas ele não foi claro, inicialmente: conseguiu atrair a atenção com enigmas e idéias para fazer meditar.

Objetivos da Lição

      Apresentar os passos que levaram Jesus à mulher samaritana;
      Analisar como aprofundar a comunicação do evangelho;
      Mostrar que o trabalho evangelístico, quando não esmorece, tem sempre bons resultados.

Glossário

      Arguta: capaz de perceber rapidamente as coisas mais sutis;
      Dessedentado: matar a sede de (alguém, algo ou si próprio);
      Grosseiramente: que denota indelicadeza, descortesia.

Textos de Referência

Jo 4.9  Disse-lhe, pois, a mu­lher samaritana: Como, sendo tu judeu, me pedes de beber a mim, que sou mulher samarita­na (porque os judeus não se co­municam com os samaritanos)?
Jo 4.10 Jesus respondeu e disse-lhe: Se tu conheceras o dom de Deus e quem é o que te diz: Dá-me de beber, tu lhe pedirias, e ele te daria água viva.
Jo 4.11 Disse-lhe a mulher: Senhor, tu não tens com que a tirar, e o poço é fundo; onde, pois, tens a água viva?
Jo 4.13 Jesus respondeu e disse-lhe: Qualquer que beber desta água tornará a ter sede,

Leituras Complementares

Segunda At 1:8
Terça Jo 14:26
Quarta Mt 28:19 e 20
Quinta Jo 3:16
Sexta Mc 16:15
Sábado Rm 10:10


Introdução

Nesta lição, estudaremos como Jesus estabeleceu um contato de maneira criativa a partir de algo simples com uma mulher. Veremos que, ao fazer isso, Ele demonstrou o seu interesse na pessoa dela, não fazendo caso de onde procedia, e aí aproveitamos para expor quão necessário é compartilharmos o Evangelho com os marginalizados, estigmatizados e desprezados da nossa sociedade.


1 Comunicação pessoal

Estava Jesus no sul de Israel, mas por causa da oposição farisaica retornou para a Galileia. Pusera-se a caminho e fora necessário passar por Samaria, por estar na região central de Israel entre a Judéia e a Galileia. Em Sicar, cansado da viagem decidiu sentar e conversar com uma samaritana. O registro dessa comunicação pessoal com uma mulher desencadearia uma série de consequências que afetaram a evangelização e o mundo. Ali Jesus transmitiu a maior das revelações no que tange a adoração, num golpe mortal nos preconceitos raciais, deixou ao mundo um legado de evangelização insuperável!

1.1   Jesus Iniciou o Diálogo (Jo 4:7)

Nota exegética D.A.:

Sabe-se que era tão grande o desamor e ódio, que até os objetos eram tidos como profanos, malditos e impuros/contaminados, apenas por ter passado perto de um samaritano! 
Sobre o final do versículo 9 (“...Pois os judeus não se relacionam bem com os samaritanos.”), literalmente consta no original hebraico: não usam pratos que os samaritanos já usaram alguma vez (2 Rs 17.24-41; Ed 4.1-5; Ne 4.1,2), como pode-se encontrar em  www.ibc.org.br/site/anexos/evangelhos_segundo_joao.pdf

“...Uma mulher samaritana. Nenhuma referência à cidade de Samaria, que ficava muito distante, mas ao território dos samaritanos. Ela vinha equipada para tirar água. Considerando que a aldeia de Sicar tinha água, é possível que a caminhada solitária da mulher ao poço de Jacó indique uma espécie de ostracismo imposto pelas outras mulheres da comunidade (cons. 4:18).
Jesus interrompeu o silêncio pedindo água para beber. Era um pedido natural à vista do seu cansaço. É um lembrete pungente da humanidade de nosso Senhor. Atendido ou não (a última alternativa parece a mais provável), o pedido introduziu a conversa. A partida dos discípulos foi providencial, pois a mulher não teria conversado com Jesus na presença deles...”

                                               Comentário Bíblico Moody – Editora Batista Regular

Alguns comentaristas concluem e ensinam que por ter tido vários casamentos e seu atual companheiro não ser seu marido legítimo, tal mulher passava por muitas humilhações e devia ouvir muitas e muitas coisas sobre si que a fazia evitar as pessoas. Ao meio-dia o calor era máximo, possivelmente pouquíssimas pessoas estivessem pegando água (que era uma tarefa de mulheres). Posa ser que mesmo as mulheres a escarnecessem e a deixassem constrangida, afinal, com tantos casamentos, o que garantiria que a mesma não se insinuasse a vários outros homens? Somando-se a isto, temos sua origem e ser mulher. Cristo subtraiu tudo isto e se apresentou como Criador e Salvador, depois de a fazer entender pelas escrituras sobre a Esperança de Israel.

1.2   Jesus Despertou o Interesse (Jo 4:10)

“...Havia muito ódio entre samaritanos e judeus. o caminho de Cristo desde a Judéia até a Galiléia passava por Samaria. Não devemos meter-nos em lugares de tentação, senão quando devemos e, então, não devemos permanecer neles, mas apressar-nos a passar por eles...
Cansado, pois, sentou-se no poço; não tinha um travesseiro onde repousar. Deste modo se sentou, como senta alguém cansado de viajar. Com certeza devemos submeter-nos rapidamente a ser como o Filho de Deus em coisas como essas.
Cristo pediu água à mulher. Ela se surpreendeu porque Ele não demonstrou a ira de sua nação contra os samaritanos. os homens moderados de todas partes são os homens que assombram. Cristo aproveitou a ocasião para ensinar-lhe coisas divinas: converteu a esta mulher demonstrando-lhe suas ignorância e concupiscência e sua necessidade de um Salvador. Se alude ao Espírito com a água viva. Com esta comparação tinha sido prometida a bênção do Messias no Antigo Testamento. As graças do Espírito e suas consolações satisfazem a alma sedenta que conhece sua própria natureza e necessidade.
O que Jesus disse figuradamente, ela o entendeu literalmente. Cristo indica que a água do poço de Jacó dava uma satisfação de breve duração...”.

                                                                       Cometário Matthew Henry NT Conciso - CPAD

Possivelmente ela teria tirado a água do poço e nunca teria iniciado qualquer tipo de troca de palavras. Poderia mesmo ter evitado aproximar-se dele, caso houvesse alguma outra atividade para usar como pretexto de ir junto ao poço após ele sair, mas não teve jeito: ele estava tão estrategicamente posicionado que toda a desunião fora ignorada e ela se aproximou dele. Ele não perguntou se ela conhecia a Deus nem se sabia os mandamentos ou se o servia conforme a Lei: ele se passou por necessitado DELA (realmente estava). Após derrubar as barreiras, mostrou que ela é quem mais precisava dele e de sua água incomparável.

1.3   Jesus Expos a Realidade Espiritual (Jo 4:14)

“...Numa terra quente em que a água, e ainda mais água “fresca” ou “viva”, é uma preciosidade necessária à vida, ela é usada como comparação para a salvação borbulhante e vivificante de Deus desde o AT. Cf., p. ex., Sl 23.2; 42.2; 65.10; Is 12.3; 44.3; 55.1; Jr 17.13; Zc 14.8. No entanto, aquilo que no AT ainda era anseio e promessa, agora está sendo cumprido por Deus. Jesus sabe que esse cumprimento do AT está em sua mão. Por outro lado, a nossa fé é grandemente fortalecida pelo fato de que por trás das afirmações de Jesus está a mensagem do AT. Mas para essa mulher tão apegada a seu pensamento cotidiano, terreno, Jesus passa a mostrar inicialmente a futilidade de seu pensar e labutar. Ao meio-dia ela está buscando água de longe para saciar sua sede. Como será breve esse refrigério para ela, logo a sede terá retornado. Assim, porém, acontece com todas as nossas “sedes”, com todos os anseios e buscas no âmbito terreno, nos quais na verdade investimos toda a nossa vida. No final isso é completamente vão. “Quem beber dessa água, terá sede novamente.” Acaso existe algo diferente? Assim como na história com Nicodemos, teólogo e membro do Sinédrio em Jerusalém, a novidade inaudita de Jesus é mostrada agora a uma mulher simples na Samaria, isto é, que ele, somente ele, mas realmente ele, tem para dar. “A água, que eu lhe darei”, é aquela “vida eônica” que Jesus ofereceu a Nicodemos. Essa água da vida verdadeiramente sacia a sede de vida. Contudo não o faz de forma a instaurar um mero sossego, não, a dádiva de Jesus “tornar-se-á nele uma fonte de água que jorra para vida eterna.” Mais uma vez é importante ater-se ao texto original. A tradução alemã de Lutero “que jorra em direção da vida eterna” pode causar o equívoco de que se trata da vida eterna que aguardamos para depois de nossa morte. Porém o texto grego “para vida eterna” nos remete ao tempo presente...”

                                               Comentário Bíblico Esperança NT - Editora Evangélica Esperança

Se não fosse profeta, como ele poderia ir tão fundo no coração dela? Vemos em nossos dias pessoas falando de coisas que são de conhecimento geral, para argumentar em favor de Deus (fatos, erros, sofrimentos, devassidões e etc.) e conseguirem ‘convencer’ (mais constranger, que qualquer outra coisa) o ouvinte sobre a necessidade de arrepender-se: tomam, assim, o lugar do Espírito Santo e acabam fazendo o que Deus não ensinou nem orientou. Quando é realmente Deus falando por meio de alguém, há mudança, pranto e arrependimento (não obrigatoriamente, pois o coração é aberto por dentro). Somente o dono pode abrir a porta de sua casa espiritual para que Pai, Filho e E. Santo entrem, transformem e operem.


2 Aprofundar a Comunicação

Para que a mulher pudesse beber da água que na pessoa torna-se uma fonte que salta para a vida eterna, ela precisava ser despertada da sua real condição pecaminosa até aquele momento. Todavia, o Mestre não lança em rosto os pecados da mulher grosseiramente, sob pretexto de estar falando a verdade ou em nome de Deus, mas trata da situação com muito cuidado, como um verdadeiro sábio que foi.

2.1 Denunciar o Pecado (Jo 4:16)

O que seria ‘denunciar’ o Pecado? O é “pecado”, propriamente? Se não soubermos definir isto (ao menos a terça parte, talvez), como iremos saber que nós mesmos fugimos dele ou se estamos tentando firmar os pés nos caminhos do Senhor? Ao evangelizarmos nosso próprio viver, passamos a exalar o Suave cheiro do próprio Cristo. Assim, então, estaremos como a melhor voz possível: a do testemunho pessoal e endosso do E. Santo. Doutor modo, tudo o que falarmos será rejeitado (ainda que mental e interiormente) pelos ouvintes, por saberem de nossos ruins, maus, péssimos ou horrendos hábitos. Mesmo com um viver piedoso, não estaremos livres de revides, questionamentos sobre outros pregadores, crentes ou desviados. Quando falamos impelidos por Deus, as sementes são colocadas bem fundo, longe das aves. Roguemos sempre que Deus prepare os corações, para serem férteis.

“...Jesus nota que a mulher começa a compreender. No entanto, agora ela precisa compreender de uma vez por todas. Precisa ver sua vida em sua realidade total, unicamente então poderá reconhecer também “o dom de Deus”. Jesus não frustra o pedido da mulher. Pretende conceder-lhe o que somente ele tem para dar. Contudo, esse dar começa pela revelação implacável. Para essa mulher vale o mesmo que Jesus disse no final do diálogo com Nicodemos. Ela precisa “praticar a verdade” e “achegar-se à luz” (Jo 3.21). É por isso que Jesus lhe dá uma resposta que nos surpreende totalmente, do mesmo modo como surpreendeu a mulher: “Vai, chama teu marido e vem cá...”.

Comentário Bíblico Esperança NT - Editora Evangélica Esperança

2.2 Adorar Verdadeiramente (Jo 4:23)

O que é adorar? O que é isto? Quais as necessidades e propósitos de adorar a Deus? Como fazer isto com sinceridade? Como observado na revista, realmente ela muda um pouco de assunto. Por mais desconhecidos que sejam tanto os comentaristas quanto os textos (ou ao contrário, muitíssimos famosos), não devemos nunca examinar sem eliminarmos nossos pressupostos, ainda que apenas um pequeno percentual. O adorar não se prende (ou anula-se ou se otimiza) ao local, nem ao horário, nem condições de tempo, pressão ou temperatura. Nem mesmo é preciso falar-se. Parte-se de uma atitude primariamente reverenciadora e de esmiuçar o interior, reconhecendo nossa total dependência até mesmo para ter tal oportunidade. Lembro-me das primeiras vezes em que percebi expressões faciais demonstrando ‘ligação’ com Deus, ‘estou ligado’ e etc. (digo de uma atitude de passar o que se quer fazer para o próprio rosto). Achava eu que tais pessoas eram realmente afinadas com o Céu, por tais ‘caretas’ (alguns exageram totalmente, acrescentando um som ‘uhmmm... é Deus...’. Não queremos com isso, dizer que é errado tais atitudes, mas que elas em nada nos edificam nem aos demais. Estar num viver adorador é, talvez (não estou dizendo para ser imitado), sair pulando com as roupas caindo, feito Davi. Isso aconteceu por um desligar-se de aparências exteriores, nada tendo de suporte a andar exibindo o corpo. Quanto mais se adora e rende-se tudo a Deus, mais temos desejo de continuar adorando, servindo e testemunhando/testificando. Certamente tudo o que seja de excesso ou de falta, Deus nos falará e nos mudará, desde roupas, vocabulário e pensamentos, a fé, arrependimento, boas obras e Operações de Maravilhas.

2.3 Jesus Traz Nova Revelação (Jo 4:26)

“...Isso provocou uma das maiores declarações já pronunciadas na Terra – que Deus é espírito; que ele está sempre procurando verdadeiros adoradores, que ele é indiferente a lugares e nacionalidades e métodos, que nós só poderemos adorá-lo depois que passarmos a viver na esfera do espírito e estivermos dispostos a alinhar nossa vida inteiramente com a verdade – esses conceitos revolucionaram o pensamento religioso da humanidade. Eles ainda não cumpriram sua missão, mas dão testemunho da supremacia singular de Cristo...”

Comentário Bíblico F. B. Mayer AT/NT – Ed.  Betânia’

A Lei conduziu a Nação Judaica até os tempos apropriados de paz, comércio, rotas entre cidades e outros detalhes absurdamente gigantes e outros milimétricos, que prepararam a manifestação do Ministério do Messias encarnado. Para sacramentar e confirmar, esteve João, o Batizador, no Deserto carimbando a credencial do Senhor. Daí, então, começou Cristo a confirmar em si mesmo os escritos sobre a Salvação. Deus descido entre os homens, Jesus mostra à mulher que saciava sua própria sede, que ele é o dessedentador definitivo da alma, não só do Judeu, como do Romano, do Grego, do Bárbaro e até do Samaritano (até das mulheres, crianças, iletrados ou doutores). Cabe-nos não apenas anunciar, mas proteger, conduzir, esclarecer, animar, confirmar e orientar tantos quantos nos sejam colocados frente-à-frente, quanto os que sejamos inspirados a buscar, saindo de nossos rotineiros locais de trabalho, estudos, reuniões ou oração. Tanto entre os guetos, favelas e subúrbios, como nas mansões, palácios de governos, TV, Rádio, Jornais, Revistas e diante de qualquer dirigentes, autoridades, poderosos ou dominadores. Deus nos dará palavras (de lembranças do que sabemos, estudamos, meditamos, praticamos e temos experimentado) comas quais não resistirão. Glórias ao santo nome do Senhor, criador dos Céus e Terra!


3 Resultados de uma Boa Comunicação

Depois de colocar a pessoa frente a frente com Cristo e instruí-la quanto ao que se deve fazer, devemos estar preparados para a aceitação ou rejeição da mensagem. A princípio alguém poderá aceitar ou rejeitar o evangelho e posteriormente esse resultado ser alterado. 

3.1 Ela se Torna um Agente Multiplicador (Jo 4:28-29)

Você já se perguntou com quantas pessoas Cristo começou o seu ministério? Respondam pelo site nesta postagem ou via e-mail. Os três primeiros que acertarem, ganharão uma inscrição grátis para o dia 25 da agosto, na SBB.

Cristo conseguiu algo muito frutificador: ao ganhar aquela vida para o Reino de Deus, ganhou também alguém que conhecia os moradores do local e que por sua condição (mulher e de vida conjugal desajustada), não sairia a tentar falar com os vizinhos, senão fora algo extremamente forte e urgente! Vemos que ela nem mesmo carregou a água que tanto necessitava e que lhe dava tanto trabalho de conseguir (pelo texto, notamos que desta vez ela não chegou a tirar a água do poço). O texto não diz que ela teve trabalho de os convencer, nem que teve que insistir várias vezes. Quando Cristo é recebido com humildade e sede, ele faz uma tão grande mudança em nosso ser, que isso irradia feito um incêndio e sente-se o calor de longe.

3.2 Os Samaritanos Insistem para que Jesus Permaneça (Jo 4:40 e 41)

Agora que aquele povo reconheceu e encontrou naquele forasteiro viajante, mais que um sábio e que um conselheiro, queriam fazer de tudo para que o profeta autêntico não fosse embora. Era o maior dos profetas, o mesmo predito por Moisés (Dt 18:15): O Messias esperado e encarnado homem! Agora todas aquelas pessoas passaram a serem portadoras da mensagem da Salvação e anunciadoras da Redenção de Israel, da Humanidade, da Natureza e de todos os que cressem nisto. Talvez nos parecesse hoje muito trabalhoso tanto trabalho e dedicação por apenas uma pequena chance de alcançar somente uma pessoa. Recebemos incentivos de que somente salvação/arrependimento em massa é que seria sinal do operar e do agir de Deus. Agora todas em redor seriam alcançado pois todos daquela cidade creram nele.

3.3 Os Samaritanos Creem que Jesus é o Salvador (Jo 4:42)

Não havia como negar o fato de aquele judeu ser profeta ungido por Deus. Não vemos o Senhor operar nenhum milagre ali, porém somente em ouvir as palavras testificadas intimamente pelo Espírito Santo, eles tiveram certeza de ser ele o Cordeiro prometido. Quantos em diversas situações maravilhosas, onde se viram mortos levantando, lepra, cegueira, paralisias e tantas outras moléstias saírem de vez apenas com o toque ou sentença do Mestre, deixaram de segui-lo ou mesmo sequer deram crédito? (Jo 10:25, 37 e 38) Foram muitos, em muitas vezes e em muitos lugares (Mt 13:58, Mc 6:4 e 6, 16:14). A pregação que fica detida diante de cor da pele, de lugares sujos, da Pobreza e de lugares de orgias, noitadas, bebedices, tráfico de drogas ou mortandades, não é o pregado com amor, compreensão do que é a Graça de Deus e tais pregadores não são nem ao menos agradecidos por terem sido agraciados com o perdão do Pai. Mas deva estar sendo pregado por constrangimento, imposição, pompas, exibicionismo, comércio e outros interesses tão ou mais infames que estes.


Conclusão

Temos, em Jesus, o supremo exemplo de ir ao nível dos homens, seja  qual for. O de Nicodemos, um notório mestre de Israel; ou da samaritana que era de outra etnia e de conduta duvidosa. O mais importante que aprendemos é amar as pessoas independente do que elas são, e a elas demonstrarmos esse amor através da comunicação do Evangelho, com todo o vigor para possibilitar a transformação delas espiritual e social também.


Fontes

Bíblia Sagrada ARC/ARA/ACF/TB/BV/NTLH/NVI/RV
Revista: Jesus Cristo – Editora Betel – 3º Trimestre 2012 – Lição 05
Comentário Bíblico Moody – Editora Batista Regular
Comentário Bíblico Matthew Henry NT Conciso – CPAD
Comentário Bíblico Esperança NT – Ed. Evangélica Esperança
Internet

Espanhol:
nuevo comentario biblico siglo xxi – AT/NT – editorial mundo hispano
comentarios biblicos Dr. Thomas L. Constable
comentario al nuevo testamento - SIMON J. KISTEMAKER – libros desafío
comentarios Bob Utley - East Texas Baptist University

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Colabore conosco: escreva seus pontos de vista, opiniões ou críticas. Contamos contigo neste trabalho