domingo, 14 de outubro de 2012

EBD Editor Betel - O discipulado do Apóstolo Paulo



Assembleia de Deus CONAMAD
Lição 03 – 21 de Outubro de 2012
escola dominical betel escola biblica betel escola bíblica betel escola dominical conamad auxilio professor ajuda professor subsídio professor auxílio professor subsidio comentario ebd comentário bíblico ebd professor mestre comentário biblico escola dominical comentario biblico escola bíblica comentario bíblico pregação pregador palestra estudo bíblico bíblico
Rogamos a todos que divulguem nosso trabalho e eventos, para a glória do Pai. Desejamos   boa aula a todos sob a direção do Espírito. Ótima semana e orem por nós!

R.S.Costa


Texto Áureo

“Vindo ter comigo, e apresentando-se, disse-me: Saulo, irmão, recobra a vista. E naquela mesma hora o vi”. At 22:13

Verdade Aplicada

Todos os grandes homens de Deus, em algum momento da sua vida, precisaram do cuidado de outros irmãos na fé, até mesmo, com menos potencial do que eles.
           
Não há grande que não comporte algo mais em si; que não necessite de uma palavra amiga. Não há pequeno que não possa dar algo de si: somos meros portadores da grandiosa unção do Alto.

Objetivos da Lição

Revelar que, num ato exclusivo de Cristo Jesus, Ele se revelou como o Senhor a Saulo;
Mostrar que, ainda que Jesus tenha começado a obra da conversão em Saulo, a igreja representada em Ananias ficou responsável em dar-lhe a assistência inicial necessária;
Expor que, Ananias, não passaria de um cristão esquecido* em algum canto se não tivesse obedecido àquela ordem de Cristo.

* Nota D.A.: Esta definição é melindrosa em extremo. Reflitam juntamente como os alunos: Ananias teve um excelente ‘cartaz’  com sua atitude e participação. Seguindo o raciocínio, deixou de ser um cristão esquecido. Assim, quem não faz algo de grande vulto, é por não ter impressionado Deus? Precisamos de exposições para atestar nossa ligação com Deus?Ao nosso ver, esta afirmação precisa de grande reformulação, caso a idéia/intenção tenha sido outra.


Glossário

Apologética: defesa, reconhecimento;
Auspicioso: esperançoso, prometedor;
Arguir: questionar, arrazoar;


Introdução

Paulo era um homem de grande valor para o judaísmo, uma pessoa preparada desde o seu nascimento, na convivência, na escola da sinagoga e, até, finalmente, tornar-se um pupilo do famoso Gamaliel. Tudo isso para lutar apologética e juridicamente pela causa do judaísmo do mundo pagão de sua época. Mas bastou uma aparição do Filho de Deus em sua glória para abater todo o seu orgulho genealógico, toda a soberba intelectual e ignorância espiritual.
           
A ‘ignorância’ de Paulo e de vários outros sábios, não é necessariamente ser possuído de ira nem de malignidades. Todos nós, mesmo os piedosos e atuantes em resgate de viciados, mendicantes e outros, podemos nos assemelhar e até mesmo ultrapassar tais posturas: basta nos inflarmos em nós mesmos. A soberba chega sutilmente e impregna todo o ser. Ela instalada  impede cegueiras das mais absurdas serem saradas. Você se enquadra em quem, Paulo ou Ananias?


1. A Necessidade de Cuidado

Após o encontro de Paulo com Jesus, no caminho de Damasco, ele fora curado e imediatamente começou a pregar. Isso aconteceu, mas não tão imediatamente, pois levou alguns dias. Veremos que foi necessário pelo menos três dias aguardando outra resposta de Jesus.

Lembremos de não irmos nem ao extremo de permitir alguém aceitar a Cristo e ganhar credencial de ministro/pregador, nem de se dizer que só pode pregar quem tiver feito Teologia. Paulo passou a pregar por ter recebido a graça de Cristo (um caráter de “testemunho” de sua conversão). Ele passou a disputar e debater com os rabinos, treinar e fazer missões devido a ser de antemão formado nisto, eloqüente orador e mestre da Lei, profetas e dos Salmos, além de saber vários idiomas.

1.1. Paulo não podia ver (At 9:8a)

...estando cego agora, Paulo foi conduzido por outros a Damasco (v. 8), onde se hospedou na casa de um Judas, na rua Direita (cp. v. 11). Tais pormenores, como o nome do anfitrião e da rua onde este morava indicam a existência de uma fonte bem perto do local dos acontecimentos (cp. 16:15; 17:6s.; 18:2s.; 21:8, 16; também 10:6).

Novo Comentário Bíblico Contemporâneo - David J. Williams – Ed. vida

Deus às vezes feria as pessoas com cegueira para impedi-las de realizar um propósito maligno ou como medida temporária para ganhar sua atenção (Gn 19:11, II Re 6:18-20, contraste com 6:17).

Comentário Bíblico Atos NT – Craig S. Keener – Ed. Atos

Se as montarias eram tão caras, como a família de Cristo possuía uma?Se tão caras fossem, quem ousaria sequer emprestar? Compartilhamos em parte o raciocínio do comentarista sobre não haver subsídios suficientes para sentenciar que Paulo usava montaria. Mas também não cremos que tais altos custos impediriam ele estar de posse de uma.
Sobre Paulo não poder mais ver temporariamente, queremos deixar algumas meditações e constatações. A Ciência nos explica que nossa forma de raciocínio, deriva das capturas principais: Visão, Audição, Tato, Paladar. À medida que vamos os perdendo, vamos remodelando nossa forma de compreensão, pela falta destes sensoriais. Quem nasce sem um ou mais deles, possui uma captura diferente das coisas, Mundo e das pessoas. Saibam, amados, que os cegos também sonham. Particularmente eu soube disto em um documentário. Encerro informando existirem confirmadamente duas pessoas no Brasil que não ouvem, não falam e não enxergam. Uma delas faz a comunicação (captura e transmissão) por meio de toques e apertos de mão, além de abraços e etc. (a segunda pessoa não tenho a precisão de onde vive ou mora).

1.2. Limitado para andar (At 9:8b)

“Saulo se levantou do chão, mas embora tivesse os olhos abertos, não enxergava mais nada, e foi conduzindo-o pela mão que os seus companheiros o fizeram entrar em Damasco [TEB].” Talvez devêssemos traduzir: “Saulo, porém, foi levantado do chão”. Não tinha condições de se erguer sozinho. Acontece com todos nós que abalos interiores também repercutem e se documentam fisicamente.

Comentário Bíblico Esperança NT - Editora Evangélica Esperança

Possuímos a sensação de controle e domínio da vida e do ambiente, por termos a dádiva da locomoção própria e autônoma. Paulo que era uma pessoa ativa, inquisitiva, inquieta e também trabalhava materialmente (sustento) fora seu trabalho em favor do Farisaísmo. Agora, porém, ele passa a depender por alguns dias da mão de alguém, do cuidado e da direção de outros. O mestre impecável passou brutalmente para um aprendiz semi-incapaz, semi-inválido.

1.3. Sem comer e beber (At 9:9)

Paulo permaneceu nesta casa durante três dias, sem comer nem beber — sinal, talvez, de profunda contrição, ou quem sabe em antecipação de outras revelações (cp. v. 6, e veja a disc. sobre 13:2), ou talvez como conseqüência de seu estado de choque. Paulo orava e jejuava. Sendo um fariseu devoto, deveria orar com muita freqüência. Entretanto, quem sabe pela primeira vez Paulo estava aprendendo a diferença entre "rezar, ou pronunciar palavras perante Deus" e orar (a reação do verdadeiro crente perante a graça de Deus que lhe foi dada por Cristo). O orgulhoso fariseu da parábola de Jesus havia tomado o lugar do outro homem (Lucas 18:9-14). Esta passagem ensina a importância da oração tanto para Paulo como para a igreja no desempenho de sua missão. Em todas as situações críticas desta história encontramos o povo orando (10:2, 9; 13:2, 3; 14:23; 16:13, 16, 25; 20:36; 21:5; 22:17-21; 27:35; 28:8; veja também 1:14). É também a primeira de várias passagens em que as visões estão ligadas à oração (cp. 10:2-6; 9:17; 22:17-21; 23:11; cp. também 16:9, 10; 18:9, 10; 26:13-19).

Novo Comentário Bíblico Contemporâneo - David J. Williams – Ed. vida

Nos dias de Jesus, os fariseus tinham transformado o jejum num ritual e num espetáculo. Jesus viu isso e reclamou. O jejum não é um ritual mecânico, para ser praticado simplesmente com o propósito de cumprir com a pratica de jejuar. Mas quando a tristeza, a culpa ou a necessidade por uma comunicação mais íntima com o Senhor pede isso, então o jejum pode ser praticado. Não é uma ordem expressa por Deus, mas o crente em Jesus pode sentir a necessidade de ir aos pés do Senhor, em humildade e grande consternação por motivos diversos: de tristeza, arrependimento, consagração…
Os cristãos no principio da Igreja jejuavam ocasionalmente , quando as circunstâncias segundo eles entendiam eram especiais.
Jejuar pode ser um meio de nos aproximarmos do Senhor, orando e meditando no Seu Amor, Poder, Perfeição e Perdão, sem interrupção para tomar qualquer refeição. Mas o jejum é, normalmente acompanhado de aflição, confissão de pecado e de desprendimento total da vida cotidiana.

Samuel Pereira

Dica de leitura D.A.: recomendamos a obra gratuita “O jejum - Luciano Subirá”, disponível na Internet ( www.letrassantas.hpg.com.br ), além das obras “O poder secreto do jejum e da oração - Mahech Chavda – Ed. Betânia


2. A visão de cuidado

O Senhor Jesus havia começado uma obra de conversão ao aparecer repentinamente para Paulo. Mas continuou operando no sentido de aperfeiçoar a fé que começara a despontar. Deus não começa nada que não possa terminar e tudo faz com perfeição. Todavia essa segunda parte ficaria por conta de Ananias, um legítimo representante do Senhor Jesus pertencente à igreja de Damasco.

Nada sabemos sobre Ananias exceto o que nos conta esta passagem. O versículo 13 indica que talvez ele residisse em Damasco e não sendo refugiado de Jerusalém. Não sabemos como o Evangelho chegou a Damasco nem como Ananias se converteu. O livro de Atos não nos dá uma história completa da igreja primitiva, mas relaciona apenas os acontecimentos mais importantes do seu crescimento. À rua que se chama Direita passava pelo centro de Damasco e ainda existe hoje em dia.

        Comentário Bíblico Moody AT/NT – Editora Batista Regular

Ananias (22.12) era um nome bastante comum e derivado da forma hebraica Hananiah, que quer dizer: “O Senhor demonstra sua graça” (Dn 1.6). A rua Direita existe até hoje em Damasco, sendo uma longa e reta avenida que corta toda a cidade de leste a oeste. Difere muito das demais ruas e avenidas da cidade que, em sua maioria, são sinuosas. Tarso, a cidade natal de Saulo, era um grande centro universitário e capital da Cilícia.

Introdução aos Atos dos Apóstolos - www.bibliotecareinonet.com.br

Tendo sido mestre, leigo, influente, ‘esquecido’, rico, pobre, jovem, idoso ou ancião, o que marcou sua aparição fora a obediência e seu sentido aguçado para ouvir o falar de Deus.

2.1. Levanta-te e vai à... (At 9:11)

Na seqüência Jesus age na vida de Saulo através de Ananias, assim como repetidamente realiza sua obra em um irmão por intermédio de outro irmão. Comunica-se com Ananias através de uma “visão”, que dificilmente podemos imaginar como uma visão em sonho, pois Ananias vai imediatamente até Saulo, e não poderia ter entrado numa casa estranha à noite. Ao mesmo tempo, Saulo recebe uma visão correspondente, que o prepara para a vinda de Ananias. Isso era necessário ao abalado Saulo. A “rua Direita” era conhecida como suntuosa avenida larga. Os judeus da cidade evidentemente eram ricos e respeitados, de sorte que um homem como Judas tinha meios de morar nessa rua.

        Comentário Bíblico Moody AT/NT – Editora Batista Regular

2.2. Punha sobre ele a mão... (At 9:12)

Note a obediência de Ananias. Primeiramente, foi e “entrou na casa” (At 9:17). Suas objeções ficaram de lado. Foi ajudar exatamente um indivíduo que podia prendê-lo.
Logo, obedeceu o que Deus lhe ordenou e impôs as mãos em Paulo.
Em terceiro lugar, o saúda fraternalmente: “Irmão Saulo.” Apesar de seus temores e receios, Ananias confia na palavra que recebera de Deus, e abre os braços ao perseguidor.
Em quarto lugar, Ananias expressamente explica por que tinha ido e dá a glória somente a Cristo: “o Senhor Jesus, que te apareceu no caminho por onde vinhas, me enviou” (At 9:17). Ananias não exigiu nenhum mérito. Disse aos fatos como ocorreram. Jesus Cristo era quem o havia enviado, e Ananias estava sinceramente obedecendo como servo fiel do Senhor. A iniciativa no havia sido de Ananias, senão do Senhor Jesus Cristo.
Por outro lado, Ananias indica o propósito para o qual Deus o havia enviado: “para que tornes a ver e sejas cheio do Espírito Santo” (At 9:17). Sua visão física seria restaurada, como também  receberia o Espírito Santo, que o faria compreender todas as coisas quanto a Jesus Cristo e ao  Plano da Salvação.
E assim aconteceu: “no mesmo momento lhe caíram de seus olhos como que escamas, e recebeu  naquele instante sua visão” (At 9:18).
Porém isso não foi tudo. Igualmente naquele instante, “levantando-se, foi batizado” (At 9:18). Este batismo foi, como em tantos outros casos de personagens da Bíblia, evidência de sua conversão, de sua fé no Senhor Jesus Cristo que havia ido pessoalmente ao seu encontro. Saulo então comeu, e isso o permitiu recuperar suas forças físicas. Então ficou “por alguns dias com os discípulos que estavam em Damasco” (At 9:19).

Los Hechos de los Apostoles - Jonathan Hernández  e Sandra Cisneros – BaptistWay Dallas, Texas

A imposição de mãos representa vários aspectos da ação de Deus: uma confirmação de missão outorgada (Mt 19:14 e 15 – receber O Reino, At 13:3 – Missões Evangélicas ), clamar por cura ou milagre (Mc 5:23, 16:18), separação para tarefas ou cargos (At 6:6), recebimento de unção, capacitação e talentos profeticamente(At 19:6). Contudo, não é algo no estilo ‘mercadoria em estoque’ nem ‘prateleira de supermercado’: não basta falar ou pensar e nem pensar que tem e iludir a todos, inclusive a si mesmo. Há momentos em que é necessário saber discernir o modo e o ‘quando’ (I Tm 5:22). Sempre vejamos também que mãos são as nossas, ao pensarmos em as impor (Tg 4:8) nunca fazer isto de brincadeira, exceto em representações didáticas, descritivas(relatos) ou teatrais.

2.3. Senhor, de muitos ouvi... (At 9:13)

Chegou a Damasco notícia da destruição feita por Saulo contra os cristãos em Jerusalém. Santos. Palavra comumente usada no N.T. em relação aos crentes.

        Comentário Bíblico Moody AT/NT – Editora Batista Regular

Não é dito, mas é possível supormos que Ananias nada ouvira do Senhor contra Paulo. Ao menos não recentemente. Porém, neste momento não era nenhum homem quem falava sobre Paulo: era o próprio Senhor quem falava da eleição direta para pregador, vaso, profeta e apóstolo dos gentios.


3. A Missão Cumprida

É interessantíssimo que o Senhor se permite arguir por Ananias e com ele palestra, ainda que brevemente. Depois de Ananias falar o que pensava demonstrando a necessidade de prudência, as providências para que tudo saísse perfeitamente em ordem e segurança estavam sendo tomadas naquele momento, em que Paulo como já foi dito, simultaneamente tinha uma visão acerca do próprio Ananias (At 9:15 e 16).

Queremos aplaudir o comentarista sobre os tópicos abaixo. Além de incluirmos algumas citações de obras sérias e clássicas, indicamos para deleite dos mestres os artigos abaixo, todos disponíveis na Internet (consultar pelo título). Não deixem de examiná-los!

Links:

Como Ananias…

O Duplo Chamado

A Conversão de Paulo

A Conversão de Paulo (II)

Ananias


3.1. Ananias foi ao encontro de Paulo (At 9:17)

Ananias finalmente venceu sua relutância, senão seu medo, e acabou indo à casa da rua Direita. Ali, impôs as mãos sobre Paulo, anunciando-lhe que havia sido enviado por Jesus, a fim de que tornes a ver, e sejas cheio do Espírito Santo (v. 17). Nenhuma palavra de recriminação, mas uma recepção calorosa à comunhão da igreja (cp. v. 27). A imposição de mãos deve ser vista como um sinal da cura dos olhos, não do enchimento de Paulo com o Espírito Santo—e menos ainda como método mediante o qual esse dom é concedido. O enchimento de Paulo com o Espírito Santo relaciona-se melhor com seu batismo, mas repita­mos, não como o método ou meio, mas simplesmente como um sinal externo de uma graça espiritual interna (veja a disc. sobre 2:38). A vista de Paulo foi restaurada (Lucas descreve a cura empregando termos de medicina)...

Novo Comentário Bíblico Contemporâneo - David J. Williams – Ed. vida

3.2. Paulo foi batizado (At 9:18)

“Imediatamente lhe caíram dos olhos como que umas escamas, e tornou a ver. A seguir, levantou-se e foi batizado.” Pela imposição de mãos de Ananias Saulo obteve não apenas a cura, mas também o Espírito Santo. Com isso ele não tem tudo de que precisa? Não obstante, para ele é óbvio que “levantou-se e foi batizado”, ao que parece como ato contínuo por parte de Ananias. O batismo não é um “problema”, nem está onerado com complexas questões teológicas. Ele documenta que alguém pertence a Jesus e sua igreja. Saulo não espera que somente pelo batismo se torne cristão e obtenha a graça de Jesus e o Espírito Santo. Ele já é propriedade de Jesus, recebeu a graça de seu Senhor e o Espírito Santo, ele é “instrumento escolhido”. Contudo, por essa razão não despreza o batismo. Por meio dele sepulta toda a sua vida antiga na morte do Senhor (Rm 6.3s), deixa selar-se no fato de estar crucificado “com” Cristo (Gl 2.19) e, conseqüentemente, considera-se morto perante o pecado e vivo para Deus em Cristo Jesus, seu Senhor (Rm 6.11). Ao mesmo tempo, o batismo o insere na igreja.

Comentário Bíblico Moody AT/NT – Editora Batista Regular

3.3. Paulo com outros discípulos (At 9:19)

Com o batismo acaba seu jejum: “Alimentou-se e recuperou as forças.” Não era mais tempo de luto. Tomou sua primeira refeição, com certeza do mesmo modo como o primeiro cristianismo em Jerusalém: louvando a Deus com júbilo e singeleza de coração (At 2.46). Cumpre supor que para ele essa refeição também se tornou ao mesmo tempo a celebração da “ceia do Senhor”. Então o “recuperar as forças” era físico e espiritual, fortalecendo, na unidade de “refeição” e “celebração da ceia do Senhor”, toda a pessoa de Saulo para o imenso serviço que começaria imediatamente.
Saulo convertido e batizado – como a história continua? Da forma mais natural: “Permaneceu em Damasco alguns dias com os discípulos.” Saulo não conhecia um cristianismo particular. Jesus não é simplesmente um Salvador pessoal para indivíduos, mas, como seu Redentor, é ao mesmo tempo seu “Kyrios” e o “Messias”. Conseqüentemente, Saulo pertence aos irmãos e busca sua comunhão. Que situação deve ter sido aquela, para ambos os lados! Saulo partira para aprisioná-los e arrastá-los para o processo capital em Jerusalém. Agora está como irmão entre eles, e faz parte deles.

Comentário Bíblico Moody AT/NT – Editora Batista Regular

Os alguns dias que Saulo passou em Damasco é um período de tempo muito indefinido. Imediatamente após a visão de Cristo, Saulo foi para à Arábia onde ficou por dois ou três anos (Gl. 1:15 e segs.). O curto ministério em Damasco pode ter acontecido antes ou depois da temporada de Saulo na Arábia. Havia numerosas sinagogas em Damasco, e neles Saulo proclamou a Jesus como o Filho de Deus. Esta é a primeira vez que esta frase ocorre no livro de Atos. Pode designar o rei messiânico como objeto do favor de Deus (lI Sm. 7:14; SI. 2:7). Este uso messiânico da frase Filho de Deus foi ilustrada pela pergunta do sumo sacerdote a Jesus (Mc. 14:61). Provavelmente, aqui, o termo tem o significado messiânico, pois Atos 9:22 diz que a pregação de Saulo provava que Jesus era o Messias (que aquele era o Cristo).

Comentário Bíblico Moody AT/NT – Editora Batista Regular


Conclusão

Os cuidados básicos desfrutados por Paulo de ser assistido, batizado, usufruindo da convivência com outros discípulos mais experientes são os mesmos direitos de todo o cristão neófito que entra nas milícias do Senhor Jesus Cristo. Se isso for ignorado, estar-se-á gerando um cristianismo anormal.

Fontes:

Bíblia Sagrada ARC/ARA/ACF/TB/BV/NTLH/NVI/RV
Revista: Apóstolo Paulo – Editora Betel - 4º Trimestre 2012 – Lição 03
Comentário Bíblico Atos NT – Craig S. Keener – Ed. Atos
Comentário Bíblico Moody AT/NT – Editora Batista Regular
Comentário Bíblico Esperança NT – Editora Evangélica Esperança
Novo Comentário Bíblico Contemporâneo Atos – David J. Williams – Ed. vida


Em Espanhol:

Los Hechos de los Apostoles - Jonathan Hernández  e Sandra Cisneros – BaptistWay Dallas, Texas

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Colabore conosco: escreva seus pontos de vista, opiniões ou críticas. Contamos contigo neste trabalho