domingo, 14 de abril de 2013

EBD Editora Betel - Os Cuidados com A Família e O Ministério Cristão


Assembleia de Deus CONAMAD
Lição 03 – 21 Abril de 2013
Revistaebd Revista escola bíblica dominical editora betel conamad Passagem bíblica trecho bíblico bíblia como estudar teologia bíblia escola dominical escola dominical betel escola biblica betel escola bíblica betel escola dominical conamad auxilio professor ajuda professor subsídio professor auxílio professor subsidio comentario ebd comentário bíblico ebd professor mestre comentário biblico escola dominical comentario biblico escola bíblica comentario bíblico pregação pregador palestra estudo bíblico bíblico

Nota MDA: Os textos em vermelho são os da revista, inalterados.

Não deixe de examinar profundamente cada artigo ou obra com link. São gratuitos e servirão como bases para argumentos e pontos de vista mais abrangentes e conscientes. Lembramos que eles não são diretrizes bíblico-doutrinais, apenas são fatos, experiências e dados.

Devido à importância estrutural (Igreja Local, Sociedade e até mesmo Nação) da Família, não nos contivemos em apenas tecer alguns comentários paralelos aos da revista. Advertimos a todos os professores e mestres que leiam todos os artigos com link disponibilizados pelo MDA dada é a extrema importância dos temas tratados. Professor ou ministro/obreiro que não souber ministrar um CURSO PROLONGADO sobre esta lição deveria ABANDONAR a carreira. LEIAM OS ARTIGOS e fiquem aptos e peritos nisto!

R.S. Costa

Texto Áureo

“Porque, se alguém não sabe governar a sua própria casa, terá cuidado da igreja de Deus?” I Tm 3:5

Verdade Aplicada

O trabalho cristão não pode ferir os valores da família. A mulher ou o homem que deixa sua casa em desordem e sai fazendo a “obra de Deus” não colherá os frutos da edificação.

Objetivos da Lição

Mostrar que não podemos deixar que as pequenas coisas destruam as nossas realizações no casamento;
Deixar claro as responsabilidades dos conjugues;
Ressaltar os cuidados no ministério cristão.

Textos de Referência

I Tm 3:1 - Esta é uma palavra fiel: Se alguém deseja o episcopado, excelente obra deseja.
I Tm 3:2 - Convém, pois, que o bispo seja irrepreensível, marido de um a mulher, vigilante, sóbrio, honesto, hospitaleiro, apto para ensinar;
I Tm 3:3 - não dado ao vinho, não espancador, não cobiçoso de torpe ganância, mas moderado, não contencioso, não avarento;
I Tm 3:4 - que governe bem a sua própria casa, tendo seus filhos em sujeição, com toda a modéstia
I Tm 3:5 - (porque, se alguém não sabe governar a sua própria casa, terá cuidado da igreja de Deus?);
I Tm 3:6 - não neófito, para que, ensoberbecendo-se, não caia na condenação do diabo.
I Tm 3:7 - Convém, também, que tenha bom testemunho dos que estão de fora, para que não caia em afronta e no laço do diabo.

Leituras complementares

Segunda Ec 9:9 Terça Pv 21:9 Quarta Cl 3:18
Quinta Cl 3:18 Sexta Ef 5:24 e 25 Sábado Ef 5:33


Introdução

A primeira instituição criada por Deus foi a família para dar estrutura a humanidade como uma sociedade organizada. Sem dúvida fomos criados por Deus para ter comunhão com Ele, mas Deus também nos criou para sermos criaturas sociais. Gênesis 2:18 diz: “... não é bom que o homem esteja só...” O homem depende um do outro. A família é a base de todos os relacionamentos para o ser humano. Nela aprendemos a interação pessoal, formulamos as ideias sobre os limites até onde podemos ou devemos ir, o que é aceitável e o que não é, aprendemos a cultura, a língua, os costumes, os padrões sociais; enfim, tudo o que é necessário para viver, sobreviver, agir e reagir, nós aprendemos na estrutura da família.


1. Cuidados com a Família

O cristão casado deve desenvolver um papel fundamental diante de Deus, como instrumento de honra para conduzir a família constituída ao ideal planejado por Ele. Há responsabilidades que devem ser repartidas entre os conjugues como: liderança, exemplos para os filhos e a sociedade e o cultivo do amor entre ambos. Sem dúvida o mais importante destes é o amor, pois sem o amor verdadeiro não é praticável a vida a dois.

O cuidado dos membros da família é de ordem dos pais, nunca do Estado, da Igreja e nem de Instituição alguma! Estes citados apenas auxiliam na condução do processo, mas não são os “donos” delas. Abramos o entendimento quanto a isto. Se largarmos nas mãos dos mesmos, teremos sido ausentes ou omissos. Se punições forem necessárias é de se reconsiderar nosso trabalho e dedicação.


Divinamente avisado em sonho pelo Anjo de Deus, José levou mãe (Maria, sua esposa) e filho (Jesus) para uma terra estrangeira; obedeceu para proteger sua família. Creio que somos chamados a fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para cuidar de nossa família também.
José deixou tudo para trás tem se demorar. Trabalho, projetos e planos, sua terra, cultura, gostos e interesses pessoais. Mudou o traçado de sua vida com um único propósito: proteger sua família de algo que poderia destruí-la. Fez de tudo salvar e cuidar da família. Protegê-la de todos os ataques e investidas do Mal. Perigos rodeiam nossos lares e entes queridos e os ameaçam de morte. Herodes ainda trabalha!
Herodes modernos se levantam de todas as formas: Televisão, Internet, Violência, Contra-Valores presentes em todos os cantos e recantos da sociedade. Ele surge altivo e arrogante, com seu relativismo ético, moral e religioso fazendo com que a família fique em segundo plano, chegando a deixar de existir em alguns casos. Herodes se mascara na prática com deixamos para trás casa, casamentos e filhos. Especializou-se em destruir os “santuários da vida” que toda família deveria ser. Façamos como José e, dispostos a obedecer à voz de Deus e fazer o que estiver ao nosso alcance, protejamos nossas famílias.

Os Dez Mandamentos para O Marido

1. Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, e à tua mulher como cristo amou a igreja (Dt 6.5, Ef 5.25);
2. Alegremente cumprirás o teu dever de provedor do lar, trabalhando e com o suor do teu rosto comerás o teu pão (Gn 3.19);
3. Protegerás a tua mulher com todas as tuas forças, tudo fazendo pelo seu bem-estar e segurança (Lc 12);
4. Darás honra a tua mulher como vaso mais fraco, coabitando com ela com conhecimento (1 Pe 3.7);
5. Vigiarás constantemente para não desejares a mulher do teu próximo (Mt 5.27);
6. Não darás lugar ao ciúme em tua mente, procurando ser puro em todas as coisas (Tt 1.15);
7. Manterás sempre o teu bom humor e não te irritarás com tua mulher (Cl 3.19);
8. Procurarás ter tempo para conversar com tua mulher, sabendo que ela tem necessidade de expressar o que lhe vai na alma (Ec 3.1);
9. Não mentirás a tua mulher, nem farás qualquer negócio sem que ela participe, procurando combinar com ela e ouvir sua opinião, como a auxiliadora (Zc 8.16);
10. Não serás avarento (pão duro), mas suprirás graciosamente as necessidades da sua esposa (Ef 5.5).

http://www.pibrolandia.org.br/os-deveres-do-marido-cristao


1.2 As responsabilidades da Esposa

O dever da submissão não é autoritarismo masculino. É ser conduzida pelo marido. Não deve haver questões sobre quem é superior ou é inferior, pois ambos são auxiliares mútuos entre si e despenseiros de Deus (não somente uma só carne, mas um em tudo). Devem possuir outras qualificações, como sérias e confiáveis; não devem ser faladeiras, mas sóbrias e fiéis em tudo (I Tm 3:11).

A Esposa Cristã (duas partes)

1.3 A responsabilidade de serem exemplos

Aos Maridos/Chefes de Família

- Liderar, prover e proteger a sua família
- O homem da casa precisa ser exemplo de sabedoria
- Ensinar com o diálogo, de forma didática e moderada
- Sempre usar o poder do exemplo pessoal.
- As palavras só chegam até onde a vida exemplar as projeta.

Às mulheres casadas/Mães de Família:

- Expressar submissão (respeitosa e com amor)
- A submissão destas também ensina como os filhos podem ser obedientes a Deus
- A mãe deve mostrar e ensinar o amor verdadeiro pelas suas atitudes
- O amor demonstrado é mais fácil de aprender do que o amor falado.
O marido tem de aprender que para ser esposo cristão é fundamental amar sem restrições, sem medida, assim como Cristo amou profundamente a igreja (Ef 5:25). O marido deve amar, dando tudo que puder de si mesmo para o bem estar de sua esposa. Porque o exemplo do amor de Cristo não foi apenas de palavras, mas de uma experiência viva de entrega para a humanidade, assim deve ser o amor do marido (Ef 5:26-27). Na prática, esse amor, respeito e carinho oferecidos à mulher resultarão em atitudes surpreendentes da mulher para com ele.

Deveres Básicos do Casal Cristão (parte 1) (parte 2)


2. Considerações na vida dos filhos

Os filhos são herança do Senhor, são a recompensa dos pais na relação conjugal (Sl 127:3). Eles são sempre apontados de forma positiva nas Escrituras, notadamente no ministério público de Jesus Cristo. Eles são destacados proeminentemente como capital espiritual e econômico do povo de Deus, uma verdadeira recompensa da parte de Deus, que nos ensina que os filhos são bens ativos e não dívidas. No entanto, o padrão dos filhos numa família cristã, é seguir o que foi estabelecido pelos pais.

Não esqueçamos que os filhos ‘dados’ pelo Senhor, são para cuidarmos, amarmos, instruirmos, corrigirmos e etc., contudo, nunca teremos o controle nem de suas vidas e nem do final de suas missões aqui: Deus nos confiou CUIDAR deles, apenas. Na realidade, eles pertencem ao Criador e aos seus planos.


2.1 A obediência, o respeito e a honra dos filhos para com os pais

Temos uma tendência (herdada culturalmente) de crer e entender que os filhos devem obedecer. Ora, eles só obedecerão se souberem como e o que é obedecer. Logo, cabe aos tutores ensinar a obediência. Esta, contudo, não é aprendida nas aulas de EBD, nos teatrinhos nem na Escola Secular: aprende-se a obedecer vendo pessoas, sobretudo os pais, obedecendo principalmente aos Mandamentos Bíblicos, às autoridades, leis, impostos, normas, vizinhos, mais velhos e etc. sendo obedientes ao próprio Senhor Jesus. Sabemos ser de muito grande importância estudar a Obediência em si, como matéria, como tema. Contudo é a prática vista que “instruirá o menino” a também poder praticar obedecer. A Família é a maior das universidades, o maior Centro de Estudos, o maior laboratório de ensaios e pesquisas e o mais excelente centro de referências na vida dos seres humanos.

2.2 A santidade como estilo de vida

A santidade que almejamos vai muito além de mera limpeza no exterior do copo (Lc 11.39). Não buscamos um antídoto que lide com as consequências, deixando de lado as causas de nossa presente condição humana. Nós buscamos o Deus vivo. A verdadeira santidade não é alcançada por meio do cum­primento de regras, mas seguindo a Cristo. ...nossas mentes tendem a justificar tudo em que acreditamos, quer seja verdade, quer seja mentira. A prova final de que nossas doutrinas estão corretas se evidencia em nossa vida: "aquele que afirma que permanece nele, deve andar como ele andou" (I Jo 2.6). O ímpeto destas mensagens atinge aqueles que desejam a vida santa e poderosa de Jesus Cristo.
Na verdade, ninguém que esteja satisfeito consigo mesmo chegará à essência destas páginas. Mas você, que se aplica a esses princípios eu entrego à graça de Deus, o único que poderá capacitá-lo a alcançar o alvo da verdadeira santidade.
Em alguma fase de nossa vida, seremos confrontados com as impurezas de nosso coração. O Espírito Santo revela a nossa corrupção, não para condenar-nos, mas para que haja humildade e o reconhecimento mais profundo da necessidade individual que temos da graça de Deus. É nesta encruzilhada que surgem tanto os homens santos como os hipócritas. Os que se tornam santos enxer­gam sua necessidade e se prostram diante de Deus para a salvação. Os que se tornam hipócritas são aqueles que, ao verem seu pecado, o perdoam e não se modificam. Embora todos os homens possam às vezes achar-se nesta posição, poucos são aqueles que aceitam a voz da verdade e poucos os que efetivamente caminharão humildes em direção à santidade.
Consequentemente, a santificação não começa com regras, mas quando se abre mão do orgulho. A purificação começa quando deci­didamente nos recusamos a encobrir a condição de nossos corações. Da autodescoberta nos vem a humildade, e da mansidão brota a ver­dadeira santidade.

O Desafio da Santidade – Francis Frangipane – Ed. Vida

A busca pela Santidade, juntamente com a prática, fará alguém se esforçar em parecer-se com Cristo. Não somente terá fé nele vivendo nele, como receberá forças para o viver diário e paz e gozo espiritual. Assim, trabalhará para ter a mente de Cristo e ser conforme sua imagem. Sua vontade em relação às outras pessoas será de andar ao lado delas, perdoá-las, ser generoso, gentil, solidário, ser manso e humilde e caminhar no amor de Deus. Em seu coração serão guardadas as palavras de I Jo 2:6: “Aquele que diz que está nele, também deve andar como ele andou”.

2.3 Lares que ainda não são cristãos

Nos lares onde impera o desconhecimento ou desobediência à Palavra de Deus, a única “pregação” cabível é o Testemunho e a Piedade. Deve-se ganhar (tanto terreno e confiança, como os corações e a amizade, vivendo o Evangelho) sem palavras pronunciadas. Porém tais práticas são gigantescos ensinos, modelos e sementes. Havendo pedidos de oração, ore. De conselho, aconselhe. Se alguém pedir para falar do seu Deus, da sua fé e da Bíblia, fale. Se alguém chorar, chore junto e nunca deixe de interceder por todos. Havendo cultos públicos ou festividades, convide as pessoas gentilmente. É indispensável não fazer críticas e nem ouvir louvores em alto volume “pra expulsar o Mal”. Aconselhamos a aquisição de bons livros específicos sobre o tema.


3. Cuidados com o Ministério Cristão

Há muitos ministérios na Igreja, mas o de liderança é o de maior exigência. A vida do obreiro não pode ser conduzida de qualquer maneira. Suas responsabilidades e obrigações, quando bem sucedidas, influenciam positivamente na história dos membros do corpo de Cristo. Se alguém tem o desejo de ser líder episcopal, que seja, mas há algumas condições: 1- precisa ter boa reputação; 2- ser fiel à esposa; 3- se de fácil relacionamento com os membros e não membros; 4- deve possuir entendimento no que diz; 5- não pode ser controlado por bebida forte; 6- ter autoridade sem autoritarismo; 7- ser generoso; 8- não ser ganancioso; 9- ser bom administrador; 10- deve ter atenção especial aos filhos, para que tenha respeito deles, pois quem não controla a família não terá condições reais de conduzir o rebanho de Deus; 11- não pode ser novo convertido, para que não caia no laço do diabo; e, 12- finalmente, ter bom testemunho dos de fora do Reino.

O propósito destas instruções (1Tm 3.14-16)

Como se deve proceder (15). Paulo está interessado em orientar a conduta de todos os membros da igreja, não somente de Timóteo, e isto por causa do caráter do meio em que vivem. Ele visa a cada congregação local; não emprega artigos definidos. Cada congregação é uma genuína casa (isto é, "templo" ou "família") e igreja de Deus, não ocupada como os templos pagãos por ídolos inanimados, senão gozando a manifesta presença do Deus vivo (15). Aliás, sua existência como corporação, e suas reuniões públicas regulares, provêem para a verdade, em dada localidade, um testemunho visível, ou coluna, e baluarte duradouro-gr. hedrioma. O vers. 1 resume essa verdade dando-a como mistério revelado aos que têm o espírito de vera piedade ou devida reverência. A confissão cristã comum indica a grandeza desse mistério (o grego diz que é "confessadamente" grande). E segue-se uma citação dessa confissão, abruptamente introduzida no grego por um pronome relativo masculino, obviamente referindo-se a Cristo; porque esse "mistério" é uma Pessoa (cf. Cl 1.27). As frases rítmicas e antitéticas sugerem ser isso citação de um primitivo credo em forma de hino. A preexistência de Cristo está aí implícita, e afirmada Sua encarnação. Foi pelo que aconteceu no reino do Seu espírito que Sua verdadeira identidade foi vindicada (cfr. Rm 1.3). Esta manifestação de Deus na história revelou novas maravilhas até mesmo aos anjos (cfr. Ef 3.10; 1Pe 1.12), e proveu um evangelho para ser pregado a todas as nações. A recompensa que a Cristo cabe, em conseqüência, é uma multidão de crentes, reunidos de toda a terra, e Sua própria exaltação a um lugar permanente de glória no céu. 

Comentário de J. W. Scott I Timóteo – Biblioteca Bíblica On-Line

3.1 Liderança na Casa de Deus

O ofício de bispo (I Tm 3.1-7)

O primeiro cuidado de Paulo aqui é estimular uma consideração adequada à tarefa de supervisão ou episcopado (gr. episkope), e o reconhecimento correspondente de que os que vão desempenhá-la devem ser homens de conduta ilibada. Bispo (gr. episkopos) e "ancião" (gr. presbyteros) eram, nos tempos do Novo Testamento, termos sinônimos de um só ofício (ver Tt 1.5-7; At 20.17-28); o primeiro indica função ou dever; o segundo dignidade ou condição. Esposo de uma só mulher (2); esta frase interpreta-se de vários modos. A frase paralela de 1Tm 5.9, esposa de um só marido, sugere que o seu significado é "casado só uma vez". Quer dizer, sem dúvida, homem desimpedido (o que não era o caso de muitos convertidos à fé), livre de complicações sexuais. Paciente, não briguento (3); no grego significa "indulgente" ou ponderado, e "não contencioso". Se a pessoa fracassa em dirigir seus próprios filhos, mostra-se incapaz para supervisionar a igreja, e dirigir outros eficientemente. Ensoberbecido (6); o particípio grego significa "anuviado", e, assim, um estado de confusão de espírito, devido a presunção por se haver elevado de súbito ao ofício. Condenação do diabo (6), provavelmente é referência à condenação em que o diabo incorreu por seu orgulho insensato. Embora alguns, pelo fato de o termo grego diabolos ocorrer nestas epístolas no sentido de "caluniador" ou "acusador" (ver o vers. 11), interpretem-no nos vers. 6 e 7 com este significado. Então a frase no vers. 6 significaria "a condenação proferida contra ele pelo caluniador típico"; e os vers. 6 e 7, reforçariam no fim a primeira qualidade de um bispo, mencionada no vers. 2, isto é, "irrepreensível", gozando de boa reputação, e assim não sujeito a ataques fáceis por parte do "caluniador"

Comentário de J. W. Scott I Timóteo – Biblioteca Bíblica On-Line

Concordamos em parte com o entendimento que tais passagens não significam que o pastor deva ser ca­sado (obrigatoriamente) ou, se for casado, que deva ter filhos. Porém, é provável que o casamento e a família façam parte da vontade de Deus para a maioria dos pastores, já que ele é chamado como modelo e ensinador, como ensinar sobre o que ele mesmo ainda não viveu?Os que possuem filhos que lhe obedecem nem o respeitam, dificilmente sua igreja obedecerá ou respeitará sua liderança. A Bíblia ensina que a Igreja e o Lar são uma coisa só. Temos que viver e guiar tudo (ambos) com amor, ver­dade e disciplina.
O pastor, os maridos, esposas e demais líderes devem ser uma mesma pessoa em casa e na igreja. Não sendo assim, haverá problemas. "Governe" e "gover­nar", em I Tm 3:4 e 5, significam "presi­dir sobre algo, dirigir", e apontam que o pastor local é quem dirige os negócios da igreja (não como um ditador, é claro, mas como um pai amoroso e cuidador de seus filhos/rebanho (I Pe 5:3). "Cuidar", em 1 Tm 3:5, vem de um termo que indica um ministério pessoal (dedicação) junto às necessidades da igreja. Na Parábola do Bom Samaritano narra o trato deste para com o ho­mem ferido (Lc 10:34 e 35).

3.2 Se alguém não cuida dos seus familiares negou a Fé

Principalmente, dos da sua família, é considerado pior do que o incrédulo (I Tm 5.8). Paulo compara os que não cuidam bem da família como sendo piores do que os descrentes. Negou tudo quanto o cristianismo defende, pois a fé exige obras e frutos. Quem descuida dos seus; deixa faltar o essencial até para a sobrevivência e não dá dignidade e atenção especial a sua família, é um insensato. Alguns estão largando suas famílias, seus casamentos, divorciando-se por qualquer coisa sem observar Mateus 19:1-9; Romanos 7:1-3 e I Coríntios 7:2-5,10,11; permanecendo como se nada tivesse acontecido. Como esse cristão irá aconselhar na área matrimonial se o seu estiver falido ou confrontando a Palavra de Deus? Nenhum sucesso ministerial cobre o insucesso no lar.

Honrar as viúvas que são sem dúvida viúvas, socorrê-las e sustentá-las. Dever dos filhos é fazer o mais que possam quando seus pais estão em necessidade, e eles podem ajudá-los. A viuvez é um estado solitário; contudo, que as viúvas confiem no Senhor e continuem orando. Todos os que vivem nos prazeres estão mortos enquanto vivem, mortos espiritualmente, mortos em delitos e pecados. Ai, que quantidade de cristãos só de nome encaixam nesta descrição, ainda no único tempo de sua vida!
Se os homens ou mulheres não mantêm a seus parentes pobres, efetivamente negam a fé. Se gastar em suas concupiscências e prazeres o que deveria sustentar a seus familiares, têm negado a fé e são piores que os infiéis. Se os que professam o Evangelho dão lugar a qualquer conduta ou princípio corruptos, são piores que os que confessam não acreditar nas doutrina da graça.

Comentário Bíblico Matthew Henry Conciso NT – Matthew Henry – CPAD

Deixamos abaixo artigos sobre vários temas ligados a Família, como escola, alimentação, enfermidades e até Ensino Secular:

3.3 O maior testemunho vem de dentro do próprio lar

O maior testemunho que um cristão pode ser é o que vem de dentro da sua própria casa (Pv 31:11,23,28-29). Há em muitas famílias pouca ou nenhuma educação sobre esse assunto. Quando falta educação sobra ignorância: quando falta diálogo sobra estupidez; quando falta respeito sobra indignidade. O bom testemunho de um dos cônjuges a respeito do outro e dos filhos sobre os pais são as coisas mais lindas que um cristão pode obter.
Quando um crente, obreiro, pastor ou líder eclesiástico abandonam sua própria casa ou a deixa, em desordem para cuidar mais da obra de Deus. esse tal não está agindo de conformidade com as verdades bíblicas. Outra situação é que não basta ser crente só na igreja, precisa mostrar amor e obediência ã Palavra dentro de casa. É lastimável quando a família não dá bom testemunho do cabeça da casa e gostaria de morar na igreja, pois lá o marido e pai tem respeito; o tratamento é outro, há educação e mostra-se espiritualizado.

No caso da mulher samaritana vemos uma pessoa que buscou o prazer do mundo, mas no demoníaco observamos uma pessoa violenta. O Senhor o salvou e o mandou para casa para contar aos seus parentes o que o Senhor lhe havia feito e quanta misericórdia o Senhor tinha mostrado por ele.
Quando você recebe graça, deve deixar que a sua família, os seus vizinhos e os seus parentes saibam que você agora é uma pessoa salva. Conte-lhes quão grandes coisas o Senhor tem feito por você e de que forma veio a crer n'Ele. Conte-lhes o fato e testifique fielmente para eles. Assim você irá inflamar outras pessoas e permitir que a salvação do Senhor tenha prosseguimento.

Testemunho Cristão Normal – Watchman Nee (?)

Estendemos o conceito "Lar" à instituição física da Igreja Local (o "templo com CNPJ"). Veja abaixo temas excelentes.

Testemunho Organizacional
A Divisão Espiritual no Lar
A Bíblia no Lar
A Origem do Lar e o Amor do Lar
O Lar Segundo o Coração de Deus
Os Filhos do Lar
O Dinheiro no Lar
Costumes Hebraicos


Conclusão

A lição de hoje para foi confrontar e aproveitar a oportunidade de ministrar às famílias que por falta de vigilância, têm abandonado o sacerdócio do lar, identificando as pequenas coisas que edificam ou destroem as famílias. Que cada um possa fazer a sua parte como instrumentos de honra para conduzir a família constituída ao ideal planejado por Deus.


Fontes:

Bíblia Sagrada ARC/ARA/ACF/TB/BV/NTLH/NVI
Pontos Salientes da Nossa Fé (revista) – Editora Betel – 2º Trimestre 2013 – Lição 03
Comentário de J. W. Scott I Timóteo (link)
Comentário Bíblico Matthew Henry Conciso NT – Matthew Henry – CPAD
Testemunho Cristão Normal – Watchman Nee (?)
http://www.esposavirtuosa.com
O Desafio da Santidade – Francis Frangipane – Ed. Vida

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Colabore conosco: escreva seus pontos de vista, opiniões ou críticas. Contamos contigo neste trabalho