domingo, 5 de maio de 2013

EBD Editora Betel - Honra a Teu Pai e a Tua Mãe


Assembleia de Deus CONAMAD

Lição 06 – 12 Maio de 2013
Revistaebd Revista escola bíblica dominical editora betel conamad Passagem bíblica trecho bíblico bíblia como estudar teologia bíblia escola dominical escola dominical betel escola biblica betel escola bíblica betel escola dominical conamad auxilio professor ajuda professor subsídio professor auxílio professor subsidio comentario ebd comentário bíblico ebd professor mestre comentário biblico escola dominical comentario biblico escola bíblica comentario bíblico pregação pregador palestra estudo bíblico bíblico

Nota: Amados, são 11h (sexta): TERMINAMOS!
Orem por nós, voltem aqui mais tarde e ajude nosso trabalho divulgando o site MDA em suas listas virtuais, junto a seus amigos e vizinhos e em suas igrejas e outras (porque não?). Um abraço!

R.S. Costa


Texto Áureo

“Honra a teu pai e a tua mãe, que é o primeiro mandamento com promessa”. Ef 6.2

O valor da obediência é facilmente percebido na palavra "honra", que traduzida do grego timão quer dizer: valorizar, estimar, dar preço a. Os filhos devem ser ensinados a honrar os pais, porque assim a Bíblia ordena: "Honra a teu pai e à tua mãe".
A desobediência desonra os pais, visto que é a obediência o alicerce da felicidade de um lar. A obediência deve ser racional, passível e cheia de amor. Há muitos pais que exigem obediência dos filhos, mas um tipo de obediência cega e irracional. Os valores da vida devem ser colocados em destaque. Quando os filhos tiverem consciência desses valores, a obediência aos pais será questão de honra para eles.
O apóstolo declara que é "o primeiro mandamento com pro­messa". Por que Deus faz promessas aos obedientes nesse manda­mento? Porque a célula mater da sociedade é a família. O bom relacionamento entre pais e filhos dignificados com a honra, o amor e o respeito trará resultados positivos. E a promessa surge logo no versículo seguinte: "... para que te vá bem, e vivas muito tempo sobre a terra" (v. 3). Na verdade, Paulo faz a citação e reafirma o texto que está em Êxodo 12.20. A promessa tem um sentido presente e futuro. A obediência desse mandamento para os filhos lhes trará bênçãos materiais e espirituais. O crente deseja o Céu antes de tudo, mas a promessa é também "sobre a terra".

Comentário Bíblico Efésios – Elienai Cabral – CPAD

Verdade Aplicada

Os filhos devem se comportar de tal maneira que levem os seus pais a se sentirem felizes pelos filhos que têm.

Objetivos da Lição

Mostrar que a insensatez dos filhos não atrai as bênçãos de Deus;
Ressaltar que os filhos obedientes serão felizes e terão vida longa na terra;
Destacar que os filhos podem desempenhar papel especial na família para alegrar seus pais.

Glossário

Obedecer: sujeitar-se à vontade de; estar sob a autoridade de; estar sujeito, seguir as instruções, agir de acordo com as normas estabelecidas;
Honra: consideração; valorização e reverência; destaque pela posição desempenhada; dar dignidade;
Correção: ato ou efeito de corrigir, de repreender e reparar erros ou defeitos.

Leituras Complementares

Segunda I Co 14:1               Terça I Co 14:2         Quarta I Co 14:3
Quinta I Co 14:4                   Sexta I Co 14:5          Sábado I Co 14:6


Introdução

Há muito tempo, o relacionamento entre pais e filhos tem sido um dos dramas da sociedade. Mas nunca, na história, houve tanta possibilidade de mudanças. Muitos debates, literaturas e palestras por vários canais de informação, têm sido disponibilizados para que aconteça uma transformação nos lares, no entanto, a cada dia que passa, mais notícias negativas e estarrecedoras têm chegado até nós. Filhos que não valorizam e se rebelam contra a figura paterna e materna, e por isso vivem uma vida fora do alcance das bênçãos de Deus. Escrevendo uma história medíocre de sua própria vida. Mas há princípios nas Escrituras que se forem resgatados, veremos mudanças em todo contexto da sociedade. Vamos começar:



1. Deveres dos filhos

Os deveres dos filhos passam pela obediência, pela honra, pela proteção aos pais, principalmente quando estes chegam à idade mais avançada. Neste contexto de ajuda aos pais, o filho tem o dever de diminuir os sacrifícios dos pais na sua própria educação e criação, nem que seja por gratidão. Os filhos também devem ser estudiosos, trabalhadores, respeitadores, humildes e disciplinados. O filho inteligente não espera sofrer consequências para saber que não obedeceu aos seus pais, ao quais, possivelmente, estavam certos.

Quando falamos na educação de filhos e na postura destes em relação aos pais, entramos num dos principais problemas das famílias hoje em dia.
Tome-se como exemplo a nossa sociedade. Na área profissional espera-se que a pessoa tenha um período de preparação para exercer uma atividade específica.
O médico, por exemplo, estuda aproximadamente 10 anos antes de exercer profissão efetivamente. A maioria das faculdades tem em média 4 anos de preparação. Encanadores, mecânicos, pedreiros, inicialmente trabalham um bom tempo como aprendizes.
Mas para o trabalho de educar um filho, não se dá e nem se exige nem um treinamento formal. Ainda mais hoje, quando há uma liberalidade e um relativismo quanto ao sexo, mais e mais jovens têm se tornado pais e mães sem preparo ou maturidade alguma, até mesmo sem ter se casado.
Assim, pequenas vidas que nascem têm ficado aos cuidados dos adultos ou jovens que possuem pouca ou nenhuma experiência na educação de filhos. Diante disso muitos pais e mães devoram os livros sobre educação de filhos na tentativa de se orientar. Outros vão agindo pelo instinto, naturalmente.
Mas qual é orientação bíblica quanto ao assunto? A orientação bíblica é muito clara quanto à educação de filhos e também quanto à conduta dos filhos em relação aos pais.

                Vivendo em Família – Andrei Almeida de– www.maxmode.blogspot.com

1.1 Obedecer aos pais

Mas por que os filhos devem obedecer aos pais?

A obediência que os filhos prestam aos pais visa a unidade da família. Existe um princípio teológico aqui. Cristo veio trazer unidade para a igreja. Os filhos têm a responsabilidade levar adiante o plano de Cristo de trazer unidade entre as gerações. Em outros textos Paulo mostra que a desobediência dos filhos aos pais é um dos aspectos que sujeitaram a cultura gentílica à condenação de Deus (Rm 1:30; II Tm 3:2).
É responsabilidade dos filhos colaborarem com o modelo familiar instituído por Deus, o qual visa a UNIDADE DA FAMÍLIA.
Quando filhos obedecem aos pais, cumprem o plano de Deus, e isso É JUSTO. É correto, é certo segundo a Lei do Antigo Testamento, e está de acordo com o próprio exemplo de Cristo (Lc 2:51).

Vivendo em Família – Andrei Almeida de Barros

- Obedecer aos pais sem desprezá-los (obedece e escarnece ao mesmo tempo)
- Obedecer de forma espontânea e consciente
- As seguir o exemplo que Jesus deixou pela obediência a José e Maria
- Ao sofrerem disciplinas, os filhos devem ter a convicção que seus pais foram colocados no lugar de Deus, com a responsabilidade de orientá-los no caminho do Senhor.
            A Bíblia diz que é um grande mal o filho ser rebelde e não obedecer à voz do pai nem à da mãe. No Antigo Testamento, os filhos rebeldes eram punidos com pena de morte (Dt 21:18-21). No entanto é importante que os pais aprendam a dialogar com os filhos, não esquecendo que os tempos são outros. Os filhos de hoje, estão acostumados a dialogar nos ambientes escolares, então é preciso que, com uma boa conversa, possamos educar inteligentemente os nossos filhos. Pois autoritarismo não faz bem a ninguém.

1.2 Honrar os pais

Além de obedecer,  o versículo 2 ensina que os filhos devem HONRAR seus pais.
Honrar significa afeição sincera e respeito. A honra está intimamente ligada a obediência. Desta forma, o que mostra que um filho verdadeiramente honra seu pai e sua mãe é a OBEDIÊNCIA. 
Era comum naquela época reforçar nos filhos a instrução citando os mandamentos, que já tinham sido ensinados anteriormente. E é por isso que Paulo cita o quinto mandamento, que se encontra em Êxodo 20.12 e Deuteronômio 5.16.
É difícil saber com precisão o que Paulo quis dizer quando fala que este quinto mandamento é na verdade “o primeiro mandamento com promessa”.
Algumas possibilidades:

● Alguns que entendem que aqui é o primeiro mandamento na segunda tábua do Decálogo, pois os judeus freqüentemente dividiam os Dez mandamentos em duas tábuas de cinco.
● Outros interpretam “primeiro” como o primeiro mandamento a ser aprendido pelas crianças e então as palavras “com promessa” são acrescidas como lembrança para encorajá-las.

Das várias explicações possíveis, a mais provável é que Paulo quer dizer que o quinto mandamento é um mandamento BÁSICO. Ou seja, o apóstolo está destacando para os filhos este mandamento como prioridade.

Vivendo em Família – Andrei Almeida de Barros

Essa promessa citada como condicional (“... para que...”), gera nos filhos mais disposição em obedecer, pois é como uma premiação. Calvino diz que Paulo usa um tempero, um condimento, numa ilustração, para que a submissão seja mais agradável e receptível.
Do que se trata a promessa? Trata de vida longa (aqui na Terra!). A Vida provém do próprio Deus – Ele a mantém. Os que forem obedientes para com os seus pais, que lhe trouxeram os filhos à vida, estão seguros em Deus de que tudo estará bem com eles em sua vida.
A força da vida familiar, o ensino de filhos em hábitos de obediência e ordem, eram os meios e os sinais de estabilidade numa comunidade ou nação. A quebra do vínculos familiares, ao deixar de existir o respeito aos pais, torna a comunidade  decadente e não haverá vida longa – conclusões claras em Deuteronômio 6.1-8.
Uma família, onde filhos obedecem seus pais e lhes dedicam honra, favorece e fortalece a sociedade, a comunidade e a igreja. Família forte e estruturada, sociedade e comunidades idem. Os filhos devem honrar e respeitar os pais, cuidar deles, ouvir suas palavras e obedecê-los, portanto.

1.3 Não desamparar os pais

            Pai e mãe, padrasto ou madrasta ou tutores (os que criaram sem serem os pais) são merecedores do amparo, que é responsabilidade dos filhos (cuidar dos pais e assisti-los até o fim de suas vidas), mesmo pros que moram longe. A Bíblia chama de maldito ao filho que desprezar seu pai ou sua mãe (Dt 27:16). Os filhos devem se dar com carinho, dar atenção, visitas, abraços e suporte financeiro, tanto quanto possam. Sabemos que há alguns filhos pensando em livrar-se deles, internando-os (largando, na verdade) em asilos. Mesmo que não falte dinheiro, enfermeiros ou boas condições humanas ou habitacionais e mesmo que haja vários amigos indo vê-los ou visita-los, nenhum filho deve ficar passar dias sem ter ver seus pais (ao menos telefonemas ou mensagens escritas), porque o maior presente que os pais esperam receber é a presença dos filhos. Nada substitui a presença física.
            Quem não obedece aos pais não será feliz. Nada dá certo para um filho desobediente que não ouve os pais, que não aceita conselhos e anda pela sua própria cabeça desprezando a voz da experiência e do direito. Os pais querem o melhor para os filhos. Quando alguém fala mal de um filho, os pais se levantam como leões para defendê-lo. Cuidado, filhos! Há também no Brasil, uma lei chamada Estatuto do Idoso, que é tão rigorosa contra os filhos que desamparam seus pais na velhice que pode levar a cadeia o infrator.


2. Compreensão dos filhos

Os filhos precisam compreender que a responsabilidade dos pais é muito mais do que ser amigos. A função dos pais é diferenciada (proteção, provisão, disciplina). Os pais precisam muitas vezes corrigir e ensinar o caminho certo para que seus filhos não sofram mais tarde. Mas não se pode negar que muitos pais exageram, com a superproteção, que não contribui em nada na formação das crianças. O excesso de zelo pode acarretar problemas futuros. A intromissão exagerada pode começar na vida dos filhos pelo namoro, depois na vida profissional e há casos que os pais decidem até o futuro de seus filhos.

2.1 Aceitar os conselhos dos pais

        O pai não apenas correu para receber o filho, mas também honrou sua volta, preparando um grande banquete e convidando o povo de sua vila a participar. O pai nem deixou que o filho mais novo terminasse sua confissão; interrompeu-o, perdoou-o e mandou que começasse a comemoração!
        No Oriente, não era apropriado a um homem de idade correr, mas o pai correu ao encontro do filho. Um dos motivos óbvios para isso era seu amor por ele e seu desejo de lhe mostrar esse amor. Mas há outra questão envolvida. O filho desobediente havia envergonhado a família e a vila, e, de acordo com Deuteronômio 21:18-21, deveria ter sido morto por apedrejamento. Se os vizinhos tivessem começado a apedrejá-lo, teriam acertado o pai que o abraçava! Que imagem maravilhosa do que Jesus fez por nós na cruz!

www.revistaebd.com

            Melhor que arrepender-se e pedir perdão e haver reconciliação, é ter humilde obediência e atenção aos ensinos paternos. Se chegou-se a ter a erros tão graves, uma das partes falhou (ou ambas). Contudo, é necessário grande quebrantamento e força de vontade para se vencer o orgulho e tentar fazer as pazes, restaurando a harmonia perdida. Na Parábola citada o que fez a diferença para o filho perdido foi que em vez de dizer: “Pai, dá-me", ele disse, "Pai, trata-me [...] como um de teus trabalhadores". Estava disposto a servir ao pai, nem que fosse como escravo.

2.2 Aceitar a correção dos pais

            Desprezar a correção dos pais é tolice (Pv 15:5) além de causar males e sofrimentos. Cabe aos pais cumprirem com a responsabilidade de educar seus filhos na doutrina e admoestação do Senhor (Ef 6:4). Os filhos que ouvem e atendem a correção dos pais são pessoas sábias (Pv 13:1). A disciplina gera sabedoria, mas o filho entregue a si mesmo envergonha sua mãe (Pv 29:15). Outra missão dos pais é ensinar que não podemos fazer somente o que queremos na vida, mas o que é agradável a Deus.
            Os que vivem sem correção são bastardos e não filhos (Hb 12:8). Os pais do passado corrigiam os filhos e eles os respeitavam (Hb 12:9). O que retém a vara odeia seu filho, mas o que o ama, a seu tempo o disciplina (Pv 13:24). Se um filho recebe disciplina é para seu próprio bem, não fique magoado!

2.3 Aceitar os ensinos dos pais

            Os pais devem ensinar quase na mesma proporção em que os filhos devem obedecer, sem que um lado se abstenha contando unicamente que o outro seja fiel/eficaz em suas atribuições. Pelo fato de que os pais previamente estão cientes da Vontade Divina, estes são mais ‘culpáveis’ quanto a não cumprirem suas funções perante Deus. Uma criança é uma “massa de modelar” sofrendo cozimento demorado, por assim dizer. Já os pais deveriam estar “bem cozidos” ao terem filhos. Entretanto, o foco aqui é alertar os filhos quanto a parte que lhes cabe: crer na Bíblia e obedecerem seus pais. Isto se dificulta em muito, quando os pais são descumpridores, relapsos, maus servos ou não servem a Deus (nem estamos citando as dificuldades das Trevas que nos cercam em todos os lugares).
            Os filhos não podem lembrar-se dos pais somente nos dias especiais de aniversários e datas comemorativas, pois somos filhos o ano inteiro. Muitos filhos só dão valor aos pais depois que eles partem desta vida. Quando não os mais têm no dia das mães; nem no dia dos pais, então se recordam com tristeza pela consciência pesada por não terem feito mais por eles nem acatado seus ensinos amáveis e benfeitores.


3. Consciência dos filhos

É necessário aos filhos saberem o que os pais representam, assim eles não serão tratados de qualquer maneira nem ridicularizados pelos próprios filhos. É necessário também aos filhos saberem que os pais são responsáveis pela existência deles; desde cedo lhes ensinaram as primeiras letras, deram o leite e trocaram as fraldas; não os deixaram abandonados e, muitas vezes, deixaram de se alimentar para matar a fome deles; deixaram de comprar algo para si para investir neles; e, no frio, não só entregaram seu próprio cobertor para agasalhá-los como usaram de seu corpo para aquecê-los.

3.1 Os filhos não podem amaldiçoar os pais

Que as crianças escutem a sentença da Palavra de Deus para com o ingrato e desobediente; e que lembrem que Deus certamente lhes dará sua retribuição se tiverem amaldiçoado a seus pais, embora tenha sido em silêncio, ou se tiverem levantado a mão contra eles, salvo que se arrependam e fujam a buscar refúgio em seu Salvador. Que os pais aprendam daqui a serem muito cuidadosos na formação de seus filhos, dando-lhes um bom exemplo, especialmente no controle de suas paixões, e ao orar por eles, tendo cuidado de não provocá-los a ira.

        Comentário Bíblico Matthew Henry Conciso – Matthew Henry – CPAD

Amaldiçoa a seu pai. Uma ofensa capital (Êx. 21:17; Lv. 20:9). Vários graus de maldição e rebeldia filial eram reconhecidos. Sem dúvida a pena capital só era executada em casos extremos. Mas a atitude divina para com a ofensa foi declinada aqui e em 30:11 (veja contexto). Mús densas trevas. A palavra significa menina dos olhos, como símbolo da escuridão do meio da noite.

Comentário Bíblico Moody AT/NT – Editora Batista Regular Moody

            Os filhos são heranças do Senhor (Sl 127:3). Como uma herança divina pode fazer maldade, castigar, maltratar ou amaldiçoar os pais? Há uma geração que amaldiçoa seus pais e que não bendiz suas mães (Pv 30:11). O que a seu pai ou a sua mãe amaldiçoa terá sua lâmpada apagada e ficará em densas trevas (Pv 20:20). Não murmure contra seus pais, não faça xingamentos nem diga palavras ofensivas; trate-os com carinho e amor como Deus ordena.


3.2 Os filhos não podem zombar dos pais

            Chamar os pais de cafonas ou quadrados é falta de respeito, educação e inteligência, pois eles viveram suas juventudes em outra época e os costumes mudaram, o mundo evoluiu¹. É necessário, portanto, respeitá-los como de outra geração, cultura diferente e realidade diversa. Evidentemente, os filhos de hoje são mais esclarecidos e podem compreender melhor² esta situação cultural. Os olhos que zombam do pai ou desprezam a obediência à mãe serão punidos (Pv 30:17). Ouve teu pai que te gerou e não desprezes tua mãe, quando esta envelhecer (Pv 23:22). Cuidado! A velhice chegará também para os jovens, quando, às vezes, só haverá chance para remorso e não mais para arrependimento e conserto!

Notas MDA:

¹ O que vemos no Mundo, nem sempre são criações recentes. Muito da tecnologia fabril perdeu-se durante o Dilúvio, de forma que encontram-se artefatos e construções confeccionados várias dezenas de anos antes do período no qual cremos que se desenvolveu tais recursos/tecnologias (na verdade, se redescobriu e se reinventou). Logo, a Evolução de hoje possa não o ser de fato, mas apenas alterações, mudanças e adulterações. Evoluir, do modo como vemos que tem sido, não é exatamente melhorias nem a real evolução.
² Também não há como entendermos e crermos que as gerações de hoje realmente compreendam melhor as coisas, já que em resposta aos vários recursos disponíveis temos mais e mais atrocidades, vandalismos, violências, monstruosidades e loucuras contra o Criador.

           
3.3 Os filhos não podem envergonhar os pais

            Quantos filhos têm causado vergonha para os pais por praticarem rebeldia! Às vezes, se entregam às aventuras desta vida, entram por caminhos de perdição e praticam tudo que os pais não ensinaram. Muitos caem nas bebidas, cigarros, drogas, prostituições, adultérios, assassinatos, furtos, roubos, assaltos e outras práticas¹ violentas e criminosas. O filho deve honrar o pai e a mãe tendo uma conduta que lhes proporcione alegria (Pv 19:26). O sábio alegra seu pai, mas o insensato é tristeza para sua mãe (Pv 10.1; 17.25). Grande miséria é para um pai ter um filho insensato (Pv 19:13a).
            Muitos filhos são incapazes de reconhecer o esforço dos pais para criá-los e, por isso, não agradecem o que fizeram ou fazem até hoje por eles. Alguns acham que é obrigação e esquecem-se de que um dia eles também serão pais. A maioria só começa a dar valor aos pais quando também se tornam pais, quando chegam os seus filhos. Fica a lição de Pv 31:28 onde se lê que os filhos da mulher virtuosa a chamam “bem-aventurada”.

¹ Nota MDA: Discorra com sua turma sobre o que seriam “outras práticas violentas” e sobre práticas suaves, doces e até mesmo costumeiras e ensinadas em escolas e outros locais, mas que são afrontosas, desonrosas e que envergonham aos pais e a Deus, principalmente.



Conclusão

Cada filho não deve querer chegar à condição em que chegou o filho pródigo, o qual só deu valor aos pais depois de perder tudo e sofrer desprezo, nostalgia e fome. Foi cuidar dos porcos, a maior vergonha para os judeus, pois não somente o serviço era desagradável, mas para um judeu ortodoxo era um serviço impuro. Os filhos precisam entender que os seus pais são dádivas do Senhor. Então, que cada filho valorize intensamente e incondicionalmente a seus pais.


Fontes:

Bíblia Sagrada ARC/ARA/ACF/TB/BV/NTLH/NVI
Pontos Salientes da Nossa Fé (revista) – Editora Betel – 2º Trimestre 2013 – Lição 06
*Vivendo em Família – Andrei Almeida – www.maxmode.blogspot.com
Comentário Bíblico Matthew Henry Conciso – Matthew Henry – CPAD
Comentário Bíblico Efésios – Elienai Cabral – CPAD
www.revistaebd.com
Comentário Bíblico Moody AT/NT – Editora Batista Regular Moody


Bibliografia Recomendada (Estude Mais)

Estão Detonando Nossas Crianças - Damares Alves, advogada, assessora jurídica da Frente Parlamentar Evangélica e professora (link)

Obs.: Excelente estudo sobre a Carta aos Efésios, não mais encontrado na Internet. Quem desejar uma cópia gratuita basta nos contatar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Colabore conosco: escreva seus pontos de vista, opiniões ou críticas. Contamos contigo neste trabalho