domingo, 16 de junho de 2013

EBD Editora Betel - A Contenda Produz Desunião






Assembleia de Deus CONAMAD
Lição 12 – 23 de Junho de 2013
Revistaebd Revista escola bíblica dominical editora betel conamad Passagem bíblica trecho bíblico bíblia como estudar teologia bíblia escola dominical escola dominical betel escola biblica betel escola bíblica betel escola dominical conamad auxilio professor ajuda professor subsídio professor auxílio professor subsidio comentario ebd comentário bíblico ebd professor mestre comentário biblico escola dominical comentario biblico escola bíblica comentario bíblico pregação pregador palestra estudo bíblico bíblico

Nota introdutória MDA: De forma alguma estamos nem queremos sugerir aquela máxima “...se aqui não está do seu agrado, você é livre para procurar outro lugar...”, “...existe vários tipos de igrejas... você não é obrigado a ficar aqui, se não se sente bem...”. Tais expressões mais parecem um “passa-fora” disfarçado de algum líder que não consegue mudar as idéias de alguém ou teme que haja disseminações ruins entre o rebanho.
Demos nosso parecer sobre questões doutrinais questionáveis (muitas delas impositivas ) por acharmos devidas as argumentações sadias, no intuito de serem eliminados possíveis equívocos, na maioria das vezes rechaçadas pelos líderes (medo econômico?). Quer fazer um teste? Expresse qualquer posição pessoal sobre 1)formas de liturgias e hábitos denominacionais, 2)Dízimos, 3)Ordenação Feminina ou 4)Propaganda política no Púlpito (apoio eleitoral explícito), diferentes das ‘aceitáveis’ e você ouvirá os “passa-fora” que falamos.

Texto Áureo

“E rejeita as questões insensatas e absurdas, sabendo que produzem contendas”. II Tm 2:23

Quanto mais sigamos o que é bom, mais rápido e mais longe fugiremos do perverso. Manter a comunhão dos santos nos tirará da comunhão com as obras infrutíferas das trevas. Note-se quão freqüentemente o apóstolo adverte contra os debates na religião; o qual demonstra com certeza que a religião consiste mais em crer e praticar o que Deus requer que em disputas sutis. São inaptos para ensinar os que são dados a esforçar-se, e são ferozes e ousados. Ensino, não perseguição, tal é o método das Escrituras para tratar com os que estão no erro.
O próprio Deus que dá a revelação da verdade, por sua graça nos leva a reconhecê-lo, do contrário nossos corações continuariam rebelando-se contra isso. não existe o "por acaso" Enquanto a que Deus perdoe aos que se arrependem, mas não podemos dizer que dará arrependimento aos que se opõem a sua vontade.
Os pecadores são introduzidos numa armadilha, e na pior delas, porque é do diabo; eles são seus escravos. Se surgimento anseia libertação, que lembre que não pode escapar exceto por arrependimento, que é a dádiva de Deus; que devemos pedi-lo a Ele com oração fervorosa e perseverante.

Comentário Bíblico Matthew Henry Conciso AT/NT – Matthew Henry –  CPAD

Verdade Aplicada

As questões polêmicas nunca ajudaram o cristão ser convicto; pelo contrário, geram contendas no meio da igreja.

Objetivos da Lição

Ressaltar que é papel da igreja admoestar os insensatos que vivam procurando assuntos polêmicos;
Deixar claro que a correção precisa ser com mansidão para não perder os transgressores;
Conscientizar de que o amor deve superar todas as nossas diferenças teológicas, administrativas e eclesiásticas.

Glossário

Polêmico: em que há controvérsia, que é questionável, provoca discussão e leva a debates não conclusivos;
Fábula: história fictícia, narração alegórica, coisa imaginária, mito;
Digladiar: combater com espada, lutar; contender, disputar, discutir calorosamente, enfrentar com brigas.


Introdução

A ocorrência de conflitos em uma igreja local é muito comum. O que não deve ser considerado comum é a aceitação de uma comunidade cristã com essas características, norteando a sua rotina religiosa. As divergências entre os irmãos, ou até mesmo entre as lideranças acontecerão. Cumpre a cada um procurar a melhor forma para a conciliação amigável. O conselho pastoral de irmãos mais experientes, ou até em um grupo de irmãos mais maduros, podem ajudar, mas nunca substituir a orientação das Escrituras. Não podemos deixar de seguir o padrão da Palavra de Deus, pois nEla estão as orientações básicas para uma igreja vitoriosa.
O caso, ao meu ver, nem seja tanto passar vergonha ou envergonhar alguém, mostrar-se pouco conhecedor ou mesmo ‘perder’ para alguém mais ‘simples’ (seja em questões de dinheiro, porte físico, beleza/nobreza do bairro onde mora ou de tipo de casa e etc.), mas quais os motivos de alguém ficar polemizando, perturbando ou tirando alguém do sério. Se o caso é de aprendizado, dúvidas, erros ou ignorância, que fossem marcados encontros de ensino extra ou mais aprofundados. Afinal de contas  se alguma afirmação, ensino,  crença ou doutrina está na revista de EBD, possivelmente é o entendimento imposto (sic) ou conclusivo de dado grupo ou denominação. Os cultos de ensinamento não são lugares de debates, opiniões pessoais críticas ou descabidas e outras lástimas iguais.

A origem das contendas

Por vezes imaginamos a Igreja Primitiva como sendo um exemplo de perfeição, um pedaço do céu. Alguns chegam a enunciar  “imitemos as igrejas primitivas”,como se as igrejas de hoje fossem fracas e mundanas em oposição às puras e santas igrejas do primeiro século.
O que podemos notar mediante um estudo mais profundo do NT é que boa parte dele foi escrita para solucionar problemas das igrejas já existentes, deixando claro que estas não eram de forma alguma perfeitas.
“Guerras e contendas” são duas palavras que denotam que estava havendo divisões, rixas e competições dentro da Igreja de Cristo. (Será que esse era um problema só do tempo de Tiago?)
Donde vem então as guerras e contendas? - pergunta Tiago. Ele mesmo responde: “Dos vossos deleites”, ou seja, o espírito de contenda entre os irmãos é produto da carnalidade humana, da carne trabalhada pelo intenso desejo de prazer, de satisfação.
Então Tiago enumera uma série de atitudes erradas daqueles irmãos:
- Cobiça: Desejar melhores condições de vida não é errado. É uma legítima aspiração humana. Mas “cobiçar” aqui não é uma aspiração legítima.É um desejo não inspirado por Deus .
- Inveja: Significa aqui “arder em ciúmes “pelas posses alheias.
- Pedidos mal feitos: Lembremo-nos das palavras de Jesus em Mat 7:7,8. Muitas vezes pedimos e não recebemos porque pedimos mal. São os deleites, os prazeres que nos levam a pedir mal, de forma desfocada da vontade divina.
- Amor ao mundo: Importa lembrar aqui que “mundo” não são as pessoas. “Deus amou o mundo...”Temos um sentido moral no termo: não é possível amar a Deus e ao conjunto de valores pervertidos que se opõe a Ele. “Infiéis” traz literalmente o sentido de “adultério”. O cristão deu seu coração a Jesus Cristo. Apaixonou-se por Ele. Amar o mundo é adulterar contra Cristo, é dividir o amor que lhe foi prometido.

Fé e Obras: Estudos na Epístola de Tiago (Lição IX) - Paulo Rogério Petrizi

O Que Guarda sua Boca, Conserva a sua Alma (estudo completo sobre falar ou calar)


1. As questões tolas devem ser evitadas

Para que ficar debatendo assuntos de difícil interpretação (II Pe 3:16) que, às vezes, têm vários significados ou sentidos que não foram revelados a nós? (Dt 29:29). Procuremos nos deter no que é explicável. Muitas igrejas nascem como resultado de visões e interpretações de homens carnais que sempre levantam polêmicas sobre questões bíblicas dizendo que os outros estão errados.

Que os ignorantes e instáveis deturpam, como também deturpam as demais Escrituras. Pedro se refere àqueles que fazem cavilações sobre a autoridade das obras paulinas, considerando-as espiritualmente sem fundamento e indignas de crédito. O apóstolo concede às cartas deste homem que foi seu contemporâneo e que já o criticou, um lugar entre as demais obras sagradas. Compare com as declarações do próprio Paulo de que suas injunções quando foram escritas eram mandamentos divinos (I Co 14:37; I Tm 6:3).

Comentário Bíblico Moody AT/NT – Editora Batista Regular

1.1 Procure não ocupar tempo com falatórios inúteis

Conceitos orientadores: otimizar o tempo; higiene mental; poluição sonora; descontrole; exibicionismo social

Há muitos mestres e entendidos em temas teológicos e bíblicos que amam duelar com outros irmãos (geralmente com menos compreensão ou entendimento) e que poderiam usar seus talentos, tempo, conhecimentos e argumentação para convencer os desviados, os feridos e os incrédulos sobre o Amor, Juízo e Salvação de Deus em Cristo. Se há um dom de argumentar, que ele seja usado em favor do Reino. Havendo respeito, paciência e respeito, seria possível convencer muitas pessoas sobre a Salvação. Desde que estes debatedores não se tornassem soberbos, presunçosos nem intolerantes, seriam de grande valia.

Ímpio: a rigor algo acessível para todos (um santuário). Os narradores de mitos violam arbitrariamente o mistério de Deus, por lhes faltar a reverência diante da santidade de Deus.
Absurdo: literalmente conversa fiada de mulheres velhas – ocorre somente aqui no NT, mas é um termo conhecido na disputa entre filósofos gentios. Não se deve tentar depreender do emprego dessa palavra uma conotação hostil às mulheres. Antes deve-se pensar em uma alusão à magia negra praticada por mulheres. Práticas de magia e superstição eram amplamente difundidas em Éfeso, a capital das artes ocultistas.
Rejeita: repulsa forte, assim como em 2Tm 2.23: controvérsias; Tt 3.10: pessoas heréticas. As fábulas devem ser rejeitadas de forma decidida, os que difundem as fábulas devem ser convencidos com mansidão. Isso constitui uma distinção e instrução clara.
No entanto, exercita-te na beatitude. A frase restabelece o nexo direto com o mistério da devoção (1Tm 3.16), do qual os hereges se desviaram em direção dos mitos infames, que tentam perscrutar arbitrariamente o mistério divino e utilizá-lo para os seus fins (QI 15).
Exercita-te: na disputa esportiva, mas também vale em sentido figurado para o exercício das forças espirituais e psíquicas, termo empregado com freqüência no helenismo; Paulo só o usa na presente passagem. No entanto, isso não serve de argumento contra a autoria dele, porque no v. 10 Paulo utiliza a palavra da luta (de competição) da mesma maneira como em 1Co 9.24-27, justamente em sentido idêntico ao daqui: está em jogo a correta abstinência por causa de um objetivo. Quem se exercita visa estar em forma e fazer progressos. Cabe desenvolver as forças físicas ou o dom espiritual.
Por medo e rejeição de uma mística mal-compreendida perdeu-se em grande proporção o sentido bíblico da meditação, expondo com isso a igreja à subnutrição espiritual. De maneira idêntica nunca foi possível explicitar de forma satisfatória o sentido do exercício na fé nem incentivar para ele quando se temia falsa segurança, falsa posse e disposição sobre a fé. Mas aquele que se exercita jamais chega ao fim, nunca encerra sua “preparação”. Exercitar-se significa: repetir!

Comentário Bíblico Esperança NT - Editora Evangélica Esperança

1.2 Rejeita as fábulas profanas

Conceitos orientadores: lendas; disse-me-disse; boas escolhas; conversas suaves; temas construtivos e empolgantes

A doutrina herética e a atenção dada aos mitos e genealogias intermináveis produziram especulações e controvérsias inúteis em lugar de piedade evangélica. Os versículos 3, 4 formam a cláusula dependente de uma sentença principal da qual são os versículos 5-7. A relação pode ser observada 1) omitindo-se assim o faço agora (E.R.C.), que foi acrescentado pelo tradutor, 2) pontuando-se uma vírgula em lugar do ponto e vírgula, depois de fé, 3) omitindo-se ora do versículo 5. O pensamento então seria: "Exatamente como eu o exortei . . . o fim (propósito) do meu desafio é o amor. .. ". Veja comentário sobre II Tm. 1:3.
Os mitos e as genealogias eram provavelmente ensinamentos gnósticos ou proto-gnósticos. O Gnosticismo tinha dois extremos: ascetismo, como em 4:3, e licenciosidade antinominiana, como o texto institua. Comentários errados sobre a lei, e especulações gnósticas deixavam assuntos de imoralidade declarada sem correção. O serviço de Deus (edificação de Deus, E.R.C.) é o assunto próprio da doutrina sadia, e portanto faz um paralelo com o "amor" no versículo 5, e o "bom combate" do versículo 18. O amor é o resumo das obrigações religiosas e éticas (Rm. 13:10; Gl. 5:6). A doutrina sadia produz ordenamento divino ou superintendência divina da vida.

Comentário Bíblico Moody AT/NT – Editora Batista Regular

Os ensinadores judeus sabiam várias sequências de geneologias. Ora se discutia possíveis significados dos nomes de cada um quanto a uma mensagem profética, ora se discutia sobre a quantidade e ora se discutia sobre saber ou não citá-las sem erros ou diferenças. Tal costume veio desde antes da invenção da Escrita e visava não se perder os vínculos com o Criador. Depois foi aproveitada para não se perder o vínculo mental, histórico nem sentimento como nação (durante e após o exílio babilônico muitos começaram a achar não serem mais judeus). Mas dava-se tanto valor a estas listagens que era comum grandes embates sobre isto, o que em si só gerava problemas e pperda de tempo. Além de tudo isto, ainda era muito comum a cultura de histórias lendárias e de veracidade incerta (fábula). Ainda hoje há tal peste em nosso meio: reconta-se relatos e testemunhos que não se sabe onde aconteceu, os nomes das pessoas, data, detalhes precisos e nem mesmo se é verdade. Certamente você já ouviu a história da fila gigantesca de anjos dizendo “boa-noite”, da história das pegadas na areia (foi um sonho mesmo? Foi só uma poesia? Foi uma visão? Chegou a virar uma gravação, inclusive), da visita do Diabo a Lutero e a lista dos pecados ou do menino que encontrou dinheiro dentro de um peixe. Particularmente não aprovamos a cultura de sempre se contar estórias fantasiosas junto a mensagens ou ensino; acaba virando uma regra! Contemos testemunhos verídicos e comprováveis, experiências pessoais e contribuamos para uma real e sólida edificação uns dos outros.

1.3 Nenhuma profecia é de particular interpretação

Conceitos orientadores: ditadores da verdade; falsos profetas; engano de incautos; mestres soberbos e não ensináveis

Colocado ao lado do que foi dito no versículo 21, a referência destes versículos parece ser às Escrituras do V.T. É um espantoso tributo à validade das Escrituras Sagradas, que Pedro declare, que sejam mais dignas de crédito do que uma voz do céu ouvida com os ouvidos naturais. Por implicação, aqui está uma censura àqueles mestres que indo além das Escrituras criam artificialmente teorias místicas. Homens (santos) falaram da parte de Deus movidos pelo Espírito Santo, ou falaram da parte de Deus, sendo sustentados pelo Espírito Santo. Esta passagem lembra muito o comentário sobre inspiração profética registrado em I Pe. 1:10-12, outro laço entre as duas epístolas.

Comentário Bíblico Moody AT/NT – Editora Batista Regular

Eis aqui o ponto que faz muitas pessoas não seguirem nenhuma igreja: a enorme diferença de entendimentos, métodos e pontos contrários. Muitos bradam: “a minha doutrina/teologia é a verdadeira... ...ela é a certa...”, “aqui se ensina A Verdade...” Ora, se todos (dizem e creem) estão certos plenamente e há tantos pontos desencontrados, como pode uma regra (a Bíblia) ser guia de alguma coisa? Na verdade quando alguém diz suas ‘verdades’, está dizendo suas conclusões e entendimentos; está dizendo o que apurou lendo, aprendendo e estudando. Se alguém descobrisse sozinho todas a verdeiras, plenas e únicas interpretações (o que Deus realmente disse), logo-logo todos iriam passar a crer e ensinar assim, seguindo a esta descoberta (particular interpretação, de certa forma). O que queremos dizer é: até mesmo para se descobrir uma interpretação falsa ou torcida, é necessário muita cautela, empenho, exame e a mentoria do E. Santo.


2. Não há lucros nas controvérsias

Alguns irmãos extremistas consideram ultrapassado, o conjunto de normas e funções que as Assembleias de Deus utilizam para promover a vida cristã sadia, e não querem mais os cultos de doutrina; Escola Bíblica Dominical tradicional; questionam as nossas literaturas e querem criar novos métodos paralelos para outros estudos, onde levantam polêmicas a respeito da administração eclesiástica, da figura do pastor, da forma de governo ministerial, dos líderes de departamentos e dos pontos bíblicos de difícil interpretação (II Tm 4:3 e 4). Isso nunca rendeu lucro para ninguém, mas tem causado muitos aborrecimentos à direção das igrejas.

A insistência na fidelidade e sã doutrina torna-se mais necessária por causa do perigo da apostasia nas igrejas. Coceira nos ouvidos. As pessoas terão vontade de ouvir o que satisfaz a seus desejos pecaminosos. Isaías caracteriza poderosamente a atitude em 30:9-11. Mestres. O princípio é de Oséias: "tal povo, tal sacerdote" (Os. 4:9; Jr. 5:30, 31). Cercar-se-ão significa multiplicar, ter uma abundância de falsos mestres.
Verdade. Muito linda é a constante orientação da Bíblia à verdade, uma palavra de amplo significado para a revelação de Deus, centralizada em Jesus Cristo.
Fábulas. Abandonando a única base da vida, suas esperanças e conduta serão edificadas sobre a areia e os mitos (veja coment. sobre I Tm. 4:7). Em II Pe. 1:16 os mitos estão em contraste com a verdade escrita de Deus. Portanto, mais urgente se torna a necessidade de intensificar a sã doutrina.

Comentário Bíblico Moody AT/NT – Editora Batista Regular

2.1 O partidarismo dentro da igreja deve cessar

Conceitos orientadores: rivalizações; colaboração X competição; trabalho local internalizado; destaque pessoal X honrar a Cristo; problemas típicos pentecostais; piedade X hipocrisia

Afirmar que nenhuma igreja é perfeita nos faz termos quietude interior e elimina o sentimento de soberba (minha igreja é a melhor e etc.), além de nos preparar para problemas ocasionais. Contudo, esta afirmação é muito utilizada para se tapar o quadro extremado de badernas, brigas e discórdias várias. O fato de existir falhas em todos os grupos não me alivia nem me desobriga a parar de ser problemático ou passar a ser cego quanto aos meus erros ou do grupo em si (no geral, o povo imita os líderes ou faz tudo o que estes permitem, no pior sentido da coisa). O partidarismo é um destes tais graves problemas que muito é ignorado, disfarçado e estimudo às avessas (eu promovo o partidarismo com todas as minhas ações e forças, mas o nego com palavras). Os grandes encontros, cafés, reuniões, planos, projetos e ações conjuntas de vários líderes de denominações diferentes mostra o combate a tal chaga, pois eliminam muitas barreiras, além de ser altamente estimuladores e motivacionais.

2.2 Pensamentos divergentes devem ser contidos

Conceitos orientadores: liberdade de expressão X imposição “presidencial”; doutrinas bíblicas puras X tradições e conveniências; criações de ministérios X mercenarismo e soberba

Vejamos o texto de Fl 2:2 em outras versões:

Completai o meu gozo, para que tenhais o mesmo modo de pensar, tendo o mesmo amor, o mesmo ânimo, pensando a mesma coisa. (ARA)

Então, façam-me verdadeiramente feliz, amando-se uns aos outros e concordando uns com os outros de todo o coração, trabalhando juntos com um só coração, uma só mente e um só propósito. (A Bíblia Viva)

Completem a minha alegria: tenham uma só aspiração, um só amor, uma só alma e um só pensamento. (Bíblia Católica)

Completem a minha alegria, tendo o mesmo modo de pensar, o mesmo amor, um só espírito e uma só atitude. (NVI)

É fácil notarmos que ele trata de concenso geral, metas, intenções e trabalho comunitário e/ou em grupo/equipe: não se pode puxar uma corda para lados diferentes! Este versículo não diz ser pecado concluir algo diferente de outra pessoa. Cada um tem um grau de interpretação, cultura, perícia e raciocínio próprio; aproximado ou bem parecido com outras pessoas, mas continua sendo pessoal. Já sugerir que todos devam ter (imposição) a mesma opinião (“crença”) teológica não é algo natural nem democrático. É claro que, se cada mestre ou ensinador quiser pregar um entendimento diferente do outro, não irá gerar crédito nem firmeza nos ouvintes, somente confusão. De igual modo, querer contrariar o ensino geral como que uma revolução, só irá criar divisões, mais debates e mais contendas e ‘alas’. Mas expressar suas opiniões particulares fora do momento de ensino, doutrina e correção é perfeitamente aceitável! Até mesmo tentar argumentar teses também é válido, pois sabemos que até mesmo os instrumentos de aferição, medida, correção ou punição (leis) devem ser calibrados rotineiramente (“INMETRO” e legisladores). Doutro modo nunca teria acontecido a Reforma! Sejamos prontos a ouvir opiniões diferentes, expormos a nossa e a encararmos se e quando estivermos saindo da rota ou coisa parecida. Podemos e devemos defender nossos entendimentos, mas nunca de forma cega e opressiva/ofensiva.

2.3 A briga não promove a paz nem a união

Conceitos orientadores: erros e equívocos doutrinais tradicionais X reacionarismo; desentendimentos ocasionais X espírito de contenda histórico grupal; mau testemunho histórico; ajustes relacionais; inveja

A espada e a dissenção preditos por Cristo nos evangelhos (Mt 10:34; Lc 12:49 e 51) não é ordem para que se cumpra. Ele não disse que devemos promover tais coisas ou fazer pouco caso se elas surgirem. Ele informava que os rejeitadores iriam se levantar contra os santos, os perseguir, e até mesmo matar. Claro, deste modo haveriam enormes divisões, guerras e separações. Ele estava nos preparando sobre as afrontas dos perdidos contra o Povo de Deus. Assim, nós sabedores da vontade deste mesmo Deus, devemos nos policiar e fazer de tudo para não criarmos, alimentarmos, semearmos e nem ‘evitar de cortar a videira’ quando o caso for intrigas e etc. (Mt 13:21; Mc 4:17; Rm 11:16; Hb 12:15).


3. Ao servo do senhor não convém contender

“Mas, se alguém quiser ser contencioso, nós não temos tal costume, nem as igrejas de Deus” (I Co 11:16). No Evangelho de Jesus, não pode haver rixas, litígios e disputas entre os irmãos. “Fazei todas as coisas sem murmurações nem contendas” (Fp 2:14). A recomendação de Paulo a Timóteo diz que, ao servo do Senhor, não convém contender, mas exercer a mansidão (II Tm 2:24).

Não temos tal costume, isto é, o costume das mulheres adorarem sem o véu. Alguns dizem que o costume era peculiar a Corinto, mas as palavras de Paulo, nem as igrejas de Deus, argumentam contra esse ponto de vista. Há ainda aqueles que insistem que o costume não deve ser aplicado hoje em dia.
Deve-se notar, entretanto, que cada uma das razões apresentadas para o uso do véu foram extraídas de fatos permanentes, que devem durar durante toda a presente economia terrena. Paulo impôs seu ponto de vista, pois a história da igreja primitiva comprova que em Roma, Antioquia e África, esse costume tomou-se a norma. Palavra final: Na análise final, o chapéu, ou o véu, não é a coisa importante, mas a subordinação que eles representam. A presença de ambos seria o ideal.

Comentário Bíblico Moody AT/NT – Editora Batista Regular

Para os tópicos abaixo deixamos excelentes artigos que servem de embasamentos e para mostrar opiniões, conceitos e pareceres outros. Assim, nossos mestres não ficarão moldados ao nosso modo de ver e falar. Queremos ser apenas orientadores, não ditadores. Deixamos até uma excelente palestra de um saudoso homem de Deus em vídeo.

3.1 Contender não levará a nada, a não ser a desgaste público

Conceitos orientadores: mau testemunho; credibilidade pública; disputas de poder; evangelizar, apascentar e discipular X vanglória pessoal; porfias e egoísmos;

É fácil a pessoa deixar-se desencaminhar pelos atrativos mundanos do ensino de alguns homens, e todavia tal ensino permanece sob condenação, por ser "diferente" (3) ou heterodoxo, visto como os que o propagam abandonaram claramente a lealdade espiritual fundamental, sendo indignas sua condição e conduta pessoais. Outrossim, o ensino deles causa violento conflito social, porque só serve para perverter o critério moral do homem, afastá-lo da verdade e obsecá-lo com a idéia de que o propósito da prática da piedade é lucro material (4-5). Não que não haja grande lucro na verdadeira piedade, mas somente quando se é livre de cobiça (6).

I Timóteo – J. W. Scott – http://bibliotecabiblica.blogspot.com


3.2 Não promova disputas ou falatórios inúteis

Conceitos orientadores: descontrole verbal; insensatez; reuniões e ajuntamentos nulos; culto à desavença; guerra espiritual X guerras territoriais; carnalidades; espírito de contenda

Tais hereges estavam substituindo a "palavra da verdade" pelo que Paulo chama de "contenda de palavras" (v.14). O verbo por ele aqui empregado (logomacheö), não ocorre em nenhuma outra passagem do Novo Testamento, contudo o substantivo logomachia, "contenda de palavras", é encontrado em 1 Tm 6: 4 e em alguns manuscritos de Tito 3:9. Parece se referir a algo "parecido com as excessivas minúcias dos teólogos medievais". Em outra parte, ele chama isto de "falatórios inúteis" (16, kenophönia, ou " con­versa mole").
A instrução que Paulo deu a Timóteo, com respeito aos tais maus obreiros ou falsos mestres, era de evitá-los: "Dá testemunho solene a todos perante Deus, para que evitem contendas de pala­vras, que para nada aproveitam, exceto para a subversão dos ou­vintes" (v.14). "Evita igualmente os falatórios inúteis e profanos, pois os que deles usam passarão a impiedade ainda maior. Além disso a linguagem deles corrói como câncer" (vs. 16-17a).
O dano causado por tal doutrina falsa é duplo. É "profano" e "canceroso". Isto quer dizer, em primeiro lugar, que ela desvia as pessoas de Deus. O que o versículo 16 diz é que aqueles que sus­tentam tal doutrina "avançam em crescente impiedade". Na ver­dade, isto dificilmente seria um "avanço". Conforme comenta Patrick Fairbairn, trata-se de "um movimento para a frente, em direção errada". Em segundo lugar, ela espalha a sua infecção na comunidade. Para dar maior ênfase, Paulo reitera o alerta três vezes: "para nada aproveitam, exceto para a subversão dos ouvin­tes" (v.l4b). "Além disso a linguagem deles corrói como câncer" (v.17). ".. .estão pervertendo a fé de alguns" (v. 18b).
Estas duas tendências à heresia são altamente reveladoras. Agi­ríamos sabiamente se nos perguntássemos, em face de cada espécie de ensino doutrinário, qual a sua atitude para com Deus e qual o seu efeito sobre as pessoas. Quase sempre há algo de errado, que de­sonra a Deus e causa dano ao homem. A verdade, por outro lado, sempre honra a Deus, promovendo o caráter moldado por Deus, a piedade (cf. Tito 1: 16), e sempre edifica os seus ouvintes. Ao invés de causar uma katastrophë (v. 14), arruinando-os ou conturbando-os, ela os edifica em fé, em amor e em santidade.

Tu, Porém – John R. W. Scott – ABU Editora


3.3 Se eu não posso ajudar, não devo atrapalhar

Conceitos orientadores: pacificar; perder para não criar brigas; afastamento dos provocadores; prestatividade; neutralidade desfavorecedora; partidarismo positivo (“do Bem”) X unidade

Cristo fala sem rodeios. O fingimento e dolo deles e o seu raso agir religioso precisam ser assim caracterizados. O que o Senhor havia dito da hipocrisia dos judeus no tempo de Isaías, cap. 29.13; Ez.33.31; Is.1.1-5, se aplica, de maneira máxima, aos escribas e fariseus. Um mero culto de lábios é uma abominação ao Senhor. Em seus corações não há fé e nem verdadeiro amor. Sua suposta ortodoxia é uma alucinação. Toda sua religião é vazia. As imposições que impunham às pessoas, sem a autorização da Escritura, só deram em sua própria condenação, Sl.4.2. “ Destas palavras de Cristo podes tirar fortes conclusões. Primeiro: Tudo o que é feito sem a Palavra de Deus, é idolatria. Segundo: Tudo o que é feito conforme a Palavra de Deus é verdadeiro culto a Deus. Terceiro, também: Tudo o que é feito sem fé, é pecado. Quarto: Tudo o que é feito na fé é uma boa obra, pois a Palavra e a fé estão indissoluvelmente unidas, como no santo matrimônio... Também dizemos que os fariseus são hipócritas e falsos alunos de Moisés, porque asseveravam que se, tão só, cumpriam as cerimônias externamente, iriam, por causa da mera obra, obter justiça diante de Deus. Moisés, certamente, não quer isso. Mas as cerimônias deviam ser exercícios dos fiéis, que previamente eram justos pela fé, e que, procedendo assim, guardavam o maior dos mandamentos, que é o primeiro. Além disso, o povo reprovado devia, por disciplina externa, ser refreado e separado dos gentios. Este é o significado de Moisés, caso se o compreenda corretamente”).

Comentário Bíblico Popular –  Paul E. Kretzmann



Conclusão

Os conflitos pessoais, conflitos políticos e conflitos doutrinários em uma comunidade cristã infelizmente ainda acontecem. As pessoas ainda tem uma visão particular de como a igreja deve ser conduzida e vivida. Há cristãos por exemplo, que julgam que as Escrituras é de particular interpretação; outros que não precisam ser pastoreados por uma liderança instituída. A maneira como vamos enfrentar os problemas e encontrar as soluções, é que vão revelar a nossa coragem e maturidade. Como disse no início: a Palavra de Deus deve ser sempre a maior ferramenta para trazer soluções a esses problemas que vivemos em nosso tempo.


Fontes:

Bíblia Sagrada ARC/ARA/ACF/TB/BV/NTLH/NVI
Pontos Salientes da Nossa Fé (revista) – Editora Betel – 2º Trimestre 2013 – Lição 12
Comentário Popular da Bíblia – Paul E. Kretzmann (dom. públ.) (link)
Comentário Bíblico Moody AT/NT – Editora Batista Regular
Comentário Bíblico Matthew Henry Conciso AT/NT – Matthew Henry –  CPAD
Comentário Bíblico Esperança NT - Editora Evangélica Esperança
http://bibliotecabiblica.blogspot.com
Fé e Obras: Estudos na Epístola de Tiago – Paulo Rogério Petrizi – http://www.pregaapalavra.com.br
Tu, Porém – John R. W. Scott – ABU Editora

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Colabore conosco: escreva seus pontos de vista, opiniões ou críticas. Contamos contigo neste trabalho