domingo, 25 de agosto de 2013

EBD Editora Betel - Abraçando o Modelo Disciplinar de Jesus





Assembleia de Deus CONAMAD
Lição 09 – 1º de Setembro de 2013
Revistaebd Revista escola bíblica dominical editora betel conamad Passagem bíblica trecho bíblico bíblia como estudar teologia bíblia escola dominical escola dominical betel escola biblica betel escola bíblica betel escola dominical conamad auxilio professor ajuda professor subsídio professor auxílio professor subsidio comentario ebd comentário bíblico ebd professor mestre comentário biblico escola dominical comentario biblico escola bíblica comentario bíblico pregação pregador palestra estudo bíblico bíblico

Boa Noite, bom domingo, boa aula e que Deus abençoe a todos!

Shalom

R.S. Costa 

 
Texto Áureo

“Bem-aventurado aquele que lê, e os que ouvem as palavras desta profecia, e guardam as coisas que nela estão escritas; porque o tempo está próximo”. Ap 1:3

Verdade Aplicada

Todas as verdades e princípios bíblicos referentes ao relacionamento de Cristo com a Igreja são aplicáveis ao relacionamento entre marido e mulher e entre estes e seus filhos na família cristã.

Objetivos da Lição

Assegurar que o oficio dos pais em relação aos filhos se assemelha ao ofício de Jesus em relação à Igreja;
Ensinar que o modo como Jesus se relaciona com as diferentes congregações fornece molde seguro para o relacionamento conjugal e para criação, educação e disciplina na família cristã;
Insistir que as virtudes de Cristo sejam conhecidas de nossos filhos.

Glossário

Ilibadas: que ficaram livres de culpa ou de suspeita; reabilitadas, justificadas;
Sobrepujam: ultrapassam em altura; sobrelevam, excedem;
Imorredouros: não morredouros; que não morrem; eternos, imortais.


Introdução

Todas as verdades e princípios bíblicos referentes ao relacionamento entre Cristo e a Igreja são aplicáveis ao relacionamento entre marido e mulher e entre estes e seus filhos na família cristã. Com esta convicção tomaremos como texto-chave para o estudo desta lição os capítulos de 1 a 3 do Apocalipse. Eles fornecem modelo singular e infalível de disciplina no lar. Na presente lição traçaremos o perfil dos pais (casal) à luz daquilo que o Apóstolo pôde ver do perfil de Cristo.



1. A Autoridade de Jesus Cristo

Jesus chama os anjos das Igrejas de “estrelas”. Isto significa que a vida dos pastores deve emitir a luz que emana de Deus. Porque a eles Deus coloca em alta posição, delega autoridade e dá do Seu poder e força para que guiem e protejam o rebanho. Ele declara que possui os pastores em Sua mão direita. Sempre que a Bíblia fala de destra, mão direita e braço direito de Deus, estão em vista principalmente a Sua força e Seu poder. Isto mostra que os líderes das Igrejas são sustentados, protegidos e controlados por Deus, a fim de que possam desempenhar bem a missão que lhes foi confiada. Do mesmo modo, pais cristãos:

Na vida, em casa com nossos filhos, passamos por momentos onde não sabemos o que fazer. Vão ai os dez mandamentos dos pais cristãos.
1. Dê a devida liberdade aos seus filhos. (Galatas 5:1) - Devida não é total... pense nisso.
2. Permita que eles questionem os valores que significam muito para suas vidas (I Pedro 3:4) - A omissão de uma resposta pode ser o início de um longo problema.
3. Tenha paciência com suas manias passageiras (Timóteo 4:5) - Elas passam rápido... aproveite todos os momentos com seu filho e tire proveiro disso.
4. Exerça autoridade sobre seus filhos sem irritá-los, estabeleça limites (Provérbios 22:28) - Lembre-se que você é quem 'manda' na casa.
5. Demonstre calor e simpatia, sem mimá-los muito, para não se tornarem inseguros (I Coríntios 14:20) - Não confunca amor com superproteção.
6. Aprenda com seus filhos, eles também tem lições maravilhosas para nos ensinar (Colossenses 2:19) - Tenha seu filho como um professor em sua vida.
7. Aceite as falhas de seus filhos (Filipenses 4:6) - Você crescerá com isso também.
8. Seja leal aos seus filhos, compartilhe com eles a vida no lar (Efésios 4:25) - Não esqueça que seu filho, não importa a idade, também é um membro da sua casa. Merece atenção.
9. Seja íntimo de seus filhos, torme-se seu confidente (Romanos 10:13-15) - É melhor você ser o melhor amigo do seu filho o que um estranho.
10. Seja enérgico mas, com SABEDORIA. (Tiago 1:5) - Não desconte a sua raiva em seus filho, mas também não deixe de educá-lo.

Tenha confiança, firmeza e sabedoria quando se deparar com um problema que envolve seu filho.
Nunca esqueça que Deus está olhando suas atitudes e irá cobrar de você por uma atitude que deixou de fazer ou que fez além da conta.
Não estamos sozinhos neste mundo...e Deus espera que sejamos para nossos filhos assim como Ele é para nós.
Por isso devemos andar em novidade de vida, ler a Palavra de Deus constantemente, guardando-as em nossoas corações e proclamando com alegria que a Palvra do Nosso Deus e eficaz em nossas vidas!

Os 10 Mandamentos dos Pais Cristãos – http://www.e-familynet.com

1.1. Devem viver debaixo da autoridade de Deus

Conceitos orientadores: submissão; temor; obediência; Soberania Divina

A autoridade dos pais exerce o mais forte impacto na vida de uma pessoa, quer seja positiva, quer seja negativa. A atitude do filho para com a autoridade dos pais no presente, ou quando este os deixa, influenciará fortemente o seu futuro (Pv 6.20-23).
A autoridade dos pais advém de Deus. Ele é responsável pelos pais que lhe concedeu, e Deus é maior que seus pais (Pv 21.1). A autoridade dos pais é para obediência dos filhos, para que este venha a ter maturidade por meio dela (Cl 3.20). Quando os pais verificam que seu filho se submete à sua autoridade, sendo-lhes obediente, eles passam a verificar que já podem ter confiança em seu filho para deixar que este venha a tomar as suas próprias decisões. Por causa da maturidade que muitos jovens aceitam a autoridade de seus pais, como colocada por Deus, estes conquistam sua liberdade muito antes de casarem.

Comportamento do Crente – http://www.vivos.com.br

A proteção, o controle e a autoridade de Deus deve ser buscados e desejados, tanto pelos pais (para si mesmos) como pelos filhos. Os pais que querem proteger seus filhos do Mundo não devem esquecer que não devem isolá-los deste. É necessário que os filhos sejam orientados a viverem debaixo da proteção Divina, mas que irão passar por muitos dissabores e tristezas. Somente assim conseguirão proteger os filhos. Como diz um provérbio popular antigo, nós criamos filhos para o Mundo.


1.2. Devem passar o maior tempo possível com os filhos e andar no meio deles

Conceitos orientadores: convivência; relacionamento familiar; afinidade; prioridades; Educação Infanto-Juvenil; administração do tempo

A melhor coisa que pode fazer é dar-lhes um fundamento sólido de fé - fé em Deus, fé em Jesus Cristo, e fé na Palavra de Deus, a Bíblia.
     Afinal, todas as gerações enfrentam desafios; o mundo raramente tem sido um lugar pacífico ou fácil de se viver. Quando tiverem crescido, os seus filhos podem ter de enfrentar desafios que ainda não estão no horizonte agora. O que é que os manterá estáveis no meio das tempestades da vida? O que é que lhes dará a força moral e espiritual de que precisam? Só Deus tem essa capacidade - e Ele fá-lo-á, se eles aprenderem a colocar a sua confiança n’Ele e a serem guiados pela Sua Palavra.
     Ensine aos seus filhos – com simplicidade, mas claramente – de que Deus não só existe, como também os ama e quer ajudá-los. Ensine-lhes, também, sobre a oração, e sobre Jesus Cristo e o que Ele fez por nós através da Sua morte e ressurreição. Ensine-lhes, igualmente, a importância da Bíblia para os guiar ao longo da vida. (A sua livraria Cristã local pode sugerir um livro de histórias bíblico para crianças.)
     Acima de tudo, peça a Deus que a ajude a ser um exemplo para os seus filhos relativamente ao que significa seguir Jesus. As suas palavras para eles são importantes, como também o seu exemplo. A vontade de Deus - para si e os seus filhos - é "… que sejais irrepreensíveis e sinceros, filhos de Deus inculpáveis no meio duma geração corrompida e perversa, entre a qual resplandeceis como astros no mundo" (Filipenses 2:15).

        Discurso de Billy Graham em Silicon Valley sobre Fé, Ciência e Tecnologia

É cada vez mais equivocada a maneira como os pais são induzidos a cuidarem de seus filhos. Os meios de comunicação bombardeiam os lares e as mentes ainda em formação (e sem defesas) a quererem comprar tudo o que é necessário a qualquer custo. Nessa ânsia, a simples aquisição de bens materiais, confortos e ou serviços passa a funcionar como que uma realização efetiva e eficaz na vida até mesmo dos cristãos. Pais, seus filhos precisam mais de sua presença marcante, ativa e dedicada do que brinquedos, roupas e outros objetos.
Nossos filhos, crianças e jovens (todos somos responsáveis direta ou indiretamente) carecem de andar com seus responsáveis para aprenderem o caminho e descobrirem os reais inimigos que encontrarão pela frente. Edificador a mente, a alma, o espírito e desejos e sonhos sobre princípios e valores que tenham a solidez bíblica.
            Filhos precisam que os pais andem com eles e não somente que lhes apontem o caminho certo ou que lhes descrevam os inimigos que encontrarão pela frente. Eles precisam ser edificador sobre princípios e valores que tenham a solidez das rochas milenares. Eles necessitam da segurança que, somente o casal de pais unidos em amor e respeito mútuo, pode lhes oferecer.


1.3. Devem equilibrar elogios e repreensões

Conceitos orientadores: paparicação; mimo; bajulação; agradecimento; pieguice; modéstia; elogios públicos; broncas; advertência

Assim como um pai reforça a autoconfiança e a autoestima do filho através dos termos que emprega no relacionamento com ele, um chefe também ganha ou perde o funcionário dependendo dos elogios e repreensões que efetua.

As Bases do Elogio e da Repreensão na Empresa – Marcelo L. Cabral – http://administrandovoce.blogspot.com.br

Muitas vezes, a ajuda para seu filho ter um bom desempenho na escola é uma questão de "mais" ou "menos": Mais escuta, menos repreensão; mais questionamentos, menos queixas inúteis; mais elogios, menos detalhamentos; mais busca de sugestões, menos oferecimento de conselhos.

Criança Nota 10 – Robert D. Ramsey – Publifolha

Elogiar os acertos, as melhoras, esforços e progressos. Também boas ações. Repreender os errantes, teimosos, “maus”, indiferentes e preguiçosos em aprender. Tudo certo? Nenhum erro nesta norma? Contrariando o que se pensa (na maioria das mentes), elogiar muito nem sempre produzirá efeitos positivos. As ausências de certas falas ou procedimentos podem gerar o pensamento de que se os pais elogiam é porque estão avaliando/julgando e poderão também criticar (e/ou punir) em outras horas. Em um lar, ambiente ou família que (ab)usa elogios a todo momento pode haver a interpretação das faltas destes pela criança como crítica. (Ex. Você não disse que meu trabalho está bom...).
Alguns pequeninos, vez ou outra, pensam que os pais os estão manipulando (Ex. Você disse isto para eu estudar mais...); outras vezes chegam a depender de elogios. (Ex. Gostou do que eu fiz, mamãe? Você não comentou sobre as minhas boas notas...). No oposto disto, criticar em excesso, há o constrangimento, a geração de traumas, ‘tiques’, perfeccionismos e várias patologias psico-comportamentais, além de grandes atitudes carrascas, hipócritas e de frieza.



2. Filhos são preciosos, virtuosos e úteis

Jesus considera as sete igrejas como úteis e feitas de material precioso e incorruptível (Ap 2.12). Ah, se aprendêssemos de Jesus no trato com nossa família! Veríamos nossos filhos como ouro e não como qualquer material perecível mediante exposição ao fogo, a água ou a qualquer outra forma de purificação. Assim, lembremo-nos sempre:

De acordo com a Bíblia, filhos são uma benção que vem do Senhor, “o fruto do ventre o seu galardão.” (Sal 127:3). Não são só os filhos que são uma benção, mas também os filhos dos filhos são “a coroa dos velhos” (Prov. 17:6). Tanto mais os filhos quanto mais as bênçãos parecem ser o que a Bíblia relata sobre os filhos (Sal 127:3-5). O fato de não ter filhos era uma vergonha (Gên. 30:22,23) e opróbrio (Lucas 1:25). Quando Deus queria abençoar um casal Ele dava filhos (Abraão e Sara - Gên. 17:20; Ana - I Sam 1:3-27; Elizabete - Luc 1). Se vamos ter a mesma atitude que Deus tem deste assunto devemos já nos dobrar à idéia que filhos, em qualquer época, não são menos que uma bênção. Para um estudo desta atitude, estude Gên. 30:1-24 e veja as reações das esposas de Jacó em terem filhos.
Muitas vezes, quando os filhos são menos que uma bênção para os pais, os pais reclamam que são um peso. É fato que “o filho insensato é a tristeza de sua mãe” (Prov. 10:1), mas a maioria destes casos foram os pais quem deram causa a tal insensatez pelo descuido no treinamento do filho. Examine Provérbios 22:15; 29:15, 17 em relação a este aspecto. Pais, não culpem os seus filhos pela vossa desatenção. Assume a responsabilidade e procure a graça de Deus para por a casa em ordem seguindo os princípios da Palavra de Deus tão claramente estipulados e por muito tempo ignorados.

                Filhos: O que a Bíblia diz? – http://www.vivos.com.br

2.1 Que nossos filhos são capazes de suportar a correção

Conceitos orientadores: maturidade; filosofia de ensino; correções; represálias; castigos; punições; auto-estima; caráter

Quem não quer ter filhos sob controle? Quem não quer ter paz no lar? A correção agora, mesmo que custe e cause dor, trará inúmeros benefícios aos pais e ao filho. Que alvo desejável! Que princípio encorajador! Vale a pena, papai! Vale a pena, mamãe! Corrijam agora, e recebam descanso depois.

Princípios de Disciplina:

1 - Disciplina segue instrução clara e objetiva.
2 - É uma expressão de amor.
3 - Tem de ser administrada com diligência e coerência.
4 - Não deve machucar ou ferir a criança, mas causar uma certa dor temporária.
5 - Disciplina visa restauração e correção, não punição.
6 - Deve incluir o uso da vara, embora outras formas de disciplina talvez sejam apropriadas em certos casos.
7 - Disciplina é necessária por causa da natureza pecaminosa da criança.
8 - Poupará a vida (alma) da criança da morte.
9 - Disciplina apropriada não prejudica a criança.
10- Dará uma vida de paz e sucesso aos pais e filhos.

Exige coragem ter filhos? Talvez, mas exige muito mais. Exige bom senso para seguir o padrão bíblico. Quem precisa de coragem são os pais que preferem fazer as coisas "do seu jeito", ignorando o conselho claro da Palavra de Deus.

                A Disciplina Livra a Criança da Morte –  http://www.montesiao.pro.br

Aquele pai ou aquela mãe que aplica a devida (e previamente comunicada) correção. Assim, em amor, se torna para o seu filho seu melhor amigo. Chegando até mesmo a poupá-lo de um dano corporal, ou de uma punição ou disciplina futura mais severa ou drástica por parte da lei, ou até salvar-lhe a alma do inferno (Pv 23:13 e 14). A Sabedoria conduz muitos pais (sábios) a aplicarem correções no filho. Estes pais também estarão se poupando de tristezas futuras: “Corrige o teu filho, e te dará descanso, dará delícias à tua alma” (Pv 29:17).

Disciplina Bíblica (I)  (II)  (III)  (IV)  (V)  (VI)

2.2 De destacar as virtudes dos membros de nossa família

Conceitos orientadores: dons, talentos e habilidades; conduta pessoal e familiar; valores cristãos fundamentais; ensino bíblico; percepção

            Alguns estudiosos afirmam que ao estudarmos toda a Bíblia concluiremos que “obediência aos pais não é só uma virtude; é a única virtude da criança. A obediência seria tudo que pode ser exigido ou esperado dela. É tida como a ‘única virtude’ por ser o único mandamento para as crianças guardarem (Êx 20:12; Ef. 6:1-3; Cl 3:20). O ensino-princípio de I Tm 5:4, “recompensar seus pais” não é nada menos que o cumprimento de Ex 20:12, “Honra a teu pai e a tua mãe.” Cristo disse dos pequeninos: “...dos tais é o reino de Deus.” (Mc 10:14).
            Assim sendo, então, pode-se afirmar que qualquer que ambicione ver o reino de Deus deve ter prontidão íntima e amorosa de obedecer ao Criador. Sabemos que o homem do lar responde por ensinar, ser exemplo, ser líder, ter a iniciativa, e treinar os filhos. Já a mulher do lar tem sua responsabilidade nele mesmo e deve submeter-se ao cabeça do lar e ser uma ajudadora (auxílios) idônea para ele.
            Aos filhos do lar fica a única responsabilidade de obedecer aos pais (tutores, responsáveis e etc.). Tudo isto fornece um ambiente com o mínimo de tensões e atritos. Podendo assim se desenvolver bem em todos os sentidos. Aquele que desvia de tal posição de bênção, o rebelde ou a criança de natureza teimosa, trará a si mesmo enormes e vários problemas, como à toda a sociedade.
            Obedecer aos pais implica várias qualidades boas tanto quanto desobedecer implica as más. Vendo a obediência e a desobediência segundo a Bíblia, podemos esperar e comprovar os tipos de amizades e companhias que filhos obedientes ou filhos desobedientes trarão e o que podemos esperar de cada um. 

Auto-Avaliação das Virtudes Humanas (Esquema de virtudes por idades)

2.3 Devemos reconhecer as diferenças entre um filho e outro

Conceitos orientadores: personalidade; cultura; costumes; heranças; destaques; observação; longanimidade; mentoreamento; capacitações; experiências; dedicação

1) Cada filho é único; cada filho é diferente.
No passado eu dizia aos pais que seus filhos eram “lousas em branco” aguardando que escrevessem
nelas. A Bíblia e a vida têm me convencido de que exagerei neste caso. Cada filho nasce com certas características e tendências dadas por Deus.

2) Cada filho deve ser respeitado como um indivíduo.
Ser “diferente” não é ser bom ou ruim, nem melhor ou pior; ser “diferente” é apenas ser “diferente”. Porque cada filho é único, precisamos dar a cada filho uma atenção individual. Porque cada filho é único, devemos tentar evitar comparações desfavoráveis. Porque cada filho é um indivíduo, devemos nos esforçar para enxergar os pontos fortes nessa individualidade.

3) Cada filho deve ser treinado (criado) levando-se em conta essas diferenças.
Há anos ouço muitos pais lamentarem: “Criamos todos os filhos da mesma maneira, mas Joãozinho [ou Susana] deu nisso. Não entendemos o que aconteceu!” Não pretendo julgar os pais, mas talvez o problema seja justamente terem criado todos os filhos “da mesma maneira”. Alguns aspectos do treinamento de filhos não podem variar, mas outros podem e devem variar. Por exemplo, não temos o direito de mudar o princípio divino quanto ao que é certo e errado e não devemos tratar os filhos com favoritismo.

4) Cada filho merece nossa compreensão.
Precisamos conhecer cada filho individual, pessoal e intimamente. Isto é essencial para mostrarmos
que nos preocupamos com ele, é essencial para sermos capazes de discipliná-lo de modo eficaz, é essencial para sermos capazes de treiná-lo. Como podemos conhecer nossos filhos? Livros que falam sobre determinadas faixas etárias ou voltar ao passado e lembrar como éramos naquela idade podem nos ajudar. Nada, porém, pode substituir passar tempo, tempo de qualidade e tempo em quantidade, com cada filho — fazendo coisas com ele, observando-o — e, enquanto estivermos com ele, sermos sensíveis a ele.

Quaisquer que sejam as diferenças, cada filho deve ser aceito por ser quem ele é. Podemos adaptar recompensas e punições ao que funciona com cada filho.

Três Tijolos da Criação de Filhos – O Lar Cristão – David Roper – www.biblecourses.com

            Jesus mandou que João escrevesse em um livro, e que fizesse copias fiéis, a revelação que lhe dera em Patmos. Entretanto, em respeito às singularidades de cada congregação, o conteúdo de cada cópia deveria ser precedido de uma dedicatória personalizadas, exclusivas e diferente para cada destinatária. No que concerne à família, entender e respeitar as diferenças existentes entre um filho e outro não significa utilizar princípios e valores diferentes para lidar com cada um deles, mas, que os mesmos princípios e valores devem ser aplicados a todos os filhos, através de métodos que respeitem suas diferenças.



3. A influência de Jesus Cristo

Todas as vezes que Jesus se refere a si mesmo como primeiro e último, fala da Sua preexistência a tudo o que foi criado e da Sua subsistência mesmo em face do fim da Criação ou da inexistência dela, o que mostra que Ele não é outro senão o próprio Deus. Quando Ele diz que foi morto, mas reviveu, mostra que Sua vida, Seu poder, Sua Palavra, ensinamento e influência resistem e sobrepujam às ações de qualquer inimigo, superando todo obstáculo. Mostra ainda que Ele é o primeiro na vida da Igreja, e esta só subsistirá se Ele também for, para ela, o Último. Seguindo esta linha de pensamento, e comparando o ofício dos pais em relação aos filhos com o de Jesus em relação à Igreja, podemos afirmar que:


3.1 Os casais são e devem ser precedentes aos filhos

Conceitos orientadores: herança; bênçãos de Deus

            Ora, espera-se que nas Igrejas que compõem o Corpo do Senhor Jesus, qualquer casal seja precedente aos filhos, mas, além disto, o casal cristão deve subsistir como tal mesmo que não tenha filhos. Pois, as primeiras impressões na alma dos filhos devem ser profundas e feitas pelos pais para marcar-lhes o ser de tal forma, que tudo o que vier posteriormente não tenha o poder de apagar aqueles sinais imorredouros.

3.2 Os casais são e devem ser o exemplo dos filhos

Conceitos orientadores: mestres e ensinadores; ensino eficaz; guiando por exemplos; espelhamento; mimetismo; discipulado; imitadores

Um presidente da Junta de Educação de Seul disse: “O exemplo em palavras e ações é a lição mais importante para a criança.” Se os pais não forem bom exemplo no que dizem e no que fazem, quando derem ao filho uma instrução específica, ele vai logo concluir que os pais são hipócritas. A palavra dos pais não terá valor. Por exemplo, se os pais quiserem ensinar o filho a ser honesto, eles também devem ser honestos. É muito comum alguns pais, quando não querem receber um telefonema, mandarem o filho dizer: “Papai (ou mamãe) não está.” A criança obrigada a fazer isso se sentirá perturbada e confusa. Com o tempo, ela talvez comece a mentir sem se sentir culpada quando estiver numa situação difícil. Portanto, se os pais quiserem sinceramente que o filho se torne uma pessoa honesta, eles mesmos devem sempre falar a verdade e agir de acordo.

O Exemplo dos Pais na criação dos Filhos – http://cristianismoemdia.blogspot.com.br

Os pais devem concentrar suas energias e esforços para criar cada um de seus filhos no temor do Senhor, ensinando-os diariamente a amar a Deus e conduzindo-os à Salvação. O comentarista da Bíblia de Estudo Pentecostal aborda no estudo Pais e filhos alguns pontos essenciais que corroboram para o sucesso no relacionamento familiar:

* Os pais devem ser exemplos de vida e conduta cristã e se importar mais com a salvação dos filhos do que com seu emprego, profissão, trabalho na igreja ou posição social (Salmo 127.3).
* A essência da educação cristã dos filhos consiste nos pais se voltarem para o coração dos filhos a fim de levá-los ao coração do Salvador.
* Levar os filhos diante de Deus em intercessão constante e fervorosa (Efésios 6.18 e Tiago 5.16-18).
* Ter amor e desvelo pelos filhos de modo que estejam dispostos a consumir suas vidas como um sacrifício ao Senhor.

Essas diretrizes são de suma importância na condução dos filhos, pois quando se direciona a criança verticalmente (voltada para Deus), se torna fácil o relacionamento horizontal com seus irmãos, pais, amigos etc.

        Sônia Scaff

“As Crianças Aprendem o que Vivem”:

Se uma criança vive sob críticas, ela aprende a condenar.
Se uma criança vive sob hostilidade, ela aprende a brigar.
Se uma criança vive com medo, ela aprende a ser apreensiva.
Se uma criança vive sendo tratada com piedade,
ela aprende a ter pena de si mesma.
Se uma criança vive num ambiente de ciúmes, ela aprende a sentir culpa.
Se uma criança vive sendo incentivada, ela aprende a ser confiante.
Se uma criança vive sendo tratada com tolerância,
ela aprende a ser paciente.
Se uma criança vive sendo elogiada, ela aprende a ser apreciativa.
Se uma criança vive recebendo aceitação, ela aprende a amar.
Se uma criança vive recebendo aprovação, ela aprende a gostar de si mesma.
Se uma criança vive sendo reconhecida, ela aprende que é bom ter um alvo.
Se uma criança vive em meio a imparcialidade, ela aprende o que é justiça.
Se uma criança vive num ambiente de honestidade, ela aprende o que é verdade.
Se uma criança vive com segurança,
ela aprende a ter fé em si mesma e naqueles que a cercam.
Se uma criança vive presenciando atos de bondade,
ela aprende que o mundo é um lugar bom para nele se viver

Autor desconhecido. Citado por Carl Brecheen e Paul Faulkner in What Every Family Needs or Whatever Happened to Mom, Dad, & the Kids? (“O Que Toda Família Precisa ou O Que Aconteceu com Papai, Mamãe e as Crianças?”). Austin, Tex.: Sweet Publishing Co., 1979


3.3 Os casais devem ser referencial de esperança dos filhos

Conceitos orientadores: conduta matrimonial e familiar; histórico comportamental; tomada de decisões; liderança inspiradora; ídolos infantis

Nem sempre é possível que os filhos vejam, com olhos carnais, a recompensa de seus pais por se terem mantido íntegros e fiéis ao Senhor em tudo. Porém, o fervor e a alegria com que conservam a fé, aliada às obras próprias de filhos de Deus; a perseverança deles na convicção de que, mesmo que não seja nesta vida, receberão a recompensa e a fé inabalável que os mantém e os manterá fiéis até a morte ou até a volta de Jesus, criam e cimentam no coração dos filhos uma viva e boa esperança (Rm 5.2-5).
            O modo como os pais encaram os sofrimentos e tribulações normais e comuns a todos os seres humanos ou aqueles sofridos por amor a Cristo, por causa da vida e do serviço cristão, farão com que os filhos tenham “por certo que as aflições deste presente não são para comparar com a gloria que em nós há de ser revelada” e de que um dia eles e seus pais, juntos, receberão das mãos dAquele que foi morto e reviveu, a coroa da Vida.



Conclusão

Queridos irmãos, vivamos sob a proteção, controle e autoridade de Deus. Imitemos a Cristo no trato com nosso cônjuge e na educação de nossos filhos. Assemelhemo-nos a Jesus a ponto de podermos marcar as almas de nossos queridos com impressões tão profundas do Senhor que nada do que vier posteriormente tenha o poder de apagar aqueles sinais eternos.

Questionário

1. O que revela a declaração “pastores em sua mão direita”?
R: Revela que os líderes das Igrejas são sustentados, protegidos e controlados por Deus a fim de que desempenhem bem a missão que lhes foi confiada.
2. Como vivem os pais verdadeiramente cristãos?
R: Pais verdadeiros cristãos são aqueles que vivem sob proteção, o controle e autoridade de Deus.
3. Como deve ser o equilíbrio no elogio e repreensão?
R: Os pais devem prestar atenção nos filho e elogiá-los naqueles aspectos em que sãa necessários. Porém, não podem descuidar das repreensões quando elas se fizerem necessárias.
4. O que produz a correção com zelo e amor aos filhos?
R: As atitudes dos filhos irão aparecer com mais resplendor.
5. Como os casais podem ser esperança para os filhos?
R: Através do fervor e alegria com que conservam a fé, pela sua perseverança na convicção de aguardar a volta de Jesus.


Fontes:

Bíblia Sagrada ARC/ARA/ACF/TB/BV/NTLH
Família Cristã (revista professor) – Editora Betel – 3º Trimestre 2013 – Lição 09
O Diálogo é Vital para O Crescimento Integral dos Filhos (link)
Honra a Teu Pai e a Tua Mãe (link)
Aplicando Princípios Divinos à Disciplina Familiar (link)
Criança Nota 10 – Robert D. Ramsey – Publifolha
A Bênção de Ter Filhos – Jim West – http://www.montesiao.pro.br
Como Proteger Seus Filhos dos Malefícios da TV (link)
Filho O Que Posso Fazer Por Você – Marcio Valadão (link)
Ensina Teu Filho (link)
Como Transmitir A Nossa Fé a Nossos Filhos (link)

Bibliografia Recomendada (estude mais)

Pais Admiráveis Educam pelo Exemplo – Cris Poli – Mundo Cristão
Preparando Seu Filho para A Batalha de Todo Homem – Stephen Arterburn e Fred Stoeker – Ed. Mundo cristão
A Bênção de Ter Filhos – Gary Thomas – Ed. Vida
A Igualdade Jurídica entre Os Filhos (link) – Monografia
Estou Preparando Meu Filho para o Mundo (link)
Por Que Seus Elogios Vazios Prejudicam as Crianças? (link)
Existe Diferença entre Filhos Biológicos ou Adotivos? (link)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Colabore conosco: escreva seus pontos de vista, opiniões ou críticas. Contamos contigo neste trabalho