domingo, 18 de agosto de 2013

EBD Editora Betel - Aplicando as Parábolas de Resgate À Família Cristã


Assembleia de Deus CONAMAD
Lição 08 – 25 de Agosto de 2013
escola dominical escola dominical betel escola biblica betel escola bíblica betel Revistaebd Revista ebd Revista escola bíblica dominical editora betel conamad auxilio professor ajuda professor subsídio professor auxílio professor subsidio comentario ebd comentário bíblico ebd professor mestre comentário biblico escola dominical comentario biblico escola bíblica comentario bíblico como estudar teologia Passagem bíblica trecho bíblico bíblia escola dominical conamad pregação pregador palestra estudo bíblico bíblico

Estamos precisando de mais mão na massa. Ajude-nos. Voluntarie-se como colaborador/representante (não é venda).

Texto Áureo

“Digo-vos que assim haverá alegria no céu por um pecador que se arrepende, mais do que por noventa e nove justos que não necessitam de arrependimento”. Lc 15:7

Justos que não necessitam de arrependimento. Uma referência semi-irônica feita aos fariseus, que se consideravam infinitamente melhores do que os publicanos e pecadores.

        Comentário Bíblico Moody AT/NT – Editora Batista Regular

Verdade Aplicada

Os lares e os casais cristãos têm que funcionar como um refúgio para proteger pessoas, princípios e valores, como redis e pastores para guardar aqueles que podem se perder.
Não podemos nos lançar excessivamente a buscar os incrédulos, pois poderemos perder os de dentro. Não podemos nos contentar em termos a família/igreja bem e vermos homens, mulheres, jovens, crianças e velhos indo rumo ao abismo.


Objetivos da Lição

Mostrar aos pais a importância de formar no lar um ambiente adequado para preservar a integridade física, emocional e espiritual;
Enfatizar que é normal que crianças, adolescentes e jovens tenham curiosidade e até certo encantamento pela vida de colegas da mesma idade;
Consolar aqueles cônjuges e pais que, mesmo tendo cumprido bem o seu papel, algum familiar tenha dado as costas ao lar.

Glossário

Redil: curral para gado, espaço bovino ou caprino; aprisco;
Malquerença: estado ou sentimento de malquerente; inimizade, hostilidade, malquerer;
Dracma: moeda de prata da Grécia antiga.

Introdução

A maioria dos crentes, com conhecimento bíblico e vivência cristã, percebe que muitas porções da Bíblia têm um sentido primário e literal, porém possui também sentidos proféticos para cumprimentos futuros e vários sentidos para aplicação prática à vida de seus ouvintes e leitores, bem como à Igreja em geral. Este é o caso das Parábolas de Resgate, por isso, nesta lição, extrairemos delas os sentidos práticos aplicáveis à Família Cristã.


1. A Ovelha Perdida

Em Mateus, a Parábola da Ovelha Perdida é precedida de ensinamento sobre a humildade; da necessidade de cuidado com aqueles que, entre os judeus, eram considerados “socialmente insignificantes”, “economicamente desprovidos” e “teologicamente ignorantes”, aos quais Jesus chama de “pequeninos” e os compara a crianças tenras e também da necessidade daqueles que se consideravam superiores se comportarem de modo responsável, a fim de não escandalizarem os pequeninos. Em Lucas ela é antecedida da informação de que os fariseus murmuravam contra Jesus, por este receber, ensinar e confraternizar-se com pecadores e é sucedida pela Parábola do Filho Pródigo. Depois desta rápida avaliação, consideremos:
            Jesus relatou esta parábola mostrando claramente o amor e o cuidado que ele tem pelos perdidos. Ela não somente nos esclarece e reafirma o incomparável amor de Jesus, como também nos desperta para nossa missão e responsabilidade em demonstrar este amor aos outros (perdidos). Se insistirmos que estes são os desviados da casa do Pai (igrejas), temos um grande problema: nosso índice de amadurecimento, treinamento e fortalecimento é muitíssimo fraco. Não retemos nem 60% dos conversos. Haveria uma necessidade tão gigante de absurda de trazer de volta os desviados (ovelhas perdidas) que praticamente não teríamos mais tempo, recurso e nem trabalhadores para cuidar disso! De igual modo teríamos que frear na evangelização. A referência real desta parábola são os que ainda não conheceram a Cristo. Estão perdidos no Mundo sem nunca ter entrado no aprisco. Não queremos dizer que não devemos resgatar os desviados e nem para de pregar, mas que estamos retendo, cuidando, fortalecendo e ensinando muito mal. Além de empregando equivocadamente o sentido maior inicial de tal parábola. Assim, além de tudo, escondemos que temos sido grandes pescadores-perdedores de almas (faça um alinhamento entre os três sub-itens deste item e com os artigos de cada link contidos).


1.1 Algumas características da ovelha

Conceitos orientadores: ingenuidade; dispersão mental; dependência social; inexperiência

            A ovelha é o animal mais dócil e de mais fácil trato, embora tenha os seus defeitos. Por exemplo, a mãe abandona a cria para responder ao seu instinto de viver em grupo, visto que os cordeirinhos não têm condição de acompanhar a marcha do rebanho adulto. Sua atenção se dispersa facilmente, podendo ser atraída para uma direção diferente daquela em que o pastor conduz o rebanho, ou simplesmente se deter por conta de alguma distração e ficar para trás. Por ser um animal doméstico, a ovelha depende do pastor para tudo. O pastor que conhece o rebanho e o valoriza, está habituado a estas situações, faz sempre uma vistoria no caminho por onde seguiu o rebanho, além, é claro, de contar as ovelhas, para ter a certeza que não fica para trás alguma cria abandonada ou alguma ovelha desatenta.

1.2 As ovelhas perdidas dos lares cristãos

Conceitos orientadores: vida moderna; ilusões; transições da Adolescência; falta de afinidade; convívio deficiente

            O meio social corrompido se prostitui com valores distantes dos padrões bíblicos. Eis o resultado da falta do ensino cristão comprometido e autêntico nos lares. É o fruto da negligência na criação de filhos. O Estado pouco pode e é fora de sua missão primária impor padrões nisto. Também não é papel dele imprimir nas pessoas o ensino bíblico, que é dever dos pais.
            Implantar princípios de autoridade nas crianças (em seus lares) traz o respeito das crianças pelos mais velhos e conseqüentemente pelas autoridades (o professor, o policial, os governantes, os patrões, os ensinadores em geral e até pelo professor de EBD).
            Estamos em um caos afetivo-educacional e para com as instituições, valores e o mínimo de cortesia e dignidade. A família quer sua cota para a Igreja e para o governo. Reestruturar a família (ao modelo original bíblico-cristão) na contramão dos ditames GLBT é uma tarefa árdua e improdutiva (estamos fazendo isto por ausências passadas). Pior do que isto não acredito poder ficar. A Igreja precisa agir e orar insistentemente na reestruturação e resgate dos lares cristãos e nos princípios bíblicos que neles deveriam imperar
            A fase do deslumbramento nem sempre é percebida pelos pais. Alguns só se dão conta do fascínio que o modo de vida de garotos e garotas; de outras medis exercem sobre seus filhos depois que os perdem. Normalmente isso ocorre porque ambos os pais trabalham fora de casa e não dispõem de tempo para orar com os filhos, para o culto doméstico e para acompanhar o desenvolvimento e as inclinações deles. Mas há outros motivos, entre os quais o despreparo com que moços e moças se casam.

Nesse texto, Jesus toma um fato natural para refletir uma verdade espiritual.
São três parábolas que Jesus conta neste capítulo do Evangelho Segundo Lucas: A parábola da ovelha perdida, da moeda perdida e do filho pródigo... em cada uma delas, Jesus fala de algo que se perde e que é reencontrado.
A aplicação é clara: o pecador que se arrepende é "reencontrado" por Deus!
Porém, além desta conclusão clara e específica, nós temos algo mais a aprender deste ensino de Jesus.
Jesus falou sobre uma perda que aconteceu dentro de casa...
Então, eu tomo esta palavra de Jesus como profética e quero fazer uma aplicação espiritual disto para as nossas casas e as nossas vidas hoje...
...Este denário que se perdeu dentro de casa, fala de outros valores, que muitas vezes também são perdidos dentro de casa... de nossas casas!
Há muitos valores que devemos guardar dentro de nossa casa, no convívio com a esposa, o marido, os filhos, os pais e os irmãos.
Esses valores preciosíssimos, são: o respeito, o carinho, o amor, a paciência, a compreensão, a dedicação, o serviço, a harmonia, a paz, a doação de si mesmo, e muitos outros!
Mas além desses valores, há também os valores espirituais, como: a oração, a santidade, o evangelismo por amizade, a prestação de contas... todos são valores de grande importância!
E a questão é, qual desses valores, estão perdidos?
Quem já não perdeu alguma coisa dentro de casa?

        Resgatando Os Valores do Lar – http://www.sfnet.com.br


1.3 Perdedores de ovelhas

Conceitos orientadores: displicência; excesso de trabalho e atividades; administração do Tempo; sobrecarga de funções

            A Negligência é a “arte” de fazer as coisas mal feitas, de forma relaxada, com desdém e irresponsabilidade; sem apego pessoal e sem vínculos idealistas ou mesmo atenção. Nos lares, nas empresas, nas igrejas, em praticamente todas as atividades ela vai dando vez aos oportunistas e ao Maligno operarem a transição de poder passado-o às mãos de quem se dê ao trabalho de fazer o trabalho (qual seja) de forma criteriosa.
            Outra vez insistiremos na questão de que temos tratado mais de reaver do que não perder. Assim, na ânsia de melhores condições de vida, sociais, econômicas, ministeriais e etc., passa-se mais tempo fora de casa ou envolvido com atividades estranhas à família. Estudar, emprego, negócios e projeções são ferramentas-meio e não objetivos-fins em si mesmos. Pouco a pouco os filhos vão crescendo distanciados dos pais e, sem afinidade, tendem a se enveredar por caminhos maus.




2. A Dracma Perdida

A dracma, por ser um objeto inanimado, não sente nada pelo seu possuidor. Também não pode tomar a iniciativa de se separar do dono ou de seu grupo e perder-se. Por isto, a Dracma Perdida é totalmente isenta da responsabilidade por sua condição de perdida. Estas características fazem com que a figura da dracma tenha muitos significados e aplicações:

2.1 Filhos pequenos

Conceitos orientadores: incapacidade; inocência; dependência econômico-afetivo-intelectual; tutoria; condutores; herança; legado

            O que garante a salvação dos pequeninos? Ser filho de líderes, pastor, cantar/tocar no louvor, escrever pra blog cristão, falar de Jesus para seus amigos… Nenhum deste itens asseguram a nossa salvação! Na verdade, estes são alguns dos indicadores de que alguém está salvo(já). Iniquidade e vida cristã não podem andar juntas!
            Ter confessado a Cristo e freqüentar alguma igreja (ainda que dia e noite ou em todos e quaisquer eventos ou reuniões) e continuar vivendo fora dos padrões de Deus é perda de tempo. Assim, muitos filhos ao crescerem se apercebem que estão em mundos paralelos e contrários.
Deus é Santo e Ele virá buscar uma noiva santa, então se eles não estiverem em santidade irão crescer e se indignar desta dupla personalidade (muitas vezes forçada).
            Cristão é ser imitador de Cristo. Não se pode tentar ser “meio cristão”… Ou você é ou você não é! E isso não diz respeito ao que falamos ou ensinamos em casa, mas sim ao que vivemos. Não é uma ideologia ou uma moda: é um padrão de conduta, de vida e de ideais. Tal padrão é que te levará ao Céu e não somente crermos na ideologia. É vever tal ideologia por termos certeza de tranformações. Então, pense na sua vida… Você está sendo um cristão de boca ou de atitudes? O que os pequeninos estão vendo para imitar?
            Outras vezes os deixamos aos cuidados de terceiros, que além de não possuírem para com eles o mesmo senso de dever e o mesmo amor e respeito que cabe aos pais, há casos de abuso sexual e violência física contra os pequeninos, cometidos por babás e cuidadores os quais transmitem princípios e valores nem sempre benéficos à formação do caráter de nossas crianças.


2.2 Valores e Princípios Cristãos

Conceitos orientadores: caráter; moral; ética; conduta e testemunho; transformação; imitadores de Cristo

            Valores e Princípios Cristãos são os fundamentados nos ensinamentos do pai e de seu filho, Nosso Senhor Jesus Cristo. Eles estão conosco desde a Criação do Mundo, quando Deus orientou a Adão e Eva que não comessem do fruto proibido. Surgia ali a Desobediência. Temos sido obedientes a seus pedidos? Fazemos as coisas do nosso jeito, do nosso modo ou do modo Divino? Como somos imaturos!
            Precisamos obedecer aos seus ensinamentos sempre, o que nada mais é do que um valor cristão (obedecer). É a prática desses valores que irão colocar em evidência os seus mandamentos. Assim podemos de fato mudar a Sociedade, a cultura, a Política, as instituições e salvar as almas dos homens.

Alguns Valores Cristãos:

· Humildade;
· Generosidade;
· Amor;
· Paciência;
· Presteza;
· Espiritualidade;
· Fraternidade;
· Benevolência;
· Gratidão;
· Obediência;
· Tolerância;
· Respeito;
· Alegria;
· ...O que mais vocês acrescentaria?

            Será que somos verdadeiramente Cristãos, Cristãos mesmos!, Não somente Cristãos para justificar uma religião?

            As dez dracmas podem significar ainda a soma total dos valores e princípios cristãos que devem reger nossa vida espiritual, afetiva, conjugal, profissional e social, como também as vocações e ministérios que deveriam ser descobertos e desenvolvidos na disciplina doméstica. A que foi perdida fala daquela parte do valor, vocação e ministério que existe, mas, em algum momento, por falta de fervor, zelo, atenção, dedicação, de uso de investimentos adequados e de prioridades, perdeu-se dentro de nós mesmos e por consequência, dentro da nossa casa, no seio da nossa família e está ausente nas nossas relações: com Deus, com a Igreja, com a sociedade, com parentes e amigos, com nossos colegas de trabalho, patrão, profissão, negócios, com as atividades sociais, com o cônjuge, com os filhos e com a criação e educação que damos a eles.


2.3 O cuidado que devemos ter com tudo o que Deus nos confia

Conceitos orientadores: zeladores; mordomia cristã; administra talentos e dons; economia cristã; previdência, providência e imprudência

1. Nossos filhos devem ser amados de igual forma

Os pais devem amá-los, mesmo que as personalidades, sexo ou outras qualidades criem elos de identificação diferenciados. Devem procurar estabelecer parâmetros quanto aos exageros preferências que podem com certeza trazer sérios problemas de ordem emocional, psíquica e comportamental na vida deles. Por mais difícil que possa ser os pais devem procurar amá-los de igual forma. Este amor deve ser traduzido não somente na base de declarações amorosas, como também em atividades práticas, que justifiquem com cada um deles o espaço de aproximação que se faz necessário.

2. Nossas influências, nossos sonhos e realizações pessoais não podem prejudicar o futuro de nossos filhos.

A segunda lição que tiramos desta história é que os pais devem ter o equilíbrio necessário para não frustrar o futuro de seus filhos. Devemos tomar cuidado para não colocar expectativas pessoais em cima deles a ponto de se tornar um fardo e nunca devemos instigar um filho contra o outro dentro de suas qualidades e anseios.
Queridos, como pais a nossa influência deve ser sempre na direção da unidade, do amor, do entendimento, das coisas certas, em relação aos nossos filhos, do que é melhor para eles e isto devemos fazer com temor e tremor diante de Deus, principalmente quando estes estão debaixo de nossa guarda, de nossa proteção e cuidados. Tomar partido ou estabelecer situações de engano, de maldade, pode trazer grande sofrimento às partes envolvidas e também à toda família.

3. O perdão sempre será o meio pelo qual qualquer relacionamento pode voltar ao seu curso normal

A Bíblia nos fala dos preparativos que Jacó fez e de como preparou presentes e mais presentes na esperança de aplacar a ira do irmão Esaú, porém o que ele não podia prever era a sua experiência pessoal, a sua guerra intima que teria, em que o personagem do qual estava presente lutando com ele seria a presença do Senhor. Isto mesmo. A Bíblia diz que: Jacó estava só na sua angustia, porque pecado não confessado traz conseqüências, traz peso, traz insegurança, trás receios, justificativas.

Pais, cuidado com as preferências – www.ministeriocomfamilia.com.br (trechos)

Referencial Disciplinar (ler o título II, capítulo II: “Dos Pais e Responsáveis”)


3. O Filho Pródigo

Na Igreja, o pródigo representa aquele crente que pensa que tem maturidade e preparo espiritual suficiente para levar uma vida longe do convívio dos irmãos e da disciplina e proteção pastoral. Decide então se emancipar e romper qualquer vínculo com a congregação. Ao se afastar, porém, do seu ambiente de fé, de doutrina, do cuidado pastoral e do amor dos irmãos, desperdiça seus dons e talentos e se perde nos encantos enganosos do mundo. No que diz respeito à família cristã, o filho pródigo representa:

3.1 O membro da família que escolhe se perder

Conceitos orientadores: escolhas impensadas; imaturidade; tomada de decisões; inconstância; imaturidade; inabilidade; imprudência; imperícia

A Igreja é o lugar da união de pessoas que se dizem cristãs, ou seja, seguidoras de Jesus Cristo, porém é na família que esta unidade deve ser ensinada e vivida.
A Igreja (templo) é o local onde as famílias vão adorar o Senhor entregando as suas vidas no altar em completo arrependimento de seus pecados, porém é na família que o altar de Deus encontra as vidas.
É bom lembrar que a Igreja como nós a conhecemos, um templo de quatro paredes não era a prioridade na Igreja primitiva. As Igrejas se reuniam nos lares. O lar era um permanente seminário de instruções cristãs, onde os preceitos, onde os mandamentos, os ensinos do Senhor eram aprendidos para serem praticados.
Infelizmente hoje a realidade é bem diferente. Os lares não estão cumprindo o seu papel na instrução dos verdadeiros valores de Deus. De fato alguns colocam a Igreja (a denominação) como prioridade, talvez por não sentirem a presença de Deus em suas próprias casas. Os homens como sacerdotes, não estão cumprido o seu papel de pastoreio de suas famílias. Eles precisam levá-las ao templo para que outros ministrem a elas. Os filhos não estão recebendo orientação bíblica em suas casas.
Pela misericórdia de Deus quando alguns se convertem necessitam de famílias espirituais diferentes da sua de origem para receberem delas cuidado. Não deveria ser assim, pois é a partir da família que o alicerce deve ser lançado, fundamentado. A família em torno da Palavra, dos cânticos, do testemunho, da comunhão e oração.
É com pesar que informamos que muitas Igrejas estão doentes e estão na UTI (Unidade de Tratamento Intensivo) Doentes por que? Porque suas famílias não recebem alimento diário. Este alimento só é dado nos finais de semana por outras pessoas, e diga-se de passagem, por alguns que nem são credenciados para isto. Durante a semana ficam famintas porque a leitura da Palavra e a oração estão sendo negligenciadas em seus próprios lares.
Outro dado também alarmante é o que diz respeito à família pastoral. Pastores espalhados neste mundo que têm um enorme zelo em alimentar as famílias de sua Igreja, mas que deixam a sua própria, faminta. Nos cultos, nas classes de escola bíblica, transformam-se em homens santos, poderosos na oração. São mestres na hora de expulsar os demônios, porém em casa não são sacerdotes. Maltratam suas esposas, espancam os seus filhos e se transformam totalmente. Estes homens em nome de sua denominação e até em nome de Deus abrem os seus pulmões e dizem: “A Igreja vêm em primeiro lugar, depois a família e ponto final”.

Casado com a Igreja, Separado da Família – Marco Antônio Ripari – http://cibi.org.br

Quando alguém está perdido na família? Existem várias formas de alguém se perder na família. Já aconteceu que filhos se perderam não encontrando o caminho de volta para casa e toda a família, mais vizinhos e amigos, unidos pelo amor, procuraram até encontrá-los. O pai ou a mãe podem estar perdidos em seu egocentrismo e precisam de orientação amorosa para perceber o quanto estão se machucando um ao outro e à família toda. Na família ninguém pode dizer apenas “eu”, mas sim “nós”. Deve ser “um por todos” e “todos por um”. Alguém da família pode estar perdido espiritualmente, vivendo distante de Deus. Precisa de muito amor e carinho para conscientizá-lo disso e fazê-lo entender que Jesus tinha razão quando disse: ”Sem mim nada podeis fazer!” Em muitas famílias o pai está perdido no vício do alcoolismo e precisa de muito amor, muita paciência e compreensão dos seus familiares para buscar o caminho da cura e da libertação. Há famílias que se perdem em gastos compulsivos trazendo muito sofrimento e dor a todos. Precisam em amor rever suas prioridades. Quantas famílias têm um filho ou uma filha perdida na droga que carecem de muito amor, carinho e compreensão dos pais para buscarem e alcançarem a recuperação. Às vezes algum membro da família perde-se na imoralidade levando uma vida devassa. Este precisa entender o verdadeiro significado do amor, sentindo e vivenciando o mesmo em seu próprio lar.

Amor aos Perdidos – Ivo Lídio Köhn – http://www.iecb.org.br

            Uma vez longe da tutela dos pais, se enveredam por caminhos tortuosos, escorregadios, escuros e perigosos. Pais cristãos, assim, como o amoroso e esperançoso pai da Parábola, jamais devem desistir daquele filho que escolheu se perder. Antes devem cuidar de manter abertos os braços e o coração para recebê-los quando ele decidir voltar aos princípios e valores dantes rejeitados, ou para o lar, literalmente.


3.2 Um cônjuge que se afasta do lar sem motivo justificável

Conceitos orientadores: destruição de famílias; adultério; fornicação; devassidão; estímulos sexuais da mídia; quebra de contratos; banalização do casamento; indiferença ao divórcio

            O filho pródigo também representa uma pessoa casada, que mesmo tendo um cônjuge dedicado, amoroso, carinhoso, que satisfaz sexualmente, e em tudo o mais, acha que o casamento é uma espécie de prisão. Busca a liberdade e, no uso dela, dá preferência a programas que o cônjuge não pode ou não gosta de participar, diversões impróprias para pessoas casadas e para filhos de Deus.


3.3. Um extraviado responsável por seu próprio extravio

Conceitos orientadores: responsabilidades pessoais, de líderes e das instituições; amor de Deus; ingratidão e loucura humanas; conflito de competências e de culpabilidades; transferência de problemas e culpas; culpas legítimas e circunstancias; falsa culpa

            Discordamos do exposto na revista. A ‘ovelha’ (membro pastoreado), exceto se for novo convertido ou alguém que sofreu perdas pessoais ou grandes traumas, deveria ser alguém que passou por discipulado eficaz e alicerçador. No decorrer dos anos, deveria ter sido instruída no melhor estilo soldado/guerreiro/guerrilheiro/filósofo sobre sua fé, bases, ataques/contra-ataques e etc.
            Quanto mais tempo esta pessoa tenha de caminhada, mais experiências teria aprendido, ouvido e vivenciado. Como é que podemos chamar um cristão de mais de 3-5 anos de ‘treino’ de “...ser irracional... mas não poderia ser responsabilizada por suas ações...” ? A alegada culpa do pastor existe sim, mas diretamente ligada a falta de preparo de seus liderados.
            Na introdução foi mencionado o sentido primário das parábolas e os sentidos arbitrados, imaginados, possíveis e etc. O caso é que ao nos distanciarmos dos sentidos iniciais, tendemos a inverter, prejudicar e enveredar por ‘tapa-buracos’.
            Outra vez lembramos que Cristo comparou ironicamente as ovelhas que ficaram no aprisco aos fariseus presunçosos, arrogantes, cegos e desprezadores do senhorio de Jesus! Elas não são os membros da igreja sadios e fiéis não. O trabalho do pastor ali fala de tirar PECADORES CEGOS do mundo de perdição e não de trazer membros mau-instruídos de volta. Alguns se desviam (talvez a maior parte) por não terem sido realmente transformados. A parábola fala de preocupação com quem não conhece a Palavra. Os que ficaram no aprisco conhecem a Palavra (fariseus) e desprezam o Messias e a Obra de Deus. Tenhamos mais apuro em entender, examinar e ensinar sobre tais interpretações.



Conclusão

Para evitar perdas e regatar o que já se perdeu, lembremo-nos de que Deus coloca dentro das nossas relações pessoas para pastorear sobre nós e outras as quais devemos pastorear. Recebamos com gratidão a direção e o amor cuidadoso das primeiras e tratemos com zelo desvelado as últimas, sem jamais desistirmos delas.

Fontes:

Bíblia Sagrada ARC/ARA/ACF/TB/BV/NTLH
Família Cristã (revista) – Editora Betel – 3º Trimestre 2013 – Lição 08
Comentário Bíblico Moody AT/NT – Editora Batista Regular
Família, Instituição criada por Deus – Neuza Baldini (link)
Semana da TV Desligada (TV-TURNOFF WEEK) (link)
A Crise que Estamos Esquecendo (link)
Uma Inimiga Chamada Negligência (link)
Os Conflitos Estão Presentes em Todos os Lares (link)
Os Cuidados com A Família e O Ministério Cristão (link)

Bibliografia Indicada (estude mais)

As Parábolas da Ovelha e do Dracma Perdidos (link)
Resgatando Os Valores do Lar (link)
Trabalho e Família (link)
A Visão de Veríssimo Sobre o BBB (link)
O Que diz A Bíblia sobre a Educação dos Filhos Cristã no Lar (link)
Qual a Importância dos Valores Cristãos nos dias Atuais? (link)
Criação de Filhos (link)

Um comentário:

Colabore conosco: escreva seus pontos de vista, opiniões ou críticas. Contamos contigo neste trabalho