domingo, 11 de agosto de 2013

EBD Editora Betel - Fugindo do Método Farisaico de Educação


Assembleia de Deus CONAMAD
Lição 07 – 18 de Agosto de 2013
Revistaebd Revista escola bíblica dominical editora betel conamad Passagem bíblica trecho bíblico bíblia como estudar teologia bíblia escola dominical escola dominical betel escola biblica betel escola bíblica betel escola dominical conamad auxilio professor ajuda professor subsídio professor auxílio professor subsidio comentario ebd comentário bíblico ebd professor mestre comentário biblico escola dominical comentario biblico escola bíblica comentario bíblico pregação pregador palestra estudo bíblico bíblico

Texto Aureo

“Ai de vós, escribas e fariseus, hipócritas! Pois que dais o dízimo da hortelã, do endro e do cominho e desprezais o mais importante da lei, o juízo, a misericórdia e a fé; devei s, porém, fazer essas coisas e não omitir aquelas”. Mt 23:23

            É fácil de se perceber que o valor do sentimento (intenções) é maior que o valor dos valores. O Juízo, a Misericórdia e a Fé são o fundamento de estarmos servindo a Deus! O ato de contribuir é para o nosso crescimento: aprendemos a dar para (talvez) receber depois. Exatamente como Deus fez conosco, dando Cristo primeiro. Ele espera que nos doemos de volta. Primeiro damos as sementes para o solo. Após morrerem é que germinarão, crescerão e frutificarão.

Verdade Aplicada

O Lar Cristão é um lugar onde vivem filhos de Deus que devem criar e formar outros filhos de Deus e para Deus, portanto, os métodos disciplinares devem ser aplicados com justiça, misericórdia e fé.

Objetivos da Lição

Insistir na necessidade de haver no lar coerência entre discurso e prática;
Alertar sobre os riscos e perigos de sobrecarregar o cônjuge e os filhos com exigências excessivas;
Ensinar que qualquer pessoa, inclusive as criancinhas, precisam receber a Cristo como Salvador e Senhor para poderem viver como filhos de Deus.

Textos de Referência

Mt 23:1 - Então, falou Jesus à multidão e aos seus discípulos,
Mt 23:2 - dizendo: Na cadeira de Moisés, estão assentados os escribas e fariseus.
Mt 23:3 - Observai, pois, e praticai tudo o que vos disserem; mas não procedais em conformidade com as suas obras, porque dizem e não praticam.
Mt 23:4 - Pois atam fardos pesados e difíceis de suportar, e os põem sobre os ombros dos homens; eles, porém, nem com o dedo querem movê-los.
Mt 23:5 - E fazem todas as obras a fim de serem vistos pelos homens, pois trazem largos fiiactérios, e alargam as franjas das suas vestes,


Introdução

Quando entrevistamos adolescentes e jovens que se desviaram da igreja, que se envolveram com drogas ou com a criminalidade, que apresentam graves distúrbios comportamentais, descobrimos que um percentual muito alto deles foi criado no método farisaico de educação ou foram empurrados da Igreja porta afora por algum obreiro que utiliza esse mesmo método. Por isso, parece útil apresentar nesta lição, de forma resumida, os aspectos mais utilizados desse processo, para que os pais (ou candidatos a pais), possam reconhecê-lo e evitá-lo de pronto.

As memórias de casa deveriam incluir as refeições, orações, e jogos que compartilhamos. As viagens que fizemos, os animais que tivemos e a diversão e batalhas que tivemos. Sempre houve conflitos, e deles também compartilhamos. Como família, formamos memórias a cada dia da semana, pois você nunca sabe quando será a última. A vida é tão incerta que nunca sabemos quando faremos nossa ultima refeição, última conversa, ou quando daremos juntos o último passeio. Eu conheço uma família que parou de fazer todas as ligações telefônicas, e-mail, bilhetes e se afastaram uns dos outros sem dizer “eu te amo”. Nunca saia da casa de manhã com um mal-entendido, palavras feias ou amargas ou um silêncio mal-humorado pois estas coisas podem se cristalizar na memória para o resto da vida. A melhor defesa para o lar são aquelas 7 palavras especiais que mencionamos no início, “sinto muito” , “me perdoe”, e “eu te amo” “resposta branda desvia o furor, mas a palavra dura suscita a ira.” (“Provérbios 15:1). 

        As Memórias de Casa – O Lar Cristão – http://www.bbnradio.org


1. Os usuários do Método Farisaico

Nenhum crente quer ser identificado como membro ou aluno da Escola farisaica. Chamar um crente de fariseu é uma ofensa inominável. O perfil dos fariseus é descrito por Jesus e muito falado e criticado nas Igrejas. Somos constantemente exortados a que sejamos diferentes deles. Entretanto, muitos de nós, pais, educamos nossos filhos no método educacional farisaico e nem nos damos conta disto.
            Fomos ensinados (geralmente assim ocorre) em meio a erros e acertos. Não devemos repetir os mesmos erros. Jesus disse: cuidado com o ENSINO fariseu. Tal ensino é PERIGOSO.
            O Farisaísmo é uma consequência, um fruto, um produto de uma forma de aprender a viver. É o resultado das teorias que primam o "eu" e tudo que o "eu" faz; aplaude e exalta o mérito do humano e terreno e rebaixa a misericórdia divina. Prega que tudo de bom que podemos receber de Deus é por mérito do humano, em lugar de totalmente por misericórdia do Senhor. É a vida baseada no egoísmo. Cristo é fruto e frutificador (“A Videira”) de uma forma de vida baseada na abnegação. Qualquer um de nós pode ser um fariseu; qualquer ser humano pode virar fariseu. Qualquer discípulo de Jesus pode se tornar um fariseu.
            O Farisaísmo é uma forma de adoração dada a Deus (enganosa e equivocada). Podemos nos tornar fariseus, desde que sejamos ensinados. Logo, ser fariseu é ser fruto de um ensino.



         Continua...

1.1  A posição e a doutrina dos pais no Método Farisaico

Neste sistema de educação, os pais ocupam uma posição de superioridade em relação ao cônjuge e aos filhos (Mt 23: 2). Usam Efésios 5:22 e 23 e 6:.1 para impor a eles suas exigências. São inflexíveis: não têm nada mais a aprender e nada a modificar em seus posicionamentos (Mt 23:2) e, se tiverem, o cônjuge e os filhos não podem saber disso. Nunca devem admitir um erro para que a autoridade deles não fique abalada. Ensinam corretamente as Escrituras (Mt 23:3), mas o fazem pelo motivo errado (Mt 23:5). Observam costumes antigos nos mínimos detalhes. São justos aos seus próprios olhos, são dizimistas e ensinam os filhos a sê-lo também (Lc 11:.42; 18:11 e 12), jejuam muitas vezes (Mt 9:14), são zelosos e dotados de qualidades especiais (Mt 23:27 e 29) e guardam as tradições antigas (Mc 7:3). Fazem, porém, tudo isso sem misericórdia e fé (Mt 12:7; 23:23).

Em elaboração

1.2 Em que se baseia o método farisaico na educação de filhos

Este método disciplinar é marcado pela literalidade das regras bíblicas acrescentadas de muitas outras regras e costumes extra bíblicos. Baseia-se em “fazer e não fazer”. Em recompensas e punições. Não é baseado na necessidade de conversão, tampouco em princípios, valores e fé.
No Antigo Testamento foi colocado um pesado véu, que servia de parede para separar o Lugar Santíssimo dos demais compartimentos da Tenda da Congregação, visto que se alguém ousasse entrar e olhar para dentro da Área sem estar preparado era fulminado. Desse modo, somente o sumo sacerdote, uma vez por ano entrava no Santíssimo.
A carta aos Hebreus diz que aquele véu era o próprio Deus/Filho, cuja santidade se interpunha entre o pecador e Deus/Pai, que consentiu em se fazer homem, e pela sua carne rasgada qual véu, vencer o pecado e inaugurar em Si mesmo o novo e vivo Caminho (Hb 10:19 e 20). Este sacrifício de Deus, em Jesus, dar a todos quantos o recebem um coração novo, purificado pelo Seu sangue (Hb 8:10 e 11). Porém, quando colocamos a rigidez das regras acima da graça de Deus e quando criamos nossos filhos para fazerem ou deitarem de fazer coisas como se tivessem um novo coração, sem que de fato o tenham, nós os estamos privando da Maravilhosa Graça. Conduzamos, pois nossos filhos a receberem a Cristo como Salvador e peçamos que Ele faça transbordar em nós a Sua graça, para agirmos com nossos filhos e cônjuge do modo que Ele mesmo age com os pecadores (Hb 8:12).

Em elaboração

1.3 A vida doméstica e o discurso do método farisaico de educação

Neste método, o discurso e a prática nem sempre significam a mesma coisa. Falta coerência entre o que se manda que os filhos façam e o que os pais fazem a respeito dos mesmos assuntos. Por esse critério os pais estão liberados para dizerem uma coisa e fazerem outra. Portanto, os filhos precisam ouvir e obedecer ao que eles dizem e fazer de conta que não veem o que eles fazem (Mt 23:3).

Em elaboração


2. Indicações do método farisaico para a vida religiosa

O perfil que o método farisaico de educação propõe para a vida religiosa dos pais é bem interessante e tentador. É relativamente fácil e confortável, por isso muitos pais o utilizam equivocadamente, como se fosse o melhor método que existe para desenvolver a “vida espiritual” da família.

Em elaboração

2.1 O método farisaico promete primazia

Os fariseus criaram um método pelo qual poderiam ocupar definitivamente os lugares de honra na sinagoga: o culto individual realizado em público, desde dizimar até orar e jejuar, tudo era feito do modo mais chamativo possível. Este método, quando aplicado à disciplina da família, consiste em fazer com que todos os membros dela se apresentem no templo e na comunidade, a fim de que pareçam ser a família mais espiritual da Igreja. Assim podem ocupar posições de destaque na Igreja ou pelo menos receberem reconhecimento público pela excelente forma de conduzir a família. O método é bastante utilizado, porque promete primazia a quem o pratica. Carece de ensinar a viver em particular aquilo que se exibe em público.
Nas sinagogas da Palestina havia uma cadeira especial, conhecida como cadeira de Moisés, Assentava-se nela o homem de maior reputação entre os judeus. Além da cadeira de Moises, havia outros assentos reservados às pessoas importantes.

Em elaboração

2.2 Os usuários do método farisaico buscam visibilidade

Quanto mais desejarmos visibilidade social e eclesiástica, mais propensão teremos para aplicar o referido método na educação da nossa família. Veja o que Jesus declarou acerca dos mestres e alunos da escola farisaica: "... fazem todas as obras a fim de serem vistos pelos homens; pois trazem largos filactérios, e alargam as franjas das suas vestes” (Mt 23:5).

Em elaboração

2.3 O método farisaico acena para a possibilidade de reconhecimento e popularidade

Este método cumula de elogios, de recompensas e de prêmios quem cumpre as regras ou se sai bem na escola e/ou nos esportes e humilha a quem as descumpre e não consegue se sair tão bem naquelas atividades. Há pais, usuários do método farisaico, que premiam todos os acertos e vitórias dos primeiros com broches de estrelas e os últimos recebem bonés de orelhas de burro para todos os seus erros e fracassos. Tal ensinamento recomenda que os pais declarem seu amor pelos filhos mais regrados e obedientes e o silenciem para os demais, que façam comparação entre um filho e outro, que ressaltem as faltas dos menos favorecidos diante dos demais membros da família, que apliquem punições severas para servir de exemplo aos outros filhos, e que neguem carinho ou um abraço afetuoso àquele que acabou de ser corrigido por infringir uma regra.

Em elaboração


3. Falhas, riscos e perigos do modelo farisaico de educar

Por ser um método baseado em fazer e não fazer coisas, o farisaico é de fácil aplicação e por isto mesmo muito utilizado, inclusive por cristãos sinceros que criticam os fariseus dos tempos bíblicos, mas nem sempre reconhecem que existem nos tempos modernos também, Entretanto, é um método que apresenta falhas graves e oferece riscos e perigos aos educados por meio dele.

Em elaboração

3.1 A falha

A maior e a mais grave falha do método farisaico consiste no esquecimento do “ser” da criança por priorizar o fazer e o ter. Os pequenos são ensinados como e quando devem fazer o que lhes é mandado, e são informados das recompensas por obedecerem e dos castigos por desobedecerem, porém, não são orientados acerca dos princípios, dos valores que precisam. Por exemplo, não lhes é exigido que sejam honestos, apenas que ajam com honestidade.
Assim, as crianças farão algo para obter coisas, privilégios, e tentarão parecer com aquilo que não são para ganhar aprovação e aceitação: o filho obedecerá não conscientemente, mas porque ganhará alguma coisa de que se agrade, ou será poupado daquilo que o desagrada.

Em elaboração

3.2 Os riscos

Por carecer de valores importantes e fundamentais como convicções próprias, fé, segurança, equilíbrio emocional e certeza do amor dos pais (Mt 23:23), não raro, quando obtêm um pouco de liberdade, filhos educados no método farisaico se desviam da disciplina paterna e da Igreja também. Se alguém perguntar a uma adolescente, educada pelo método farisaico, porque ela conserva sua virgindade, provavelmente responderá que precisa fazê-lo porque se não o fizer, seus pais a expulsam de casa. Se perguntarem a um estudante, educado nesse mesmo sistema, porque ele não cola naquela prova tão difícil, responderá que não o faz porque, se for apanhado colando, sua prova será recolhida e ele vai ficar sem nota nenhuma: como explicará isto aos pais?

Em elaboração

3.3 Os perigos

Pelos motivos expostos no tópico anterior, é grande o perigo de, surgindo a oportunidade, filhos educados no método farisaico se envolverem com drogas e outros vícios, se tornarem presas fáceis para pessoas mal intencionadas e de fazerem todo o tipo de esforço e concessões para não serem punidos e obterem reconhecimento, aceitação e popularidade. Mas há um perigo mais grave ainda, pois é de natureza eterna: pais que optam pelo método farisaico de criar filhos, podem criá-los para o inferno ao invés de criá-los para o Céu (Mt 23:15). O perigo existe, porque neste método, o excesso de regras e mandamentos sobrecarrega os filhos de tal forma que, para se livrar do peso deles, também abrem mão de Deus e da Salvação, pois os associam ao fardo insuportável que carregam desde pequeninos (Mt 23:4). Eles raciocinam: “Se isto é ser salvo, prefiro não sê-lo”.

Em elaboração


Conclusão

Fujamos, pois, do trágico erro dos fariseus, o qual faz com que criemos nossos filhos para parecerem que são filhos de Deus, sem de fato o serem, que desenhemos na mente deles a imagem de um deus tirano e legalista, do qual estão sempre com medo (Rm 8:15). Tal imagem os conduz para longe do Bom Deus e os impede de se deleitarem na herança da graça, misericórdia e amor, como fazem os filhos amados (Rm 8:17). O Apóstolo Paulo alerta: “Se, pois, estai mortos com Cristo quanto aos rudimentos do mundo, por que vos carregam ainda de ordenanças, como se vivêsseis no mundo, tais como: Não toques, não proves, não manuseies? As quais coisas todas perecem pelo uso, segundo os preceitos e doutrinas  dos homens; as quais têm, na verdade, alguma aparência de sabedoria, em devoção voluntária, humildade e em disciplina do corpo, mas não têm valor algum contra a sensualidade.” (Cl 2:20-23)


Fontes:

Bíblia Sagrada ARC/ARA/ACF/TB/BV/NTLH
Família Cristã (revista) – Editora Betel – 3º Trimestre 2013 – Lição 07
Redescobrindo O Tesouro Perdido do Culto Familiar – Jerry Marcellino – Ed. Fiel

Bibliografia Indicada (estude mais)

A Vida Espiritual da Família - Panorama da Família Moderna (link)

Agora, Eu Estou no Volante (link)

Um comentário:

Colabore conosco: escreva seus pontos de vista, opiniões ou críticas. Contamos contigo neste trabalho