domingo, 22 de setembro de 2013

EBD Editora Betel - Culto doméstico: Como realizar com sucesso

Assembleia de Deus CONAMAD
                                                   Lição 13 – 29 de Setembro de 2013
Revistaebd Revista escola bíblica dominical editora betel conamad Passagem bíblica trecho bíblico bíblia como estudar teologia bíblia escola dominical escola dominical betel escola biblica betel escola bíblica betel escola dominical conamad auxilio professor ajuda professor subsídio professor auxílio professor subsidio comentario ebd comentário bíblico ebd professor mestre comentário biblico escola dominical comentario biblico escola bíblica comentario bíblico pregação pregador palestra estudo bíblico bíblico

Graça e Paz.

Não sei se alguém soube, mas eu ousei disputar uma vaga na AELB (a cadeira nº 39). Na verdade eu me subestimei achando que nem iriam querer me ‘medir’. Bom, a vaga propriamente eu não consegui, mas me elegeram como um dos novos membros correspondentes, isso muito me alegra, pois fui escolhido juntamente com o fera Erli Rodrigues, renomado e experiente jornalista, aventureiro, líder, escritor e navegador/remador. Eu? Sou apenas um blogueiro ajudador de professores EBD... Glórias ao nome do Senhor!

Texto Aureo

“E estas palavras que hoje te ordeno estarão no teu coração; e as intimarás a teus filhos e delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e deitando-te, e levantando-te”. Dt 6:6 e 7

Shema(Heb)= "ouvir"; esta confissão de fé inicia com "Ouve, Israel". É recitada junto com Deuteronômio 11: 13-21 e Números 15: 37-4,1 como oração diária.

Em Mateus 22.37-39 Jesus cita o Shema (Dt 6:4), uma confissão diária dos judeus ortodoxos. O maior mandamento é amar a Deus com todo nosso ser e com tudo o que temos, inclusive o serviço cristão. Amar a Deus também é ter bons pensamentos sobre ele, mas não é somente isto.
O pleno amor envolve o coração, serviço e obediência e também amar ao próximo. Toda a Lei e os Profetas baseiam-se nesses dois mandamentos. Um relacionamento correto com Deus não traz problemas com seus mandamentos. O amor é obediência. A Lei como um todo se resume no amor (Rm 13:8-10). Quem ama a Deus, amará ao próximo. E, se amarmos, nada faremos para prejudicá-lo.

A Importância do Ensino Cristão – http://www.doutoresdealmas.org

Verdade Aplicada

O sucesso do Culto Doméstico depende em grande parte das aplicações práticas para a vida de cada membro da família, de modo a que se atenda a recomendação apostólica: “Tornai-vos, pois, praticantes da Palavra, e não somente ouvintes".

Objetivos da Lição

Exibir a simplicidade e a facilidade para a execução do Culto Doméstico;
Mostrar os vícios e os erros que podem comprometer os resultados do Culto Doméstico;
Oferecer sugestões práticas àqueles que desejam implantar o Culto Doméstico.

Textos de Referência

Dt 6:1 - Estes, pois, são os mandamentos, os estatutos e os juízos que mandou o Senhor, vosso Deus, para se vos ensinar, para que os fizésseis na terra a que passais a possuir;
Dt 6:2 - para que temas ao Senhor, teu Deus, e guardes todos os seus estatutos e mandamentos, que eu te ordeno, tu, e teu filho, e o filho de teu filho, todos os dias da tua vida; e que teus dias sejam prolongados.
Dt 6:3 - Ouve, pois, ó Israel, e atenta que os guardes, para que bem te suceda, e muito te multipliques, como te disse o Senhor, Deus de teus pais, na terra que mana leite e mel.


Introdução

Na lição anterior pudemos ver e entender a importância do Culto Doméstico. É possível que muitos o tenham implantado no dia seguinte à lição, outros talvez tenham ficado interessados em realizá-lo, mas não sabem como propor o Culto ao cônjuge ou aos filhos crescidos. Há os que querem, mas não têm ideia do que fazer ou de como começar. E há os que sempre o praticaram, conhecem os excelentes resultados desse hábito abençoado e abençoados mas desejam renová-lo. Portanto, nesta lição serão oferecidas sugestões práticas referentes ao Culto Doméstico.
            É de grande proveito o reexame detalhado das lições 11 e 12 (não deixando de ler os textos e artigos indicados) especialmente sobre a pesquisa do Ministério OIKOS sobre culto Doméstico. Ambas as lições citadas deram total embasamento para nutrirmos desejo, apego, cuidado e práticas ‘domésticas’. Tentaremos na presente lição dar exemplos práticos de funcionamento, manutenção, divulgação e testemunhos.

Identificamos um padrão que parece se repetir com certa freqüência entre as famílias crentes:

A primeira geração conheceu a Deus
A segunda geração conheceu fatos acerca de Deus
A terceira geração não conheceu a Deus

O desvio da fé por parte dos filhos não começou com a chegada da televisão, da música rock ou das drogas. Há quatro mil anos, Moisés, por inspiração divina, previu o problema e deu o seguinte aviso ao povo de Israel: "Havendo-te, pois, o SENHOR teu Deus introduzido na terra que, sob juramento prometeu dar a teus pais ... quando comeres e te fartares, guarda-te para que não esqueças o SENHOR, que te tirou da terra do Egito, da casa da servidão" (Dt. 6:10-12).
O perigo de então é o perigo de agora. As pessoas naturalmente se esquecem do SENHOR. O vírus da prosperidade amortece os sentidos e provoca a amnésia espiritual.  A maior ameaça desta enfermidade é a sutileza com que contamina. Quem iria imaginar que os filhos e netos da comunidade que passou pelo deserto abandonariam o SENHOR que os havia tirado do Egito?  O povo de Israel esqueceu-se do seu Deus no decorrer de uma geração. Juízes 2 registra que aquela geração que havia visto todos os feitos grandiosos de Deus em favor de Israel serviu a Ele, mas "outra geração após deles se levantou, que não conhecia ao SENHOR, nem tampouco as obras que fizera a Israel" (Jz. 2:10).

        Dinamizando a Devocional Familair – http://www.palavraefamilia.org.br


1. Fatores importantes para o sucesso do culto doméstico

Como já foi dito, o Culto Doméstico é uma ferramenta simples, poderosa e de fácil utilização. Os resultados de sua prática são excelentes e duradouros, porém, seu sucesso depende de alguns fatores, tais como:

1.1 A escolha da hora

Conceitos orientadores: oportuno; adequações; precipitações; permanência; hábito; ajustes

            Escolha um horário em que a família está toda em casa. Seja pela manhã, no horário das refeições ou à noite. Colocaremos mais um ponto a ser ponderado: se cultuar ao Senhor é a reunião mais importante do dia, porque não o fazer o mais cedo possível? Este é o momento no qual temo mais energias! Concordamos com a revista sobre alternar o horário conforme ocorram os cultos nos templos. Mas, qualquer que seja o horário escolhido, é importante que seja mantido por tempo suficiente para formar o hábito (I Co 14:40). Havendo necessidade de mudança de horário, faça-a, mas não permita a extinção do Culto Doméstico.

1.2 A escolha do lugar

Conceitos orientadores: ambiente; receptividade; acomodações; aconchego; anfitrião

            Escolha um terraço, uma sala ampla, a sombra de uma árvore, ou até mesmo um quarto bem arejado e silencioso. Lembre-se de que nos países de regime fechado devemos procurar cavernas, florestas e desertos sempre de madrugada! Use o local que seja o mais agradável, confortável, iluminado e ventilado. Sentados nos sofás ou no chão, na cozinha, na varanda, no jardim, enfim, onde a família puder se reunir o mais prazerosamente que for possível. Também pode ser realizado cada dia numa parte da casa, atendendo aos desejos e sugestões dos membros da família (I Co 14:26).
A instrução não deve ficar limitada a um devocional após o café da manhã ou uma história antes de dormir. Até mesmo os momentos mais rotineiros da vida — “quando você se assenta em casa e quando anda pelo caminho” — oferecem ocasiões para reflexão teológica espontânea e criativa. Por exemplo, as formigas que carregam suas migalhas podem estimular uma discussão sobre a diligência (Pv.6:6-8). A descoberta de um cãozinho perdido pode ser oportunidade para uma conversa sobre a alegria que Deus sente pela salvação de pecadores perdidos (Lc 15). Deus pede para Si estes momentos do dia especialmente apropriados para o treinamento formal e informal. Os pais que querem combater a amnésia espiritual devem iniciar e terminar cada dia falando do Senhor além de fazerem todo esforço para preencherem o dia com reflexão espontânea sobre a Sua Palavra.

1.3 A duração do culto

Conceitos orientadores: excessos; brevidade; saturação; tédio; entretenimentos X necessidades; protocolo X descontentamentos

            Se o culto é realizado em uma reunião enfadonha, arrastada e sem a participação das crianças, poucos minutos irão se tornar uma eternidade! Usando criatividade, vida e alegria contagiante e envolvente, os participantes (especialmente os infanto-juvenis) não ficarão “reféns” do tempo (Ef 5.19). Considere também a disponibilidade de cada um. Melhor é que a família se reúna para cultuar a Deus quinze minutos todos os dias do que deixar de fazê-lo (SI 92.1,2). O tempo separado/ivestido neste Culto não pode ser tão longo que desestimule sua prática, principalmente nas crianças e adolescentes.


2. O que deve ser evitado no culto doméstico

Alguns casais não o realizam por imaginarem que sua família já participa de cultos suficientes na Igreja. Porém, o Culto Doméstico não deve ser uma miniatura do culto público.

2.1 Evite formalidades

Conceitos orientadores: pompas; fleuma; etiqueta; solenidades; protocolos; suntuosidades; separatismo; sectarismo; acepção

Algumas Sugestões Práticas  Para dinamizar a devocional familiar, sugerimos o seguinte:

1. Seja criativo e flexível.  Certamente não queremos ser palhaços "barateando" a Palavra de Deus. Mas não há nada de espiritual em cansar nossos filhos com a Palavra. 
2. Seja breve.    Em termos gerais, a devocional familiar deve durar de 5 a 10 minutos quando os filhos são pequenos. Se em determinada ocasião ou ambiente for especialmente propício, é possível estendê-lo por mais tempo, mas deve ser uma exceção e não regra.
3. Seja informal. Por anos o termo "culto doméstico" tem assustado alguns pais desnecessariamente.  O culto doméstico não deve ser uma miniatura do culto público, formal, litúrgico, e  até frio. A adoração familiar deve ser viva e, conforme Deuteronômio 6:4-9, espontânea e  natural. 
5. Seja prático.   Um dos erros mais comuns no tempo devocional da família é a preocupação excessiva com o conteúdo e deficiente com a aplicação. Em outras palavras, os pais ficam satisfeitos quando enchem o cérebro da criança com informações sobre a Bíblia e esquecem de atingir o coração para promover mudança de vida.

        Dinamizando a Devocional Familair – http://www.palavraefamilia.org.br

            A adoração e a vida devocional em familiar precisa e deve ser viva! Como lemos em  Deuteronômio 6:4-9, espontânea e  natural. Pompas, protocolos e formalidades são coisas terrestres. Ninguém “marca” mais pontos com Deus devido a solenidades ou pela formalidade. Estar a vontade não é promover chocarrices, badernas, gritarias nem berros (ser pentecostal não nos obriga a sermos arruaceiros, indelicados ou perturbadores). Nada se compara ao espírito de união que experimentamos em um sofá  com crianças no colo, de pijama, adorando, cantando, sorrindo, se alegrando juntos. Cantar, orar e ler a Palavra de Deus deve nos trazer paz, tranqüilidade e harmonia.

2.2 Evite transformar a oração em alfinetes e em sermões rebuscados

Conceitos orientadores: sarcasmo; indiretas; alusões; exibicionismo; ostentações culturais/intelectuais; prolixidade

Ao fazer o culto doméstico nós não só as alimentamos como as ensinamos a orar, a estarem quietas ouvindo, a terem reverência diante da Palavra. Aprendem a ouvir com atenção e ao serem questionadas sobre o que ouviram, aprenderão a interpretar e a verbalizar o ensino. Isto lhes será útil não só na vida espiritual, como também nos estudos seculares, onde com certeza se destacarão. Temos constatado que as crianças criadas desta maneira, normalmente não têm problemas de aprendizado e nem de disciplina na escola secular. Porém, quando estes ocorrem é mais fácil solucionar e fazê-las entender que este procedimento não agrada a Deus. Quando não estão acostumadas a obedecer em casa, a estarem quietas por algum tempo, levarão este comportamento para a escola dominical e para a escola secular trazendo problemas aos seus professores. Então os professores exclamam: “Esta criança é impossível, ela não para, não atende”. Será que realmente o problema é a criança? Se ele (a) não é ensinado (a) e corrigido (a) em casa como agirá de maneira diferente? Temos observado pais dizerem assim: “Não adianta ele (a) não obedece”; “Ele (a) só faz o que quer, não consigo controlá-lo (a)”. E sabem a qual a idade dessa criança? Três, quatro, cinco anos!!! Imaginem quando entrarem na adolescência, como agirão com seus pais?

        O Culto Doméstico – http://umnt.com.br

As boas normas de reuniões ensinam que os temas a serem tratados, são os temas a serem tratados. Não é crime aproveitar uma possível ‘sobra’ de tempo nas mesmas para adiantar assuntos, temas e ou problemas. De acordo com o que seja, devem ser citados em particular. De modo contrário, muitos usam sua vez de falar, orar ou dar um testemunho ou saudação para lançar em rosto problemas, rixas, azedumes, queixas e até mesmo iras, contendas, ira e etc.
Ao terminar o culto, ao invés de comunhão, consegue-se exposição pública, raiva, constrangimento, insegurança e desunião (I Co 11:17). As arestas ou falha de filhos, vizinhos, amigos ou cônjuges, devem ser levados em orações particulares, e não como queixas contra eles, mas como súplicas, para que Deus propicie maneiras, tempo e oportunidade para aperfeiçoamento ou arrependimento (Fl 4:6). Orar como se estivesse pregando um sermão cheio de palavras rebuscadas deve ser banido (com raríssimas exceções), Estas atitudes e manias não são de acordo com as finalidades para as quais Deus nos deu a oração (Mt 6:6-13; Fl 1:4).

2.3 Não use o culto e seus elementos como punição, castigo ou penalidade

Conceitos orientadores: severidade; inconveniência; vexame público; inoportuno; desvio de função/utilização ou atividade-fim

Todas as reuniões (quais sejam/forem) deveriam ser prazerosas, algo pelo qual os convocados esperam ansiosamente (SI 92:1; 96:1) ou tenham boas considerações/recordações futuras. Leitura bíblica e explanação, oração e cânticos, não podem ser comparados ou trocados por castigos e penalidades. Ler a Bíblia ou orar de joelhos não pode ser nunca punição práticas delituosas. O modo correto é o pai ou a mãe ou ambos chamarem o transgressor, mostrando-lhe a natureza e as consequências do seu erro e perdoá-lo e só depois, para confirmar o que foi dito, ler com e para ele a porção bíblica indicada para a situação e em seguida orar pedindo a Deus que o purifique. Aumentar no tempo do culto ou acréscimos de elementos e atividades com a finalidade de castigar as crianças, qualquer que seja o motivo também não deve ocorrer.


3. A dinâmica do Culto Doméstico

Dinâmica é o conjunto de forças que visam o desenvolvimento ou o progresso de algo. Estas forças são utilizadas para impulsionar um corpo, uma ferramenta, um projeto, a fim de que mantenha o vigor, a velocidade ou a ação para que alcance o objetivo esperado ou simplesmente para mantê-la vivo. A dinâmica também serve para bloquear e combater forças contrárias.
O culto Doméstico constitui um corpo, pois é nele que a família se reúne e se unifica. É também uma ferramenta para ser utilizada pela família e é um projeto a ser implantado e levado a efeito. Portanto, exige dinamismo na proporção, na velocidade e na direção certa. Sugerimos que a dinâmica do Culto Doméstico observe ao menos o seguinte:

3.1 Criatividade e flexibilidade

Conceitos orientadores: genialidade; inventividade; desprendimento; raciocínio; adaptividade

Casais ou lares sem filhos (pequenos, em especial) podem fazer leituras bíblicas, cânticos e colocação dos problemas relacionais e dos planos e projetos diante de Deus e oração conjunta. Existindo bebês, os elementos e a forma do culto podem continuar os mesmos, exceto pelos cânticos, que poderão conter hinos infantis, e pela inclusão do nenê nas orações. Se houver crianças que já andam e falam, a leitura bíblica deve ser mais breve: Um Salmo, um trecho dos Evangelhos ou das Epístolas, junto com uma história da Bíblia de temática correspondente à leitura feita. Durante a semana o tema deve ser o mesmo e a escolha um versículo para memorizar também é muito construtiva e proveitosa (SI 119:11).

3.2 Envolvimento e participação

Conceitos orientadores: parceria; compactuar; colaborar; cooperativismo; mutualidade; espírito de equipe

OBSTÁCULOS AOS CULTOS DOMÉSTICOS.

1º) Desencontros dos horários da família: O pai trabalha em um horário; a mãe trabalha em outro; os filhos saem cedo para a escola; horários desencontrados;
2º) Fadiga: o trabalho e os estudos em excesso conspiram contra o culto doméstico;
3º) Pouca importância: muitos passam horas e horas diante da TV, mas não encontram tempo para o culto doméstico.

Tudo isso dificulta mas não deve ser usado como desculpas para a não realização do culto doméstico. O Inimigo pode agir nessas coisas. 

        A Importância do Culto Doméstico –  http://ebenezerjhb.com

Coloque o culto doméstico como prioridade. Isso lhe trará bênçãos sem medida para a família. Dificuldades e barreiras serão vencidas com o poder do Alto e o esforço de todos, principalmente dos líderes (geralmente pai e mãe, mas não é sempre). Há tempo para todo propósito (Ec 3:1) e podemos tudo naquele que nos fortalece, se fizermos nossa parte (Fp 4.13).
Tente envolver (convide suavemente) sem constranger ninguém: convidar em excesso não é evangelizar, é bulling! Crianças acima de três anos podem e devem ter participação no culto; você é o responsável por elas e tem a ordem de Deus de as ensinar; elas devem aprender e praticar suas próprias orações, cânticos e adoração (sim, elas conseguem se ensinadas). Se souberem ler deve ser concedida oportunidade de participarem da leitura, ou lerem a história bíblica ou a história que ajudará na compreensão da porção bíblica lida aos irmãos menores, etc. “Descer” ao nível dos pequeninos é uma ótima opção. Todos irão ser beneficiados, ainda que pareça “culto de crianças” ou “mingau”. Os adolescentes e jovens podem explicar trechos da Palavra, tocar algum instrumento e etc. A família precisa estar tão envolvida com Deus que os pensamentos e conversas se voltem naturalmente para ele durante o dia inteiro (Fl 4.8). Perguntas e dúvidas devem ser muito bem-vindas e assistidas.

3.3 Praticidade

Conceitos orientadores: pragmático; eficácia; eficaz; utilidade; aplicação; êxito

O Culto Doméstico precisa funcionar como uma aula prática. Os ensinamentos dados devem ser simples e aplicáveis à vida diária da família. Devem ser baseados em princípios bíblicos para os quais se deve apontar o máximo possível de situações práticas. Por exemplo: Você escolheu estudar com sua família sobre o Amor. Logo, tudo que tratar durante a semana terá que apontar uma ou mais situações em que sua família possa vivenciar o amor Por exemplo: um irmão não deve agredir o outro, porque a agressão não cabe no pacote do amor (Tg 1.20) e quem faz isso fica de fora daquele “pacotão maravilhoso”; orar pelos amigos que estão passando por dificuldades é manifestação de amor, por isto hoje oraremos por fulano; alimentar os famintos faz parte do “trenzinho do amor”, então na primeira oportunidade que tivermos vamos viajar nesse trem repartindo com os necessitados os alimentos que Deus nos deu amorosamente... As informações bíblicas que a família obtém nos Cultos Domésticos são muito importantes, mas não devem constituir o único objetivo do Culto. O estudo bíblico realizado no devocional do lar deve atingir o coração e promover mudança de vida. O sucesso do Culto Doméstico depende, em grande parte, das aplicações práticas para a vida de cada membro da família, de modo que se atenda a recomendação apostólica: “Tornai-vos, pois, praticantes da Palavra, e não somente ouvintes”, (Tg 1.22).
Certo casal, que pratica o Culto Doméstico, estava passando por graves dificuldades financeiras. Acabada toda a provisão, restavam na despensa apenas dois litros de leite que seriam dosados cuidadosamente para servir de alimento à filha de menos de quatro anos. Pela manhã, enquanto a mulher estava no quintal a cuidar da horta, bateram palmas. A menina, correu para a tender e eis que era uma pedinte com um bebê nos braços. A garotinha não teve dúvida, foi à prateleira e pegou um litro de leite e deu à mulher. Quando sua mãe soube do ocorrido, ponderou; aqueles dois litros de leite eram tudo o que tínhamos para você se alimentar e não sei quando o papai vai conseguir dinheiro para comprar mais. A menina respondeu prontamente: “Mamãe, foi a senhora quem me ensinou que só amamos a Deus de verdade quando dividimos nosso alimento com quem precisa e eu quero amar a Deus de verdade".


Conclusão

Nunca será demais lembrar que o sucesso do culto doméstico, dependerá em grande parte da forma como será executado e do comprometimento dos seus integrantes. No mais, o Senhor dará o crescimento. Se você tiver, alguma dúvida, converse com o pastor de sua igreja e peça a ele orientações complementares e não se esqueça que o culto doméstico não substitui os cultos semanais na igreja. Deus abençoe a todos.


Fontes:

Bíblia Sagrada ARC/ARA/ACF/TB/BV/NTLH
Família Cristã (revista professor) – Editora Betel – 3º Trimestre 2013 – Lição 13
A Importância do Ensino Cristão (link)
Dinamizando a Devocional Familiar (link)
A Importância do Culto Doméstico (link)
O Culto Doméstico (link)

Bibliografia Indicada (estude mais)

O Culto Doméstico (mini-curso em cinco aulas)
Batistas Apontam Falhas do “Culto Doméstico” (link)


Questionário

1. Qual é o melhor horário para o culto doméstico?
R: O melhor horário para a realização do culto doméstico é aquele em que a família está toda
em casa.
2. Em que lugar o culto pode ser realizado?
R: Em qualquer parte da casa , desde que seja. agradável, confortável , iluminado e ventilado.
3. O que deve ser evitado no culto doméstico?
R: Devem ser evitadas formalidades, oração em alfinetadas, sermões rebuscados, e não usá-lo como meio de punição , castigo ou penalidades.
4. Qual participação podem ter as crianças a partir de 3 anos?
R: Podem e devem ter participação no Culto, como cantar e fazer a própria oração.
5. Em suas palavras, como dever ser o Culto Doméstico?

R: Livre

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Colabore conosco: escreva seus pontos de vista, opiniões ou críticas. Contamos contigo neste trabalho