segunda-feira, 4 de novembro de 2013

EBD Editora Betel - Cavernas, Campo de Treinamento de Deus para Forjar Campeões


Assembleia de Deus CONAMAD
Lição 06 – 10 de Novembro de 2013
Revistaebd Revista escola bíblica dominical editora betel conamad Passagem bíblica trecho bíblico bíblia como estudar teologia bíblia escola dominical escola dominical betel escola biblica betel escola bíblica betel escola dominical conamad auxilio professor ajuda professor subsídio professor auxílio professor subsidio comentario ebd comentário bíblico ebd professor mestre comentário biblico escola dominical comentario biblico escola bíblica comentario bíblico pregação pregador palestra estudo bíblico bíblico

Texto Áureo

“Quem há entre vós que tema ao Senhor e ouça a voz do seu servo? Quando andar em trevas, e não tiver luz nenhuma, confie no nome do Senhor, e firme-se sobre o seu Deus”. Is 50:10

Deus enviada a libertação aos crentes confiantes, mas condenação ardente àqueles que se rebelavam contra a Sua soberania. Observe que o Servo devia falar com uma autoridade que tinha de ser obedecida e que a salvação só seria recebida pelos pecadores por meio da fé, confiando na graça de Deus.

Comentário Bíblico Moody AT/NT

Verdade Aplicada

A escola do aperfeiçoamento divino pode nos conduzir a cavernas escuras, mas elas não são o fim da nossa história, são o redirecionamento de nossas vidas.

Objetivos da Lição

Mostrar que a remoção das muletas que nos sustentam é para que possamos aprender a confiar plenamente em Deus;
Ensinar que Deus usa nossos momentos de sofrimentos para ajudar a outros que passam pelo mesmo problema;
Explicar que Deus usa determinados momentos para que possamos saber de quão grandes coisas somos capazes de realizar.

Textos de Referência

I Sm 22:1 - Então Davi se retirou dali, e escapou para a caverna de Adulão; e ouviram-no seus irmãos e toda a casa de seu pai, e desceram ali para ter com ele.
I Sm 22:2 - E ajuntou-se a ele todo o homem que se achava em aperto, e todo o homem endividado, e todo o homem de espírito desgostoso, e ele se fez capitão deles; e eram com ele uns quatrocentos homens.
I Sm 22:3 - E foi Davi dali a Mizpá dos moabitas, e disse ao rei dos moabitas: Deixa estar meu pai e minha mãe convosco, até que saiba o que Deus há de fazer de mim.


Introdução

Após várias tentativas frustradas, Saul resolve declarar-se inimigo mortal de Davi, que fugindo para escapar ileso, finge-se de louco diante de Aquis, rei de Gate, e encontra abrigo na caverna de Adulão, um lugar escuro e solitário, onde outros quatrocentos homens, em situação igual ou pior que a sua, encontram-lhe.

A fuga de Davi começa com sua inesperada aparição em Nobe, onde ele inventa uma história para Aimeleque, o sacerdote, para explicar porque veio sem seus homens. A pedido de Davi, o sumo sacerdote lhe dá do pão sagrado e a espada de Golias. De Nobe, Davi foge para Aquis, rei de Gate. O rei está disposto a lhe dar proteção, até que alguns de seus servos o fazem recordar de que a reputação de Davi não deve ser negligenciada. Sabendo que está em perigo, Davi finge-se de louco, perambulando pela cidade, babando e arranhando os portões. Aquis não se sente ameaçado por um doido, mas também não vê nenhuma vantagem em lhe dar proteção, por isso expulsa Davi de Gate. Daí em diante, Davi começa a reunir um grupo de descontentes e é obrigado a se esconder nas regiões remotas de Judá, principalmente depois da exortação de Gade (22:5).

Um Passo para a Frente, Dois para Trás – Robert L. (Bob) Deffinbaugh


1. Removendo os alicerces

Adulão significa: “Lugar da antiguidade”. É exatamente nesse lugar que Deus vai trabalhar um pouco mais em Davi, usando seu sofrimento para polir a vida de outros quatrocentos, torná-los amigos e irmãos, e fazer daquele bando de gente sofrida, um exército leal ao futuro rei. Vejamos como Davi chegou a Adulão, e como reagiu a mais uma etapa de provações em sua vida.

1.1 Removendo as muletas

Conceitos orientadores: inveja; êxitos; insegurança; graça divina; sentenças e leis injustas; infortúnios pessoais; poder humano X soberania divina

Movido de ciúmes, porque o SENHOR estava com Davi, e o heroísmo de Davi o fazia ser muito estimado pelo povo, Saul queria eliminá-lo, e falou em matá-lo ao seu filho Jônatas e seus servos. Mas Jônatas, grande amigo de Davi, o preveniu disso e mandou que ele se afastasse e se escondesse até que ele intercedesse com seu pai a seu favor, e lhe fizesse saber o resultado.
Saul atendeu aos argumentos de Jônatas e jurou que Davi não morreria. Jônatas então chamou Davi e ele voltou para o convívio de Saul. Isto durou pouco: houve nova guerra com os filisteus, e Davi novamente voltou vitorioso, acendendo novamente a ira de Saul, sobre quem veio outra vez o espírito maligno por parte do SENHOR. Quando tentava acalmá-lo com a harpa, Davi foi novamente alvejado por Saul com a sua lança, mas desta feita também conseguiu se desviar; ele fugiu para sua casa, escapando de Saul.
Saul, no entanto, perseverou no seu intento de matar Davi: mandou alguns dos seus homens vigiar a casa de Davi, com a intenção de o matar pela manhã do dia seguinte. Prevenido por sua esposa Mical, ele desceu por uma janela e escapou, fugindo.

Perseguido pelo Rei Saul – http://www.bible-facts.info

A inveja de Saul (Davi tinha sucesso em tudo, pois o Senhor era com ele – e de Saul se afastou) o fez tentar matar a Davi. Por não conseguir, decretou a sua morte (I Sm 18.11; 19. 8-12). O que o fiel pastor havia feito de errado para merecer tais injustiças? Deus, contudo, o conduziu para uma direção que jamais pensou: ele perdeu o cargo de oficial do exército, esposa e perdeu seu amigo Jônatas. Também perdeu o profeta; como ganho, teve a escuridão e solidão da caverna de Adulão. Ele perdeu tudo, menos a confiança em Deus.
A partir desse momento, a palavra “fugir” se toma constante nessa nova etapa da vida de Davi. Todas as coisas que havia conquistado com trabalho, honestidade, e heroísmo sucumbiram ao sibilar de uma lança. Imagine o que significa perder em um só tempo o emprego, a família, os amigos, e o principal conselheiro de sua vida, que era Samuel. Mas são, nas cavernas escuras, que Deus realiza as maiores obras de nossa v ida. Os alicerces humanos de Davi fora m retirados para que adquirisse mais confiança no Senhor.


1.2 A um passo da morte

Conceitos orientadores: extremos; afrontas; infâmia; cidades de refúgio; foragidos; pactos e alianças

Todo homem tem em si um profundo anseio por vida eterna. Em todos os lugares vemos essa busca. A Ciência e a Medicina procuram por caminhos que permitam estender a vida. Muitas pessoas cercam-se de idéias utópicas ou vivem em um mundo imaginário de filmes, livros e sonhos. Todos têm medo da morte. Quando se pensa nela, surge a temerosa pergunta: "O que virá depois?" O homem quer viver, viver eternamente, ele tem medo de morrer. Constantemente ele também se vê diante da importante pergunta: "Afinal, para que eu vivo?"
Deus criou o homem para a vida eterna. Mas ele a desprezou e jogou fora. O homem preferiu o pecado que lhe trouxe a morte. Isso fez vir a morte sobre toda criatura e a miséria humana começou. Desde então o homem está procurando reencontrar a vida eterna. Ele procurou muito e criou inúmeras coisas para obter vida para si; é o que mostram as muitas religiões. Mas, ele não tem vida, ele nunca tem segurança.

Somente Jesus Dá Vida Eterna – Norbert Lieth

Amizade é confiança. Durante cerca de quinze anos, Davi foi obrigado a fugir da perseguição de Saul. Nessa fase ele disse: “…apenas há um passo entre mim e a morte” (1 Samuel 20:3). Em mais de uma ocasião, Davi revelou seu esconderijo a Jônatas, que poderia ter traído Davi delatando-o a Saul. Davi confiava em Jônatas com a própria vida.

Como Resolver Problemas em I e II Samuel – Ancil Jenkins

Há Comentários judeus que mencionam, quanto a I Samuel 20:3, o passo que Davi possivelmente deu para fugir da lança de Saul. Então “Há apenas um passo entre mim e a morte”, segundo a sugestão, seria uma menção do próprio Davi: lá eu dei um passo e fugi da lança. Aqui, posso dar um passo e morrer!
Davi, num momento, foi aclamado por toda a nação: era um herói nacional. Em outro instante, tornou-se inimigo público, fugitivo; quem o ajudasse poderia pagar com a própria vida. Diante deste quadro, cercado por todos os lados e desesperado, faz juramento de a proteção à geração de Jônatas, de quem recebe apoio e proteção.
Assim, vai em direção à terra dos seus inimigos. Fugindo da morte no chão onde vivia, por incrível que pareça, Davi vai encontrar abrigo na terra dos inimigos, muito mais do que no lugar onde foi fiel e honesto.


1.3 A ironia de uma caverna

Conceitos orientadores: alvos; referenciais; paradoxos; contrastes; desamparo; altruísmo; filantropia; espoliação

A Vida Humana em Contraste com a Eternidade de Deus. Senhor, tu tens sido o nosso refúgio. O salmista começa citando sua confiança na natureza eterna de Deus (cons. Dt. 33:27). Verdadeiramente todas as gerações o têm confirmado. O Senhor é imortal; o homem é mortal. O Senhor está acima da limitação do tempo; o homem sempre está consciente do tempo. O Senhor é de eternidade à eternidade; o homem, como a relva, tem a vida curta. Os símiles dos versículos 4-6 não enfatizam só a brevidade ou fragilidade da vida, mas também a dependência humana do Eterno. O homem certamente está à disposição de Deus, retornando ao pó quando Ele ordena e sendo varrido como por uma enchente.

Comentário Bíblico Moody AT/NT

Ironia é um termo que se origina de eirônetâ (grego)/irônia (latim) => êirên = falar. Uma forma de falar. Mas não é uma forma de falar qualquer, a ironia implica em fingir ignorância, dissimular e, principalmente falar algo que signifique exatamente o oposto do que as palavras levem a crer. Quando usa da ironia uma pessoa não está mentindo, ainda que aqueles que não entendem a frase possam ficar com essa impressão.
E a Bíblia continua com as ironias de Deus. Pedro é liberto da prisão mas fica preso para fora da casa (a cena chega a ser hilária) em At 12:13-16. Deus chega mesmo a usar de um espírito maligno para castigar um bando de charlatões que diziam falar em Seu nome (At 19:13-16). Paulo é outro que tanto usa a ironia como recurso didático (Rm 3:29 ; 6:1,15; 7:7,13) como reconhece a ironia de Deus escolhendo a escória do mundo no lugar dos sábios (I Co 4:10; 1:26-29) e o escravo como modelo cristão para o seu senhor (Filemon é a obra prima da ironia no Novo Testamento).
Vamos ter cautela! Na Bíblia nos encontramos certa dose de ironia (isso é parente de uma piada).
Quero fazer outra observação que considero muto importante: Estudo bíblico e pregações não deve haver espaço para piadinhas e fazer graça, quando estamos falando da Palavra de Deus nosso papel não é ser palhaço para agradar os ouvintes.
Tambem nao concordo que após um culto solene venhamos a contar piadas, digo isso porque acontece muito.

Devemos Evitar Piadas Evangélicas? – http://monergismo.com (trechos)

Diante de grandes desesperos, vemos realizações divinas de coisas interessantes, assombrosas, ilógicas e algumas até engraçadas. Solidão, perdas praticamente totais, exceto a vida e a esperança em Deus, medo e aflição. Esse foi o pior momento de sua vida (compare com Salmos 142). Inseguro, sem comida, sem companhias, e sem promessas para se apegar; nem mesmo tinha como nutrir grandes esperanças de mudanças naquele momento.
Totalmente necessitado de auxílio, orientação e socorro, Deus envia a Davi quatrocentas pessoas em piores estados que ele. Em alguns momentos de grandes provações, Deus pode envia-nos pessoas para que nós (“falidos”) as ajudemos.



2. Antes do trono, uma caverna

Todos nós sofreremos perdas. Até Jesus teve de perder (Fp 2:5-9). Todavia, o mais importante é compreender o motivo pelo qual devemos sofrer determinadas derrotas, e o envolvimento de Deus nesses motivos. Quando Deus faz conosco o que fez com Davi, reduzindo-nos a cinzas, não faz para nos destruir, mas sim para redirecionar a nossa vida.

2.1 Davi e as cinzas

Conceitos orientadores: auto-estima; motivação; surpresas; socorro; expectativas; avaliações divinas; rotas, rumos e convicções

Perseguidos, mas não desamparados; abatidos, mas não destruídos. Podemos estar abatidos, mas isso não é sinônimo de destruídos, ainda há uma esperança.
Primeira característica de um cristão abatido, mas que não está: Tem sede de Deus. (Salmo 42:2)
Assim como a corsa anseia por água, o salmista tem sede da presença de Deus. Uma ótima forma de analisarmos o nível de vida espiritual em nós é a sede de Deus. Vivemos tempos em que são tantas lutas e tantas coisas para desviar nossa atenção para nosso controle antropológico, ou para nossos deleites que dificilmente encontramos alguém com sede de Deus, a presença de Deus já não é tão desejada, aos poucos ela vem sendo substituída por outros deuses.
Na vida espiritual ou estamos vivos e sentimos o desejo de nos aproximarmos de Deus em adoração, em oração e súplicas e em leitura e devoção de sua palavra, ou do contrário, estamos mortos espiritualmente e nada destas coisas fazem mais falta no nosso dia a dia. Se os afazeres desse mundo têm sucumbido o desejo de estar na presença de Deus, precisamos correr urgentemente para a cruz de Cristo para que ele nos ressuscite para a o glória de Deus.
Você tem tido sede da presença de Deus?

Do Fragor das Catadupas ao Altar do Senhor – Braz Alves da Silva

Como deveriam estar a alma e a mente de Davi naquela caverna? Apesar de ser o seu lugar de refúgio, Deus envia pessoas que Davi não imaginava: Primeiro, sua família. Será que já observamos que em momentos de grande provação a família pode ser nossa única fonte de ajuda? Depois, os quatrocentos mais indesejados e sofridos da nação.
Ali era a caverna dos injustiçados. Em tais condições, a perspectiva humana neste ponto é capaz de mostrar: “se mate! Não há mais o que fazer nem mais nada a perder”. Para Deus tais pensamentos são sem propósito e sem razão. Adversidades, ingratidão, desemprego, doença, dívidas, drogas e etc., podem até ser a certeza do fim da vida, mas não significam o fim da esperança.


2.2 Davi e os que estavam em aperto

Conceitos orientadores: opressões; superações; usura; construção e capacitação de equipes; mutualismo; cooperativismo; parcerias

Davi retorna ao território de Judá, mas não muito distante da fronteira de Israel com a Filistia. Ele se esconde na caverna de Adulão. A localização de Adulão não é exata, mas parece ter se sido há algumas milhas a leste de Gate, na direção de Belém e Jerusalém. Parece que Davi encontrou um esconderijo isolado e seguro, longe o suficiente de Gate e não muito perto de Saul.
Davi parece estar sozinho, até agora. Mas, quando se esconde na caverna de Adulão, uma porção de gente começa a chegar esperando juntar-se a ele. Os primeiros a ouvir sobre seu paradeiro parecem ser os de sua família, que se unem a ele na caverna. Eles devem sentir que, uma vez que Davi é visto como inimigo de Saul, eles também não estão seguros. Parece que é uma suposição acertada, com base no destino dos sacerdotes (ver capítulo 22). Outros os seguem, aqueles que estão em perigo, em dívida, ou não são a favor de Saul. Eles vêm a Davi como seu novo líder. Será que estes homens, como os discípulos do Senhor, esperam um novo rei e um novo reino que derrubará o antigo? Aqueles que se juntam a Davi durante sua estadia na caverna chegam aproximadamente a 400 homens.

I Samuel – Bob Deffinbaugh

Os sentimentos dos agregados à Davi ilustram exatamente como o povo sofria com o governo de Saul e seus atos e pensamentos. Estes derrotados tornaram-se mais tarde um grupo de heróis valentes. Eram de fato derrotados? Vemos que não. Deus os uniu num tempo escuro da vida não para reclamar, mas para um ajudar o outro.
Em nossa vida temos momentos diversos. Não vivemos apenas em picos das montanhas, ou mesmo somente em montanhas. Tristeza e dores, principalmente quando vamos ao interior nossa alma. Tais incursões são evitadas por muitos. Fantasmas e traumas do passado. Alguns que admitíamos inexistentes. Outros nossa mente havia bloqueado. Trapos do velho homem, sombras de altivez, vaidade, mágoas e rancores mal resolvidos.
Somos um somatório de lutas. Alegrias, gozo, saúde, paz e felicidade, temos (geralmente) ao estarmos nos picos. Tristeza, lamentações, choro, angústia, dor e decepções: ao estarmos no vale. Os que muito sofreram e muito lutaram, dão valor à vida. Não é diante de pequenos dissabores que perdem o ânimo. Tais pessoas estarão preparadas para as grandes batalhas e desafios.


2.3 Deus prepara reis e exércitos na caverna

Conceitos orientadores: otimismo; esperança; animados X animosos; angústias; adaptações; reconhecimento; crise; desenvolvimento, restauração e evolução pessoal; abstração

Após seu mundo desabar, Davi foge. A razão de ir para a caverna é poupar sua vida, família e o próprio futuro do Reino, visto ser ele o sucessor. Mesmo não compreendendo os acontecimentos nem os planos de Deus, ele não perde sua confiança, fé e obediência. Perdera suas tropas antigas, mas o Senhor envia-lhe novos (quatrocentos) homens. Seu esconderijo se transformou em centro de treinamentos militares. Estava, sem saber, preparando “os valentes de Davi”. Isso mesmo, aquele bando de gente renegada se transformaria em seus poderosos homens de guerra e, mais tarde, ao assumir o trono, eles se tomariam seus ministros de gabinete.
Mesmo na falência, desprezo e sofrendo o ódio real, Deus abriu os olhos de Davi para que visse além do momento e além das possibilidades humanas. Numa caverna escura e sem esperança, Deus preparava um rei e um exército poderoso (Jl 3.10).
Onde ninguém pode imaginar, nas piores decepções, Deus tem sempre um “trunfo na manga", uma saída para nós. Esse foi o ponto crucial da vida de Davi, em que ele tomou a decisão de não voltar atrás, onde aceitou sua condição presente e fez o melhor naquele momento de angústia. As crises virão, o dia mau é uma realidade, mais cedo ou mais tarde ela virá e nada poderá impedir que venha (Ef 6:13). O mais importante nisso tudo é como vamos reagir diante das tragédias. Se vamos baixar a cabeça e parar, ou levantar, sacudir a poeira, e seguir adiante. Pense nisto!



3. As lições da caverna

Sempre quando passamos por momentos de grandes dificuldades, damos mais atenção à dor e ao sofrimento do que ao potencial que existe dentro de cada um de nós. Davi se superou naquela caverna, lá ele conquistou um grupo de pessoas que se tornaram os amigos mais fiéis que já teve, após ter conhecido Jônatas.


3.1 Davi soube aceitar a caverna

Conceitos orientadores: acomodação; motivação; mentoria e treinadores; materialismo; imediatismo; oração, súplica e clamor; críticas, censuras e depreciações

1. A prática do bem é a defesa daqueles que têm fé.
2. Mesmo sofrendo, acredite que Deus está realizando sua vontade em sua vida. Não existe acaso e algo que fuja do controle de Deus.
3. Enquanto não estiver sofrendo ou mesmo durante o sofrimento, santifique a Cristo como Senhor antes de tudo no seu coração e prepare-se para responder a todos sobre sua esperança.
4. Nunca deixe de ser manso, temeroso, e de boa consciência, mesmo quando você estiver com a razão não perca a razão agindo de outra forma.
5. Se você tem alguém na vida que fala mal de você injustamente, Deus envergonhará aquela pessoa por sua boa atitude.
6. Se você não foi salvo ainda através da água, sempre há tempo enquanto há vida.
7. Se Deus permitiu que seu Filho justo fosse maltratado injustamente, entenda que ele pode permitir que você também seja maltratado. Lembre-se da história de Jesus e saiba que Deus também quer te usar.

Em Tempos de Sofrimento (Estudos em 1ª Pedro) – João Cruz

Qual ou quais seriam as finalidades do sofrer, das dores e das tristezas? Uma, sem dúvida, é cumprir a Lei: devido ao Pecado, entrou o suor no trabalho humano, o aumento das dores da mulher ao dar à Luz (não foi dada “a dor”, mas o aumento desta!), surgiram os cardos e os espinhos nas plantações e etc. Mas, queremos saber se há um interesse da parte do Criador em permitir que soframos?
O exame dos evangelhos fará nos lembrar das dores de Cristo que nos perdoa dos pecados.
Os sofrimentos de Cristo são exemplos para nós. Devemos estar preparados para sofrer. Como ele sofreu e viveu sem pecados, assim também será conosco. Quem não quer (se nega) sofrer, está promovendo o pecado. Temamos o julgamento de Deus, não as vozes da Terra. No tempo de vida que nos resta andemos de acordo com a vontade de Deus.
Ignore as palavras de zombaria dos que amam e vivem nas paixões da carne. Você morreu para o Mundo? Então já está julgado de acordo com o Evangelho. Quem ainda não fez isto, está rumando para a Perdição Eterna. Os sofrimentos nos capacitam, em Cristo, a coisas maiores (mesmo que sejam mais dificuldades). Assim, estaremos prontos a agir como ajudadores e ensinadores a outras pessoas.


3.2 A vida cristã inclui uma caverna escura

Conceitos orientadores: sonhos; planos; ambições; felicidade; talentos; auxílios; reconhecimento, agradecimento e descontentamento

Irmãos, o Senhor Jesus disse que no mundo teremos aflições. O que isto significa?
Significa que não estamos imunes contra possíveis limitações, dificuldades ou tribulações. Estamos sujeitos a passarmos por todo e qualquer problema, da mesma forma que os não cristãos.
No entanto, pelo fato de estarmos com Cristo, nós podemos ter a certeza de que iremos vencer, pois Nele somos mais que vencedores. (João 16:33)
No Salmo 34:19 está escrito: “Muitas são as aflições do justo, mas o Senhor o livra de todas”.
Em 2 Timóteo 3:12 está escrito: “Ora, todos quantos querem viver piedosamente em Cristo Jesus serão perseguidos”. São duas passagens bíblicas que demonstram esta certeza.
No Salmo 23:1 está escrito: “O Senhor é o meu pastor e nada me faltará”. Contrastando o que lemos acima, pode levar a crer, e o adversário se utiliza desta para levantar a desconfiança em Cristo Jesus. Será que este versículo significa que o cristão nunca passará por dificuldades, limitações ou tribulações?
Em virtude do que foi exposto acima, então o que significa o Salmo 23:1? Significa que Deus não permitirá que uma limitação ou dificuldade se instale em nossas vidas de forma permanente; ou seja, mesmo que venhamos passar dificuldades, o Senhor não permitirá que estas dificuldades se tornem crônicas, pois, Ele intervirá e agirá a nosso favor. Ele é o Todo Poderoso; não há e nunca haverá problemas que possam suportar a ação do poder de Deus. É aquela história: agindo Deus, quem impedirá?
Outro ponto que vale a pena salientar é este: o fato de um cristão passar por dificuldades não significa que ele esteja em pecado. Em Jó 1:1 está escrito: “Havia um homem na terra de Uz, cujo nome era Jó; este era homem sincero, reto e temente a Deus, e desviava-se do mal” Observem o seguinte: Jó era temente a Deus e, no entanto, passou por muitas tribulações. O fato de alguém passar por períodos de limitação, não significa que este alguém esteja em pecado. Somos falhos, estamos num mundo cheio de falhas e por isso, estamos sujeitos a momentos de tribulação.

Porque os Cristãos Passam por Dificuldades? – Igreja Missionária Obra de Deus

Quando nos alistamos para trabalhar para o Senhor, estávamos cientes de todas as dificuldades? Se não, qual a causa de uma possível desinformação? Descasos dos líderes, ou uma ‘tática’ anti-amedrontamento? (se dissermos a metade, já seria excessivo e não teremos mais trabalhadores?).
Em algum momento mágico nós também um dia nos dispusemos pela Obra de Deus. Alguém teria nos obrigado? Ou todos nós fomos esclarecidos e conscientizados das dificuldades, das lutas, sacrifícios e renúncias constantes e nada disso nos importou?
Querer e poder fazer parte deste exército de salvação (Salvação Eterna e ajudas humanitárias) é uma honra. Que honra maior haveria no Mundo, do que poder servir ao Deus Vivo? As batalhas em favor da Pátria Celestial, o enfrentamento do Mal para arrancar, livrar e salvar as pessoas prisioneiras das Trevas certamente irão fazer parte de nosso viver. Servos por vocação, amor, gratidão e por convicção, ou mediante soldos e recompensas imediatistas, materialistas e exaltações humanas? Por essas e outras questões e respostas óbvias, as dificuldades não podem mudar nosso objetivo de servir a Deus.


3.3 Da caverna para o trono

Conceitos orientadores: fé; desprendimento; desamparo humano; liderança; aprimoramento; perdas e danos; renovação; aprendizados, lições e edificações

No dia da prosperidade . . . no dia da adversidade. Considerando que nossas vidas estão seguras pelo punho de ferro de Deus, tanto o dia da prosperidade como o dia da adversidade foram por ele determinadas. Portanto, que o homem aproveite ao máximo o que a vida pode proporcionar.

Comentário Bíblico Moody AT/NT

Deus retirou (de Davi) todas as muletas que o poderiam amparar, conduzindo-o ao fundo do poço; só havia duas opções, voltar, ou aceitar e seguir adiante. O que Davi perdeu? Tudo. O que conquistou naquela caverna? Uma nova fase de vida. Do ‘fundo do poço’ ele emergiu com um grupo de heróis, tomando-se deles seu líder e rei. Sua vida foi redirecionada pelo Senhor. Não nos lamentemos por estar em uma caverna, quem sabe, Deus não está nos preparando para reinar?
Apesar do risco de parecermos pessimistas, queremos despertar as mentes a respeito deste título acima. Como nos fala o pregador (Eclesistes), vencer lutas, dificuldades e etc., não nos garante vitórias ao final. Como caverna indica solidão, desprezo, necessidades e dores, tememos que trono indique bonanza, fartura e posses. Alguém poderá dizer: “...o choro pode durar... alegria(s) ao amanhecer” não nos afirma vitórias após derrotas e nem mesmo após batalhas. Somos firmados nas verdades das Escrituras, experiências de pessoas mais idosas comprovadas em nossa vida e ministério e promovemos otimismo baseado em coisas concretas. Temo muito os modismos de “vitórias”, “bençãos” e outros... A nossa vitória real é na Eternidade. Recomendamos mais uma vez Eclesiastes (7:14), deixando vários artigos abaixo sobre isto (devorem todos eles!). Também deixaremos alguns comentários sobre citações do Senhor Jesus (Lc 13:1-5). Certamente reinaremos, mas será na Glória.

Obs.: Cremos que tudo o que Deus possa nos enviar, permitir, retirar e abençoar, dependa muito de Graça, clamor, soberania e de seus planos. Não adianta esmurrar a parede, jejuar, “decretar” e nem “profetizar”. Nada disto garante nossos caprichos, mimos nem fixações!


Falam a Cristo da morte de uns galileus. Esta trágica história se relata brevemente aqui e não a mencionam os historiadores. Ao responder, Cristo fala de outro fato que era como este, outro caso de gente afetada por uma morte repentina. As torres, que se constroem para segurança, costumam ser a destruição dos homens. os adverte que não culpem os grandes sofredores como se tivessem sido grandes pecadores. Como nenhum posto nem emprego pode assegurar-nos em contra do golpe da morte, devemos considerar as partidas súbitas dos outros como advertência para nós. Nestes relatos, Cristo fundamento um chamado ao arrependimento. O próprio Jesus que nos pede arrependimento, porque o Reino dos Céus está à porta, nos pede para que nos arrependamos, pois do contrário pereceremos.

Comentário Bíblico Matthew Henry Conciso AT/NT – Matthew Henry

É trágico vivermos de caverna em caverna e nunca aprendermos as lições que Deus está nos ensinando. Não importa que seja uma caverna, o que importa é que possamos transformá-la. Davi viu aquela caverna como um campo de treinamento, e o que vemos em nossas cavernas? Deus sempre vai nos colocar em situações adversas para que possamos expor o potencial que existe em nós e que ainda, nos é desconhecido. Ele usou a tempestade para que Pedro pudesse caminhar sobre as águas, levou João a Patmos para lhe revelar o futuro, descortinar-lhe o mundo espiritual, e nos leva onde for preciso para que vejamos de e eterno poder.



Conclusão

Se até mesmo Jesus teve de passar pela solidão, obscuridade, anonimato, espera, e caverna, quem somos nós para murmurar diante daquilo que ainda nos é obscuro? Deus tem seus momentos e seus lugares específicos para depurar nossas almas e nos colocar na posição que Ele deseja. Deixemos que trabalhe e estejamos atentos aos acontecimentos.


Fontes:

Bíblia Sagrada ARC/ARA/ACF/TB/BV/NTLH
Davi, A Lâmpada de Israel (revista professor) – Editora Betel – 4º Trimestre 2013 – Lição 06
Davi, As vitórias e as derrotas de um homem de Deus (revista) – CPAD
Comentário Bíblico Matthew Henry Conciso AT/NT – Matthew Henry – CPAD
Comentário Bíblico Moody AT/NT – Editora Batista Regular
Como Resolver Problemas em I e II Samuel – Ancil Jenkins – A Verdade para Hoje (link)
Perseguido pelo Rei Saul (link)
Segundo o Coração de Deus – Luis Palau – Ed. Betânia
Um Passo para Frente, Dois para Trás (link)
Do Fragor das Catadupas ao Altar do Senhor (link)
Somente Jesus Dá Vida Eterna (link)
Em Tempos de Sofrimento (Estudos em 1ª Pedro) (link)
Porque os Cristãos Passam por dificuldades? (link)

Bibliografia Indicada (Estude mais)

Coincidência ou Ironia do Destino? (link)
Ironias (link)
A Escola de Deus (link)
Deserto, A Escola de Deus (link)
Deserto, A Escola de Deus II (link)
A Escola do Deserto (link)
Ensaio Bíblico-Filosófico sobre a Origem e a Razão do Sofrimento Cristão (link)
A Boate Kiss e a Torre de Siloé (link)

Questionário

1. O que significa o nome Adulão?
R. “Lugar da antiguidade"
2. Davi perdeu tudo antes de chegar a Adulão, o que lhe restou?
R. A confiança em Deus.
3. Por que Deus levou Davi para uma caverna?
R. Para redirecionar sua vida.
4. Em que se transformaram aqueles quatrocentos que viviam em aperto?
R. Em seu exército pessoal, sua guarda de honra.
5. O que Deus preparava naquela caverna?
R. Treinava um rei e um exército.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Colabore conosco: escreva seus pontos de vista, opiniões ou críticas. Contamos contigo neste trabalho