domingo, 8 de dezembro de 2013

EBD Editora Betel - Davi, A Lâmpada de Israel



Assembleia de Deus CONAMAD
Lição 11 – 15 de Dezembro de 2013
Revistaebd Revista escola bíblica dominical editora betel conamad Passagem bíblica trecho bíblico bíblia como estudar teologia bíblia escola dominical escola dominical betel escola biblica betel escola bíblica betel escola dominical conamad auxilio professor ajuda professor subsídio professor auxílio professor subsidio comentario ebd comentário bíblico ebd professor mestre comentário biblico escola dominical comentario biblico escola bíblica comentario bíblico pregação pregador palestra estudo bíblico bíblico

Graça e Paz!

Faltam apenas alguns ajustes/incrementações mínimos! Caso não consigamos terminar, os amados já estão mais que municiados...

Estamos envolvidos em um projeto emergencial de aulas teológicas de integralização (MEC) em um seminário no Rio, motivo de não termos postados mais estes dias. Pedimos a compreensão de todos.

Shalom


Texto Áureo

“Porém, Abisai, filho de Zeruia, o socorreu, e feriu o filisteu, e o matou. Então os homens de Davi lhe juraram, dizendo: Nunca mais sairás conosco à peleja, para que não apagues a lâmpada de Israel”. II Sm 21:17

Verdade Aplicada

Os grandes amigos sabem reconhecer a nossa importância, respeitar o que existe de Deus em cada um de nós, e são capazes de se arriscar para conservar acesa a chama que arde em nós.

Objetivos Da Lição

Explicar que gigantes sempre aparecerão para guerrear conosco, e que se aperfeiçoam com o passar dos tempos;
Mostrar a necessidade de ter verdadeiros amigos, como Abisai, ao nosso lado, na hora em que nos cansamos;
Ensinar que Davi era o símbolo de uma luz que iluminava não somente seus amigos, mas toda sua nação.

Glossário

Proliferam: crescem, se reproduzem;
Bajuladores: pessoas que agradam com segundos interesses;
Instância: característica do que é iminente, do que está prestes a acontecer.

Textos de Referência

II Sm 21:15 - Tiveram mais os filisteus uma peleja contra Israel; e desceu Davi, e com ele os seus servos; e tanto pelejaram contra os filisteus que Davi se cansou.
II Sm 21:16 - E Isbi-Benobe, que era dos filhos do gigante, cuja lança pesava trezentos siclos de cobre, e que cingia uma espada nova, intentou ferir a Davi.
II Sm 21:20 - Houve ainda também outra peleja em Gate, onde estava um homem de alta estatura, que tinha em cada mão seis dedos, e em cada pé outros seis, vinte e quatro ao todo, e também este nascera do gigante.
II Sm 21:21 - E injuriava a Israel; porém Jônatas, filho de Simei, irmão de Davi, o feriu.


Introdução

Nessa altura da vida, Davi já está em idade avançada, não é mais um garoto, e agora, está enfrentando os filhos do gigante de Gate (II Sm 21:22). Durante a peleja, Davi sente¹ o peso da idade e a força do gigante, é² socorrido milagrosamente por Abisai que, junto aos outros guerreiros seus, impedem-no de lutar para que não arrisque mais sua vida.

¹ ² Notas MDA: Entendemos que haveria uma maior clareza e sentido, trocando-se “sente” por “sentindo” ou “é” por “e é”.


1. Verdades espirituais

Embora de idade avançada, Davi ainda conservava forças para a batalha. Estes são os últimos momentos de sua vida, mas o encontramos pelejando, destemido, e liderando. Três coisas nos chamam atenção nesta batalha: 1) Os gigantes geraram filhos, e um deles porta uma espada nova; 2) Davi se cansou; 3) Ele está terminando sua vida do jeito que começou, lutando contra gigantes.

1.1 Gigantes se aperfeiçoam

Conceitos orientadores:

Descendia dos gigantes. A palavra para os descendentes foi usada em Nm. 13:22, 28 em relação aos filhos de Enaque, os gigantes da terra no período da Conquista. O hebraico gigante, Rapha, não é o nome de um indivíduo. É um termo coletivo usado em relação aos refains, uma raça de gigantes que habitavam a Palestina em um período primitivo e deram a um vale perto de Jerusalém o nome de "Vale dos Refains". A Vulgata diz Arapha, de onde surge Harapha, o nome do gigante apresentado em Samson Agonistes de Milton.

Comentário Bíblico Moody AT/NT

Um caminho recomendável para os que não foram chamados para o ministério ordenado da Palavra é investir no treinamento local e verificar, junto às instituições mais próximas da igreja, qual oferece um ensino que atenda às necessidades de formação no serviço específico que será desempenhado pelo líder em potencial. O novo líder é formado à medida em que recebe ministração de seus lideres eclesiásticos locais, obtém ferramentas nos cursos dos quais participa e aperfeiçoa o que aprende no serviço prático da comunidade. A pessoa vai estabelecendo sua liderança na medida em que é testada e aprimorada na rotina eclesial (1Tm 3:6-7, 10, 5:21).

O Desenvolvimento de Líderes de Igrejas – Misael Nascimento

            Há momentos em que enfrentamos verdadeiros gigantes em nossas vidas. São situações, problemas, decisões, mudanças e investidas que nos assustam. Golias assustava assim o exercito de Israel. Hoje, nosso gigante pode ser de um problema emocional, espiritual, financeiro, até dirigir, viajar sozinho ou falar em público. Às vezes, por não saber o que fazer, e com medo, fugimos ou aceitamos a derrota. Em I Samuel 17 na guerra entre os israelitas e os filisteus (em uma das muitas batalhas), um super soldado, de grande estatura, bem treinado (um legítimo gigante) se levantou contra o exército de Israel.
            Como Golias se levantou para afrontar a Israel, levando todo o Exército ao medo e ao sentimento de fracasso, gigantes se levantarão contra nós para tentar nos parar, sufocar e tirar a nossa paz! Assim podem vir: desequilíbrios emocionais e espirituais, insanidade e problemas de saúde graves. Davi não teve medo; confiou em Deus. Da mesma forma, nós também devemos confiar em Deus e avançar contra o gigante crendo que ele será derrotado pelo poder de nosso Deus. Não podemos fugir dele, mas lutar com as armas que o Senhor nos deu, além de não nos posicionarmos como campeões eternos. Da mesma forma como Davi de cansou, mentalizemos a indispensável necessidade de treinar, estudar, orar e planejar constantemente. Mesmo cansados, teremos socorro preparado previamente ao nosso redor.


1.2 Guerreiros também se cansam

Conceitos orientadores:

Qualquer pessoa que lê a história de Davi, pensa só no primeiro gigante que apareceu na vida do rei. Pouca gente sabe que a vida de Davi foi um permanente enfrentar gigantes. Os gigantes nunca o deixaram em paz. Atacaram-no quando era muito jovem e aparentemente não tinha forças para derrotar alguém maior do que ele, e atacaram-no também quando já era velho e cansava-se facilmente.
Os gigantes estão aí diante de nós, todos os dias. Não chega nunca o momento em que possamos dizer: “Venci definitivamente”. Não, eles estão aí esperando o momento de maior fraqueza, prontos a atacar-nos. Quais são seus gigantes? Por favor, não olhe para fora. Os maiores inimigos não são a adversidade, as dificuldades, as circunstâncias duras da vida. Os maiores gigantes geralmente vêm de dentro. São o orgulho, a suficiência própria, as mágoas e os ressentimentos que não nos deixam ser felizes.

        Os Gigantes da Vida – Alejandro Bullon

Davi havia subjugado os filisteus tanto que não podiam dispor de um grande número de soldados nas batalha de campo; porém, tinham alguns gigantes guerreiros (aproveitavam todas as chances de perturbar a paz de Israel, desafiando-os por meio de incursões). Em um destes combates estava Davi. Apesar de já estar com certa idade, não se acomodou no serviço público, mas desceu a lutar contra os filisteus (envelhecido, mas não se tornou um preguiçoso).
Davi achava que suportava ainda as guerras como antes; em seu desejo (bom), cria que pudesse lutar como em outras épocas. Estava enganado; depois de um tempo de luta, cansou. O gigante filisteu percebeu esta vantagem. Davi já não era o mesmo e, sendo forte e bem equipado, tentou ferir Davi.
                           
Jesus Alivia o Cansado (vídeo)

1.3 Abisai, o socorro presente na hora da angústia

Conceitos orientadores:

Quem mais está lá para socorrer Davi, senão Abisai, irmão de Joabe e do falecido Asael, todos filhos de Zeruia, irmã de Davi (2 Samuel 2:18)? Esse é o mesmo camarada que acompanhou Davi ao acampamento de Saul, oferecendo-se para matá-lo de um só golpe (1 Samuel 26:6-8). Ele também deu uma mãozinha a Joabe no assassinato de Abner (2 Samuel 3:30). Em algumas ocasiões, ele comandou uma das divisões do exército de Davi (2 Samuel 10:10; 18:2). Por duas vezes ele quis acabar com Simei pelas ofensas ditas contra Davi quando este fugia de Absalão (2 Samuel 16:9-12; 19:21-22). Ele também foi o cabeça de trinta valentes que enfrentou trezentos homens só com sua espada e matou a todos eles. Ele foi um herói de renome em Israel (2 Samuel 23:18). Muito embora Davi possa ter tido algumas decepções com ele — e talvez nem goste dele — certamente Davi fica em débito com Abisai.

        Quebrando e Mantendo Promessas – Robert L. (Bob)Deffinbaugh

A maioria dos grandes líderes às vezes precisa corrigir alguns de seus seguidores por serem demasiadamente dedicados. No caso de Davi, Abisai era um desses. Sua fervorosa lealdade ao rei precisava ser mantida sob controle para que não se tornasse  destrutiva – estava sempre disposto a lançar-se em defesa de seu líder. Davi nunca desprezou esse impulso de lealdade; ao contrário, procurou pacientemente direcionar essa poderosa disposição. Tal atitude, embora nem sempre bem-sucedida, salvou a vida de Davi pelo menos em uma ocasião. Nas outras três vezes, porém, Abisai estaria disposto a matar pelo seu rei, caso Davi não o tivesse impedido.
Abisai era um excelente soldado, mas atuava melhor quando obedecia às ordens do que quando comandava. Quando não se encontrava a serviço do rei, estava geralmente sob comando de seu irmão mais novo, Joabe. Os dois ajudavam-se mutuamente não só na conquista de grandes feitos militares, como também na execução de vergonhosos atos de violência – Abisai ajudou Joabe a assassinar Abner e Amasa. Nas ocasiões em que agiu corretamente como líder, atuou principalmente através de seu exemplo. Porém, geralmente, não pensava antes de agir.
As admiráveis qualidades de coragem e lealdade de Abisai podem representar um desafio para nós. Mas devemos também estar prevenidos contra sua tendência de agir sem pensar. Não basta ser forte e eficiente; também é preciso ter o autocontrole e a prudência que Deus pode nos conceder. Devemos obedecer e agir com nosso coração e nossa mente.

        Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal

Davi iniciou sua glória derrubando um gigante; aqui a conclui derrotando quatro. A morte é o último inimigo do cristão, e um filho de Anaque; mas, por meio de Cristo, cremos que finalmente seremos mais do que vencedores, até sobre a morte.
            Isbi-Benobe está desfilando por aí com sua espada nova tentando apagar a luz dos grandes guerreiros e líderes de nossa nação. Seu desejo era ceifar a vida de Davi, apagar seu brilho, ofuscar sua honra, tirar seu posto, arrancar sua coroa. Ele sabe que, quando a luz se apaga só restam trevas, desordem, prejuízo, inatividade, e derrota. Mas ainda bem que Deus envia Abisai para guerrear ao nosso lado e nos ajudar a manter acesa a lâmpada.



2. Lutando pela permanência do rei

O que vemos nas atitudes dos soldados de Davi é uma grande preocupação com sua pessoa. Para eles, Davi não deveria mais lutar, estava cansado, e eles deveriam lutar por ele. Eles compreendiam muito bem a importância da existência do rei, o que ele simbolizava para eles, e para a nação. Sabiam que lutar sem ele não teria sentido, ele era para eles um espelho que jamais deveria se desintegrar.

2.1 Companheiros de Caverna

Conceitos orientadores:

Em II Tm 3:2-4 lemos "amantes de si mesmas", que revela uma vida pecaminosa, de atos, pensamentos e atitudes falhos. E este “amor” é tão poderoso que os "amantes de si mesmos" são "mais amigos dos prazeres que amigos de Deus". Isto contradiz o Grande Mandamento: "Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todo o teu entendimento...” (Mt 22:36-39).Os praticantes e defensores do amor a si próprio tentam ler um terceiro mandamento (ame-se a si mesmo) neste trecho das Escrituras; Cristo deixou claro que falava de apenas dois mandamentos, pois disse: "Destes dois mandamentos dependem toda a Lei e os Profetas" (Mt 22:40). Não há nas Escrituras um mandamento para amar a si mesmo.
Davi e seus homens se conheceram em situações nas quais não era possível amarem a si mesmos. Seria mais destrutivo ainda. Aperto, dívidas e espírito desgostoso (I Sm 22.2). Se tornaram, diante da situação, amigos fiéis que compartilharam juntos momentos alternados de lutas e glórias. O decorrer do tempo mostrou que eles continuaram amantes do “todo” e do próximo; se um guerreava todos guerreavam; eles estavam juntos e tinham tudo em comum. Será que nossas cavernas geraram amigos assim? Que bela amizade!
            A grande preocupação dos guerreiros era não deixar que alguém ferisse ou matasse o rei. Eles sabiam muito bem qual a importância e valor que ele tinha para eles e para toda a nação. Eles disseram que ele era a lâmpada de Israel, o que dava luz à nação, e, sem ele. Israel estaria em trevas perante outros reinos. E triste ver que, em nossos dias, muitas pessoas não se importam mais com o rei com a nação, mas consigo. O rei precisa de amigos, não somente de guerreiros, mas de pessoas que reconheçam quem Ele é, e lutem para que sempre esteja vivo.

2.2 Não deixe o rei morrer

Conceitos orientadores:

O incidente deixa o exército de Davi perturbado, da mesma forma que talvez o deixe incomodado. Eles quase perdem seu rei na batalha. Quando Davi saía à guerra, ele ia à frente dos homens. Portanto, era o alvo principal, sobretudo dos campeões do exército inimigo (ver 1 Reis 22:29-33). Uma coisa é perder um soldado na guerra; outra, completamente diferente, é perder o rei. Desta vez Davi é salvo por Abisai, mas e na próxima? A época áurea de Davi já passou; ele não é mais o homem de guerra de antigamente. Seus homens não querem perdê-lo como rei, por isso, insistem para ele não sair mais à guerra com eles.
O parágrafo seguinte, versos 18 a 22, vem na sequência dos versos 15 a 17. Na batalha anterior com os filisteus, Davi foi atacado por um dos descendentes de Golias e quase foi morto. Os soldados decidiram que ele não iria mais acompanhá-los na guerra. Mas como poderiam vencer sem seu matador de gigantes? Davi era essencial para a vitória de Israel contra os filisteus? Os versos 18 a 22 nos dão a resposta. Nas batalhas subsequentes, surgem outros descendentes de Golias, os quais também são mortos. Um deles é Safe, que é ferido por Sibecai, o husatita (verso 18). Depois, na batalha de Gobe, Elanã, filho de Jaaré-Oregim, o belemita, mata Golias, o geteu (verso 19).

        Quebrando e Mantendo Promessas – Robert L. (Bob)Deffinbaugh

Existem muitos estudos e conceitos acerca do tema liderança, mas todos sempre envoltos dos mesmos modelos existentes que já não estão mais obtendo resultados satisfatórios como antes. Um novo conceito veio para mudar e está ganhando força nas organizações, pois seus resultados estão se tornando cada vez mais visíveis, a liderança servidora. Esse estilo baseia-se no exemplo do maior líder que já existiu: Jesus.
Percebeu-se que a forma com que ele conduzia e influenciava as pessoas merecia um estudo mais aprofundado, retirando-se a questão religiosa. Logo, verificou-se que o simples fato de pensar e se preocupar com as pessoas foram fatores determinantes em sua grande influência sobre elas. Então, sua forma de agir foi prontamente denominada de servidora e como conseguia influenciar, logo se nomearia de liderança servidora.

        Liderança Servidora – Hamilton Felix Nobrega

Influência. Como ensinado na citação acima, do Hamilton, este é um dos aspectos/talentos que mais fazem os liderados defenderem um líder. 
É nosso dever não deixar que o rei morra, concordamos. Mas não apenas o líder, mas todos da equipe devem ser guardados. Em ações militares é dever proteger o comandante, o destacamento, a tropa como um todo, aos pares e a si mesmo, tudo isto em favor da nação e da própria força/corporação, mesmo que a nação não reconheça, honre ou dignifique os combatentes. Em um tempo em que muitos pensam defender apenas seus grandes nomes(?), grandes ministérios(?), e grandes posições(?). O bem-estar geral prevalece frente ao pessoal. A revista faz uma alusão velada a homens “reis”, mas na conclusão vemos algo fantástico.
            Deixamos alguns artigos para promover a reflexão e comparativos. Muito do conteúdo é até contrário às nossas crenças e/ou doutrinas, mas precisamos confrontar-nos com isto com atenção.


2.3 Quatro tipos de gigantes

Conceitos orientadores:

Como derrubar os gigantes de hoje?
Em primeiro lugar, encare o seu gigante (ou problemas) de frente – vv. 20-24.
Em segundo lugar, não se intimide diante do gigante nem com que as pessoas dizem sobre você – 26-33.
Em terceiro lugar, não considere o gigante de sua vida como imbatível ou invensível – vv. 34-37. 
Em quarto lugar, lute contra este gigante com suas próprias armas – vv. 38-40.
Em quinto lugar, considere esta luta como luta de Deus – 41-51.

        Derrubando Gigante – Igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo

Davi iniciou sua carreira militar combatendo contra gigantes (ele já trabalhava com ovelhas, era poeta, músico e cantor). Termina a vida lutando contra gigante. Eles sempre existirão nos mais diversos tipos, comissionamentos e investidas. Mesmo nos últimos momentos virão tentar nos derrubar ou desviamos da fé. Davi combateu gigantes externos e internos: os externos ele venceu. Seus duelos internos sempre lhe trouxeram dores e angústias. Precisamos cuidar para que os gigantes da ganância, sensualidade, mornidão, indiferença, altivez e tantos outros, não nos destruam. Clamemos a proteção divina contra gigantes como Safe, caso nos eles nos provoquem para perdermos o que Deus nos dá; que a solidão não nos vença; e que a deformidade de caráter nunca se aposse de nós.
            Jesus Cristo disse que nós somos a “luz do mundo” e o Apóstolo Paulo disse que nós somos como “luzeiros para essa geração” corrompida, fracassada e sínica (Fp 2:15). Essa geração engolida pelo sistema amoral, sanguinário, consumista, materialista, precisa ouvir o Evangelho de Cristo na sua pureza doutrinária e consequentemente desbaratar os gigantes que afrontam sem piedade e trégua essa geração confusa e vazia que precisa de Jesus Cristo como salvador e senhor.



3. A lâmpada de Israel

A “espada nova” do inimigo está sempre nos rodeando para golpear, cercando, aguardando nosso momento de fragilidade, aquele momento em que nada podemos fazer, “o perigo mora ao lado”. Isbi-Benobe procura com insistência “apagar a lâmpada de Israel”. É impressionante como, em nosso cansaço, os Isbi-Benobes aparecem. Eles se proliferam em velocidade assustadora, querem se aproveitar da nossa fragilidade para apagar nossa luz. Hoje é muito mais fácil encontrar um Isbi-Benobe que um Abisai.

3.1 Por que Davi era a lâmpada?

Conceitos orientadores:

As palavras hebraicas ner e nir têm a mesma tradução: lâmpada, luz. Na Bíblia, o termo lâmpada ou luz possui dois sentidos: o primeiro tem o significado concreto, isto é, lâmpada ou lamparina como instrumento de barro, usado para iluminar a casa.
A luz fornecida pela lamparina era o mais popular meio usado pelas pessoas para orientarem-se e sentirem-se seguras nas noites escuras (Is 42,3; 43,17). Em segundo lugar, a palavra lâmpada é usada, na Bíblia, com o sentido teológico. O texto de 1Reis 11,36 é um bom exemplo de uso. Ele diz que o rei Davi deveria ter sempre, em Jerusalém, uma lâmpada. A partir do emprego feito pelo autor de 1 Reis 11,36, o termo lâmpada passa a ser muito significativo na história bíblica. Lâmpada, aqui, possui o sentido da permanência da dinastia de Davi, portadora da esperança de restauração do povo de Javé. Para os cristãos, 1 Reis 11,36 deve ser lido à luz de João 8,12: "Eu sou a luz do mundo" (conferir Mt 4,16; Lc 2,32; Jó 3,19). Assim, o uso teológico acrescenta um sentido que vai além do concreto.
O emprego da palavra da palavra hebraica nir, lâmpada, em Provérbios 13,23 e Jeremias 4,3 e Oséias 10,12, sinaliza um novo sentido que esta palavra assume: arar, cultivar a terra pela primeira vez. De modo figurativo, nir quer afirmar um "novo começo" para o povo. A evolução desta palavra não a distancia do significado original, mas a enriquece. O sentido de "novo começo" vai clarear, não somente a promessa sobre Davi, mas especialmente o anúncio da chegada de Jesus: "O povo que jazia em trevas viu uma grande luz..." (Mt 4,16).

        “Luz”, em Tirando o Pó das Palavras – Tércio machado Siqueira

Davi, o homem segundo o coração de Deus, conhecia ao Senhor pelo fato de andar em sua presença. Ele, assim como o patriarca Jó, conhecia o Senhor por experiência própria e não porque ouviu falar dEle (Jó 42.5). Isto fez a diferença na vida do salmista e, com certeza, fará também na vida daquele que anda com Deus nos dias atuais. Para ser um homem ou mulher segundo o coração do Altíssimo é necessário conhecê-Lo e viver intimamente com Ele, obedecendo-o em tudo (Cl 1.10; Rm 12.1,2).

Davi, a lâmpada de Israel – http://www.ebdareiabranca.com

Apagues a lâmpada de Israel. Era uma metáfora para a mudança da luz da prosperidade para as trevas da calamidade. Em linguagem moderna, esses homens queriam que Davi continuasse carregando a tocha de Israel.

Comentário Bíblico Moody AT/NT

            Vemos a lâmpada sempre citada e retratada na Bíblia, como símbolo de esclarecimento, direção, luz e vida. O texto de 1 Sm 3:3 e 4, diz que “antes que a lâmpada de Deus se apagasse, o Senhor chamou o menino...”. O Criador nunca deixará a sua lâmpada se apagar, mesmo quando o portador estiver desanimado ou muito fraquinho ("A cana trilhada não quebrará, nem apagará o pavio que fumega" Is 42:3). Ele sempre encontrará (ele mesmo os prepara) alguém para usar em suas mãos segundo seus propósitos insondáveis, inexplicáveis e maravilhosos. É nosso dever conservar o azeite em nossas lâmpadas (e nas botijas, que são o reservatório para as lâmpadas), para que nossas lâmpadas permaneçam acesas.
            O azeite da lâmpada era o próprio Deus na vida de Davi. A Torá diz que a lâmpada acesa que deve queimar continuamente desde a tarde até a manhã é um simbolismo para que a vida não perca a santidade. Nesta atitude, vemos como é importante conservar a chama da presença de Deus em nossas vidas, pois, apagando-se ela, o que mais terá valor para nós?


3.2 Uma lâmpada não brilha sozinha

Conceitos orientadores:

            Davi não vivia cercado por um grupo de bajuladores, ele tinha amigos leais e verdadeiros, que juntamente com ele, formavam uma equipe. A lâmpada do tabernáculo deveria ser abastecida todos os dias, e o azeite renovado para que a chama se conservasse sempre forte. A lâmpada brilhava, mas alguém fazia com que ela brilhasse. Assim é uma equipe. Davi tinha amigos. Você os tem? O sucesso de uma equipe é sempre o trabalho conjunto, o que Jesus chamou de unidade (Jo 17:21).
            Trabalhar em equipe é quando um grupo, sociedade ou turma faz um esforço coletivo para resolver um determinado problema. Isto pode ser descrito como um conjunto ou um grupo de pessoas que se lançam a realizar tarefas ou determinados trabalhos com planejamento.  As trocas de conhecimentos, agilidade em atingir metas e objetivos, que assim são feitos, são muito mais fáceis (um utilizando a ajuda do outro), rápidos e recompensadores.  Estas pessoas deve se ajudar umas as outras, trabalham de forma igual, sem brigas, e concordam sempre com os pontos de vista uns dos outros, da maioria ou do que for mais prudente.
            Toda equipe necessita de um bom líder, que oriente e mostre a todos os caminhos para atingir grandes resultados. Este deve ser dotado não apenas de técnicas ou de saberes, mas também de boas características comportamentais (não apenas um simples executor de “listas”), como ter o carisma, a humildade, e ser preocupado e compreensivo. Isto certamente é a grande sacada, pois as pessoas são dotadas de sentimentos individuais, além de expectativas únicas, sem levar em conta as crenças, os valores, e também as identidades, que cada pessoa deverá formar no decorrer de sua vida. O líder conduzirá o todo tentando visar os detalhes


3.3 Todo Davi precisa de um Abisai

Conceitos orientadores:

A coisa mais difícil do mundo é conhecermo-nos a nós mesmos, e o mais fácil é falar mal dos outros. (Tales de Mileto)

Ninguém é tão crítico das pequenas falhas alheias quanto os culpados das grandes falhas. (Richard Glover)

Se não estivermos dispostos a ajudar uma pessoa a vencer as suas falhas, há pouco valor em apontá-las. (Robert J. Hastings)

            A batalha nos mostra o quanto precisamos de amigos verdadeiros Não podemos nos fechar em nosso “mundo santo” e viver esta individualidade bruta que caracteriza nossa geração. Se muitos tivessem um Abisai ao lado, certamente não teriam sido surpreendidos pelo inimigo, não teriam fracassado. Às vezes, a nossa vaidade é que nos afasta dos sinceros Abisais. Precisamos cultivar, em nossos relacionamentos, amizades que nos ajudem a atravessar os momentos críticos. Amigos de caverna. Amigos que nos transmitam segurança, que não estão interessados nos favores que poderão usufruir desta amizade, amigos que estejam aptos a nos socorrer em qualquer instância. E, com certeza, ainda existem “Abisais” em nossos dias.
            Precisamos cultivar, em nossas vidas, boas amizades, existem amigos que são mais chegados que irmãos. Sabemos que isso leva vencia. Afinal, Davi já caminhava há muitos anos com aqueles homens. Mas precisamos correr o risco. Ainda existem “Abisais", e eles podem estar tão perto quanto longe. Cabe-nos convocá-los para estar conosco na peleja.



Conclusão

Realmente Davi era uma lâmpada que iluminava a quem com ele estivesse. Todos os seus guerreiros foram impactados por sua luz, tornando-se matadores de gigantes como ele o era. Eles resolveram lutar em seu lugar para que ele não sofresse danos. O nosso rei já nos mostrou quem é, pelejemos agora a sua batalha, e deixemos que sua luz ilumine nossa nação.


Fontes:

Bíblia Sagrada ARC/ARA/ACF/TB/BV/RV/NTLH
Davi, A Lâmpada de Israel (revista professor) – Editora Betel – 4º Trimestre 2013 – Lição 11
Bíblia de Estudo Aplicação Pessoal – CPAD
Comentário Bíblico Moody AT/NT – Editora Batista Regular
Comentário Bíblico Matthew Henry Conciso AT/NT – Matthew Henry – CPAD
Davi, As vitórias e as derrotas de um homem de Deus (revista) – CPAD
Como Resolver Problemas em I e II Samuel – Ancil Jenkins – A Verdade para Hoje (link)
Comentário Bíblico Esperança NT – Editora Evangélica Esperança
Esboços Bíblicos de Salmos – C. H. Spurgeon – Shedd Publicações
Segundo o Coração de Deus – Luis Palau – Ed. Betânia
O Desenvolvimento de Líderes de Igrejas (link)
Os Gigantes da Vida (link)
Derrubando Gigante (link)
Davi, a lâmpada de Israel (link)
Liderança Servidora (link)
Tirando o Pó das Palavras (link)

Em Espanhol

Nuevo comentario biblico siglo XXI – editorial mundo hispano (El Paso, TX, EE. UU.)
Usos Y Costumbres de Las Tierras Biblicas (link)

Bibliografia Indicada (Estude Mais)

Individualismo na Modernidade (link)
Sobre o Indivíduo e o Individualismo (link)
Desperte seu Gigante Interior – Anthony Robbins – Ed. BestSeller
Jesus, O Maior Líder que já Existiu – Laurie Beth Jones – Ed. Sextante


Questionário

1. Como se chamava o gigante que tentou matar Davi?
R. Isbi-Benobe
2. O que aconteceu com Davi durante a batalha?
R. Davi se cansou.
3. Que tipo de arma Isbi-Benobe portava consigo?
R. Uma espada nova.
4. Qual título foi dado a Davi por essa batalha?
R. Lâmpada de Israel.
5. Quem salvou Davi das mãos de Isbi-Benobe?
R. Seu sobrinho Abisai.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Colabore conosco: escreva seus pontos de vista, opiniões ou críticas. Contamos contigo neste trabalho