domingo, 15 de dezembro de 2013

EBD Editora Betel - Quando Deus Diz Não


Assembleia de Deus CONAMAD
Lição 12 – 22 de Dezembro de 2013
Revistaebd Revista escola bíblica dominical editora betel conamad Passagem bíblica trecho bíblico bíblia como estudar teologia bíblia escola dominical escola dominical betel escola biblica betel escola bíblica betel escola dominical conamad auxilio professor ajuda professor subsídio professor auxílio professor subsidio comentario ebd comentário bíblico ebd professor mestre comentário biblico escola dominical comentario biblico escola bíblica comentario bíblico pregação pregador palestra estudo bíblico bíblico

Olá, amado!

Enfim, terminamos. Bom Natal e boa aula!

Shalom


Texto Áureo

“Vai, e dize a meu servo Davi: Assim diz o Senhor: Edificar-me-ás tu uma casa para minha habitação?” II Sm 7:5

Verdade Aplicada

Os planos e propósitos divinos estão sempre acima dos nossos, um “não” de Deus pode representar o melhor para nós.

Objetivos da Lição

Ensinar que, mesmo tendo boas intenções, a vontade de Deus sempre será melhor para nós;
Mostrar que o “não” de Deus sempre vem acompanhado de bênçãos futuras para nossas vidas;
Explicar que Davi não pode construir o templo, mas ajudou seu filho na realização.

Glossário

Aquisições: o mesmo que adquirir, comprar;
Desígnios: planos, projetos;
Remetiam: o mesmo que enviavam.

Textos de Referência

I Cr 28:2 - E pôs-se o rei Davi em pé, e disse: Ouvi-me, irmãos meus, e povo meu; em meu coração propus eu edificar uma casa de repouso para a arca da aliança do Senhor e para o estrado dos pés do nosso Deus, e eu tinha feito o preparo para a edificar.
I Cr 28:3 - Porém Deus me disse: Não edificarás casa ao meu nome, porque és homem de guerra, e derramaste muito sangue.
I Cr 28:4 - E o Senhor Deus de Israel escolheu-me de toda a casa de meu pai, para que eternamente fosse rei sobre Israel; porque a Judá escolheu por soberano, e a casa de meu pai na casa de Judá; e entre os filhos de meu pai se agradou de mim para me fazer reinar sobre todo o Israel.


Introdução

Davi está velho, cansado, e ainda com sonhos. São os momentos finais de sua vida antes de passar a seu filho Salomão o trono de Israel, o qual governou segundo o intento do Senhor como a nenhum outro depois dele. Então, Davi congrega o povo e faz um importante anúncio: de que apesar de querer construir o Templo, Deus não permite. Mas caberá a seu filho Salomão a responsabilidade da construção. Vejamos como aconteceu:


1. Desejos e frustrações

Davi reuniu seus principais guerreiros, seus soldados valentes, governadores de todas as províncias, e relatou publicamente o propósito que havia em seu coração. Mas Deus negou seu pedido. Nesta lição, vamos observar como Davi conviveu com um pedido negado, e qual atitude tomou após ouvir um “não” da parte de Deus.

1.1 Os planos de Davi

Conceitos orientadores: projetos; planejamento; esboço; bonanza; exaltar a Deus; desejos; caprichos; impulsos

Davi percorreu um longo caminho desde os seus dias de pastor de ovelhas quando jovem. Mal tinha começado a ficar claro para ele que Deus o estabelecera como rei sobre Israel (II Samuel 5:12). Por duas vezes, os filisteus procuraram destruí-lo e, por duas vezes, ele os derrotou. Os inimigos ao redor de Israel, neste momento, estão em paz com Davi. Com a ajuda de Hirão, rei de Tiro, ele conclui seu próprio palácio e agora vive em majestoso esplendor. Agora ele tem tempo para se dedicar a outros empreendimentos.

      Edificando a Casa de Deus – Robert L. (Bob)Deffinbaugh

Davi estava vivendo um descanso concedido por Deus. Era um tempo em que ele estava em paz na sua casa, e a nação prosperava: sem guerras nem gigantes afrontando (II Sm 7:1). Estava sossegado de todos os seus inimigos. Nestas condições favoráveis, Davi refletiu e propôs em seu coração a construção do templo. Fez planos para o Senhor, mas Deus não lhe respondeu favoravelmente. Seu desejo traria engrandecimento ao Santo nome do Pai. Apesar de ser um sonho nobre, não era o desejo de Deus.
O que aconteceu a Davi acontece com muitos servos de Deus. Muitas vezes no silêncio de nosso quarto, ou na hora da meditação, um objetivo novo surge, e acreditamos que essa é a direção que devemos tomar. Mas precisamos compreender que algumas vezes essa vontade vem da parte de Deus; outras vezes não. Quando elas procedem de Deus, irão, com certeza, realizar-se em nossas vidas. Mas, quando não, ficarão apenas em nossas lembranças. Amigos podem até surgir, como Natã, e nos incentivar, mas, de certo, irá prevalecer a vontade de Deus (II Sm 7:3-5).


1.2 Esclarecendo os limites

Conceitos orientadores: poderio; áreas de atuação; competências; permissões; controle; cautela; anuência; delegações

Davi já se decidiu. É isso o que ele fará. Por isso, confidencia seu plano ao profeta Natã, que também parece ser amigo e confidente do rei. Como um gesto tão generoso poderia estar errado? Por que Deus não deveria ter um lugar de habitação mais adequado? E assim, sem consultar a Deus, Natã dá permissão a Davi para ir em frente. Basicamente, ele diz: “Parece ótimo para mim e estou certo de que para Deus também.” Em termos bíblicos: “Vai, faze tudo quanto está no teu coração, porque o SENHOR é contigo” (verso 3).
Repare que os versos 1 a 3 se referem a Davi como rei, mas quando Deus se refere a ele, Ele o chama de meu servo Davi (verso 5). Creio que posso sugerir que Davi está um pouco consciente demais de sua posição como rei. Em relação ao povo de Israel (e aos de fora a quem isso importa), Davi é a maior autoridade do país. No entanto, em relação a Deus, ele é simplesmente um servo. Ele mora num palácio e Deus numa tenda, pelo menos em sua cabeça. Até parece que ele está querendo dar uma mãozinha para Deus. Seria a mesma coisa que eu, vestindo um smoking, enviasse a Ross Perot (um dos homens mais ricos do mundo) um vale-presente para que ele comprasse algumas roupas decentes. Creio que é por isso que Deus vem colocar Davi no seu devido lugar, primeiro referindo-se a ele como Seu servo, depois dizendo-lhe: “Quem é você para edificar uma casa para mim?”
Estêvão fora levado perante o Sinédrio sob acusações forjadas, uma das quais era que ele falava contra o templo (Atos 6:13). Ele não negou a acusação feita por testemunhas falsas. Em vez disso, ele se defendeu mostrando pelas Escrituras do Antigo Testamento que Deus não estava tão impressionado com o templo quanto os judeus estavam. Ele argumentou que Deus dera a Israel o tabernáculo, e que o templo fora ideia de Davi. Ele, então, passou a mostrar que o Deus que criou todas as coisas certamente não poderia ser confinado a uma habitação feita por mãos humanas. Em suma, Deus não precisava de um templo, e Ele não o pediu. Ele permitiu que o filho de Davi o construísse porque Davi o queria. Não era errado; simplesmente não era ideia Sua. Deus não precisava de um templo e, para alguns, um templo transmitiria a mensagem errada.

        Edificando a Casa de Deus – Robert L. (Bob)Deffinbaugh (trechos)

O mesmo amigo que havia incentivado a Davi em seu intento de coração,  naquela mesma noite recebeu a Palavra do Senhor para que interviesse na situação de Davi (II Sm 7:3-5). Este amigo era Natã, que era profeta. “Eu te tomei da malhada, de detrás das ovelhas, para que fosses o soberano sobre o meu povo, sobre Israel... E fui contigo, por onde quer que foste, e destruí a teus inimigos diante de ti; e fiz grande o teu nome, como o nome dos grandes que há na terra.” (II Sm 7:8 e 9). O poder ou a posição não nos dá o direito de realizar tudo o que nosso coração deseja, mesmo que seja de boa intenção, e até em nome do Senhor. Não era vontade de Deus, e Davi não se frustrou, soube compreender muito bem (Rm 12:2).

Nota MDA: Em “O Senhor o havia chamado para ser rei e não construtor” (revista), de nenhuma forma há descredito ao engenheiro Davi. Veja no sub-item 3.2 alguns artigos específicos sobre o projeto feito, aprovado e executado de Davi, com a administração de Salomão. Da mesma maneira não lemos sobre correções em tais projetos. Leia a citação abaixo:

Hirão, rei de Tiro, é apresentado nos versos 11 e 12. Eis um homem que poderia facilmente ter visto Davi como inimigo, mas que preferiu tê-lo como aliado. Quando Deus fez a assim chamada aliança abraâmica (Gênesis 12:1-3), Ele prometeu a Abraão que, quem o amaldiçoasse, seria amaldiçoado, e quem o abençoasse, seria abençoado. Os jebuseus e os filisteus amaldiçoaram Davi, Hirão o abençoou. Ele deu a Davi os materiais necessários à construção do palácio, para que este o edificasse na cidade que acabara de derrotar e teria de fortalecer e fortificar. Hirão ofereceu o material e os operários para a construção de um grande palácio e Davi, agradecido, aceitou. Hirão e Davi se tornaram amigos.
O texto nos diz que só depois da construção do palácio é que Davi compreende plenamente que é, de fato, o rei de Israel. Antes disso, tudo parecia um sonho demorado, mas agora ele sabe que a promessa de Deus fora cumprida. O que havia com a construção dessa casa que lhe dava essa sensação? Creio que a razão esteja relacionada com o provérbio: “Cuida dos teus negócios lá fora, apronta a lavoura no campo e, depois, edifica a tua casa.” (Provérbios 24:27)

Um Lugar Só Seu – Robert L. (Bob)Deffinbaugh


1.3 Deus tem a última palavra

Conceitos orientadores: decisões; deliberações; rumos; parecer; opinião; desígnios; aprovação; avaliação

No verso 7, Deus dá ainda outra razão para não haver necessidade real de um templo: “Eu não pedium templo”. No monte Sinai, Deus deu a lei a Israel por intermédio de Moisés e, nessa lei, Ele especificou como o tabernáculo deveria ser construído, como deveria ser removido e quem deveria cuidar dele. Deus ensinou aos israelitas como construir o tabernáculo; Ele nem mesmo lhes pediu um templo. Se um templo fosse necessário, certamente Ele teria pedido um e, desde que não pediu, devemos concluir que ele não era necessário.
Será que Davi quer dar uma mãozinha para Deus, edificando-Lhe uma casa melhor para habitar? Deus o relembra de Quem cuida de quem. Será que Davi queria fazer algo grandioso, como edificar um templo para Deus? A história o relembra (e a nós também) de que é sempre Deus quem nos ajuda, e não nós a Ele. Davi, o servo de Deus, deve se lembrar de que foi o Senhor que o tirou dos pastos, de detrás das ovelhas (não da frente), e o tornou governante de todo Israel (verso 8). Deus esteve com ele onde quer que ele estivesse, e foi Deus quem entregou seus inimigos em suas mãos, o que lhe granjeou fama e reputação. É sempre Deus que vem em auxílio do homem, não o homem que vai em socorro de Deus.

        Edificando a Casa de Deus – Robert L. (Bob) Deffinbaugh (trechos)

Planos. Quantas vezes desejamos algo supondo ser o desejo de Deus? Devemos estar sempre atentos, pois o coração do homem pode fazer planos, mas a resposta certa vem de Deus (Pv 16:1 e 2). Na verdade, devemos planejar, sim. O caso é que é muito fácil colocarmos fé em nossas ideias (em nós mesmos, de certa forma?), pensando que tudo o que projetamos e colocamos (ou não) diante de Deus, ele deve realizar se “assim for da vontade dele” (querendo que ele realize a qualquer custo, várias vezes).
Em muitas situações Deus tem planos diferentes para nosso viver. Ele é soberano! Muitas vezes ele sequer diz “esquerda” ou “direita”, “sim” ou “não”. Se há silêncio, começamos a agir como Saul, quando desistiu de aguardar Samuel.
Davi foi impedido de realizar a construção, porque havia derramado muito sangue inocente. Às vezes, nossos temperamentos, precipitações e anseios nos têm levado também a sermos impedidos de fazer várias coisas. Todavia, de sua própria casa, o Senhor ergueu seu filho, o qual dana seguimento ao desejo que estava em seu coração.

Nota MDA: Consta na revista: “... E quantos de nós vimos os projetos sucumbirem...”. Entendemos que Deus não nos derruba, desmonta ou nos frustra. No ato da mudança manifestada, concretizada, podemos até sentir (por equivoco) que seja isso; mais à frente, iremos compreender mais sabiamente. Leia atentamente o 2.2 da revista.



2. Atitudes de um coração segundo Deus

É muito ruim ser contrariado quando nosso coração deseja tão ardentemente alguma coisa. Mas Davi soube reconhecer e compreender muito bem suas limitações em Deus. Embora não fosse ele aquele que cumpriria, era o idealizador, e estava disposto a apoiar seu filho Salomão, uma vez que já compreendia a vontade direta de Deus.

2.1 Aprendendo a conviver com um “não”

Conceitos orientadores: objeções; vetos; impossibilidades; desejos e rumos equivocados; declinar

        Salomón pausó al ofrecer su alabanza para explicar por qué David que no había construido el templo.  Esta explicación ha aparecido ya en Crónicas varias veces.  No obstante, aprendemos aquí que Dios dijo a David que "hacía bien al tener esto en su corazón" (6: 8).  La idea de edificar un templo para Dios era apropiada (vea comentarios en 1 Crónicas 17: 12) y Dios aprobó sus motivaciones del corazón (vea Introducción: 16) Motivaciones).  Aún así, David era un hombre de guerra y el templo se debía construir sólo después que Israel hubiera ganado el control de su tierra en paz (vea 1 Crónicas 22: 8-10; 28: 3).  Los lectores post-exílicos del Cronista no tenían razón para pensar que el templo fuese de algún modo una equivocación o proyecto fallido de David.
        Más allá de esto, debemos notar que los tres temas principales del discurso de Salomón aparecen de nuevo en este párrafo.  1) La conexión entre Salomón y David se establece en el uso de "mi padre David" dos veces aquí (6: 7,8 también vea 6: 4) y en la profesión de la palabra divina Salomón "su propia carne y sangre" (6: 9).  2) Salomón notó que el Señor intervino y dijo que David no era quien construiría (6: 9); se hizo evidente el envolvimiento divino de nuevo (vea Introducción:  10) Actividad Divina).  3) Se dijo que el templo sería para el Nombre en cada versículo (6:7,8 e 9).

        1 y 2 Crónicas, Un Comentário – Richard L. Pratt (AGUARDANDO TRADUÇÃO)

Quando ouvimos um “não” da parte de Deus pensamos logo em disciplina ou rejeição, mas Ele pode estar redirecionando nossas vidas (Jr 29:11). Muitas vezes queremos ver Deus a partir de nossa lógica humana, e, assim, frustramo-nos, porque Ele não realizou o intento de nosso coração. Entenda! Deus não lançou em rosto o pecado de Davi, aqui não se trata de pecado ou não. Mas ao contrário, Deus louva sua atitude dizendo: “Já que desejaste edificar uma casa ao meu nome, bem fizeste em o resolver em teu coração” (II Cr 6:8). Quantas vezes buscamos o que pensávamos ser a vontade de Deus e, como quem joga um pedaço de madeira ao fogo, vimos nossos desejos egoístas subirem em forma de fumaça? Às vezes, traçamos um plano para a vida inteira, mas, infelizmente, não funciona. Todavia, não é por esse motivo que devemos terminar a vida com sentimentos de culpa. Deus sabe muito bem redirecionar nossas vidas, e dar a elas um novo sentido. Basta apenas que examinemos o plano e sejamos sensíveis para sentir se é dele ou não.
Os planos e propósitos divinos estão sempre acima dos pensamentos racionais (Jr 29:11). Deus não deu um sim para Davi, mas lhe deu outras coisas. Deu-lhe um reino, deu-lhe um nome, fê-lo importante, deu-lhe riquezas, deu-lhe longevidade. Por mais que aquele desejo não fosse satisfeito, ele jamais teria motivos para frustrar-se, além de tudo isso, Deus ainda escolheu um de seus filhos para realizar o que havia em seu coração. Ele compreendeu muito bem e fez o melhor que pode para ajudar seu filho.


2.2 Olhando na perspectiva divina

Conceitos orientadores: abrangência; panorâmicas; racionalidade divina; prismas; sondagens; temeridades; interpretações

Então, a pergunta que precisa ser feita é a seguinte: “Como reagimos quando Deus diz não às nossas intenções”? A resposta é que na maioria das vezes muito mal, porém esse texto nos mostra que quando Deus não está concordando com os nossos planos, não significa que Ele está nos rejeitando, muito pelo contrário, Ele pode estar preparando algo muito mais grandioso para nossas vidas, coisas que nem fazemos idéia.
Por isso, se por acaso você que está lendo esse texto, teve alguma de suas intenções bloqueadas por Deus, não desanime, não perca a esperança, pois não temos a menor idéia do que o Senhor está preparando. Ele pode estar preparando o mesmo desfecho que deu ao rei Davi para as nossas vidas.

        Quando Deus Diz Não – http://estudos.gospelmais.com.br

E muito fácil para cada um de nós sentir frustração e angústia por causa de algo que Deus não quis realizar em nossas vidas. Tais decepções, muitas vezes, fazem-nos esquecer o que Deus já fez por nós, e o que nos deu. Nos últimos anos de sua vida, Davi não ficou se lamentando pelo que não pode ter, mas se concentrou nas boas coisas que Deus lhe dera. Ele passou a olhar sob uma perspectiva divina, não sob um olhar egoísta de aquisições não realizadas. A maturidade trouxe a Davi uma verdade: “existem coisas que Deus jamais realizará”. E, como dizem os sábios: “Essa é a pílula difícil de engolir”. Isso não se aprende na juventude, porque ela está repleta de sonhos e desejos efêmeros. Esse é nosso grande desafio. Fazer o que podemos com aquilo que Deus nos deu, ou ter um viver frustrado por aquilo que desejamos e não tivemos. Davi lembrou quem era e de onde havia saído, isso foi o suficiente para viver feliz e em paz com Deus após receber o “não” (I Cr 28:4).


2.3 Um vislumbre de graça

Conceitos orientadores: bondade, misericórdia e excelência; mistérios e maravilhas; operações divinas; bênçãos; dádivas e presentes

Este edificará casa ao meu nome . . . estabelecerei para sempre o trono do seu reino. Uma citação direta de 17:12-14, a profecia de Natã que Salomão construiria o Templo. As cláusulas do meio, entretanto, ele me será por filho, e eu lhe serei por pai, referem-se a Cristo (17:13). As Escrituras parecem tê-las incluído aqui simplesmente para associar as relevantes passagem que as precedem e as seguem. Compare a inclusão de Atos 2:19,20 no total da citação que se estende de Atos 2:17 a 21, como um exemplo de semelhante estrutura de citação.

      Comentário Bíblico Moody AT/NT

“E me disse: Teu filho Salomão, ele edificará a minha casa e os meus átrios; porque o escolhi para filho, e eu lhe serei por pai” (I Cr 28:6). Não precisamos defender Davi. Ele foi sanguinário, bandido, mulherengo, e assassino. Se fosse membro de uma de nossas igrejas jamais seria o que foi para Deus. Mas os critérios e julgamentos divinos são bem mais graciosos que os nossos. Quem diria, que, do relacionamento entre Davi e Bate-Seba, nasceria um filho a quem o Senhor amaria, seria o sucessor de Davi, e o Senhor lhe seria por pai? Davi pode, então, visualizar duas coisas maravilhosas que o “não” havia lhe produzido. Primeiro: Deus havia escolhido um filho seu para dar continuidade à obra que havia começado; segundo: das sombras de sua desgraça, Deus erguia a Salomão como se dissesse a Davi: “eu transformo maldição em bênção, por isso, te disse não”.
Embora soubesse que não era a vontade de Deus que edificasse uma casa ao Senhor, Davi pode sorrir, pois viu a graça de Deus operando através de seus filhos. Deus não lhe permite, mas não recrimina seu desejo, e permite que Salomão, seu filho, possa realizar o sonho tão esperado de Davi, Na verdade, Deus lhe disse “não”, mas lhe deu um presente inesquecível, que alegrou para sempre seu coração. Que alegria é para um pai, saber que seu filho dará continuidade aos seus sonhos.



3. Instruções ao novo monarca

Com muita maturidade para entender os desígnios de Deus, Davi se alegra por saber que Salomão edificará um templo ao Senhor, em seguida, transmite alguns conselhos, selecionando com cuidado as palavras, que, baseadas em sua experiência de vida, são ricas em conteúdo, e cheias de emoção. Destacaremos três coisas que Davi deixou para seu filho antes da partida.

A Promessa de Deus a Davi. Deus declarara a Davi, antes do nascimento de Salomão, que lhe nasceria um filho e que o nome deste seria Salomão, e que este edificaria uma casa para o Seu nome. O nome Jedidias (que significa “Amado de Jah”) parece ter sido dado como indicação a Davi de que Deus tinha então abençoado seu casamento com Bate-Seba e que Ele aprovava o fruto assim produzido. Mas não era por este nome que o menino costumava ser conhecido. Sem dúvida, o nome Salomão (duma raiz que significa “paz”) se aplicava com relação ao pacto que Deus fizera com Davi, no qual ele dissera que Davi, homem que havia derramado muito sangue em guerra, não construiria uma casa para Deus, assim como Davi tinha no coração fazer. (1Cr 22:6-10) Não que as guerras travadas por Davi fossem erradas. Mas, o reino típico de Deus era essencialmente de natureza pacífica e objetiva; suas guerras deviam eliminar a iniquidade e os que se opunham à soberania de Deus, para estender o domínio de Israel às fronteiras delineadas por Deus, e estabelecer a justiça e a paz. Davi alcançou para Israel esses objetivos das guerras. O domínio de Salomão era essencialmente um reinado de paz.

Salomão – Bíblia Comentada Água Azul

3.1 Um grande conselho

Conceitos orientadores: maus-exemplos; orientações; regras, normas e rotas; espontaneidade; devoção; entrega; adoração; serviço

A Incumbência Que Davi Deu a Salomão. Davi, antes de morrer, deu a Salomão a solene incumbência de “cumprir a obrigação para com o Senhor, teu Deus, andando nos seus caminhos, guardando os seus estatutos, seus mandamentos e suas decisões judiciais, e seus testemunhos”. Mandou adicionalmente que não deixasse Joabe e Simei ‘descer em paz ao Seol’; também que tivesse benevolência para com os filhos de Barzilai, o gileadita. (1Rs 2:1-9) Provavelmente fora antes disso que Davi dera instruções a Salomão a respeito da construção do templo, dando-lhe o plano arquitetônico “que viera a estar com ele por inspiração”. (1Cr 28:11, 12, 19) Davi deu ordens aos príncipes de Israel presentes ali para ajudarem Salomão, seu filho, e para participarem na construção do santuário de Deus. Nesta ocasião, o povo ungiu novamente a Salomão como rei e a Zadoque como sacerdote. (1Cr 22:6-19; cap. 28; 29:1-22) A bênção de Deus sobre Salomão manifestou-se logo cedo no seu reinado, quando ele passou a sentar-se “no trono de Deus como rei em lugar de Davi, seu pai, e para ser bem sucedido” no reinado e para se tornar forte nele. 1Cr 29:23; 2Cr 1:1.
Deus, porém, acrescentou a admoestação: “E se andares nos meus caminhos, guardando os meus regulamentos e os meus mandamentos, assim como andou Davi, teu pai, também vou prolongar os teus dias.” 1Rs 3:4-14.
Pouco depois, quando duas prostitutas apresentaram um problema difícil de identificação de maternidade, Salomão demonstrou que Deus deveras o dotara de sabedoria judicativa. Isto reforçou grandemente a autoridade de Salomão aos olhos do povo. I Rs 3:16-28.

Salomão – Bíblia Comentada Água Azul

Vemos um pai, rei e profeta, dando conselhos a Salomão. Quando esta promessa do estabelecimento de seu reino é feita, ela vem de uma forma condicional e profética: em perseverando o novo rei em cumprir os meus m andamentos (de Deus), como neste dia. Se Salomão continuasse assim, bom e dedicado, o seu reino continuaria; de outro modo, não. Se nós perseverarmos em nossos deveres, então, e somente assim, poderemos continuar aguardando a continuidade do favor de Deus. A Perseverança usa a coroa, embora ela não a ganhe.
Davi os exortou a buscarem a Deus firmemente, cumprindo sempre os seus deveres. Sobre esta exortação:
1. O objeto desta exortação: Guardai e buscai todos os mandamentos do Senhor, vosso Deus.
2. A sua solenidade. Ele os exortou à vista de todo o Israel, que deveria notar esta ordem pública, e na audiência do seu Deus.
3. O motivo para observarem esta exortação. Era a maneira para serem felizes, para terem a posse pacífica desta boa terra e para preservarem a transmissão dela aos seus filhos.
Qual será o legado espiritual que estamos deixando para nossas gerações? Será que nossos filhos irão crescer sabendo que servimos a Deus de todo o coração? Será que nossos exemplos são alicerces para nossos filhos não tropeçarem? Davi podia, com certeza, advertir seu filho, pois havia vivido o que estava aconselhando afazer. Pode ser que se lembrasse dos momentos obscuros de quando pecou e, preocupado com o futuro de seu filho, aconselhou-o a buscar Deus, e servi-lo com um coração voluntário.


3.2 Uma grande provisão

Conceitos orientadores: dedicação; necessidades; fornecimentos; materiais; gastos, economia e saldos; ofertório

O rei estava também envolvido em vastos empreendimentos de construção.
Sobre o Monte Moriá, ao norte da antiga Jerusalém, ele construiu uma acrópole que compreendia o magnificente templo, erigido em 7 anos (I Rs 6:37 e 38), e seu próprio palácio, que esteve 13 anos em construção (1Rs 7.1), bem como um edifício para a rainha egípcia, sua mulher; (I Rs 3:1; 7:2,8) o muro de Jerusalém, e várias cidades (Hazor, Megido e Gezer) (9.15-19,24). Também construiu Milo, que alguns crêem ter sido um "aterro" entre Sião e Moriá, e uma cadeia para carros através de todo o país para garantir sua segurança.
Como tinha sido predito, foi ele que edificou o primeiro templo de Jerusalém (I Rs 5:6; II Cr 2 a 4). A edificação do templo foi a grande tarefa do reinado de Salomão.
A madeira empregada na construção foi trazida do Líbano pelos operários fenícios, que em grande número foram empregados nesta obra, e outras semelhantes. A madeira era preparada e conduzida em navios até Jope, e deste porto até Jerusalém (I Rs 5:9). Também as grandes pedras eram cortadas, cinzeladas, e cuidadosamente marcadas antes de serem mandadas para Jerusalém. Foram empregados neste trabalho milhares de operários. Salomão faz um acordo com Hirão, rei de Tiro, para que este o ajude com matéria prima e mão-de-obra na construção do templo em troca Salomão devia dar providências para a manutenção e salário dos homens de Hirão, e devia pagar certa contribuição anual em trigo batido e medidas do melhor azeite para pagar o material vindo para a edificação. Salomão contratou um homem de Tiro para supervisionar a obra e um artesão fenício para executá-la (I Rs 5:10, 18; 7:13).
Após concluir as obras Salomão dedica o templo ao Senhor, Deus de Israel, colocando a arca da aliança em lugar próprio, no Santo dos Santos, dentro do templo.

A Construção do Templo e as Obras de Salomão, “A Vida de Salomão” – Wagner Ricardo Jann

Apesar de ter sido o homem mais sábio que já existiu (excetuando-se a Jesus Cristo), Salomão deveria apenas seguir o que estava escrito. Salomão era novo (aproximadamente vinte anos de idade) e inexperiente quando subiu ao trono de Israel. Quando ele pede sabedoria (I Re 3:5), a construção estava bem avançada (comp. I Re 3:5 com 3:1). O herdeiro era um dos filhos mais novos de Davi, mesmo assim Deus escolheu a Salomão para o trono. Entre os filhos de Davi foi o escolhido a edificar o templo; Salomão seria o mais sábio e o mais disposto.
“E deu Davi a Salomão, seu filho, a planta do alpendre... E também a planta de tudo quanto tinha em mente... E deu ouro, segundo o peso do ouro, para todos os utensílios de cada ministério... E ainda, porque tenho afeto à casa de meu Deus, o ouro e prata particular que tenho eu dou para a casa do meu Deus, afora tudo quanto tenho preparado para a casa do santuário” (I Cr 28:11,12,14; 29:3). Davi não construiu o templo pessoalmente, mas deixou tudo pronto (o projeto). Entregou-o a seu filho, nos mínimos detalhes, com planta de tudo, com provisões para tudo.


Nota MDA: Em “... como um bom rei e um excelente pai” (revista) há um total confronto com a lição 10, que trata do histórico ruim da vida de Davi. Em um estudo mais abrangente, nota-se que em sua velhice tenha agido de melhor maneira em família.

3.3 Um tesouro espiritual

Conceitos orientadores: virtude; talentos; custeio; orçamento; dons; sabedoria; assessoramento; graça; mestres e mentores

Por causa da rebelião, Salomão foi coroado antes da morte de Davi.
Não se pode falar com certeza quanto tempo depois de Salomão ser coroado, Davi vem a morrer. Antes de morrer, porém, Davi dá instruções e conselhos a Salomão (I Rs 2:1-9).
Tornou-se, Salomão, famoso não só pela grandiosidade de seu reino ou de suas obras, mas também por sua sabedoria.
Num sonho que teve, pediu a Deus que lhe desse sabedoria, recebendo então a promessa de abundantes bênçãos (I Rs 3:5-15). Salomão era jovem e, diante da grande responsabilidade de reinar sobre Israel e de seguir os passos do pai, pede a Deus sabedoria.
Lemos em 1 Reis 3.12 as palavras de Deus a Salomão: "... dou-te coração sábio e inteligente, de maneira que antes de ti não houve igual, nem depois de ti o haverá", de forma que, depois de Jesus, Salomão foi o homem mais sábio do mundo.
Salomão compôs 3000 provérbios e 1005 cânticos e era respeitado por sua sabedoria (I Rs 4:29-34).
Atribui-se a Salomão a autoria dos livros de Provérbios, Eclesiastes e Cantares, além de dois salmos.

A Construção do Templo e as Obras de Salomão, “A Vida de Salomão” – Wagner Ricardo Jann (trechos)

Salomão deu início à construção do templo no quarto ano do seu reinado e a terminou no undécimo, ou seja, sete anos depois. A construção foi feita com a maior reverência, sendo todas a pedras já preparadas nas pedreiras, de maneira que nem martelo, nem machado, nem instrumento algum de ferro fosse ouvido enquanto edificavam a casa.

A Construção do Templo em Jerusalém – R. Davi Jones

Em seus últimos momentos, Davi não apenas proveu e organizou o reino política e financeiramente para seu filho, mas também espiritualmente. O ouro e os tesouros deixados tiveram real utilização, sim, é verdade. Porém, o maior tesouro foram os conselhos e legados espirituais. A riqueza incalculável deixada: 35 mil homens sábios e todos adoradores, para o mentoriar e o aconselhar em tudo, por ser inexperiente e jovem muito jovem (I Cr 28:20 e 21). Um legado sem igual, uma riqueza incomparável. Salomão viveu tranquilo, porque Davi deixou um grande número de pessoas de confiança, integridade, e temor a Deus para ajudá-lo. Assim, ele pode ter um reino de paz, devido a ser assessorado por pessoas espirituais. Eram mestres formados por seu pai, Davi.



Conclusão

Davi cumpriu sua missão e deixou um legado espetacular para sua posteridade. Ele, antes de morrer, foi sábio e não somente preparou um sucessor, mas lhe deu todas as condições e aparatos para alcançar sucesso. Aprendemos com Davi que um líder bem sucedido é aquele que visa o reino e não a si mesmo. Será que estamos enquadrados nesse perfil? O que deixaremos para nossos filhos?


Fontes:

Bíblia Sagrada ARC/ARA/ACF/TB/BV/RV/NTLH
Davi, A Lâmpada de Israel (revista professor) – Editora Betel – 4º Trimestre 2013 – Lição 12
Davi, As vitórias e as derrotas de um homem de Deus (revista) – CPAD
Quando Deus Diz Não (link)
Comentário Bíblico Moody AT/NT – Editora Batista Regular
Comentário Bíblico Matthew Henry Conciso AT/NT – Matthew Henry – CPAD
Bíblia de Estudos Água Azul (link)
Como Resolver Problemas em I e II Samuel – Ancil Jenkins – A Verdade para Hoje (link)
Comentário Bíblico Esperança NT – Editora Evangélica Esperança
Esboços Bíblicos de Salmos – C. H. Spurgeon – Shedd Publicações
Segundo o Coração de Deus – Luis Palau – Ed. Betânia
A Vida de Salomão (link)
A Construção do Templo em Jerusalém (link)
Um Lugar Só Seu (link)

Em Espanhol

1 y 2 Crónicas, Un Comentário – Richard L. Pratt – Biblioteca Evangélica Virtual
Nuevo comentario biblico siglo XXI – editorial mundo hispano (El Paso, TX, EE. UU.)
Usos Y Costumbres de Las Tierras Biblicas (link)

Bibliografia Indicada (Estude Mais)

Israel – Memória da Cidade de Davi (link)
Deus Determina as Decisões Humanas (link)
Sucessos e Insucessos de Davi (link)

Questionário

1. Qual desejo teve Davi em seu coração?
R. Construir o templo do Senhor.
2. Quem lhe trouxe resposta negativa da parte de Deus?
R. O profeta Natã.
3. O que fez Davi ao saber que Salomão edificaria casa ao Senhor e não ele?
R. Alegrou-se e o ajudou.
4. Qual foi o conselho dado por Davi a Salomão?
R. Conhece o Deus de teu pai.
5. Qual foi a maior riqueza deixada por Davi a seu filho?

R. A riqueza espiritual.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Colabore conosco: escreva seus pontos de vista, opiniões ou críticas. Contamos contigo neste trabalho