domingo, 5 de janeiro de 2014

EBD Editora Betel - Espiritismo, Uma das seitas que mais crescem no Brasil






Assembleia de Deus CONAMAD
Lição 02 – 12 de Janeiro de 2014
Revistaebd Revista escola bíblica dominical editora betel conamad Passagem bíblica trecho bíblico bíblia como estudar teologia bíblia escola dominical escola dominical betel escola biblica betel escola bíblica betel escola dominical conamad auxilio professor ajuda professor subsídio professor auxílio professor subsidio comentario ebd comentário bíblico ebd professor mestre comentário biblico escola dominical comentario biblico escola bíblica comentario bíblico pregação pregador palestra estudo bíblico bíblico

Texto Aureo

"Quando vos disserem: Consultai os que têm espíritos familiares e os feiticeiros, que chilreiam e murmuram, respondei: Acaso não consultará um povo a seu Deus? Acaso a favor dos vivos consultará os mortos?" Is 8:19

Espíritos familiares e feiticeiros eram muito consultados naquele tempo em que o povo tinha perdido a fé nas Escrituras. Como os espíritos hoje em dia, pretendiam ter comunicação com os mortos. Eis a razão da pergunta retórica: A favor dos vivos se consultarão os mortos?

Comentário Bíblico Moody – Moody Bible Institute of Chicago

Quando vos disserem: Consultai os necromantes e os adivinhos. Embora essas predições tenham sido apresentadas de forma abreviada, o significado delas é bastante claro. Os vss. 21 e 22 acham-se em forma fragmentária, mas são eles que nos transmitem os dois oráculos. E os vss. 19 e 20 Introduzem a questão. A idéia geral é óbvia; tempos de tribulação esperavam os judeus mais adiante. Portanto, esses dois oráculos adicionais reforçam e suplementam o que já tinha sido
dito nos capítulos 7 e 8. Contudo, esses quatro versículos assumem uma aplicação mais geral, ultrapassando o desastre potencial a ser sofrido devido à ameaça que vinha do norte (o ataque da Síria e da nação do norte, Israel; ver Isa. 7.1 e 8.1).
A maioria das pessoas deseja saber algo sobre o futuro. Esse desejo é inspirado pela vontade de mudar de vida. Algumas pessoas tentam descobrir os segredos do futuro, consultando leitores psíquicos e médiuns, por mera curiosidade; usualmente, porém, a pessoa tem algum problema, ou então alguma esperança que quer ver realizada; e, assim sendo, consulta videntes para saber o que acontecerá no futuro. Estudos têm demonstrado que há grande elemento de predições em comum, que vêm à tona nos sonhos das pessoas, e que, no subconsciente, todas as pessoas conhecem o futuro, algumas vezes até nos menores detalhes.

O Antigo Testamento Interpretado – Norman Champlin

Verdade Aplicada

A Bíblia condena toda e qualquer prática que envolva a comunicação com os mortos.

Objetivos da Lição

Apresentar a origem e história do Espiritismo;
Explanar as principais divisões do Espiritismo;
Mostrar a diferença entre a heresia Espírita e a verdade das Escrituras Sagradas.

Textos de Referência

Dt 18:10 - Não se achará no meio de ti quem faça passar pelo fogo o seu filho ou a sua filha, nem adivi­nhador, nem prognosticador, nem agoureiro, nem feiticeiro,
Dt 18:11 - nem encantador, nem quem consulte um espírito adivinhador, nem mágico, nem quem consulte os mortos;
Dt 18:12 - pois, todo aquele que faz estas coisas é abominável ao Senhor, e é por causa destas abominações que o Senhor teu Deus os lança fora de diante de ti.
Dt 18:14 - Porque estas nações, que hás de possuir, ouvem os prognosticadores e os adivinhadores; porém, quanto a ti, o Senhor teu Deus não te permitiu tal coisa.


Introdução

O Espiritismo é, sem dúvida, uma das heresias que mais crescem. Os seus defensores citam textos da Bíblia Sagrada argumentando que ela é um dos maiores repositórios de fatos espíritas de toda bibliografia religiosa, e que o Espiritismo é uma religião cristã. Porém esta lição mostrará que eles fazem interpretações equivocadas da Bíblia, e que o Espiritismo não tem nada de Cristão.


1. História do Espiritismo

Para alguns teólogos, o episódio registrado em Gênesis capítulo três, que relata a queda do homem, foi a primeira sessão espírita acontecida no mundo, momento em que a serpente se prestou ao trabalho de médium e Satanás de guia. Mas há registros de práticas espíritas em várias civilizações antigas. Porém o Espiritismo, como "doutrina organizada", teve seu início no século XIX.

O pensamento religioso budista da Índia, dissensão do hinduísmo e do Bramanismo, baseia-se no SAMSARA, isto é, o ciclo infinito de nascimentos, mortes e reencarnações dos seres vivos no mundo transitório.  A retribuição das ações cometidas, boas ou más, ou seja, o KARMA, é que determina o lugar de cada reencarnação, numa escala hierárquica onde inclui seres humanos, deuses e demônios infernais, fantasmas, animais, plantas e minerais.
Segundo o Budismo, a vida é, ao mesmo tempo, a continuação de vidas anteriores e a preparação de vidas futuras, onde o reencarnado pode passar por diversos estágios onde receberá, passivamente, o fruto de seus atos.
A única salvação deste ciclo infinito é chegar a um estado chamado NIRVANA (evasão da dor). Mas somente a minoria sábia pode saltar do Samsara para a salvação, enquanto a maioria dos seres continuará no seu ciclo.
A influência da filosofia oriental, principalmente o pensamento ateísta-agnóstico do Budismo, foi o caminho espiritual que inspirou muitas formas religiosas no oriente e no ocidente, onde o homem é apresentado como um ser iludido pelas paixões e interesses mundanos, podendo entretanto alcançar níveis de perfeição que o libertem da seqüência de reencarnações que o prendem à vida.

Por que Espiritismo? – Aguinaldo José Duarte

1.1 O Espiritismo Moderno

Conceitos orientadores: aceitação; ressurgimento; ações sobrenaturais; embustes; crendices; eventos em massa; diseminação

O Espiritismo remonta aos tempos mais antigos da Humanidade. Dele tomamos conhecimento através dos escritos da Bíblia, como advertência dos profetas de Deus para que não nos envolvamos com esta prática, pois ela esta em confronto com a Palavra de Deus. Os povos que adoravam a deuses estranhos e que não seguiam aos ensinos dados por Deus, eram usuários deste costume. Foi para que os adoradores do Verdadeiro Deus não se envolvessem com eles  que Moisés falou: "Quando entrares na terra que o SENHOR teu Deus te der, não aprenderás a fazer conforme as abominações daquelas nações."
"Entre ti não se achará quem faça passar pelo fogo a seu filho ou a sua filha, nem adivinhador, nem prognosticador, nem agoureiro, nem feiticeiro;" "Nem encantador, nem quem consulte a um espírito adivinhador, nem mágico, nem quem consulte os mortos;".
"Pois todo aquele que faz tal coisa é abominação ao SENHOR; e por estas abominações o SENHOR teu Deus os lança fora de diante de ti." (Dt 18:9 a 12) O espiritismo é uma das heresias que mais cresce no mundo de hoje e está enraizada em quase todas as religiões, principalmente naquelas relacionadas com a Nova Era. O espiritismo é o mais antigo engano religioso que já surgiu. Porém, em sua versão moderna, começou no século XIX, ou pouco antes.

Autoria desconhecida (fonte: Internet)

Afirmam os adeptos que no século XIX teria ocorrido uma série de manifestações mediúnicas nos Estados Unidos e na Europa (sons estranhos, pancadas e objetos se movimentando ou levitando sem explicações, em sua maioria). Ganhou fama as Irmãs Fox, na América do Norte: Margaret e Kate Fox diziam ter visto mesas girando e ouvido pancadas onde moravam. Ao perguntarem algo recebiam respostas, mediante estalos de dedos. Afirmavam que tiveram a sensação de estarem em comunicação com os mortos.


1.2 O Espiritismo como Doutrina

Conceitos orientadores: fundamentos; bases; escritos estatutários; regras; reencarnação; psicografia; mediunidade; criação, adulteração entendimentos de conceitos e de fatos

O Espiritismo é uma doutrina religiosa baseada na crença na existência do espírito (alma) independente do corpo e em seu retorno à Terra em sucessivas encarnações, até atingir a perfeição.
O Espiritismo é um complexo de doutrinas baseadas na crença na eternidade da alma e da possibilidade de comunicação entre vivos e mortos, isto é, entre encarnados e desencarnados.
No Brasil, assim como na maioria dos países católicos, a doutrina espírita/kardecista encontrou solo fértil para se proliferar. Isso se deve ao fato de que a doutrina Católico-romana admite o princípio de uma ligação entre os vivos e mortos, quando prega a influência dos santos defuntos sobre a vida dos fiéis.
Deus: Supremo Criador do Universo, a suprema inteligência e a causa de todas as coisas.
Jesus: É o espírito do mais alto nível, o mais desenvolvido e exemplo de perfeição moral, por isso, ele é grande Mestre. Ele não é Deus; é um dos filhos de Deus; é o mestre desse planeta; chegou a um estado de perfeição, conhecimento e pureza através de muitas reencarnações.
O Espírito Santo: "Por mais se deseje antepor argumentos negativos ou de cunho cepticista, a Mensagem Kerdequiana, sem qualquer sombra de dúvida, é o Consolador prometido por Jesus" (Enfoques Espíritas, p. 15).
O Ser humano: Para o Espiritismo o ser humano é um espírito com um corpo emprestado.
Espírito/alma: "Os espíritos são individualizações do princípio inteligente; através de múltiplas encarnações atinge estágios mais elevados de inteligência e amor". (Palestra de um Médium espírita).
Reencarnação: Segundo o Espiritismo "é a volta do espírito* através de novo corpo de carne, ou seja, um outra encarnação. Através desse processo, de vidas sucessivas, o espírito vai se aperfeiçoando, desligando-se dos laços materiais que ainda o prendem, a caminho da perfeição (...) é óbvio que devemos passar por inúmeras existências corporais(...) O número dessas existências vai depender de nós, do aproveitamento que tivermos nas nossas vidas sucessivas (...) depois da última encarnação, teremos alcançado a posição de espírito puro" (Mundo dos Espíritos, p.92) (* Obs.: nos livros espíritas a palavra "espírito" sempre aparece com letra maiúscula)
Comunicação com os espíritos: Espíritos desencarnados podem, segundo a doutrina kardecista, se comunicar com espíritos encarnados, e afirmam que "só os espíritos bons é que se comunicam"
Diabo: Para o espiritismo o mal não existe; portanto, o diabo não passa de uma ficção. A causa do mal são os espíritos maus e ignorantes.
Sessões espíritas: 1) oração para o espírito guia; 2) Leitura do Evangelho Segundo o Espiritismo; 3) Contato e incorporação do espírito; 4) estudo das doutrinas kardecistas. (Obs.: a forma das cessões podem ser diferentes, mas a essência sempre é a mesma).

Espiritismo – Ézio Martins de Lima

As doutrinas, baseiam-se em grande parte, nos escritos de Léon Hippolyte Dénizart Rivail, que em 30 de abril de 1856¹, assumiu o pseudônimo de "Allan Kardec", crendo (e afirmando) ser ele uma (das) reencarnação(ões) de um poeta Celta com este nome. Em 1857 lançou o "Livro dos Espíritos", com isto, Kardec introduziu no Espiritismo, a ideia da reencarnação. Em 1864 publicou o "Evangelho Segundo o Espiritismo". Este livro tem vinte e oito capítulos, vinte e sete deles dedicados - segundo o Espiritismo "à explicação dos ensinos de Jesus".

¹ Várias fontes informam o dia 25 de Abril de 1856 e Hippolyte Léon Dénizart Rivail, não Leon Hippolyte.

Curso O Espiritismo (com áudios)

1.3 O Espiritismo no Brasil

Conceitos orientadores: alcance; difusão de modas, costumes e práticas; surgimento; seguidores; atuação e táticas; desenvolvimento religioso

Altruísmo para com os católicos. Os católicos têm o seguinte envolvimento com o Espiritismo:
a) Tanto aqui no Brasil, como em toda a América Latina e outros países do mundo, não é pequeno o número de católicos simpatizantes do Espiritismo, nas suas mais diversas modalidades. E a Igreja Católica é culpada disso, como veremos nos três pontos seguir:
b) Há pouco uma jovem senhora, adepta do Catolicismo, estudante de Teologia católica, membro da ordem Jesuíta, falou-me das aparições de santa Rita e outros santos. Então eu lhe disse que isso é Espiritismo, não Cristianismo;
c) Rezar a Maria e aos “santos” nada mais é que invocar os mortos, bem como tentar contatá-los;
d) A Igreja Católica prega oficialmente que os mortos podem se comunicar com os vivos e vice-versa. Ora, repito, isso é Espiritismo. E, se o leitor dúvida, lhe desafio a ler o livro intitulado “Glórias de Maria”, da autoria de “Santo” Afonso de Ligório, Doutor da “Igreja”, editado pela Editora Santuário (editora católica), 14ª edição de 1989, páginas 42-43 e 211. À página 13 do livro em questão consta que o mesmo foi aprovado pela Igreja Católica, após cuidadoso exame: “... a Igreja... aprovou-lhe os escritos depois de percorrê-los cuidadosamente”.
e) Todo bom católico é, pois, um bom espírita, já que a sua “Igreja” promove práticas espíritas. Ou canonizar (isto é, elevar à categoria de Santo) um homem que pregava a mediunidade, elevá-lo a Doutor da “Igreja”, aprovar seu livro, traduzí-lo para diversos idiomas, prefaciá-lo com sobejos elogios, recomendá-lo e publicá-lo não é comprometedor? Existe cumplicidade maior do que essa?

O Espiritismo Kardecista e suas Incoerências – Joel Santana

A história do Espiritismo e da Psiquiatria apresenta vários pontos de contato, mas este tem sido um tema pouco explorado pelos historiadores. No Brasil, particularmente, houve um acirrado, mas pouco investigado, confronto entre psiquiatras e espíritas na primeira metade do século XX em torno da "loucura espírita".
O objetivo deste estudo foi investigar o processo de construção da representação da mediunidade enquanto loucura, aqui definida como "loucura espírita", ou seja, como as experiências mediúnicas espíritas passaram a ser interpretadas pelos psiquiatras como causa e/ou manifestação de doenças mentais. Este estudo se concentrou no local e período onde este conflito foi mais intenso, ou seja, no sudeste brasileiro, entre 1900 e 1950.

Uma Fábrica de Loucos: Psiquiatria X Espiritismo no Brasil – Angélica Aparecida Silva de Almeida

Chico Xavier

Francisco Cândido Xavier nasceu a 2 de abril de 1910, em Pedro Leopoldo, MG. Afirma ter tido as primeiras visões aos 4 anos. Por duas vezes teve o nome indicado para concorrer ao Nobel da Paz (198l e 1982). Psicografa desde 1927. Parnaso de Além-Túmulo, primeiro livro psicografado, foi lançado em 1932. Aos 88 anos de idade, e com a saúde já muito abalada, o mais célebre médium brasileiro reside na Casa da Prece, Av. João XXIII, no bairro do Aeroporto, Uberaba-MG, conhecida como a capital do Espiritismo Kardecista no Brasil. Para lá convergem milhares de pessoas de todo o Brasil. Já publicou 408 livros, sendo o único escritor espírita que supera Allan Kardec. Definindo sua razão de viver, declara ele: "Ah... mas quem sou eu senão uma formiga, das menores, que anda pela terra cumprindo sua obrigação."(ISTO É/1358-11-10-95, p.101)

Paradoxo: Dois Kardecs Reencarnados Ao Mesmo Tempo?

Pode parecer estranha essa nossa pergunta, "Como podem duas pessoas alegarem ser a reencarnação de Allan Kardec, considerando que ambos viveram na mesma época? É que o fundador da Legião da Boa Vontade também alegava, enquanto vivia, ser a reencarnação de Allan Kardec. Citando uma das obras de AK, Alziro Zarur afirmava que ele viera completar a obra de Kardec, trazendo para o mundo a quarta revelação de Deus aos homens. Como sabemos, AK reclama ser o Espiritismo a terceira revelação de Deus aos homens. A primeira revelação foi dada por Moisés, e surgiu o Velho Testamento. A segunda revelação veio por Jesus Cristo, e surgiu o Novo Testamento. A terceira revelação seria o cumprimento da promessa de Jesus de mandar o Consolador, com a chegada do Espiritismo codificado por AK. Agora, surgiu a quarta revelação reclamada pelo fundador da LBV, Alziro Zarur, que se propôs completar a obra iniciada por AK.

Diz ele:

"Allan Kardec recebeu de Seus Amigos Espirituais em meados do século passado, a notícia de que regressaria à Terra para completar a sua missão, porque o Espiritismo não dera a última palavra."... Ora, tudo isso está matematicamente cumprido no Brasil, Coração do Mundo, Pátria do Evangelho e do Apocalipse, graças à ação heróica, pertinaz de Alziro Zarur: Kardec veio. Cumpriu, na íntegra, a segunda metade de sua admirável tarefa missionária."... "... os irmãos espíritas, diante da marcha inexorável da Verdade, reconhecerão que Alziro Zarur foi Kardec que voltou. E completou a missão do Espiritismo, com a RELIGIÃO DE DEUS..."( A Saga de Alziro Zarur-III, JESUS, Zarur, Kardec, Roustaing Na Quarta Revelação, 5ª edição, p. 11-13)

É possível? Pergunta que deixamos para os espíritas responder...

CACP

O Brasil é tido como o maior país espírita do mundo. Em 1865, Luís Olímpio Teles de Menezes fundou, em Salvador-BA, o primeiro centro espírita. Em 1873, foi fundada, no Rio de Janeiro, uma sociedade espírita, da qual surgiram outros grupos. Em 1883, começa a ser publicada "O Reformador", revista que até hoje é o órgão oficial dos espíritas brasileiros. Francisco Cândido Xavier, autor de diversas obras psicografadas, destaca-se como um dos principais médiuns brasileiros. Também ganhou notoriedade José Pedro de Freitas ("Zé Arigó"), que alegava fazer cirurgias mediúnicas e curas, pelo espírito do médico alemão conhecido como Dr. Fritz. Divaldo Pereira Franco, tornou-se a figura mais representativa do Espiritismo em todo o mundo, após a morte do brasileiro Chico Xavier.


Continua...


2. Principais divisões do espiritismo

1) Espiritismo Comum (Quiromancia, Cartomancia, Hidromancia); 2) Baixo Espiritismo (Vodu¹, Candomblé, Umbanda, Macumba², Quimbanda); 3) Espiritismo Científico ou Alto Espiritismo (Esoterismo, Teosofismo); 4) Espiritismo Kardecista. Dentre essas divisões, destacam-se:

¹ Vodun ou Vodoun (ortografia Beninense; Vodun / Vodum no Brasil; Vodou, Vaudou ou outras ortografias foneticamente equivalentes no Haiti; Vodu ou Vudu). Em Português aplica-se aos ramos de uma tradição religiosa teísta-animista baseada nos ancestrais, que tem as suas raízes primárias entre os povos Ewe-Fon da África Ocidental, no país hoje chamado Benin, anteriormente Reino do Daomé, onde o Vodun é hoje em dia a religião nacional de mais de 7 milhões de pessoas. Além da tradição fon, ou do Daomé, que permaneceu na África, existem tradições relacionadas que lançaram raízes no Novo Mundo durante a época do tráfico transatlântico. (Wikkipedia)

² Costumeiramente utiliza-se o termo “Macumba” associando-o a qualquer das quatro divisões do Baixo Espiritismo. É importante destacar que é um termo que beira a banalização, pois designa um tipo de instrumento musical e/ou o seu tocador, durante os cultos/ritos. Segundo os praticantes não existe a “religião” Macumba. Sejamos prudentes e usemos os nomes adequados!

Introdução ao Estudo do Espiritismo (mais detalhes das divisões)

2.1 Espiritismo Kardecista

Conceitos orientadores: líderes e divulgadores; teofania; oráculos e mandamentos; fundadores e idealizadores

A Doutrina Espírita acerca de Deus é ambígua, ora assumindo aspectos deístas, ora aspectos panteístas, ora confundindo-se com a doutrina de Deus do Cristianismo histórico. Os autores espíritas parecem não conseguir estabelecer um consenso sobre esse assunto de vital importância. Até mesmos nas obras de um único autor encontram-se contradições flagrantes.
Sobre as qualidades de Deus, Allan Kardec define: "Deus é eterno, infinito, imutável, imaterial, único, todo-poderoso, soberanamente justo e bom". (O Livro dos Médiuns, cap. I, 13)
A fim de explicar a existência de Deus, Allan Kardec, se vale de argumentos clássicos do deísmo, de que "não há efeito sem causa". De acordo com o conceito deísta, Deus teria criado o universo e depois se retirado dele, deixando-o entregue à ação das leis físicas que, desde então, governam, como se o universo fosse um grande relógio.
No Capitulo II, item 19, de "A Gênese" (Allan Kardec), lemos que são atributos de Deus: "Deus é, pois a suprema e soberana inteligência; é único, eterno, imutável, imaterial, todo poderoso, soberanamente justo e bom, infinito em todas as suas perfeições, e não pode ser outra coisa". Esta conceituação concorda com o que o Cristianismo histórico reconhece como alguns atributos divinos. Porém, o fato de uma determinada religião ou seita ter pontos em comum com o Cristianismo bíblico não é suficiente para lhe qualificar como cristã.
Embora o conceito espírita de Deus tenha nuanças deístas e ao mesmo tempo uma certa semelhança com a doutrina bíblica, é inegável que ela às vezes também possui um forte sabor panteísta. Senão, vejamos o que León Denis escreveu: "Deus é a grande alma universal, de que toda alma humana é uma centelha, uma irradiação. Cada um de nós possui, em esta latente, forças emanadas do divino foco." (Léon Denis, Cristianismo e Espiritismo, 5a. ed., pág. 246). Conceito totalmente panteísta!

Espiritismo Allan Kardec (autoria desconhecida) – Internet

O Espiritismo Kardecista intitula a si mesmo a terceira revelação de Deus à humanidade, através de Allan Kardec. A primeira revelação, segundo eles, teria vindo por Moisés; a segunda, por Cristo. Ensinam, pretensamente, que a figura de Allan Kardec e seus ensinos estão igualados à pessoa de Jesus Cristo e sua obra. Jesus teria sido apenas um médium excepcional, como Allan Kardec.
Quando o Espiritismo Kardecista chegou ao Brasil, encontrou terreno fértil. O sincretismo oriundo da mistura entre europeus, índios e africanos acabou impulsionando o movimento espírita. Quem já havia visto um pai-de-santo incorporado (ritual típico da macumba), não tinha muita dificuldade para crer no trabalho de um médium. Por isso, o Espiritismo Kardecista não teve dificuldades para fazer prosélitos. Atualmente, segundo o IBGE, 2,4 milhões de brasileiros se declaram espíritas, outros, cerca de 30 milhões - de acordo com estimativas da Federação Espírita Brasileira - simpatizam com as ideias da Doutrina Espírita. E estes simpatizantes cada vez mais estão misturando correntes de pensamentos orientais (Ioga e Tai-Chi-Chuan, terapias energéticas ou a força do pensamento positivo), em seus rituais.


2.2 Espiritismo Científico

Conceitos orientadores: racionalizações; padronização metódica; filosofias científicas; descrições espirituais; medições subjetivas

Denomina-se Espiritismo científico a uma corrente ideológica que existiu dentro do movimento espírita brasileiro no final do século XIX.
Após a morte de Allan Kardec (1869) formaram-se duas tendências no movimento espírita, e, em particular no Brasil: o chamado "espiritismo científico" e o chamado "místico" ou "religioso". A primeira corrente sustentava a experimentação e pesquisa dos fenómenos mediúnicos, enquanto que a segunda privilegiava a mediunidade receitista e curativa (física e espiritual), o que lhe granjeava amplo prestígio junto às camadas populares, aumentando-lhe a visibilidade.
Os primeiros organizaram-se em torno do Centro da União Espírita do Brasil enquanto que os últimos organizaram-se em torno da Federação Espírita Brasileira. Visando conciliar as duas correntes, Bezerra de Menezes presidiu a FEB no período de 1895 a 1900, vindo a confirmar o caráter religioso do movimento brasileiro, compreendido como um aprofundamento do cristianismo. Embora a FEB tenha se mantido aberta a todas as tendências do movimento, o caráter científico acabou restrito a um reduzido grupo, o que pode ser explicado pela raridade de médiuns de efeitos físicos e pelas polémicas ocorridas no exterior com relação a fraudes.
Uma outra vertente dessa questão passa pela adoção e estudo, pelos pioneiros do espiritismo no Brasil, da obra Os Quatro Evangelhos de Jean-Baptiste Roustaing. Assim, o conceito do "corpo fluídico" de Jesus seria uma das raízes das divergências históricas entre os que preconizavam um espiritismo "científico" e os que sustentavam um espiritismo "místico". A quase totalidade dos "místicos" defendiam a obra de Roustaing, enquanto que a maioria dos "científicos" repudiavam-na
O Espiritismo Científico é conhecido também como: Alto Espiritismo; Espiritismo Ortodoxo e Espiritismo Profissional. Refere-se a grupos espíritas que negam o Espiritismo como religião. Intitulam-se filosóficos, científicos, beneficentes, movimentos e organizações místicas e esotéricas. Um exemplo de Espiritismo Científico bem conhecido no Brasil é a LBV - Legião da Boa Vontade.

Espiritismo Científico - http://pt.wikipedia.org

O Espiritismo Científico é ainda mais vasto do que a Psicobiofísica, porque vai além dos limites do mundo visível. Sugere uma Filosofia e, conseqüentemente, uma Cosmovisão. Pode aceitar, portanto, hipóteses de trabalho vedadas à Psicobiofísica.
O Espiritismo Científico parte da base fundamental da sobrevivência e manifestação de um psi-autônomo que provoca interferência no nível físico. A Psicobiofísica poderá chegar a tal prova de sobrevivência, sem que a sobrevivência possa ser utilizada de imediato para explicar um processo vital ou mecânico. Todavia, enquanto pisam no terreno da manifestação, o Espiritismo Científico é o que mais se identifica com a Psicobiofísica.
A Psicobiofísica pode prestar serviço na difusão de princípios defendidos pelo Espiritismo Científico. A Psicobiofísica prestará serviço a toda e qualquer verdade espiritual, no nível em que vivemos. Como é isto que o Espiritismo Científico objetiva, poderão chegar ao mesmo resultado e à mesma afirmação. No entanto, a Psicobiofísica tem entrada franca nos simpósios, conclaves, círculos culturais e científicos, enquanto barrariam o Espiritismo Científico na porta de entrada!  Temos comparecido a várias partes do mundo convidado a participar de importantes conclaves, o que não ocorreria se nos apresentássemos com a etiqueta do espiritismo, isto simplesmente porque a palavra espiritismo pressupõe adesão religiosa.
O importante é que os estudiosos do Espiritismo Científico não fiquem com receio da Parapsicoloqia ou da Psicobiofísica, cabendo-lhes pelo contrário colaborar com estes dois capítulos importantes da ciência contemporânea.  No alvorecer da Metapsíquica, os espíritas cometeram erro desta natureza, criando resistências, do que se queixava o insigne Charles_Richet. Admitimos que isto trouxe estagnação e malefício para propagação dos postulados espíritas no mundo, dificultando a aferição da sua rica fenomenologia.

Espiritismo Científico – Luiz Otávio Saraiva Ferreira

O Espiritismo Científico é conhecido também como: Alto Espiritismo; Espiritismo Ortodoxo e Espiritismo Profissional. Refere-se a grupos espíritas que negam o Espiritismo como religião. Intitulam-se filosóficos, científicos, beneficentes, movimentos e orga­nizações místicas e esotéricas. Um exemplo de Espiritismo Científico bem conhecido no Brasil é a LBV - Legião da Boa Vontade.


2.3 LBV - Legião da Boa Vontade

Conceitos orientadores: emissários; esclarecimentos; complementos; sequências administrativas e de projetos

A LBV - Legião da Boa Vontade - fundada oficialmente em 1950 pelo senhor Alziro Zarur, se julga a quarta revelação de Deus (Jesus, A Saga de Alziro Zarur III); e, quanto às supostas três primeiras revelações, não destoa do Kardecismo, no que diz respeito à seqüência e quantidade dessas revelações. E aqui, a LBV e o Kardecismo colidem frontalmente. É que, sendo que a tal de terceira revelação é o prometido Consolador como o afirma Kardec, e este veio para ficar com a Igreja “para sempre”, como nos assegura Jesus (Jo 14:16), não há lugar para a tal de quarta revelação. Contudo, considerando que os legionários também vêem o Kardecismo como a terceira revelação, já era de se esperar que essas duas seitas convirjam em vários pontos doutrinários.

O Espiritismo Kardecista e suas Incoerências – Joel Santana

Fundada por Alziro Zarur, que, aos 12 anos de idade, diz ter recebido uma revelação de Jesus, dando-lhe a missão de esclarecer e pregar o Novo Testamento. Em 1950 a LBV é organizada oficialmente. Após a morte de Zarur, o seu secretário, José Simões de Paiva Neto, assume a presidência da LBV As doutrinas da LBV e as obras assistenciais da LBV conquistaram enorme prestígio perante a sociedade. Mas, por trás desta aparência de caridade, está uma doutrina herética. No livro, "Jesus a Saga de Alziro Zarur", vol.2, Zarur, reiteradas vezes, afirma ser a reencarnação de Allan Kardec. Por isso, Paiva Neto afirmou: "Zarur e Kardec são um no Cristo de Deus". Para a LBV Allan Kardec não concluiu sua obra, como também "O Espiritismo não deu a última palavra", por isso, Alziro Zarur veio completá-la. É por esta crença que a LBV se intitula "A Quarta Revelação de Deus aos homens".



3. Algumas heresias do Espiritismo

1) Possibilidade de comunicação com entidades espirituais desencarnadas; 2) Crença na reencarnação através da purificação pelo sofrimento e pelas boas obras que praticam, até atingir a salvação; 3) Crença na pluralidade de mundos habitados, sendo a Terra, planeta de expiação; 4) O progresso pessoal depende unicamente do próprio indivíduo, e acumula-se de encarnação em encarnação; 5) O contato com Deus é feito através de "Guias", ou espíritos que se manifestam através de "Médiuns", podendo, assim, ajudar as pessoas; 6) Afirmam que Jesus Cristo não é Deus, e sim uma entidade muito evoluída que veio a este mundo.

            Em elaboração

3.1 Reencarnação dos mortos

Conceitos orientadores: estado dos mortos; almas; destino; decretos divinos; juízo final; ressurreição X reencarnação

O ensino cristão sobre os mortos

Através de toda a Bíblia encontra-se uma advertência solene sobre a necessidade de o homem preparar?se para a eternidade:
Considerando que ele passa por esta vida uma só vez, seguindo-se depois o juízo. Declara a Bíblia: "E, como aos homens está ordenado morrerem uma vez, vindo depois disto o juízo" (Hb 9:27);
Considerando que passamos por esta vida uma só vez, é fácil concluir que só morremos uma vez, como diz o texto bíblico. Se o homem tivesse uma pluralidade de existências, isso implicaria diversidade de mortes, o que realmente não ocorre: uma só vez está destinado ao ser humano morrer.
declaração de que a reencarnação fazia parte dos dogmas judaicos sob o nome de ressurreição não encontra apoio no Antigo Testamento, pois tem em mente que os judeus criam no ressurgimento do corpo. Define?se ressurreição como o retorno do espírito ao próprio corpo: "Mas ele, pegando?lhe na mão, chamou dizendo: Levanta?te, menina. E o seu espírito voltou, e ela logo se levantou; e Jesus mandou que lhe dessem de comer" (Lc 8:54,55).
A reencarnação, ao contrário, é definida pelo espiritismo como "a volta do espírito à vida corpórea, mas em outro corpo especialmente formado para ele, e que nada tem de comum com o antigo".
A reencarnação, crença na volta da alma à vida corpórea. Essa crença afirma que João Batista era o Elias reencarnado. Interpreta de forma errada também quando Jesus disse a Nicodemos que, para entrar no reino de Deus, era preciso nascer de novo. Para refutar estes falsos ensinos basta recorrer aos seguintes textos: Em Lucas 1.17, o texto diz claramente "...no espírito e virtude de Elias...", referindo ao entusiasmo, vigor, veemência de Elias; Outro fato que eles esquecem, é que Elias não morreu (II Rs 2:11); O próprio João Batista responde aos interrogadores, se ele era o Profeta Elias: "não sou" (Jo 1:21). Quanto ao ensino de Jesus a Nicodemos (Jo 3:3), o próprio Jesus deixa claro ao dizer que se tratava do nascer da "água e do Espírito" (Jo 3:5); ensinando para Nicodemos (e para os dias atuais), que não se tratava de "tornar a entrar no ventre" da mãe para voltar a nascer (Jo 3:4). O texto mais enfático, contra esta heresia, está em Hebreus 9:27.

Reencarnação à Luz da Bíblia – Natanael Rinaldi

“Segundo o cristianismo, o perdão é possível. Jesus perdoou seus inimigos que o crucificaram (Lc 24:34). Os cristãos devem perdoar como Cristo nos perdoou (Cl 3:13). O Perdão é contrário à Doutrina do Carma e torna a Reencarnação completamente desnecessária. A Salvação é um ‘dom’ (Jo 4:10; Rm 3:24; 5:15-17; 6:23; II Co 9:15; Ef 2:8; Hb 6:4) que é recebido pela fé. Em vez de se esforçar para merecer o favor de Deus, o crente recebe graça ou favor imerecido e é declarado justo. A justiça de Deus é satisfeita porque Jesus foi castigado pelos pecados de todo o mundo na sua morte. Nossos pecados não foram simplesmente ignorados ou jogados debaixo do tapete. Jesus pagou (Rm 3:25; Hb 2:17; I Jo 2:2; 4:10) a exigência de Deus por justiça ao levar nossa culpa como nosso substituto. Essa penalidade paga por Cristo é contrária à Doutrina do Carma e atinge a base da necessidade de reencarnação”.

Reencarnação e Cristianismo – João R. Weronka

Baseando-se na Reencarnação (retorno da alma à vida corpórea, em um corpo diferente a cada evento), afirma-se que João Batista era o Elias reencarna­do. Entendem que quando Jesus disse a Nicodemos que era preciso nascer de novo, falava da Reencarnação. Em Lucas 1:17, entendemos claramente "...no espíri­to e virtude de Elias...", ou seja, no entusiasmo, vigor, veemência de Elias; Es­quecem ainda, que Elias não morreu (II Rs 2:11); O próprio João Batista responde sobre ser ele o Profeta Elias: "não sou" (Jo 1:21). Cristo deixou claro que se tratava do nascer da "água e do Espírito" (Jo 3:5); ao falar a Nicodemos, falou também a nós: não era para "tornar a entrar no ventre" da mãe para voltar a nascer (Jo 3:4).
Quando Jesus interroga os discípulos sobre a opinião das pessoas sobre Si mesmo, "responderam eles: Uns dizem que é João, o Batista; outros, Elias; e outros, Jeremias, ou algum dos profetas" (Mt 16.14). Quando os espíritas utilizam este texto para defender a reencarnação, esquecem que essa era a opinião das pessoas: "... dizem os homens..."Mt 16.13), que não conheciam a Jesus. O registro bíblico desses pareceres não significa que são verdadeiros. Tanto que, no versículo 16, desse mesmo capítulo, a resposta de Simão Pedro é prontamente aceita por Jesus (Mt 16.16,17). Ao concordar com a definição de Simão Pedro, automaticamente Jesus estava reprovando os "pareceres" manifestos anteriormente. Ou seja, não há, nesse texto, bíblico qualquer concordância ou apoio a esta doutrina.


3.2 A comunicação com os mortos

Conceitos orientadores: advinhação; ocultismo; magia negra; necromantes; sincretismos

Necromancia= Termo formado de dois vocábulos gregos, nekros, "morto" e manteia, "adivinhação", "presságio". Ou seja, Necromancia é uma forma de magia através da qual se procura revelar o futuro e obter conhecimentos ocultos por meio de consulta a pessoas mortas (1Sm 28:8). Segundo a informação de Is 8:19 e 29:4, era expediente comum os necromantes enganarem seus clientes através de mudança da voz.
(Dicionário Teológico Brasileiro Lázaro Soares de Assis)

...o ingresso de Kardec ocorreu por curiosidade quando ouviu falar no fenômeno das “mesas giratórias”. Afirma o espiritismo que “assistindo aos propalados fenômenos, finalmente, na casa da família Baudin, recebe muitas mensagens através da mediunidade das jovens Caroline e Julie. Depois de inúmeras e exaustivas observações, conclui que se trata de fenômenos inteligentes produzidos por espíritos”.
Embora o espiritismo tenha como pátria mãe a França, foi no solo brasileiro que esta falsa doutrina prosperou. É fato que o povo brasileiro possui facilidade em sincretizar crenças, portanto não é estranho que o Brasil tenha se tornado o maior país espírita do mundo, ao passo que na França tal crença declinou.

Reencarnação e Cristianismo – João R. Weronka

Os espíritas fazem preces em favor dos mortos e afirmam comunicar-se com eles. O que acontece nesses casos é a manifestação dos demônios, que usam fatos e expressões de pessoas mortas, para enganar. Como argumento bíblico, citam o caso do Rei Saul e a feiticeira de Endor. Estão mais uma vez equivocados, pois, quando o Rei Saul perguntou à feiticeira o que ela estava vendo, ela respondeu: "Vem subindo um ancião" (I Sm 28:14), é Saul quem chega a uma conclusão: "Entendendo Saul que era Samuel"(I Sm 28:14)¹. Daí, tudo que foi proferido pelo "ancião" foi atribuído, conforme o entendimento de Saul, como se fosse o Profeta Samuel. A prova disso é que as profecias dadas pelo dito ancião (I Sm 28:19) não cumpriram. Saul não morreu no dia seguinte, morreu vários dias depois (I Sm 30:1); nem todos os filhos de Saul morreram, apenas três (I Sm 31:2), Isbosete, Armoni e Mefibosete sobreviveram (II Sm 2:8-10; 21:8); Saul não foi entregue aos filisteus, cometeu suicídio (I Sm 31:4). A Bíblia condena veemente a tentativa de comunicação com os mortos (Dt 18:11; Is 8:19).
A Bíblia afirma que Saul consultou a "feiticeira" e não a Samuel nem ao Senhor (I Cr 10:13 e 14; Os. 4:12). Por conseguinte a entidade que dialogou com a feiticeira era um espírito demoníaco disfarçado de Samuel, como acontece nas sessões espíritas ainda hoje. Deus não respondeu a Saul nem por sonhos, nem por urim e nem por profeta (I Sm 28:6). Saul não obedeceu à ordem Divina, e as Escrituras são claras ao afirmar que qualquer pessoa envolvida com feitiçaria deveria ser morta. A Bíblia diz em Levítico 20:27 "O homem ou mulher que consultar os mortos ou for feiticeiro, certamente será morto. Serão apedrejados, e o seu sangue será sobre eles."

¹ Há entendimentos diversos sobre isto. Alguns afirmam (e dão bases) concluindo que, sim, era Samuel. Independentemente do meu ou do seu entendimento, Deus proibiu isto, sendo possível ou não uma “alma” de um morto falar. Sejamos sinceros: muitos de nós iriam sempre recorrer aos seus entes perdidos, caso Deus permitisse. O caso central aqui é o “não faça (nem fique tentando)” do Senhor.


3.3 A Salvação

Conceitos orientadores: purgação; aperfeiçoamento; evolução espiritual; espíritos puros; distorções bíblicas

Na tentativa de misturar crenças, Kardec escreveu diversos livros, interrogou os espíritos, filosofou e interpretou a Bíblia segundo as doutrinas espíritas. Ele chegou às seguintes conclusões:
“O Cristianismo e o Espiritismo ensinam a mesma coisa”. Evangelho Segundo o Espiritismo (ESE) Introdução, item VII.
“Fazei, pois, que em vos vendo, se possa dizer que o verdadeiro espírita e o verdadeiro cristão são uma só e mesma coisa”. ESE, Cap. XV, item 10.
“Meus filhos, na máxima: fora da caridade não há salvação, estão contidos os destinos dos homens na Terra e no céu”. ESE, Cap. XV, item 10.
“Ele [o Espiritismo] não ensina nada de contrário ao que o Cristo ensinou”. ESE, Cap. I, item 7.
...Por mais que existam teólogos universalistas (que defendem a salvação de toda humanidade) e membros de grupos que negam a existência do inferno, Jesus deixou este ensino muito claro em João 5.28-29: “Não vos maravilheis disto; porque vem a hora em que todos os que estão nos sepulcros ouvirão a sua voz. E os que fizeram o bem sairão para a ressurreição da vida; e os que fizeram o mal para a ressurreição da condenação.” (Ver também Mateus 22.23-33; Marcos 12.18-27; Lucas 20.27-38).
A volta de Jesus está intimamente ligada à obra de expiação pelo Seu povo. Diz João 6.39,44,54: “E a vontade do Pai que me enviou é esta: que nenhum de todos aqueles que me deu se perca, mas que o ressuscite no último dia. Ninguém pode vir a mim, se o Pai que me enviou o não trouxer; e eu o Ressuscitarei no último dia.” (Ver também João 11.25-26; 14.19).
...Uma vida. Uma morte. Ressurreição. Salvação ou condenação. Não existe outro fim (Hb 9:27)

Reencarnação e Cristianismo – João R. Weronka

Os espíritas pregam que a salvação vem pela prática de boas obras e por meio de sucessivas reencarnações, que servem para aprimorar as qualidades da alma. Paulo refuta essa heresia ao escrever aos Efésios, esclarecendo que a salvação não é uma conquista ou um mérito humano: "porque pela graça sois salvos... não vem de vós... não vem das obras... é dom de Deus" (Ef 2:8 e 9; I Pd 1:19).



Conclusão

Como se vê, não é aceitável a pretensão de o Espiritismo em ser uma organização cristã. O Espiritismo segue os conteúdos que julgam haver recebido dos espíritos, através da mediunidade, invoca espíritos desencarnados, acreditam na reencarnação, na Lei do Carma, além de negar a Divindade de Jesus, rebaixando-o a posição de um médium apenas.


Fontes:

Bíblia Sagrada ARC/ARA/ACF/TB/BV/RV/NTLH
Religiões, Seitas e Heresias – Como identificar e refutar os Falsos Profetas e seus ensinos (revista EBD professor) – Editora Betel – 1º Trimestre 2014 – Lição 02
O Antigo Testamento Interpretado – Norman Champlin – Hagnos
Comentário Bíblico Matthew Henry (Conciso) – Matthew Henry – CPAD
Comentário Bíblico Moody AT/NT – Editora Batista Regular
Comentário Bíblico Esperança NT – Editora Evangélica Esperança
Seitas e Heresias – Diversos autores (Internet)
Seitas e Heresias, Um sinal dos tempos – Raimundo F. de Oliveira – CPAD
Manual de Apologética Cristã – Esequias Soares – CPAD
O Espiritismo Kardecista e suas Incoerências (link)
Uma Fábrica de Loucos: Psiquiatria X Espiritismo no Brasil (tese)
Espiritismo volume I (link)
Espiritismo Allan Kardec (link)
Por que Espiritismo? (link)
Reencarnação à Luz da Bíblia (link)
Reencarnação e Cristianismo (link)
Espiritismo Científico (link)
www.cacp.org.br
www.napec.org

Bibliografia indicada (estude mais)

O Livro dos Espíritos – Allan Kardec – Boa Nova Editora, Catanduva, SP
O Evangelho Segundo O Espiritismo – Allan Kardec – Instituto de Difusão Espírita, Araras, SP
Revista Época n.º 424 – julho 2006 – disponível também em www.epoca.com.br
Reencarnação e sua Exegese Bíblica (link)

Questionário

1. Segundo alguns teólogos, onde aconteceu a primeira sessão es­pírita?
R. No Jardim do Eden.
2. Onde está o maior reduto espí­rita no Mundo?
R. No Brasil.
3. Qual o significado da expressão bíblica: "no espírito e virtude de Elias"?
R. Significa o entusiasmo, vigor, veemência de Elias.
4. Segundo as Sagradas Escritu­ras, quantas vezes está ordenado ao homem morrer?
R. Aos homens está ordenado mor­rerem uma só vez.
5. Para o Apóstolo Paulo, a salva­ção é um mérito do homem?
R. Não, é dom de Deus.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Colabore conosco: escreva seus pontos de vista, opiniões ou críticas. Contamos contigo neste trabalho