domingo, 16 de fevereiro de 2014

EBD Editora Betel - Wicca, Um Nome Moderno para a Velha Bruxaria



Assembleia de Deus CONAMAD
Lição 09 – 02 de Março de 2014
Revistaebd Revista escola bíblica dominical editora betel conamad Passagem bíblica trecho bíblico bíblia como estudar teologia bíblia escola dominical escola dominical betel escola biblica betel escola bíblica betel escola dominical conamad auxilio professor ajuda professor subsídio professor auxílio professor subsidio comentario ebd comentário bíblico ebd professor mestre comentário biblico escola dominical comentario biblico escola bíblica comentario bíblico pregação pregador palestra estudo bíblico bíblico

Texto Áureo

“Abandonaram o Senhor Deus de seus pais, que os tirara da terra do Egito, e foram-se após outros deuses, dentre os deuses dos povos que havia ao redor deles, e os adoraram; e provocaram o Senhor à ira, abandonando-o, e servindo a baalins e astarotes.” Jz 2:12 e 13

Os filhos de Israel ... serviram aos Baalins. Baal era um deus da fertilidade, cuja adoração, segundo se acreditava, concedia fertilidade aos homens, animais e campos. Uma vez que Baal era adorado em manifestações locais (Baal-Peor, Baal-Gade, Baal-Zeboul, etc.), era usado o plural, Baalins.
Deixaram o Senhor, e serviram a Baal e a Astarote. Astarote era o correlativo feminino dos Baalins. Astarte era o equivalente cananita da Ishtar babilônica, a deusa do amor e da fertilidade.

                Comentário Bíblico Moody

Verdade Aplicada

Baal, Astarote, Duendes, Fadas e “Bruxinhos do Bem”, são nomes utilizados pelo paganismo, no decorrer da história da humanidade, para camuflar a verdadeira identidade da velha serpente: Lúcifer.

Objetivos da Lição

Fazer conhecida a origem da seita Wicca;
Conhecer as divindades Wiccanianas;
Refutar as principais heresias do Wiccanismo.

Glossário

Inculcar: repetir uma ideia ou um conceito com insistência, para fixá-la no cérebro;
Cornífero: que tem cornos, tentáculos, antenas; Que tem excrescências em forma de chifres;
Consorte: companheiro na mesma sorte ou destino; cônjuge.

Textos de Referência

Jz 2:11 - Então os filhos de Israel fizeram o que era mau aos olhos do Senhor, servindo aos baalins;
Jz 2:12 - Abandonaram o Senhor Deus de seus pais, que os tirara da terra do Egito, e foram-se após outros deuses, dentre os deuses dos povos que havia ao redor deles, e os adoraram; e provocaram o Senhor à ira,
Jz 2:13 - abandonando-o, e servindo a baalins e astarotes.
Jz 2:14 - Pelo que a ira do Senhor se acendeu contra Israel, e ele os entregou na mão dos espoliadores, que os despojaram; e os vendeu na mão dos seus inimigos ao redor, de modo que não puderam mais resistir diante deles.


Introdução

Paganismo= A palavra pagão provém do latim paganus, cujo significado é o de uma pessoa que viveu numa aldeia, num dado país, um rústico. O uso mais comum da palavra no latim clássico era utilizado para designar um civil, alguém que não era um soldado. Em torno do século IV, o termo paganus começou a ser utilizado entre os cristãos no Império Romano, para se referir a uma pessoa que não era um cristão e que ainda acreditava nos antigos deuses romanos. (Wikipedia)

Através de livros, desenhos animados e filmes, a bruxaria tem adentrado nos lares em todo mundo. Estão inculcando, tanto nas crianças como nos adultos, a existência de “bruxinhos do bem”. Crenças e rituais praticados pelos Wiccanos lembram as religiões pagãs, que buscavam “equilíbrio”, dizem eles, “entre o bem e o mal”. A sua adoração é dirigida a divindades composta por duas deidades: “a deusa mãe”, que para eles representa a parte feminina do poder; e o “deus cornífero” que é venerado por eles como poderoso pelo fato de possuir chifres. Conheça, através desta lição, um pouco dessa seita, que é atualmente a principal divulgadora da bruxaria moderna.

Hoje em dia, os feiticeiros estão presentes em inúmeros lugares: fantasiados nas ladeiras da cidade de Olinda durante o carnaval, nas telinhas das TVs e nos protestos globalizados pela paz mundial. Eles estão lá... muitas vezes tímidos freqüentadores de covens (grupos de pessoas que estudam e praticam a bruxaria) em sítios distantes dos centros urbanos. Outras vezes, exibidos e provocando aqueles que passam ao largo (com a mesma desenvoltura das prostitutas do "Bairro da Luz Vermelha", em Amsterdã).
Assim sendo, cientes de que nossos filhos podem estar sendo indiretamente aprendizes de feiticeiros e que estamos vendo uma nova geração de cananeus chiques surgindo no planeta, não temos tempo a perder!
...Inculquemos nas nossas mentes e nas dos nossos filhos o amor genuíno por Deus e, "finalmente, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é respeitável, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se alguma virtude há e se algum louvor existe, seja isso o que ocupe os vosso pensamento" (Filipenses 4.8).

                Wicca, A feitiçaria chique – Jesussite



1. Histórico da Bruxaria chamada Wicca

Ocultismo= Consiste no estudo e prática de ciências que se rodeiam de mistério. É a ciência das coisas ocultas ou estudo das coisas e fenômenos para os quais as leis naturais ainda não deram explicação.
Algumas das ciências ocultas, como a alquimia (arte de transmutação dos metais) e a Astrologia (predição dos acontecimentos através do estudo dos astros), tiveram algumas contribuições na criação de algumas ciências exatas. Algumas outras, como a adivinhação, magia e cabala, não funcionam de acordo com as regras da ciência positiva. A Levitação e a Telepatia são algumas outras ciências que estão ligadas ao ocultismo. (www.significados.com.br)

Wicca, seita popularizada por Gerald Brosseau Gardner, nascido em 13 de junho de 1884, na Inglaterra, faleceu em 12 de fevereiro de 1964. Gardner era fascinado pelo ocultismo, buscando contato com várias seitas e, em diversos lugares do mundo, foi agregando conhecimento e crenças em bruxaria. Antes de criar suas próprias doutrinas, Gardner foi membro da Maçonaria, membro da Rosa-cruz, fez parte de grupos praticantes de bruxaria na Inglaterra e sofreu a influência do amigo Aleister Crowley, um homem conhecido pela prática e pela divulgação do culto satânico.
            A Wicca chegou ao Brasil em meados da década de 80. Somente a partir do início dos anos 90, é que surgiram, no mercado brasileiro, os primeiros livros sobre o assunto; que são traduções de obras populares nos Estados Unidos, de autores como Lois Bourne, Scott Cunningham e Laurie Cabot. Apenas a partir de 1998, é que se nota uma multiplicação de títulos e uma grande difusão da sua doutrina aqui no Brasil. Essa propagação se deu principalmente através da Internet, onde o número de referências e sites sobre o assunto ultrapassam hoje 50 mil. Atualmente no Brasil existe uma associação registrada - a Abrawicca - com ramificações na maioria dos estados brasileiros e uma igreja registrada em Minas Gerais.
            Muito nos alegramos ao recebermos várias queixas de alunos e visitantes do site sobre a ausência da Maçonaria nesta revista. É citada, linhas acima, a passagem de Gardner por vários grupos, inclusive na referida. Cabe aos professores ‘introduzir uma cunha’ neste assunto, ao menos como breves explicações, aproveitando a oportunidade.


1.1 O Temo “Wicca”

Conceitos orientadores: magia negra; sincretismo religioso; abominação

Gardner escreveu e publicou os livros “A Bruxaria Hoje” (1954) e “O Sentido da Bruxaria” (1959). Seus pensamentos ficaram populares na Inglaterra, disseminando seus entendimentos sobre os ensinos e doutrinas de magia e ocultismo. Rapidamente estes ensinos estavam espalhados em todo o Reino Unido.
Tais doutrinas escritas nas mesmas obras foram chamadas tempos depois de Gardnerianismo. Houve o resgate do termo “Wicca”, que em tempos muito antigos faziam referências aos "Bruxos" ("wiccas"= os sábios). A palavra wicca derivada do Inglês Witchcraft (Bruxaria).

Continua...

1.2 A Prática do Wiccanismo

Conceitos orientadores: orgias ritualísticas; prostituição religiosa; depravação; luxúria

Ao serem reunidos rituais antigos de feitiçaria e outros de seitas orientais, surgiu então uma nova forma da prática antiga de bruxaria. Pratica-se um rito wiccano sozinho (“bruxo solitário”) ou em grupos, “covens” (comunidade praticantes dos rituais Wiccanos), nos quais vários praticantes juntam-se em seus ritos. O Círculo de Adoração é um exemplo, onde se faz uma linha com sal grosso, areia fina e uma pequena bancada serve de altar. Ali se colocam incenso e o material de acordo com a finalidade. Há ramificações Wicca, onde os rituais são feitos estando os praticantes totalmente nus, um verdadeiro culto à promiscuidade, como nos antigos Cultos da Fertilidade.

Continua...

1.3 A Iniciação ao Wiccanismo

Conceitos orientadores: ritos de passagem; acolhimento; assédio sexual; iniciações religiosas; sociedades secretas

Para se tornar um wiccaniano, o candidato passa por várias etapas, cada uma delas com seus rituais, que vão desde a prática do ato sexual entre o candidato e um alto sacerdote ou sacerdotisa Wiccana, conforme o sexo do candidato, até a prática homossexual.

Em elaboração


2. As Divindades Wiccas

Os Wiccanos celebram “o casal divino”: a “deusa mãe” e o “deus cornífero”. Esses dois possuem muitas faces – faces representadas por diversos deuses e deusas em várias culturas espalhadas pelo mundo.

Em elaboração

2.1 A “Deusa Mãe”

Conceitos orientadores:

Esta deusa é ensinada e crida como sendo uma deusa tríplice: uma deusa virgem, uma deusa-mãe e uma deusa anciã (uma paródia da Trindade, masculina em sua apresentação e estudo). Cada uma tem respectivas associações: a Virgindade, a Fertilidade e a Sabedoria. Comumente é descrita como “Deusa Lua” (Cristo, o Sol da Justiça?) ou “Deusa Mãe” (Deus, o nosso Pai?) por representar a mãe, a mais forte (a Bíblia dia que a Mulher é o vaso mais fraco). Ela seria a autora da criação de tudo, até mesmo do próprio “deus chifrudo”. Este, ao ser criado, igualou-se à “deusa mãe”, em importância.

Continua...

2.2 O “Deus Cornífero” ou “Deus Chifrudo”

Conceitos orientadores:

Em Apocalipse temos citações das bestas e referências a possuírem chifres. Os praticantes de Wicca explicam que um “deus chifrudo” representa poder e força, e não o Diabo. Dizem ainda que nas civilizações antigas os chifres simbolizam a masculinidade. Entretanto, o que é adorado por eles não é uma figura masculina, e sim uma divindade “fêmea” (uma divindade chifruda, aliás). A desconexa explicação dada é totalmente fraca e frágil. Isso é uma retomada à Bruxaria e aos cultos a demônios.

Continua...

2.3 A Bíblia condena as divindades wiccanas

Conceitos orientadores:

Na História tais divindades tiveram vários nomes. A “Deusa Mãe”: Artemes, Astarote, Diana, etc. O “Deus Chifrudo”: Apolo, Cernutos, Lúcifer, Osires, etc. A crença em tais divindades, cultos, adoração e suas são práticas muito antigas. Lemos relatos nas Escrituras sobre Deus abandonar o Povo de Israel por cultuar Asterote, “a Deusa Mãe” (Jz 2:12-14). Salomão entregou-se aos deuses Quemos e Moloque (deuses de suas centenas de mulheres); construiu altares e os dedicou para cultos ritualísticos (I Rs 11:7); tornou-se um idólatra: “fez para todas as suas mulheres estrangeiras, as quais queimavam incenso e ofereciam sacrifícios a seus deuses” (l Rs 11:8). Por tais atos, o Rei Salomão perdeu o reinado (I Rs 11:11). Ele seguiu outros deuses, dando as costas ao Pacto e aos Estatutos que Deus ordenou.

Continua...


3. Principais heresias Wiccas

Não existe nenhum tipo de "livro sagrado" ou "revelação" na Wicca. As fontes que fundamentam a crença e a prática dessa seita são literaturas sobre a bruxaria, que consiste basicamente em obras (na sua maior parte estrangeiras) de sacerdotes wiccanos renomados, como os escritos de Gardner. Destacam-se porém algumas heresias, como segue:

Em elaboração

3.1 Princípio Ético

Conceitos orientadores:

O princípio ético que rege os wiccanos diz: “Se não causar dano a ninguém, faça o que quiser”. Uma liberdade sem limites que leva muitos a ações de total irresponsabilidade, visto que o “causar dano” fica a critério do praticante da ação. Quando o homem faz o que quer, baseado neste princípio, comete pecados (Ec 12.14).
            Este princípio ético dos wiccanos revela todo egoísmo, a cobiça, a luxúria e a plena satisfação dos seus próprios desejos sensuais. Por essa razão, o homem sofre a reprovação de Deus. Ainda hoje, e entre gente civilizada, pessoas destituídas de qualquer sentimento de responsabilidade para com os seus semelhantes e para com o próprio Deus, obedecendo a seus próprios instintos e dominados pelas suas paixões carnais, fazem o que querem. Mas, até que ponto se tem consciência que ao fazer o que quer, não está ferindo o direito do outro? Uma religião impura resulta numa vida também impura. Esse quadro do paganismo, relatado pelo Apóstolo Paulo, retrata bem os dias atuais, onde os vícios desavergonhados e pecados antissociais revelam um tempo de indivisível decadência moral, graças às heresias como esta, “faça o que quiser”. Devemos ter o cuidado de não confundir tal afirmação Wicca com o livre arbítrio; vale a pena lembrar que Deus não deu o livre arbítrio para o homem pecar, e sim, para que o ato de servir a Deus seja uma escolha e não uma obrigação.

Em elaboração

3.2 Conceito de Bem e Mal

Conceitos orientadores:

“O que é mal para uma pessoa, pode ser um bem para outra”, este é o conceito do bem e do mal que rege os wiccanos. Para eles, a existência do mal é fundamental para dar sentido ao bem. Assim, veneram as trevas e o mal. A Palavra de Deus, no entanto, condena veemente tal prática ao afirmar que “quem anda nas trevas não sabe para onde vai” (Jo 12.35). O Cristão deve andar em novidade de vida e em plena luz (Ef 5.8). Praticar o bem e fugir do mal e de sua aparência, faz parte do dever do cristão (lTe 5.22), pois o mal, na Bíblia, é sempre visto como desequilíbrio. O homem, por causa do pecado, tornou-se um desajustado espiritual, restando a ele a condenação, se o mesmo não se arrepender de seus pecados.


Continua...

3.3 Ensino dos Sabás e Esbás.

Conceitos orientadores:

Sabás, “A Roda do Ano” ou “mandala da natureza”, como também é conhecida, são celebrações comemorativas que marcam as mudanças das estações do ano. É uma ocasião em que os bruxos celebram a natureza, dançam, cantam, deleitam-se com alimentos e honram as deidades, principalmente a “deusa” da fertilidade e seu consorte, como o denominam: “deus chifrudo”. Em certas tradições Wiccanas, a “deusa” é adorada nos “sabás” da primavera e do verão, enquanto o “deus chifrudo” é homenageado nos “sabás” do outono e do Inverno. Os “esbás” são o nome dado aos rituais de adoração, que acontecem nos momentos das celebrações. Há relatos que, nessas celebrações, os rituais são praticados pelas pessoas totalmente nuas.
            No Velho Testamento, encontramos inúmeros registros de práticas idólatras, todas condenadas por "Deus, dentre elas, a que “queimavam incenso a Baal, ao sol, à lua, aos planetas, e a todo o exército do céu” (2Rs 23.5). A natureza deve ser preservada e até mesmo admirada, mas nunca se deve confundir este cuidado com a veneração no sentido de prestar-lhe cultos. A Palavra de Deus não deixa dúvidas ao declarar que o homem não deve ter outro Deus (Ex 20.3), visto que a própria natureza é a manifestação da glória de Deus (Sl 19.1). A própria criação de Deus é convidada a louvar a Deus: “Cantai alegres, vós, ó céus, porque o Senhor o fez; exultai vós, as partes mais baixas da terra; vós, montes, retumbai com júbilo; também vós, bosques, e todas as suas árvores; porque o Senhor remiu a Jacó, e glorificou-se em Israel.” (Is 44.23)

Em elaboração


Conclusão

A seita Wicca vem ganhando um sólido espaço entre as múltiplas religiões no Brasil. Embora ainda carente de algumas definições e bastante associada ao esoterismo, está sendo disseminada através da Internet, nos inúmeros títulos nas livrarias e mesmo em publicações populares distribuídas nas bancas de jornal, trazendo heresias que devem ser refutadas, visto que é uma crença baseada, principalmente, na magia, prática condenada por Deus.


Fontes:

Bíblia Sagrada ARC/ARA/ACF/TB/BV/RV/NTLH
Religiões, Seitas e Heresias – Como identificar e refutar os Falsos Profetas e seus ensinos (revista EBD professor) – Editora Betel – 1º Trimestre 2014 – Lição 09
Seitas e Heresias, Um sinal dos tempos – Raimundo F. de Oliveira – CPAD
Seitas e Heresias (apostila) – Seminário SEMEADOR (link)
Seitas e Heresias DGCEC (link)
Herisiologia (link)
Manual de Apologética Cristã – Esequias Soares – CPAD
ICP http://www.icp.com.br
Princípios de Interpretação Bíblica – Vilson Scholz – Ed. ULBRA
Novo Dicionário da Bíblia – John Davis – Ed. Hagnos
Enciclopédia Ilúmina
O Antigo Testamento Interpretado – Norman Champlin – Hagnos
O Novo Comentário da Bíblia – F. Davidson – Vida Nova
Comentário Bíblico Matthew Henry (Conciso) – Matthew Henry – CPAD
Comentário Bíblico Moody – Editora Batista Regular
Comentário Bíblico Esperança NT – Editora Evangélica Esperança

Wicca, A feitiçaria chique (link)

3 comentários:

  1. Estamos aprendendo muito sobre o engodo das ditas seitas que vem a cada dia conquistando mais adeptos por falta de conhecimento da verdade.

    ResponderExcluir
  2. Estamos aprendendo muito com os estudos desse trimestre sobre seitas e heresias, neste domingo vamos estudar mais uma que wicca, bruxaria ,religião, filosofia.vamos a EBD e saberemos.Dom. 9:00

    ResponderExcluir
  3. Estarei aplicando esse estudo na AD Madureira, Nova Holanda Macaé-RJ, sou ex-wiccano, depois fui praticante da bruxaria tradicional, gostei muito das lições deste trimestre, pois os alunos vão poder saber evangelizar pessoas que não conhecem a Cristo.

    ResponderExcluir

Colabore conosco: escreva seus pontos de vista, opiniões ou críticas. Contamos contigo neste trabalho